Iníco / Terra Plana / 3 coisas que você precisa saber sobre os chineses — Parte 3 de 3

3 coisas que você precisa saber sobre os chineses — Parte 3 de 3

Astrônomos chineses ensinaram que a Terra era plana e coberta por um domo “guarda chuva” até a chegada os Jesuítas

Mapa chinês da Terraplana.

“Na China e no Japão, só foi no século 16, com a chegada dos ocidentais, que passou-se a entender a Terra como esférica.” Em, “OS ANTIGOS REALMENTE ACREDITAVAM QUE A TERRA É PLANA?”, publicado em Aventuras na História (Uol).

Os antigos chineses aceitavam que a Terra fosse um plano geocêntrico e que uma cobertura semelhante a um guarda-chuva a cercava, semelhante às crenças dos antigos gregos, indianos, egípcios, nórdicos e germânicos, bem como dos povos aborígines das Américas.

Os astrônomos chineses acreditavam que o céu toma seu corpo do yang, por isso é redondo e em movimento, e que a Terra toma seu corpo do Yin, por isso é plana e quiescente. Os brilhantes astrônomos da China mantiveram essa crença imutável até que os missionários jesuítas chegaram à China no século XVII.

Alberto Rivera, um ex-padre jesuíta, afirmou que o objetivo da Ordem dos Jesuítas era criar uma religião mundial única, influenciando todas as instituições de pensamento. Seu objetivo, eu acredito, não é fazer com que todos pertençam a apenas uma igreja, mas para que todas as igrejas sigam sua cosmologia e forma de pensamento. Ao assumir as ciências, eles podem eliminar quaisquer crenças divinas maiores na criação da Terra.

Lawrence Krauss, físico, cosmólogo e professor de fundação da Escola de Exploração Espacial e Terra da Universidade Estadual do Arizona afirma: “As leis da física permitem que a Terra comece do nada, então você não precisa de uma divindade.”

Fonte: http://www.learn-about-feng-shui.com/globe-or-flat-earth.html

Estes livros que estamos disponibilizando para download comprovam essa informação e vão muito mais além:

When the Earth Was Flat_ Studies in Ancient Greek and Chinese Cosmology
When-the-Earth-Was-Flat_-Studies-in-Ancient-Greek-and-Chinese-Cosmology-PDFDrive.com-

Astronomy and Mathematic in Ancient China
astronomy-and-mathematic-in-ancient-china

Zhou bi Suan Jing
Zhou_bi_suan_jing

A cosmologia da China antiga pode ser vista na arte, arquitetura e nos escritos mais antigos deste povo. Ela está fortemente impregnada com as religiões dominantes, o Taoismo e o Confucionismo. …

A interpretação chinesa da orientação física do universo teve pouca influência filosófica. Existem várias interpretações individuais diferentes mas cada uma delas contém várias idéias básicas comuns sobre a estrutura universal.

Sabemos que os chineses na verdade distinguiam entre estrelas e planetas e que eles já tinham notado o comportamento errático de vários corpos celestes.

Fonte: http://www.learn-about-feng-shui.com/globe-or-flat-earth.html

Três primeiros modelos chineses

Os primeiros chineses elaboraram suas imagens do universo com foco nas relações entre o Céu e a Terra, como acontece na Bíblia.

Três modelos cosmológicos foram defendidos por diferentes escolas e mantidos válidos por um longo tempo. Esses modelos já foram altamente avançados na história humana, mas como um todo, por causa da falta de teorias sistemáticas, falharam em avançar e foram substituídos no século XVII pelas teorias ocidentais.

Três primeiros modelos chineses do universo.

Modelo Gai Tian (Cúpula Hemisférica)

Modelo de Hun Tian (esfera celestial)

Teoria de Shuen Ye (Infinito)

A grande ênfase na ética da escola filosófica mais dominante, o confucionismo, teve muito a ver com a maneira como os chineses concebiam o mundo. É também frequentemente considerado como um dos principais obstáculos para eliminar suas crenças infantis da teoria científica (Jin et al., 1996). A ciência chinesa desenvolveu-se juntamente com um esforço de participação ativa no mundo real e, consequentemente, uma ênfase na tecnologia. A maioria dos experimentos foi conduzida para fins práticos e poucos para a verificação de teorias científicas. Jin et al. (1996) apontou que a doutrina confuciana repousa sobre uma concepção particular do mundo que eles chamam de “homem na natureza”.

Portanto, os cientistas chineses tomaram como certo que suas tarefas são “descobrir” e “seguir” as regras naturais, ao invés de “raciocinar”. Essa visão não demoliu nem mesmo no século XIX, quando o eminente estudioso Ruan Yuan ainda se queixava das teorias cambiantes na astronomia ocidental: “As leis estão sempre mudando … não sei onde está a verdadeira razão”. Prosseguiu argumentando que “as leis celestes são tão profundas e sutis que estão além da capacidade humana”. Portanto, prevalece na história da ciência chinesa que as teorias pretendem expressar certezas em vez de buscar razões. Só assim as teorias podem “durar para sempre sem erros” (Jin et al., 1996).

Para salientar novamente, a falta de raciocínio é considerada um obstáculo à revisão de suas teorias científicas. Os três modelos cosmológicos dominantes no início da China começaram em tempos ligeiramente diferentes, mas todos permaneceram com suas vozes até o século XVII, quando os missionários jesuítas chegaram à China e transmitiram a visão ocidental da ciência.

Vale a pena notar que dois dos modelos (Hun Tian e Gai Tian) mantiveram uma Terra plana, como um disco ou um quadrado, e os céus redondos, esféricos ou hemisféricos, enquanto o terceiro (Shuen Ye) não deu descrições das formas, mas manteve a Terra planaq (horizontal).

As principais características dos antigos modelos chineses do universo incluem:

1. Os modelos não abordam o que conhecemos como “universo”, mas sim “Céu e Terra” — um universo “pesquisável” –, Precisamente, “Céu e Terra” denota um espaço a ser observado da Terra e ser o lar de todas as entidades celestes visíveis. Acreditava-se que além deste espaço há um cosmos infinito desconhecido.

2. A Terra era plana.

3. Os céus eram arredondados; os corpos celestes estavam se movendo livremente.

Essas características são notavelmente distintas daquelas dos modelos cosmológicos gregos em que o universo era finito, a Terra era redonda (esférica) em seu centro e os céus eram camadas de esferas sólidas; os corpos celestes estavam ligados às camadas, respectivamente.

Fonte: https://www.eduhk.hk/apfslt/v7_issue2/liusc/lisc5.htm

Portanto, existiam inicialmente três modelos de orientação celeste:

Gai Tian era a teoria do firmamento em forma de domo. Ele colocava o que hoje chamamos de Ursa Maior no centro do domo celeste e a China ficava no centro da Terra.

Hun Tian era a escola que previa um firmamento esférico com uma forma muito semelhante a um ovo de galinha onde a terra é como a gema. O firmamento era mantido suspenso por um vapor chamado “qi”. Esta teoria particular conduziu a vários avanços tecnológicos na astronomia como a construção de esferas e anéis armilares.

Xuan Ye era a teoria que nos dizia que o universo era infinito e os corpos celestes estavam suspensos nele. Essa idéia, obviamente, não era justificada por qualquer fato ou observação.

Em quase todas estas interpretações do firmamento, um vento ou vapor celestial sustentava os corpos celestiais. Este é um conceito chines muito comum no qual o vento não somente mantinha suspensas as estrelas fixas no céu mas também, devido ao arrasto viscoso proveniente da Terra, produzia o movimento para trás do Sol, da Lua, dos cinco planetas visíveis e das estrelas.

Os chineses percebiam o céu como sendo arredondado. Ele tinha nove níveis cada um dos quais separado por um portão e guardado por um ser particular. O nível mais alto era o “Palácio da Tenuidade Púrpura”. Era ai que o Imperador do Céu vivia, na constelação que hoje chamamos de Ursa Major.

No centro do céu estava o Pólo Norte e a Estrela Polar. O pólo celeste era uma característica crítica da cosmologia chinesa. Para os chineses o centro era o ponto geográfico mais importante porque ele era o mais próximo ao firmamento. Eles acreditavam que o coração da civilização estava situado no centro da Terra e à medida que a Terra se espalhava para fora deste centro as terras e seus habitantes se tornavam cada vez mais selvagens.

Fonte: https://www.fisica.net/giovane/astro/Modulo1/cosmologia-antiga.htm

Texto extraído da Wikipédia em Português com referências:

Na China antiga, a crença predominante era que a Terra fosse plana e quadrada, enquanto o céu era redondo,[1] uma suposição praticamente inquestionável até a introdução da astronomia europeia no século XVII.[2][3][4] O sinologista inglês Cullen enfatiza o ponto de que não havia conceito de uma Terra redonda na antiga astronomia chinesa:

O pensamento chinês sobre a forma da terra permaneceu quase inalterado desde os primórdios até os primeiros contatos com a ciência moderna, por meio dos missionários jesuítas, no século XVII. Enquanto os céus eram descritos como uma espécie de guarda-chuva que cobre a Terra (a teoria de Kai Tian), ou como uma esfera que a circunda (a teoria de Hun Tian) ou como sendo sem substância enquanto os corpos celestes flutuam livremente (a teoria de Hsüan Yeh), a Terra era sempre plana, embora talvez ligeiramente curvada.[5]

O modelo de um ovo foi frequentemente usado por astrônomos chineses, como Zhang Heng (78–139 d.C.) para descrever os céus como esféricos:

Os céus são como um ovo de galinha e tão redondos como uma bala de besta; a Terra é como a gema do ovo e está no centro.[6]

Esta analogia com um ovo levou alguns historiadores modernos, notavelmente Joseph Needham, a conjecturar que os astrônomos chineses estavam, afinal, conscientes da esfericidade da Terra. A referência do ovo, no entanto, era mais uma vez para esclarecer a posição relativa da Terra plana para os céus:

Em uma passagem da cosmogonia de Zhang Heng não traduzida por Needham, o próprio Zhang diz: ‘O céu leva seu corpo do Yang, então é redondo e está em movimento. A Terra leva seu corpo do Yin, então é plano e quiescente’. O ponto da analogia do ovo é simplesmente para enfatizar que a Terra está completamente fechada pelo céu, em vez de simplesmente coberta de cima como o Kai Tian descreve. Os astrônomos chineses continuaram a pensar em termos de Terra plana até o século XVII; este fato surpreendente pode ser o ponto de partida para uma nova análise da aparente facilidade com a qual a ideia de uma terra esférica encontrou aceitação no século V a.C., na Grécia.[7]

Outros exemplos citados por Needham, que supostamente demonstram vozes dissidentes do antigo consenso chinês, referem-se, sem exceção, à Terra, sendo quadrada, e não plana.[8] O estudioso Li Ye, no século XIII, argumentou que os movimentos do céu redondo seriam prejudicados por uma Terra quadrada,[9] não defendiam uma Terra esférica, mas sim que sua borda deveria ser arredondada para que o domo circulasse.[10] No entanto, Needham discordou, afirmando que Li Ye acreditava que a Terra fosse esférica, semelhante em forma aos céus, porém muito menor.[11] Isso foi preconcebido pelo erudito do século IV Yu Xi, que defendia o o infinito do espaço exterior em torno da Terra e que este último poderia ser quadrado ou redondo, assim como a forma dos céus.[12] Quando os geógrafos chineses do século XVII, influenciados pela cartografia e astronomia europeias, mostraram a Terra como uma esfera que poderia ser circum-navegada, navegando ao redor do globo, eles o fizeram com uma terminologia estereotipada usada anteriormente por Zhang Heng para descrever a forma esférica do sol e da lua (ou seja, que eles eram tão redondos quanto uma bala de besta).[13]

Conforme observado no livro Huainanzi,[14] no século II a.C., os astrônomos chineses efetivamente inverteram o cálculo da curvatura da Terra por parte de Eratóstenes para calcular a altura do sol acima da Terra. Ao assumir que a Terra fosse plana, eles chegaram a uma distância de 200,000. Zhoubi Suanjing também discute como determinar a distância do Sol, medindo o comprimento das sombras do meio-dia em diferentes latitudes, um método semelhante à medida circuncêntrica da Terra de Eratóstenes, mas Zhoubi Suanjing assume que a Terra seja plana.[15]

Dinastia Ming na China

Um globo terrestre esférico foi introduzido em Pequim no ano de 1267 pelo astrônomo persa Jamal ad-Din, mas não se sabe que tenha influenciado a concepção tradicional chinesa da forma da Terra.[16] Até 1595, um missionário jesuíta na China, Matteo Ricci, registrou que os chineses diziam: “A terra é plana e quadrada, e o céu é um dossel redondo, eles não conseguiam conceber a possibilidade de antípodas.”[10] A crença universal em uma Terra plana é confirmada por uma enciclopédia chinesa contemporânea a partir de 1609, que ilustra uma Terra plana que se estende sobre o plano diametral do horizonte de um céu esférico.[10]

No século XVII, a ideia de uma Terra esférica se espalhou na China devido à influência dos jesuítas, que ocuparam altas posições como astrônomos na corte imperial.[9] Matteo Ricci, em colaboração com cartógrafos chineses e também com o tradutor Li Zhizao, publicou [[Kunyu Wanguo Quantu] em 1602, o primeiro mapa-múndi chinês baseado nas descobertas europeias.[17] Por outro lado, o tratado astronômico e geográfico “Gezhicao” (格致 草), escrito em 1648 por Xiong Mingyu (熊 明 遇), explicava que a Terra era esférica e poderia ser circunavegada.[9]

  1.  Needham, Joseph (1986). Science and Civilization in China: Volume 3. Taipei: Caves Books, Ltd. pp. 498.
  2.  Martzloff, Jean-Claude (1993–94). «Space and Time in Chinese Texts of Astronomy and of Mathematical Astronomy in the Seventeenth and Eighteenth Centuries»Chinese Science11. 66–92 [p. 69]
  3.  Cullen, Christopher (1980). «Joseph Needham on Chinese Astronomy». Past & Present87 1 ed. 39–53 [pp. 42 & 49]. JSTOR 650565doi:10.1093/past/87.1.39
  4.  Cullen, Christopher (1976). «A Chinese Eratosthenes of the Flat Earth: A Study of a Fragment of Cosmology in Huai Nan tzu 淮 南 子». Bulletin of the School of Oriental and African Studies39 1 ed. 106–127 [pp. 107–109]. doi:10.1017/S0041977X00052137
  5.  Cullen, Christopher (1976). «A Chinese Eratosthenes of the Flat Earth: A Study of a Fragment of Cosmology in Huai Nan tzu 淮 南 子». Bulletin of the School of Oriental and African Studies39 1 ed. 106–127 [p. 107]. doi:10.1017/S0041977X00052137
  6.  Needham, Joseph (1959). Science and Civilisation in China3. [S.l.]: C.U.P. 219. ISBN 0-521-63262-5
  7.  Cullen, Christopher (1980). «Joseph Needham on Chinese Astronomy». Past & Present87. 39–53 [p. 42]. JSTOR 650565doi:10.1093/past/87.1.39
  8.  Cullen, Christopher (1976). «A Chinese Eratosthenes of the Flat Earth: A Study of a Fragment of Cosmology in Huai Nan tzu 淮 南 子». Bulletin of the School of Oriental and African Studies39 1 ed. 106–127 [p. 108]. doi:10.1017/S0041977X00052137
  9. ↑ Ir para:a b c Needham, Joseph (1986). Science and Civilization in China: Volume 3. Taipei: Caves Books, Ltd. pp. 499.
  10. ↑ Ir para:a b c Cullen, Christopher (1976). «A Chinese Eratosthenes of the Flat Earth: A Study of a Fragment of Cosmology in Huai Nan tzu 淮 南 子». Bulletin of the School of Oriental and African Studies39 1 ed. 106–127 [p. 109]. doi:10.1017/S0041977X00052137
  11.  Needham, Joseph; Wang, Ling. (1995) [1959]. Science and Civilization in China: Mathematics and the Sciences of the Heavens and the Earth, vol. 3, reprint edition. Cambridge: Cambridge University Press. ISBN 0-521-05801-5, p. 498.
  12.  Needham, Joseph; Wang, Ling. (1995) [1959]. Science and Civilization in China: Mathematics and the Sciences of the Heavens and the Earth, vol. 3, reprint edition. Cambridge: Cambridge University Press. ISBN 0-521-05801-5, pp. 220, 498.
  13.  Needham, Joseph; Wang, Ling. (1995) [1959]. Science and Civilization in China: Mathematics and the Sciences of the Heavens and the Earth, vol. 3, reprint edition. Cambridge: Cambridge University Press. ISBN 0-521-05801-5, pp. 227, 499.
  14.  Joseph Needham, p.225
  15.  Lloyd, G. E. R. (1996). Adversaries and Authorities: Investigations into ancient Greek and Chinese science. Cambridge: Cambridge University Press. 59–60. ISBN 0-521-55695-3
  16.  (cf. Joseph Needham et al.: “Heavenly clockwork: the great astronomical clocks of medieval China”, Antiquarian Horological Society, 2nd. ed., Vol. 1, 1986, ISBN 0-521-32276-6, p. 138)
  17.  Baran, Madeleine (16 de dezembro de 2009). «Historic map coming to Minnesota». St. Paul, Minnesota: Minnesota Public Radio. Consultado em 19 de fevereiro de 2018

Tradução via Google da Wikipedia em inglês:

Na China antiga, prevalecia a crença de que a Terra era plana e quadrada, enquanto os céus eram redondos, [1] uma suposição praticamente inquestionável até a introdução da astronomia européia no século XVII. [2] [3] [4] O sinólogo inglês Cullen enfatiza o fato de que não havia um conceito de Terra redonda na antiga astronomia chinesa:

O pensamento chinês sobre a forma da Terra permaneceu quase inalterado desde os primeiros tempos até os primeiros contatos com a ciência moderna por meio dos missionários jesuítas no século XVII. Enquanto os céus foram descritos como sendo como um guarda-chuva cobrindo a Terra (a teoria de Kai Tian), ou como uma esfera em torno dela (a teoria de Hun Tian), ou como sem substância enquanto os corpos celestes flutuam livremente (a teoria de Hsüan yeh) ), a Terra era sempre plana, embora talvez estivesse ligeiramente protuberante. [5]

O modelo de um ovo era freqüentemente usado por astrônomos chineses como Zhang Heng (78-139 dC) para descrever os céus como esféricos:

Ilustração baseada na de um cosmógrafo asiático do século XII

Os céus são como um ovo de galinha e redondo como uma bala de besta; a Terra é como a gema do ovo e fica no centro. [6]

Essa analogia com um ovo curvo levou alguns historiadores modernos, notavelmente Joseph Needham , a conjecturar que os astrônomos chineses estavam, afinal, cientes da esfericidade da Terra. A referência do ovo, no entanto, foi destinada a esclarecer a posição relativa da Terra plana ao céu:

Em uma passagem da cosmogonia de Zhang Heng, não traduzida por Needham, o próprio Zhang diz: “O céu tira seu corpo do Yang, por isso é redondo e em movimento. A Terra toma seu corpo do Yin, então é plano e quieto”. O ponto da analogia do ovo é simplesmente enfatizar que a Terra está completamente cercada pelo Céu, ao invés de meramente coberta de cima, como o Kai Tian descreve. Os astrônomos chineses, muitos deles homens brilhantes de qualquer padrão, continuaram a pensar em termos de Terra plana até o século XVII; esse fato surpreendente pode ser o ponto de partida para um reexame da aparente facilidade com a qual a idéia de uma Terra esférica encontrou aceitação na Grécia do quinto século aC. [7]

Outros exemplos citados por Needham, supostamente para demonstrar vozes dissidentes do antigo consenso chinês, referem-se, sem exceção, à Terra ser quadrada, não a ser plana. [8] Conseqüentemente, o erudito do século XIII Li Ye , que argumentou que os movimentos do céu redondo seriam impedidos por uma Terra quadrada, [1] não defendia uma Terra esférica, mas sim que sua borda deveria ser arredondada para fora. como ser circular. [9] No entanto, Needham discorda, afirmando que Li Ye acreditava que a Terra era esférica, semelhante em forma aos céus, mas muito menor. [10] Isso foi preconcebido pelo estudioso do século 4, Yu Xi , que defendia o infinito.do espaço exterior que circunda a Terra e que este último pode ser quadrado ou redondo, de acordo com a forma dos céus. [11] Quando os geógrafos chineses do século XVII, influenciados pela cartografia e astronomia européias, mostraram a Terra como uma esfera que poderia ser circunavegada navegando ao redor do globo, eles o fizeram com uma terminologia estereotipada usada anteriormente por Zhang Heng para descrever a forma esférica. do Sol e da Lua (ou seja, que eles eram tão redondos como uma bala de besta). [12]

Como observado no livro Huainanzi , [13] no século 2 aC, os astrônomos chineses efetivamente inverteram o cálculo de Eratóstenes da curvatura da Terra para calcular a altura do Sol acima da Terra. Ao assumir que a Terra era plana, eles chegaram a uma distância de 100.000 li (aproximadamente 200.000 km). O Zhoubi Suanjing também discute como determinar a distância do Sol medindo o comprimento das sombras do meio-dia em diferentes latitudes, um método similar à medida de Eratóstenes da circunferência da Terra, mas o Zhoubi Suanjing supõe que a Terra é plana. [14]

Referências:

  1.  Needham, Joseph (1986). Science and Civilization in China: Volume 3. Taipei: Caves Books, Ltd. pp. 498.
  2. ^ Martzloff, Jean-Claude (1993–94). “Space and Time in Chinese Texts of Astronomy and of Mathematical Astronomy in the Seventeenth and Eighteenth Centuries”Chinese Science (11): 66–92 [p. 69]. JSTOR 43290474.
  3. ^ Cullen, Christopher (1980). “Joseph Needham on Chinese Astronomy”. Past & Present87 (1): 39–53 [pp. 42, 49]. doi:10.1093/past/87.1.39JSTOR 650565.
  4. ^ Cullen, Christopher (1976). “A Chinese Eratosthenes of the Flat Earth: A Study of a Fragment of Cosmology in Huai Nan tzu 淮 南 子”. Bulletin of the School of Oriental and African Studies39 (1): 106–27 [pp. 107–09]. doi:10.1017/S0041977X00052137.
  5. ^ Cullen, Christopher (1976). “A Chinese Eratosthenes of the Flat Earth: A Study of a Fragment of Cosmology in Huai Nan tzu 淮 南 子”. Bulletin of the School of Oriental and African Studies39 (1): 106–27 [p. 107]. doi:10.1017/S0041977X00052137.
  6. ^ Needham, Joseph (1959). Science and Civilisation in China3Cambridge University Press. p. 219. ISBN 978-0-521-05801-8.
  7. ^ Cullen, Christopher (1980). “Joseph Needham on Chinese Astronomy”. Past & Present87 (87): 39–53 [p. 42]. doi:10.1093/past/87.1.39JSTOR 650565.
  8. ^ Cullen, Christopher (1976). “A Chinese Eratosthenes of the Flat Earth: A Study of a Fragment of Cosmology in Huai Nan tzu 淮 南 子”. Bulletin of the School of Oriental and African Studies39 (1): 106–27 [p. 108]. doi:10.1017/S0041977X00052137.
  9. Jump up to:a b c Cullen, Christopher (1976). “A Chinese Eratosthenes of the Flat Earth: A Study of a Fragment of Cosmology in Huai Nan tzu 淮 南 子”. Bulletin of the School of Oriental and African Studies39(1): 106–27 [p. 109]. doi:10.1017/S0041977X00052137.
  10. ^ Needham, Joseph; Wang, Ling. (1995) [1959]. Science and Civilization in China: Mathematics and the Sciences of the Heavens and the Earth, vol. 3, reprint edition. Cambridge: Cambridge University Press. ISBN 0-521-05801-5, p. 498.
  11. ^ Needham, Joseph; Wang, Ling. (1995) [1959]. Science and Civilization in China: Mathematics and the Sciences of the Heavens and the Earth, vol. 3, reprint edition. Cambridge: Cambridge University Press. ISBN 0-521-05801-5, pp. 220, 498.
  12. ^ Needham, Joseph; Wang, Ling. (1995) [1959]. Science and Civilization in China: Mathematics and the Sciences of the Heavens and the Earth, vol. 3, reprint edition. Cambridge: Cambridge University Press. ISBN 0-521-05801-5, pp. 227, 499.
  13. ^ Joseph Needham, p. 225
  14. ^ Lloyd, G.E.R. (1996). Adversaries and Authorities: Investigations into ancient Greek and Chinese science. Cambridge: Cambridge University Press. pp. 59–60. ISBN 978-0-521-55695-8.

Fontes:

https://pt.wikipedia.org/wiki/Terra_plana

https://en.wikipedia.org/wiki/Flat_Earth

Sobre Max Rangel

Servo do Eterno, Casado com Arlete Vieira, Pai de 2 filhas, Analista de Sistemas, Fundador e Colunista do site www.religiaopura.com.br.

Além disso, veja também:

O que Michelson Borges e o astrônomo jesuíta do Papa têm em comum?

Embora finjam crer e aceitar toda a Bíblia, indivíduos suspeitos de serem agentes do Vaticano, …

Cosmologia terraplanista bíblica no Evangelho de Lucas

À semelhança de Mateus e Marcos, Lucas também relata em seu Evangelho episódios importantes da …

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.