Iníco / Sã Doutrina / A lei do amor, eu já compreendi… Muito obrigado Senhor!

A lei do amor, eu já compreendi… Muito obrigado Senhor!

palavra_de_deuspor Daniel Araújo

Com frequência se fala sobre os DEZ MANDAMENTOS (Êxodo 20: 3-17) como um código MORAL que perdeu sua validade original. Muitos já não creem no conteúdo completo desse Decálogo Divino. Outros afirmam que Jesus o cumpriu por nós e que, portanto, estamos desobrigados de guardá-lo. Entretanto, O Mestre ensinou: “Não penseis que vim revogar a Lei ou os Profetas; não vim para revogar, vim para cumprir”. E acrescentou: “Porque em verdade vos digo: até que o Céu e a Terra passem, nem um i ou um til jamais passará da Lei, até que tudo se cumpra (Mateus 5: 17-18)

Se recordarmos que os DEZ MANDAMENTOS foram escritos “com o dedo de Deus” (Êxodo 31: 18), e se recordarmos que “a Lei do Senhor é perfeita, e restaura a alma” (Salmos 19: 7), não resta margem para pensar que essa admirável Lei de Amor (Mateus 22: 37-40) tenha perdido sua vigência e relevância. Graças a Deus porque Sua ETERNA LEI continua em pé, e porque seus sábios preceitos defendem a VIDA, o AMOR, a FAMÍLIA, a PUREZA, e a INTEGRIDADE em todas as suas formas.

Quantos MANDAMENTOS devemos guardar? A maioria deles ou todos? Sem dúvida, quando a Bíblia Sagrada diz: “Bem-venturados os irrepreensíveis no seu caminho, que andam na Lei do Senhor (Salmos 119: 1), está se referindo a todos os mandamentos. Por isso, o apóstolo Tiago escreveu: “Pois qualquer que guarda toda a Lei, mas tropeça em um só ponto, se torna culpado de todos”. (Tiago: 2: 10). Que privilégio e que benção têm os que procuram guardar a TOTALIDADE da Lei de Deus! Isso inclui o QUARTO MANDAMENTO, que estabelece o sétimo dia da semana, o sábado, como o dia de descanso para a felicidade dos filhos de Deus.

Quando Deus, em Sua onisciência e bondade, viu a necessidade de criar o mundo e fazê-lo em seis dias, também achou por bem acrescentar um dia a mais, um dia de “descanso” ou “repouso”, para completar a semana de sete dias. Esse dia se torna ainda mais especial porque o Senhor o abençoou e o SANTIFICOU (Gênesis 2: 3). Quando, pela graça de Cristo, aceitamos a alegria do sábado e vivemos a felicidade de observá-lo, ele verdadeiramente se torna a coroa de nossa semana.

É óbvio que, ao contrário do que muitas IGREJAS CRISTÃS ensinam hoje, Jesus veio ao mundo não para abolir a Lei ou mudar o dia de adoração do sábado para o domingo. Ele veio para cumprir a Lei e mostrar seu verdadeiro sentido (Mateus 5: 17). Se a Lei pudesse ser ABOLIDA, Jesus não precisaria ter MORRIDO em nosso lugar.

A teoria de que a morte de Jesus na cruz teria abolido o Decálogo é destituída de significado e acaba rompendo o relacionamento tipológico entre o Santuário da Antiga Aliança (terrestre) e o Santuário da Nova Aliança (celestial). Se a aspersão do sangue sobre o propiciatório da Arca da Aliança no Santuário Terrestre (Levítico 16: 14-15) não abolia a Lei que estava contida dentro da mesma (Êxodo 31: 18 ; 40: 20), por que então o sangue de Cristo deveria abolir a Lei contida na Arca da Aliança do Santuário Celestial? (Apocalipse 11: 19)

Portanto, nos ensinamentos de Jesus encontramos a verdadeira dimensão ESPIRITUAL do Decálogo livre das tradições e doutrinas que são preceitos de homens (Mateus 15: 9). Essa dimensão espiritual abrange também o quarto mandamento, que ordena a observância do sábado (Êxodo 20: 8-11)

O sábado é um dia de DESCANSO, LIBERTAÇÃO, CURA, RESTAURAÇÃO e ESPERANÇA. Por isso, Jesus fez pelo menos SETE milagres no dia de sábado. Embora os líderes judeus tenham criticado O Mestre por fazer curas no sábado, “em nenhum dos casos o ponto em discussão foi a validade do sábado como dia de guarda, mas apenas a forma de ele ser observado”. Enquanto para os fariseus o sábado era uma dia de REGRAS e RESTRIÇÕES, para Jesus ele era um dia de VIDA e ALEGRIA, o símbolo do descanso na graça.

Longe de ser um peso, a Lei nos traz a verdadeira LIBERDADE em Cristo. O salmista diz: “Andarei em liberdade, pois busquei os Teus preceitos”. (Salmos 119: 45). E Tiago se refere ao Decálogo como a “Lei régia”, “Lei perfeita”, Lei da liberdade” (Tiago 2: 8 ; 1: 25). Por isso, a Bíblia Sagrada declara “bem-aventurados” a todos “os que andam na Lei do Senhor” (Salmos 119: 1), cujo “prazer está na Lei do Senhor” e que meditam “na Sua Lei de dia e de noite” (Salmos 1: 2)
Esse é um ENSINO ETERNO de Jesus que devemos observar.

Compartilhar isso:

Sobre Max Rangel

Servo do Eterno, Casado com Arlete Vieira, Pai de 2 filhas, Analista de Sistemas, Fundador e Colunista do site www.religiaopura.com.br.

Além disso, veja também:

Trindade – Um ataque de Satanás ao Calvário

Relacionado

Regeneração e Adoção – Doutrina da Salvação

Relacionado

2 comentários

  1. Após alguns anos de de estudo percebi que que Jesus mesmo não aboliu nenhuma lei de Deus, pois sendo ele mesmo judeu ele seguia a Torá e não somente os 10 mand, e como ficamos então com relação aos outros mandamentos , leis,e festas?

Deixe uma resposta