Iníco / Nova Ordem Mundial, Tempo do fim / A maior pandemia do mundo: 56 milhões de abortos por ano, segundo a OMS

A maior pandemia do mundo: 56 milhões de abortos por ano, segundo a OMS

Há um número de mortos que poucos parecem se importar ou mesmo reconhecer. Existe uma maldição maior que está destruindo inúmeras vidas que está sendo amplamente ignorada. Segundo a Organização Mundial da Saúde, cerca de 56 milhões de abortos são realizados anualmente em todo o mundo. [1] E, ao contrário do coronavírus, não há um fim à vista para a pandemia amaldiçoada dos procedimentos de aborto.

A resposta do mundo ao coronavírus revelou muito sobre quem somos como sociedade. Em março de 2020, quando houve aproximadamente 100.000 casos confirmados de coronavírus com menos de 10.000 mortes em todo o mundo, a sociedade entrou em confinamento. Em questão de semanas, vimos histeria em massa, papel higiênico e acumulação de alimentos, ordens de ficar em casa, proibições de viagens, direitos civis e religiosos suspensos, negócios fechados, 26 milhões de pessoas desempregadas, meios de subsistência destruídos e nossa economia entrou em colapso .

É isso que faremos para salvar vidas durante o surto de coronavírus. Mas não há restrições para 56 milhões de abortos. Sem proibições de viagens, sem ordens de ficar em casa e sem destruição da economia. Por que a sociedade não está respondendo tão urgentemente contra a pior pandemia moral em nosso mundo hoje: a indústria do aborto? A indústria do aborto faz com que o surto de coronavírus pareça um dia divertido no zoológico.

A indústria do aborto tem mais sangue em suas mãos do que todos os campos de concentração estabelecidos por Hitler, e tivemos uma Segunda Guerra Mundial para fechar esses campos da morte. Hoje, 56 milhões de vidas humanas criadas por Deus são injustamente destruídas a cada ano. Essa tragédia é o maior crime contra a humanidade que nosso mundo já conheceu. É muito pior que a soma de todas as epidemias da história.

Hoje, políticos corruptos estão prontos para destruir a economia para combater a crise do coronavírus. Onde está a mesma determinação e compaixão para salvar a vida de crianças que são mortas diariamente pela indústria do aborto? Temos governadores, prefeitos e departamentos de polícia que prendem pessoas em nome da “saúde pública” por simplesmente ir à praia, brincar no parque ou ir à igreja. No entanto, esses mesmos políticos não fazem nada enquanto milhões de bebês humanos inocentes são mortos por terem seus crânios esmagados por abortistas.

Como podemos afirmar que estamos defendendo um interesse em saúde pública quando temos campos de extermínio financiados por impostos em nossa nação? O que é ainda mais revoltante é que existem tantos cristãos e igrejas que professam defender os direitos humanos e dizer e fazer NADA enquanto a vida humana é massacrada e vendida por partes do corpo. Nem fale sobre direitos humanos se você permanecer moralmente silencioso e indiferente ao desrespeito total da indústria do aborto pela vida humana.

56 milhões de abortos por ano é a contagem atual de corpos! Este é um extermínio em massa e derramamento de sangue em uma escala nunca conhecida pela humanidade. E nossa geração é culpada de construir monumentos e instalações para realizar a remoção sistemática e a morte forçada de um grupo protegido dentro da sociedade – nossos filhos.

Talvez devêssemos chamar os nascituros de “imigrantes indocumentados que estão tentando atravessar a fronteira do canal do parto e correm o risco de serem deportados pelos médicos nazistas do aborto”. Se o Congresso classificasse legalmente os nascituros com essa nova designação, talvez políticos corruptos dariam aos nascituros o direito a uma chance na vida e acabariam com a cultura da morte.

Referência:

[1] https://www.who.int/reproductivehealth/news/440KeyAbortionFactsFinal.pdf

Fonte: http://adventmessenger.org/the-worlds-largest-pandemic-56-million-abortions-occur-each-year-worldwide/

Sobre Max Rangel

Servo do Eterno, Casado, Pai de 2 filhas, Analista de Sistemas, Fundador e Colunista do site www.religiaopura.com.br.

Além disso, veja também:

Na Alemanha, IASD apóia o uso de aplicativos de rastreamento de celulares pelo governo e incentiva todos a usá-los

Johannes Naether, Presidente da Conferência da União da Alemanha do Norte. Johannes Naether, presidente da …

Pandemia Eterna: “Temei ao vírus e dai-lhe glória, porque vinda é a hora da sua crise. Adorai a Ciência, que vos dará a vacina e o remédio…”

O “novo normal” não tem data para acabar Reportagem de Duda Teixeira na revista Crusoé …

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.