Iníco / Como nos dias de Noé, Anjos caidos, Nefilins / Artigo da Revista Ministério em inglês desmente sabichões do programa Na Mira da Verdade e do Unasp

Artigo da Revista Ministério em inglês desmente sabichões do programa Na Mira da Verdade e do Unasp

ministry-vigilantesHá quase 30 anos, muito antes que Leandro Quadros, Tito Rocha, Wilson Paroschi e outros se aventurassem a entender mais da Revelação que os próprios discípulos de Cristo, um outro teólogo adventista, John C. Brunt, Ph.D, então reitor da faculdade de teologia do Walla Walla College, em Washington, defendeu em artigo na Revista Mnistry que os discípulos, como Pedro e Judas, não só conheciam o Mito dos Vigilantes da literatura apócrifa mas o respeitavam, chegando a citá-lo na Bíblia, com o acréscimo da informação de que, após sua ressurreição, Jesus teria ido ao encontro daqueles anjos que se relacionaram com mulheres e anunciado a eles Sua vitória.

O autor recomenda o uso dos apócrifos intertestamentários para a compreensão de textos difíceis da Bíblia e recomenda que pastores e líderes não ajam como donos da verdade, sabedores de todas as coisas, como se possuíssem o dom da onisciência.

Ao final, como era de se esperar, o teólogo tenta desdizer o que foi escrito inspiradamente pelos apóstolos, afirmando que estavam apenas usando uma crença da época para dela extrair lições para os cristãos. Contudo, a menção inspirada de que Cristo teria descido ao abismo para pregar aos espíritos em prisão é exclusiva das epístolas de Pedro e Judas e constituei uma novidade evangélica, posterior ao relato de 1 Enoque, em continuação do mito dos vigilantes. Inspiração não é onisciência, mas impediria que uma lenda absurda, se assim o fosse, acabasse incluídana Bíblia como verdade afirmada por um dos discípulos de Cristo.

Leia o texto:

Cristo e os espíritos em prisão
(Tradução automática pelo Google Translate.)

Por John Brunt

Pastores, professores e comentaristas sempre tiveram um período difícil, com três passagens problemáticas e relacionadas: 1 Pedro 3: 18-22; Judas 5-7; e 2 Pedro 2: 4-9. Lidar com reinos das trevas e Cristo pregando para espíritos em prisão desafia os talentos de qualquer intérprete, mas as dificuldades são intensificadas para adventistas do sétimo dia, que acreditam que os mortos estão inconscientes e que o inferno é somente futuro e temporário.

Vamos começar com uma breve visão geral do Antigo Testamento e do fundo intertestamental dessas passagens. Então, vamos examinar os elementos básicos em cada uma das passagens do Novo Testamento e ver como essas passagens utilizam o tema intertestamentário dos anjos caídos, ou “vigilantes”, para transmitir uma mensagem particular. E, finalmente, vamos refletir sobre o significado de tudo isso para pastores e mestres.

Filhos de Deus e filhas dos homens

A primeira parte de Gênesis 6, imediatamente antes da narrativa do Dilúvio, contém o fundamento oculto de nossas passagens. De acordo com Gênesis, filhos de Deus, que não são identificados, viram a beleza das filhas dos homens e se casaram com eles. Gênesis não diz explicitamente os resultados dessas uniões. Mas uma vez que, no que se segue imediatamente, o Senhor diz que o Seu Espírito não permanecerá para sempre no ser humano e que avida dos seres humanos seria limitada a 120 anos, a forte implicação é que os resultados eram maus.

Então Gênesis menciona os Nefilins. Sua ligação precisa com a união dos filhos de Deus e filhas dos homens não está clara no texto, embora os dois pareçam estar relacionados. Depois disso, o texto fala da maldade dos homens e se move para a história do Dilúvio.

Dificilmente seria evidente que as passagens do Novo Testamento que estamos estudando tivessem algo a ver com Gênesis 6, se não fosse a literatura intertestamental, especialmente 1 Enoque.(1) Lá, Gênesis 6 é embelezado e ampliado com os seguintes elementos fundamentais: Os filhos de Deus, que agora estão especificamente identificados como anjos, são ditos terem cobiçsdo as belas filhas dos homens. No Monte Hermon, esses anjos conspiram para casar com as mulheres humanas. Essas uniões resultam no nascimento de grandes gigantes, que consomem bens dos homens e pecam contra os animais, enchendo a terra com sangue.

Os anjos bons levam o caso diante de Deus. Amarram os anjos maus, e Enoque, a quem Deus escondera, anuncia a desgraça dos anjos maus. Eles não terão paz e serão destruídos no julgamento final. Nesse ínterim, estão presos na terra, onde eles ainda são capazes de fazer mal e influenciar o curso dos acontecimentos.

Judaísmo e cristianismo primitivo adotaram esse cenário básico, com algumas variações em detalhes, como a interpretação padrão de Gênesis 6. (2) E em matéria de ética uma espécie de padrão de referência foi formada, ligando o exemplo negativo destes anjos maus, ou “vigilantes”, com outros exemplos. A combinação mais comum era os vigilantes, as pessoas que viviam na época do dilúvio, e Sodoma e Gomorra.(3)

Existem semelhanças óbvias entre os elementos básicos neste mito intertestamental e elementos das passagens do Novo Testamento que estamos estudando: (4)

1 Pedro 3. Essa passagem retrata Cristo como pregando, no espírito, (5) aos espíritos em prisão, que se recusaram a obedecer, nos dias de Noé. Esta passagem também diz que Cristo, através de Sua ressurreição, foi para o céu e está à mão direita de Deus, onde anjos, autoridades e poderes estão sujeitos a Ele. (6)

Judas 5-7. Aqui descobrimos que certos anjos não mantiveram sua própria posição, mas deixaram seu lugar designado, e como resultado, têm sido guardados por Deus em laços eternos nas trevas profundas até o julgamento final. Esses anjos maus, juntamente com o Hebreus que foram infiéis durante a peregrinação no deserto e as pessoas de Sodoma e Gomorra, servem como exemplos negativos e avisos de julgamento.

2 Pedro 2. Esta passagem cita três exemplos para mostrar que Deus pode segurar os ímpios para a punição até o dia do juízo: os anjos maus, as pessoas no tempo do dilúvio, e os de Sodoma e Gomorra. Ele diz que os anjos pecaram contra Deus, que agora os mantém no inferno (Tártaro), em um lugar de grande escuridão, até o dia do julgamento. O versículo 4 é muito semelhante ao Judas 6 e é provavelmente dependente dele, embora 2 Pedro 2 contenha elementos únicos.

É difícil evitar a conclusão de que o embelezamento intertestamentária de Gênesis 6 está por trás dessas passagens. Vários elementos – a prisão dos anjos maus, em profunda escuridão, mantendo-as até o dia do julgamento, e o reconhecimento de seu destino final – que são encontrados na literatura intertestamental mas não em Gênesis 6 são assumidos nessas passagens do Novo Testamento. Na verdade, Judas e 2 Pedro até mesmo usam o mito dos vigilantes no contexto dos exemplos negativos citados acima como tornando-se padrão.

Mas mais importante do que o fato de que essas passagens assumem as firulas intertestamwntárias dos vigilantes, é a questão de como o Novo Testamento usa este material. É atrás dessa pergunta que vamos agora.

Os vigilantes do Novo Testamento

1 Pedro 3. A interpretação adventista desta passagem tem variado (7), mas geralmente temos ignorado o contexto intertestamentário a favor de uma posição que vê Cristo advertindo os antediluvianos através de Noé. É muito mais natural, no entanto, ver a pregação aos espíritos em prisão como uma referência ao mito intertestamental. Mas também é importante reconhecer que esta referência é incidental. O autor não defende a história, mas assume que seus leitores estão familiarizados com ela.

Pedro menciona esse mito por várias razões. Nossa passagem começa apontando para a morte de Cristo por nossos pecados. Seu exemplo mostra que é bom para nós sofrer por fazer o bem (versículo 17). A referência de Pedro à “pregação” de Cristo para os espíritos na prisão segue e mostra que nós podemos fazer o certo, com coragem, porque os poderes do mal que nos podem assediar já foram condenados por Cristo e estão sujeitos a Ele (versículos 19, 22).

Neste ponto, uma compreensão do contexto efectivamente ajuda na interpretação do texto. No material intertestamental, o “anúncio” para os anjos aprisionados (feito por Enoch) é um anúncio da desgraça e da derrota. A “pregação” de Cristo para os espíritos devem ser entendida nesse contexto. Pedro está dizendo que Cristo cumpriu o que as pessoas de sua época comumente pensavam que Enoch tinha feito. Cristo, por Sua morte e ressurreição, efetua a desgraça dos poderes do mal.

Que a “pregação” para os espíritos envolve um anúncio da sentença também é claro a partir da conclusão que a passagem desenha (versículo 22). Os anjos maus foram derrotados e estão agora sujeitos a Cristo. O ponto é que Cristo realizou tudo o que o mito dos vigilantes de então atribuía a Enoque. Cristo “pregou” (anunciou) a condenação de todos os anjos maus. Em Cristo, não precisamos ter medo deles.

Judas 6. Nesta passagem, também, a referência à punição dos vigilantes é incidental. É parte de uma lista de exemplos (já tradicional no judaísmo), mostrando que Deus está disposto a punir. A referência de Judas para julgamento cai dentro do contexto de sua severa advertência contra os falsos mestres que ameaçam seus leitores.

2 Pedro 2 . O mesmo é verdade em 2 Pedro. Os anjos maus, punidos, presos e no aguardo do julgamento final, são apenas um elemento de uma série de exemplos negativos. Eles são a prova de que Deus pode resgatar os piedosos e punir os maus. Mais uma vez o contexto é uma advertência contra os falsos profetas e mestres cujas heresias ameaçam os leitores. A passagem não confirma o mito intertestamentário; em vez disso, refere-se a ele como um exemplo incidental.

A medida em que os autores dessas Epístolas Gerais acreditavam que nos vários detalhes do mito dos vigilantes é impossível para nós para determinar, e a especulação é inútil. Mas a inspiração não é onisciência. É óbvio que estes escritores do Novo Testamento se sentiram livres para aludir a esse mito que era um lugar-comum do seu dia. Em todo caso, eles tomaram o mito no sentido de transmitir uma mensagem que é bastante diferente da de qualquer uma das fontes intertestamentais. Reconhecer esse contexto, resolve alguns dos problemas dessas passagens difíceis.

Importância para a pastor

À luz do fundo e do significado dessas passagens difíceis, como devemos, como pastores e mestres, lidar com eles?

Em primeiro lugar, temos de ser honestos e não encobrir os problemas. Obviamente, o contexto de comunicação irá determinar o grau de detalhe que podemos compartilhar. Um teólogo não incluiria em um sermão todos os detalhes técnicos que pudesse apresentar em uma sala de aula. Mas, no entanto, devemos sempre lidar com os problemas honestamente.

Em segundo lugar, devemos fazer uso do material de fundo intertestamentário para auxiliar na interpretação dessas passagens. Demasiadas vezes, temos medo de se referir a este material, porque o seu uso parece problemático. O fato é que esse material de fundo ajuda a nossa interpretação; não podemos realmente compreender as passagens separados dele. Portanto, temos de nos familiarizar com este material de fundo e saber como trazê-lo para suportar de forma adequada nossa interpretação.

Em terceiro lugar, temos de nos concentrar nas mensagens que os autores dessas passagens pretendiam fundamentar. Toda passagem contém uma mensagem positiva. Os elementos que consideramos problemáticos são inerentes às mensagens, não centrais para eles.

Há uma grande tentação de sentir que, quando nós elucidamos os problemas dos textos presentes, interpretamos realmente esses textos. Mas esse não é o caso. Para resolver os problemas que os textos suscitam para a crença adventista, devemos apenas remover algumas barreiras para a sua compreensão. A tarefa de interpretação é sempre entender a mensagem positiva de um texto.

E o fato é que as pessoas precisam ouvir as mensagens positivas que essas passagens transmitem. Precisamos ouvir, como 1 Pedro 3 ensina, que Cristo colocou todos os poderes hostis debaixo de seus pés, e que, portanto, podemos encontrar esperança e confiança nEle. Precisamos também de ouvir a mensagem de Judas e 2 Pedro, que aquilo que acreditamos e ensinamos e que seguimos é importante para a nossa vida espiritual e crescimento.

Nunca podemos sentir que conseguimos interpretar essas passagens até que deixemos suas mensagens muito claras. Esta é a tarefa da exegese e da pregação.

Finalmente, devemos estar dispostos a admitir que essas passagens contêm elementos problemáticos. Nós nunca devemos sentir que falhamos, se não pudermos responder a todas as perguntas. Ambos os pastores e professores devem estar dispostos a admitir falibilidade e falta de onisciência. Aqueles a quem ministramos serão pacientes com as nossas limitações humanas se eles também sentem a nossa vontade de lutar com um texto, a nossa honestidade, e nosso compromisso com a mensagem que o texto transmite.

Referências:

1. Ver especialmente 1 Enoque 6-19.

2. Para obter detalhes sobre a persistência deste motivo no judaísmo e no cristianismo primitivo e da sua morte em cada um, ver Richard J. Bauckham, em Word Biblical Commentary (Waco, Tex.: Word Books, 1983), vol. 50, pág. 51.

3. Veja Bauckham, p. 46, para um gráfico descrevendo o uso desse esquema de exemplos negativos em obras como Eclesiástico 16:7-10; o texto genizá Cairo do Documento de Damasco 2:17-3: 12; 3 Macabeus 2:4-7; Depoimento de Naftali 3:4, 5; e Mishná Tratado Sanhedrin 10:3.

4. Outras passagens do Novo Testamento pode recorrer a esse tema de uma forma menos explícita. Por exemplo, alguns têm visto uma alusão ao Gênesis 6 em 1 Coríntios 11:10. Lá Paulo aponta “por causa dos anjos” como uma das razões por que as mulheres devem ser velados na igreja. Mas a referência de Paulo é demasiado ambígua para permitir uma interpretação definitiva.

5. Embora os adventistas têm evitado interpretar o “no qual” no início do versículo 19 como uma referência ao “no espírito” do versículo 18, é a leitura mais natural do texto. Ele não precisa dizer, no entanto, que Cristo pregou como um espírito desencarnado. Em vez disso, o Cristo ressuscitado, incluindo Sua ressurreição corporal, é visto como existente no espírito. Este é teologicamente consistente com o uso que Paulo faz do termo “corpo espiritual” em 1 Coríntios 15 . Para mais detalhes sobre esta questão, ver nota 7 abaixo.

6. Para um tratamento monográfico do cumprimento dessa passagem que inclui a história de sua interpretação, veja William Joseph Dalton, S.J., Christ’s Proclamation to the Spirits: A Study of 1 Peter 3:18-4:6, Analecta Biblica 23 (Rome: Pontifical Biblical Institute, 1965). Dalton sustenta que “vivificado no espírito” refere-se a ressurreição corporal de Cristo”, em que [espírito] ele foi “refere-se a Sua ascensão, e a proclamação aos espíritos em prisão refere-se a proclamação da vitória sobre os poderes inimigos de Cristo.

7. O Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia (vol. 7, pág. 575) dá três possíveis interpretações para 1 Pedro 3: 19 : 1. “No qual” (KJV) remete para o “Espírito” (versículo 18, KJV) e significa que, pelo Espírito Santo, Cristo pregou aos seres humanos antediluvianos através de Noé. 2. Cristo em Seu estado preexistente pregou aos antediluvianos. 3. “No qual” (KJV) refere-se ao versículo 18 como um todo e significa que, por força da futura morte e ressurreição vicária de Cristo, Ele pregou aos antediluvianos através de Noé. Mas tudo isso ignora o mito dos vigilantes, a analogia óbvia para o anúncio da condenação para os anjos maus que ele oferece. Também ignora o versículo 22, onde a pregação de Cristo resulta no fim do governo das potestades. Essas considerações apontam para a pregação de Cristo como um anúncio do julgamento sobre os poderes hostis a Deus.

Fontes:

https://www.ministrymagazine.org/archive/1988/04/christ-and-the-imprisoned-spirits

https://www.ministrymagazine.org/archives/1988/MIN1988-04.pdf

Compartilhar isso:

Sobre Max Rangel

Servo do Eterno, Casado com Arlete Vieira, Pai de 2 filhas, Analista de Sistemas, Fundador e Colunista do site www.religiaopura.com.br.

Além disso, veja também:

Nefilins e os Bereanos

Relacionado

A longevidade e a ciência na antiguidade bíblica

Relacionado

Um Comentário

  1. ou se tratar de um texto gnostico… a igreja combateu o gnosticismo, mas verdade e que ha muitos textos gnosticos expalhados nas cartas evangelicas

Deixe uma resposta