Iníco / Noticias Adventistas / Artigo publicado pela Revista Adventista revela que teólogos da IASD estão muito divididos sobre a Criação

Artigo publicado pela Revista Adventista revela que teólogos da IASD estão muito divididos sobre a Criação

Ao contrário do que Michelson Borges e outros criacionistas científicos (não prioritariamente bíblico) tentam fazer parecer, um século e meio depois da organização de parte do movimento adventista como Igreja Adventista do Sétimo Dia, nossos teólogos e cientistas ainda não chegaram a um acordo acerca sequer da compreensão de Gênesis, capítulo 1. E assim, todo o resto da Bíblia pode ser posto em dúvida.

No artigo publicado pela edição online da Revista Adventista, que reproduzimos abaixo, vemos que para cada versículo existem pelo menos duas ou três interpretações teológico-científicas. Para facilitar acrescentamos negritos nesses pontos e destacamos que, segundo o próprio autor admite: “os hebreus acreditavam que a Terra era uma superfície plana, sustentada por pilares e coberta por uma cúpula metálica”.

Olhar analítico [Sobre Gênesis 1]

Um cientista criacionista compartilha suas ideias a respeito de Gênesis 1
JAMES GIBSON

Os adventistas do sétimo dia estão envolvidos na missão de compartilhar as boas-novas do caráter amorável de Deus e Seu plano de salvação à humanidade. Em Apocalipse 14:6, a criação é identificada como parte do evangelho a ser pregado ao mundo. Assim, uma interpretação adventista do relato das origens deve demonstrar como ele revela as boas-novas sobre Deus.

A Bíblia afirma que a criação foi um processo sobrenatural. Desse modo, nossa visão das origens é moldada pelo registro bíblico. Gênesis 1 é a principal passagem a respeito da criação nas Escrituras; contudo, o capítulo fornece apenas um esboço do que ocorreu, e o texto parece ter sido escrito como uma descrição fenomenológica, e não técnica, dos eventos. Isso deixa vários pontos na narrativa abertos a diferentes interpretações.

A natureza também fornece informações relacionadas às origens, mas estas são difíceis de interpretar, por ao menos três razões. Em primeiro lugar, atividades sobrenaturais estão além do nosso entendimento. Ademais, a natureza foi alterada pelos efeitos do pecado. Por fim, os humanos podem interpretar erroneamente os dados da natureza. Por isso, embora as evidências naturais devam ser consideradas, as Escrituras devem ser o ponto de partida para uma abordagem adventista das origens. O estudo da natureza não deve ser ignorado, pois pode ajudar a esclarecer algumas ambiguidades do texto. No entanto, alguns mistérios permanecem mesmo depois de consultar tanto a Bíblia quanto a natureza. Neste artigo, como cientista cristão, quero apresentar minhas considerações ao ler o relato de Gênesis 1.

NO PRINCÍPIO

“No princípio, criou Deus os céus e a terra” (Gn 1:1). Embora não saibamos quando, sabemos que o mundo teve um começo. Podemos encontrar evidências físicas para isso a partir da existência de radioatividade. Se a Terra fosse eterna, não encontraríamos radioatividade nas rochas. Além disso, o Universo tem características que parecem indicar um início repentino, embora a teoria do Big Bang seja rejeitada por alguns cientistas.

Deus estava presente antes de todas as coisas, antes do tempo e do espaço. Nós reconhecemos a passagem do tempo pelos eventos no espaço. Se não houvesse espaço, não poderíamos observar nenhum evento e, portanto, não haveria tempo. Então, tinha que haver um começo de tempo e espaço, e Deus estava presente nesse início. De modo especial, é preciso ser dito que Cristo foi o agente divino na criação. João 1:1 a 3 afirma que “todas as coisas foram feitas por intermédio Dele, e, sem Ele, nada do que foi feito se fez”.

Assim, no início, Deus fez o “os céus e a terra”. Existem diferentes opiniões sobre o que isso significa. Alguns intérpretes consideram que os céus e a terra se referem ao Universo inteiro, enquanto outros entendem que se relaciona apenas com a Terra. Ao menos três interpretações diferentes foram propostas.1Alguns consideram que Gênesis 1:1 se refere à criação do Universo em algum tempo não identificado no passado, com a semana da criação ocorrendo mais tarde. Outros pensam que o texto é somente uma introdução ao relato da semana da criação, referindo-se apenas ao nosso mundo. Há, porém, aqueles que consideram a passagem alusiva à criação do Universo durante a semana da criação. A Bíblia parece indicar que a Terra não foi a primeira parte do Universo a ser criada (Jó 1:6; 38:4-7).2 Essa ideia é reforçada por evidências físicas, uma vez que, ao se observar as estrelas, nota-se que muitas delas estão tão longe que chegam a distar milhões de anos-luz de nós.

Quanto ao mecanismo físico utilizado por Deus não temos informação. No entanto, as Escrituras afirmam que tudo foi feito pelo poder de Sua palavra (Gn 1:3; Sl 33:6; Hb 1:2, 3; 11:3). Esse processo recebe o nome de criação pelo fiat (“faça-se”, em latim). A criação pelo fiat parece ser fundamental no ensino bíblico das origens. Jesus trouxe o Universo à existência por meio de Sua palavra. Isso implica propósito ou intenção, e os cientistas reconhecem cada vez mais que o Universo parece ter sido projetado.

A narrativa segue dizendo que a Terra “estava sem forma e vazia” (Gn 1:2). Existem várias opiniões quanto ao significado desse versículo.3 Alguns entendem que a Terra foi criada muito tempo antes da semana da criação e permaneceu sem forma e vazia até a ação descrita em Gênesis (teoria do “intervalo passivo”). Outros acham que o texto se refere ao breve período de tempo entre a criação inicial (v. 1) e a criação da luz (v. 3). Um terceiro grupo defende que Deus não criaria um mundo caótico, então, a Terra deve ter se tornado “sem forma e vazia” depois de uma criação anterior (teoria do “intervalo ativo”). Proponentes das duas primeiras hipóteses reivindicam que declarações de Ellen White apoiam sua posição, mas a questão permanece sem solução. A terceira opinião não tem base escriturística e não deve ser considerada.

Certamente, Deus poderia ter criado a Terra e tudo que ela contém instantaneamente. Em vez disso, Ele criou em etapas, durante seis dias. Para mim, a sequência cuidadosa da criação indica um plano bem estruturado do Criador. Primeiro a Terra foi preparada para sustentar a vida, depois foi preenchida com seres viventes. O processo foi ordenado e proposital.

Alguns intérpretes4 sugerem um paralelismo na narrativa: nos primeiros três dias, a “terra” foi “formada” para sustentar a vida; nos três últimos, ela foi “preenchida”. No entanto, o paralelo me parece imperfeito (por exemplo, os mares foram formados no terceiro dia e preenchidos no quinto), o que indica que o relato foi baseado na sequência real de eventos, sem a intenção de estruturar um paralelismo.

PRIMEIRO DIA

No primeiro dia,5 foi dada luz à Terra (Gn 1:3). Não sabemos como isso aconteceu. Existem pelo menos três possibilidades.6 A primeira, de que essa luz vinha da presença de Deus, uma vez que o Sol foi criado no quarto dia. A segunda, de que essa luz vinha do Sol, que teria sido criado com a Terra, “no princípio”. Por fim, de que a luz vinha de alguma outra fonte, como uma supernova ou outro evento astronômico.

Os proponentes da primeira interpretação podem se apoiar em referências que apontam a luz que vem de Deus (Is 60:20; Ap 21:23; 22:5). Por outro lado, a segunda pode ser apoiada pela referência à “tarde e manhã” de cada dia (por exemplo, Gn 1:5), e também pela afirmação de Ellen White de que os dias da criação foram marcados pelo nascer e o pôr do sol.7 Por fim, a terceira possibilidade parece menos provável; contudo, as três interpretações parecem consistentes com os ensinos das Escrituras. Essa questão será discutida mais adiante.

SEGUNDO DIA

No segundo dia, Deus criou o “firmamento” ou os “Céus” (Gn 1:6-8). Isso é identificado como o lugar entre as camadas de água, que supomos ser as águas da superfície da Terra e as nuvens. Elas são separadas pela atmosfera, que foi criada no segundo dia.

Alguns dizem que “Céus” refere-se a toda extensão estrelada, porque o Sol estava “no firmamento”. Entretanto, o texto pode ser entendido como uma descrição fenomenológica, uma vez que o Sol apareceu na mesma região onde os pássaros voam. A existência de outros mundos que precedem o nosso (Jó 38:4-7) parece favorecer a leitura de que “Céus” se refere a uma área mais restrita. É desnecessário supor que o Universo inteiro separa nossos oceanos de uma cobertura aquosa “acima do firmamento”.

Outros afirmam que a referência a “firmamento” significa que os hebreus acreditavam que a Terra era uma superfície plana, sustentada por pilares e coberta por uma cúpula metálica. Eles dizem que isso invalida o relato da criação, porque sabemos que a Terra não está coberta por uma cúpula metálica. Contudo, esse argumento é falacioso. Independentemente do que os hebreus pensavam sobre a estrutura da Terra, as águas da superfície do planeta e as nuvens aparecem separadas pela atmosfera, e parece razoável que tenha sido a atmosfera criada no segundo dia.8 Note que Deus chamou o firmamento de “Céus”.

TERCEIRO DIA

No terceiro dia, as águas da superfície foram reunidas para formar os “mares” e expor a porção seca, que Deus chamou de “terra” (Gn 1:9, 10). Observe que “terra” aqui se refere ao solo, não ao planeta. O céu, a terra e os mares (Êx 20:11, Ap 14:7) são formados e preparados para os seres vivos. Agora eles serão preenchidos.

A vegetação foi criada no terceiro dia (Gn 1:11, 12). Observe que havia vários tipos de árvores frutíferas, cada uma com seu próprio tipo de fruta e semente. Alguns sugerem que são mencionados três tipos de plantas: “relva”, “ervas que davam semente” e “árvores que davam fruto”. Outros sustentam que “relva” é apenas um termo geral, e apenas dois tipos de plantas são apresentados. Em realidade, nenhuma interpretação parece ter qualquer significado teológico.

A frase “segundo a sua espécie” aparece aqui pela primeira vez. Nesse contexto, a sentença poderia significar “cada um tendo seu próprio tipo de semente”. Assim, a descendência de um tipo de planta deve ser distinguida da descendência de outros tipos. A propósito, parece que os hebreus não consideravam que plantas tivessem vida, por isso provavelmente não consideravam a “morte” vegetal como tendo significado moral.

QUARTO DIA

Provavelmente há mais controvérsia sobre os eventos do quarto dia do que a respeito de qualquer outro evento da semana da criação. Pelo menos três interpretações diferentes foram propostas. A primeira afirma que o Sol e a Lua não existiam até o quarto dia. Antes disso, a luz era fornecida pela presença de Deus. Tarde e manhã ocorriam enquanto a Terra girava diante do Senhor. A segunda defende que o Sol e a Lua existiam antes do quarto dia, mas eram obscurecidos por densas nuvens escuras. Elas teriam sido dissipadas um pouco no primeiro dia para fornecer luz, mas o Sol não era visível, tanto quanto não se pode vê-lo em um dia nublado. Desse modo, no quarto dia, o Sol e a Lua ficaram visíveis pela primeira vez. A última sustenta que o Sol e a Lua existiam antes do quarto dia e podiam ser vistos em todos os dias da criação. Entretanto, no quarto dia eles foram designados “para sinais, para estações, para dias e anos”.

O texto não indica qual interpretação está correta. Realmente não sabemos a resposta. De toda forma, Deus é o criador do Sol e da Lua. Ocorreu um evento no quarto dia da criação que resultou no estabelecimento desses luzeiros para marcar unidades de tempo e servir como sinais, como o Senhor determinou.

Além disso, alguns questionam se as estrelas foram criadas no quarto dia. O texto não especifica o tempo quando elas foram criadas. Pelo menos três interpretações foram propostas para entender essa questão: as estrelas foram criadas no quarto dia; as estrelas foram criadas por Deus, mas não se considera o tempo de sua criação; Deus criou a Lua para “governar a noite com as estrelas”.9 A falta de pontuação no texto hebraico original deixa o versículo um pouco ambíguo. A visibilidade de estrelas a mais de 10.000 anos-luz de nosso planeta parece favorecer a segunda ou a terceira posição.

QUINTO DIA

Gênesis 1:20 a 23 narra o povoamento das águas e do ar com seres vivos. Novamente, observe a expressão “segundo as suas espécies”. Ela parece se referir à variedade de tipos existentes. Essa interpretação sugere que a biodiversidade estava presente desde o início da vida nas águas e no ar. Não há indício aqui da criação de um único ancestral para produzir biodiversidade por meio de mudanças evolutivas.

Note ainda que os pássaros e animais marinhos deveriam se reproduzir e preencher o habitat disponível. Não é dito se a reprodução continuaria quando a Terra estivesse cheia. Com o propósito divino cumprido, a reprodução poderia cessar. Se esse for o caso, não haveria necessidade de morte. Se a reprodução continuasse, a morte poderia ser necessária. Baseado na revelação da vontade de Deus para a Nova Terra em Isaías 11 e 65, e em Apocalipse 21 e 22, acredito que a morte não era parte da criação original, embora existam opiniões diferentes sobre essa questão. De toda forma, o atual sistema ecológico não parece ser uma base para tirar conclusões sobre sistemas ecológicos em um mundo sem pecado.

SEXTO DIA

No sexto dia, Deus povoou a terra com seres viventes (Gn 1:24, 25). Mais uma vez, os animais eram de várias espécies. Diferentes tipos foram criados simultaneamente, e desde o início existiu uma grande variedade. Nada é dito sobre uma biodiversidade que evolui de uma única forma ancestral, embora a língua hebraica seja capaz de expressar essa ideia.

Então, Gênesis 1:26 e 27 apresenta a criação da raça humana. O ser humano é singular entre toda a criação. Só ele foi criado à imagem de Deus. Só ele recebeu domínio sobre a natureza, com a responsabilidade de governá-la sabiamente. A Bíblia enfatiza a natureza distinta dos humanos em relação aos outros animais. Sua singularidade, especialmente em relação à mente, tem sido notada pelos cientistas.

Após receber a bênção e a ordem para reprodução da espécie e governo do planeta (Gn 1:27), o primeiro casal foi instruído quanto à alimentação (Gn 1:28). A vegetação foi criada para ser uma fonte de alimento para animais e seres humanos. Nada é dito sobre a predação aqui, outra razão pela qual defendo a ideia de que a reprodução cessaria quando a Terra estivesse cheia, descartando a “necessidade” da morte.

Agora a Terra estava formada e preenchida. Cada ato de criação preparou o caminho para o próximo. Deus realizou Seu propósito: criar homem e mulher à Sua imagem. O ponto culminante da história da criação, o estabelecimento do sábado, é descrito em Gênesis 2:2 e 3.

O SÉTIMO DIA

A criação não estava completa até que o sábado fosse criado, um dia de comunhão entre Deus e os seres humanos. Essa pode ser a razão pela qual Ele criou em seis dias ao invés de fazer isso instantaneamente. Ao estabelecer um ciclo de sete dias, com o sábado separado para comunhão e adoração, o Senhor indicou Seu propósito ao nos criar: ter companheirismo conosco.

Ao longo da narrativa, Gênesis indica que um plano está sendo seguido. Deus tenciona ter comunhão conosco. Esse plano foi interrompido pelo pecado, mas será retomado quando a Terra for renovada.

AS BOAS-NOVAS DA CRIAÇÃO

Apocalipse 14:6 apresenta um anjo proclamando o evangelho, dizendo: “adorai Aquele que fez o céu, e a terra, e o mar, e as fontes das águas”. Por que a criação bíblica é parte das boas-novas do tempo do fim?10

Primeiro, faz parte das boas-novas saber que o Deus Criador tem poder absoluto sobre a natureza. Porque Ele tem poder ilimitado, podemos confiar em Sua condução. Se a criação tivesse sido realizada por meio de longas eras de mudanças graduais, como poderíamos confiar na capacidade divina de intervir em nossa vida?

A criação da humanidade à imagem de Deus também é parte das boas-novas. Isso estabelece um vínculo especial entre nós e Ele. Essa ligação explica por que o Senhor estaria interessado em nos resgatar dos resultados de nossas más escolhas. Se fôssemos apenas animais inteligentes, produto da evolução, por que Ele nos conferiria valor especial?

No fim da semana da criação, o Senhor viu tudo o que havia feito, e eis que era “muito bom”. Isso mostra que Ele não criou o mundo em sua condição atual. Sua vontade era que a criação permanecesse perfeita. As boas-novas são que morte, dor, predação e conflito serão abolidos, e um reino pacífico será estabelecido em breve (Is 11:6-9; 65:17-25; Ap 21:1-4; 22:1-5).

Mas, e se o mundo estiver evoluindo para uma melhor condição? Se esse for o caso, não é preciso dizer que ele começou muito mal! Isso seria uma péssima notícia sobre Deus. Contudo, a Bíblia afirma que o Senhor deu ao nosso mundo um bom início, e irá restaurá-lo a uma boa condição, assim que possível, sem violar nosso livre-arbítrio.

As boas-novas incluem outras ideias de Gênesis 1 a 11. O sábado do sétimo dia é um lembrete semanal de nossas origens e nosso relacionamento com o Criador. É um símbolo de fé no poder criativo de Deus. Além disso, a história da entrada do pecado no mundo é uma parte importante das boas-novas, pois explica por que nossa existência é repleta de miséria, sofrimento e morte. Deus valoriza o livre-arbítrio; por isso, deu à humanidade o poder de escolher o bem ou o mal e de experimentar os resultados de suas escolhas. A morte e outros males surgiram por conta das decisões humanas, não porque Deus é mau por natureza. O Senhor deseja nos resgatar de nossa miséria e providenciou um plano amoroso para nos redimir. Por fim, o dilúvio mostra que Deus é capaz de intervir, e que os erros serão corrigidos, algo que nos dá confiança de que Ele agirá para eliminar o mal e seus resultados. Isso também é uma boa-nova.

CONCLUSÃO

Conforme vimos, a história de nossas origens é parte vital de nossa compreensão acerca de nós mesmos e do mundo. Embora muitos detalhes da criação não sejam bem compreendidos, o relato de Gênesis fornece a base lógica para o evangelho. Tanto a ciência quanto as Escrituras contêm muitos mistérios, mas temos informação suficiente para entender que a criação é o resultado da ação intencional e sobrenatural de um Criador amoroso, e podemos compartilhar essas boas-novas com os outros.

REFERÊNCIAS

1 Niels-Erik Andreasen, “The word ‘earth’ in Genesis 1:1”, <https://tinyurl.com/y4w3h27x>, acessado em 14/2/2019.

2 Ellen G. White, Patriarcas e Profetas (Tatuí, SP: Casa Publicadora Brasileira, 2014), p. 41.

3 Myron Widmer, “Older than creation week?”, Adventist Review, 13/8/1992, p. 4.

4 Herold Weiss, “Genesis, Chapter One: A theological statement”, Spectrum 9 (4), p. 54-62.

5 Gerhard F. Hasel, “The ‘days’ of creation in Genesis 1: Literal ‘days’ or figurative ‘periods/epochs’ of time?”, <https://tinyurl.com/y23pmnz4>, acessado em 14/2/2019.

6 Larry G. Herr, “Why (and how) was light created before the sun?” Adventist Review, 21/11/1985, p. 8, 9. Ver também Ariel Roth, Origens (Tatuí, SP: Casa Publicadora Brasileira, 2001), p. 307-310.

7 Ellen G. White, Testemunhos para Ministros (Tatuí, SP: Casa Publicadora Brasileira, 2014), p. 136.

8 Um ponto de vista diferente se encontra em Larry Herr, “Genesis One historical-critical perspective”, Spectrum 13 (2), p. 51-62.

9 Colin L. House, “Some notes on translating [‘and the stars’] in Genesis 1:16”, Andrews University Seminary Studies 25, p. 241-248.

10 John T. Baldwin, Creation, Catastrophe and Calvary (Hagerstown, MD: Review and Herald, 2000).

JAMES GIBSON, doutor em Biologia, é diretor do Instituto de Pesquisa em Geociência, em Loma Linda, Estados Unidos

(Este artigo foi publicado originalmente na edição de maio-junho da revista Ministério)

Fonte: http://www.revistaadventista.com.br/blog/2019/07/16/olhar-analitico/

Sobre Max Rangel

Servo do Eterno, Casado com Arlete Vieira, Pai de 2 filhas, Analista de Sistemas, Fundador e Colunista do site www.religiaopura.com.br.

Além disso, veja também:

TV Novo Tempo elogia a manipulação de DNA em animais e humanos

O pecado dos “cientistas” antediluvianos se repete hoje em moderníssimos laboratórios, cujos pesquisadores não veem …

Mídia secular do Quênia diz que politicagem na IASD envergonha todas as igrejas

CLIPPING Discussões que dão má reputação a nossas igrejas Editorial 12 De Agosto De 2019 …

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.