Iníco / Alimentação, Saúde e Plantas Medicinais / Associação Americana de Médicos e Cirurgiões: “As Vacinas não são 100% Seguras, nem 100% Eficazes”

Associação Americana de Médicos e Cirurgiões: “As Vacinas não são 100% Seguras, nem 100% Eficazes”

Com o fanatismo das vacinas tendo se transformado em um perigoso culto médico de esquerda, é refrescante ouvir uma organização médica denunciando a perigosa ideia das vacinas obrigatórias. Recentemente, a Associação de Médicos e Cirurgiões Americanos – uma organização que apóia as vacinas em geral – denunciou publicamente a busca pela obrigatoriedade da vacinação, declarando corretamente que “não há estudos de segurança rigorosos” que demonstrem a segurança das vacinas.

A declaração completa da AAPS é esclarecedora. Estamos repostando-o aqui e, ao ler isso, observe que a AAPS é uma organização pró-vacina, mas a AAPS ainda respeita o conceito fundamental do consentimento informado. Enquanto quase todos os outros membros do sistema médico se transformaram em um zumbi vacilante que tenta injetar pessoas com substâncias perigosas contra a sua vontade, a AAPS nos lembra que ainda há alguns indivíduos pensativos no campo pró-vacina que abraçam a importância da educação e liberdade de escolha do público.

Aqui está sua declaração completa:

Para: Subcomissão de Supervisão e Investigações, Comissão do Comércio e Energia

Comissão do Senado sobre Saúde, Educação, Trabalho e Pensões

Re: Declaração federal das vacinas obrigatórias

26 de fevereiro de 2019

A Associação de Médicos e Cirurgiões Americanos (AAPS) opõe-se fortemente à interferência federal nas decisões médicas, incluindo as vacinas obrigatórias. Depois de ser totalmente informado sobre os riscos e benefícios de um procedimento médico, os pacientes têm o direito de rejeitar ou aceitar esse procedimento. A regulação da prática médica é uma função do Estado, não federal. A preempção governamental de decisões de pacientes ou pais sobre a aceitação de medicamentos ou outras intervenções médicas é uma grave intrusão na liberdade individual, autonomia e decisões dos pais sobre a criação dos filhos.

Uma ameaça à saúde pública é a justificativa para a política de vacinas obrigatórias. Mas quanto de uma ameaça é necessária para justificar forçar as pessoas a aceitarem riscos impostos pelo governo? Os reguladores podem intervir para proteger o público contra o risco de uma ameaça de um em um milhão, como o câncer devido uma exposição involuntária a uma toxina, ou um risco em 100.000 de uma exposição voluntária (por exemplo, ocupacional). Qual é o risco de morte, câncer ou complicação incapacitante de uma vacina? Não existem estudos rigorosos de segurança com poder suficiente para descartar um risco muito menor de complicações, até mesmo uma em 10.000, para as vacinas. Tais estudos exigiriam um número adequado de cobaias, uma longa duração (anos, não dias), um grupo controle não vacinado (o placebo deve ser verdadeiramente inativo, como solução salina, não o adjuvante ou antígeno).

As vacinas são necessariamente arriscadas, conforme reconhecido pelo Supremo Tribunal dos EUA e pelo Congresso. O Programa de Compensação de Lesões por Vacinas pagou cerca de 4 bilhões de dólares em indenizações e os altos obstáculos devem ser superados para cobrar uma indenização. O dano pode ser tão devastador que a maioria das pessoas preferiria restaurar a função a um prêmio de dano multimilionário.

A vacina contra a varíola é tão perigosa que você não pode tomá-la agora, apesar da varíola ter se tornado uma arma. A vacina contra a raiva é administrada somente após uma suspeita de exposição ou para pessoas de alto risco, como veterinários. A vacina contra coqueluche de células inteiras foi retirada do mercado norte-americano, uma década depois do mercado japonês, por causa de relatos de danos cerebrais permanentes graves. A vacina acelular que a substituiu é evidentemente mais segura, embora um pouco menos eficaz.

A relação risco/benefício varia com a frequência e gravidade da doença, segurança da vacina e fatores individuais do paciente. Estes devem ser avaliados pelo paciente e pelo médico, não impostos por uma agência governamental.

Bill Gates e a Elite do Mundo NÃO VACINAM Seus Próprios Filhos… e por Boas Razões

O sarampo é uma ameaça muito divulgada, usada para pressionar as vacinas obrigatórias, e é provavelmente a pior ameaça entre as doenças evitáveis ​​por vacinação, porque é altamente contagiosa. Há surtos ocasionais, geralmente começando com um indivíduo infectado vindo de algum lugar fora dos EUA. A maioria, mas de maneira nenhuma todas as pessoas que contraem o sarampo não foram vacinadas. Quase todos fazem uma recuperação completa, com imunidade robusta e vitalícia. A última morte do sarampo nos EUA ocorreu em 2015, de  acordo com o CDC. As complicações potenciais do sarampo, incluindo a morte em pessoas que não podem ser vacinadas devido à deficiência imunológica, justificam a revogação dos direitos de todos os americanos e estabelecem um precedente para restrições ainda maiores ao nosso direito de dar ou recusar o consentimento para intervenções médicas? Claramente não.

Muitas complicações graves seguiram a vacinação com SCR e estão listadas no folheto informativo do fabricante, embora uma relação causal possa não ter sido provada. De acordo com um relatório de 2012 da Cochrane Collaboration, “A concepção e o relato dos resultados de segurança em estudos da vacina SCR, tanto antes como depois da comercialização, são em grande parte inadequados” (citado pelo National Vaccine Information Center).

Defensores das vacinas obrigatórias frequentemente afirmam a necessidade de uma taxa de imunização de 95% para alcançar a imunidade de grupo. No entanto, Mary Holland e Chase Zachary da NYU School of Law argumentam, na Oregon Law Review, que devido a causa da imunidade de grupo e a erradicação do sarampo são inatingíveis, o objetivo melhor é para efeito de grupo é o controle da doença. A melhor solução resultaria, argumentam, de consentimento informado, comunicação mais aberta e abordagens baseadas no mercado.

Depressão: Outro Efeito Colateral das Vacinas Tóxicas?

Mesmo desconsiderando os efeitos adversos da vacina, os resultados da vacinação quase universais não foram completamente positivos. O sarampo, quando ocorre, é quatro a cinco vezes pior do que nos tempos pré-vacinais, de acordo com o Lancet Infectious Diseases, devido à mudança na distribuição etária: mais adultos, cuja imunidade vacinal diminuiu, e mais bebês que não mais recebem imunidade passiva de sua mãe naturalmente imune para protegê-los durante seu período mais vulnerável.

O sarampo é um problema inquietante e, mais completo, a vacinação obrigatória provavelmente não o resolverá. Melhores medidas de saúde pública – detecção antecipada, rastreamento de contato e isolamento; uma vacina mais eficaz e segura; ou um tratamento eficaz são todos necessários. Enquanto isso, aqueles que optam por não vacinar agora podem fazê-lo em um surto, ou podem ser isolados. Pacientes imunossuprimidos podem escolher o isolamento em qualquer evento, porque as pessoas vacinadas podem também transmitir sarampo mesmo que não estejam doentes.

Documentos Internos Vazados Mostram que 36 Bebês Morreram Depois de Receber Esta Vacina

Questões que o Congresso deve considerar:

* Os fabricantes são praticamente imunes à responsabilidade pelo produto, de modo que o incentivo para desenvolver produtos mais seguros é muito reduzido. Os fabricantes podem até se recusar a disponibilizar um produto que se acredita ser mais seguro, como a vacina monovalente contra o sarampo, em vez da vacina tríplice viral (sarampo-caxumba-rubéola). A recusa do consumidor é o único incentivo de conseguir melhorias.
* Existem enormes conflitos de interesse envolvendo relacionamentos lucrativos com fornecedores de vacinas.
* Pesquisas sobre possíveis efeitos adversos da vacina estão sendo anuladas, assim como a divergência dos profissionais.
* Existem muitos mecanismos teóricos para os efeitos adversos das vacinas, especialmente em crianças com desenvolvimento de cérebros e sistemas imunológicos. Observe os efeitos devastadores do Zika vírus ou da rubéola em humanos em desenvolvimento, embora os adultos possam ter infecções leves ou assintomáticas. Muitas vacinas contêm vírus vivos destinados a causar uma infecção leve. O cérebro das crianças está se desenvolvendo rapidamente – qualquer interferência na complexa sinfonia do desenvolvimento pode ser ruinosa.
* As vacinas não são 100% seguras nem 100% eficazes. Nem são os únicos meios disponíveis para controlar a propagação da doença.

A AAPS acredita que os direitos de liberdade são inalienáveis. Pacientes e pais têm o direito de recusar a vacinação, embora pessoas potencialmente contagiosas possam ser restringidas em seus movimentos (por exemplo, como com o Ebola), conforme necessário para proteger os outros contra um perigo claro e presente. Pessoas não vacinadas sem exposição a uma doença e sem evidência de doença não são um perigo claro ou presente.

A AAPS representa milhares de médicos em todas as especialidades do país. Foi fundada em 1943 para proteger a medicina privada e a relação médico-paciente.

Respeitosamente,

Jane M. Orient, MD, diretora executiva da
associação de médicos e cirurgiões americanos

Leia mais:


Filho de Ex-lutador do UFC Morre após Tomar a Vacina SCR

O Colapso da Ciência das Vacinas Está bem Encaminhado, Mas as Pessoas não Conhecem o Verdadeiro Problema

Fontes:
– Natural News: The Association of American Physicians and Surgeons denounces mandatory vaccines, citing “no rigorous safety studies”

Sobre Max Rangel

Servo do Eterno, Casado com Arlete Vieira, Pai de 2 filhas, Analista de Sistemas, Fundador e Colunista do site www.religiaopura.com.br.

Além disso, veja também:

O que COMER na T.R.I.B.U.L.A.Ç.Ã.O?

Relacionado

A Inversão Dos Polos Magnéticos e o Afonso do Ciência de Verdade

Relacionado

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.