Iníco / Noticias Adventistas / Como “desliteralizar” Gênesis 1 sem dizer que o está “alegorizando”

Como “desliteralizar” Gênesis 1 sem dizer que o está “alegorizando”

Basta atribuir por simples afirmação novos significados a algumas palavras-chave, impondo sua credibilidade e confiabilidade como intérprete oficial do hebraico e garantindo que na concepção do antigo oriente próximo, pôr para funcionar seria mais importante que criar do nada. Essa espécie de conhecimento especial e oculto que seria necessária para entender o que é verdadeiro no texto bíblico, equivale à volta do gnosticismo ao cristianismo.

Depois de afirmar que o estilo poético-prosaico do texto hebraico de Gênesis 1 exige leitura e compreensão literal, sem o sentido metafórico que atribuímos à poesia e que não se trata de um mito ou fábula, mas de um registro histórico, o pastor e professor do Unasp Edson Nunes, volta à rica, culta e exigente igreja de Moema, em São Paulo, SP, com outra leitura de Gênesis 1.

Desta vez, atribui novos significados a algumas palavras-chave, de maneira que o esquema da pseudo-semana-da-criação possa ter acontecido depois de um período de duração incalculável entre o momento em que a matéria houvesse surgido e pudesse ser então colocada por Deus para funcionar…

Neste novo sermão, que atendeu muito provavelmente a exigência de parte da seleta platéia dessa igreja de ricos dizimistas evoluteístas, a palavra “princípio” em Gênesis 1:1, passa a referir-se a um “processo temporal, maior do que um tempo fixo.”

Bereshit (do verbo bara) deve ser entendido não como “criar” do nada, “ex nihilo”, mas significaria que Deus é sempre o sujeito desse verbo, sem importar se criou do nada ou não.

“Tohu vavohu” ou “sem forma e vazia” refere-se a um “deserto, ermo, sem vida, mais do que à idéia de uma forma simplesmente, identifica um “lugar sem produção, onde não há nada.”

Diz ainda que no antigo oriente médio, existir é funcionar… Que já havia terra, trevas, abismo, águas, antes do princípio da “semana da criação”… Em lugar de criar do nada, Deus iria agora simplesmente dar função para as coisas…

Edson Nunes argumenta que Deus supostamente não disse “haja a terra”, mas apenas “apareça a porção seca” porque a terra jáexistia e em seguida Deus teria dado à terra a função de produzir vida, plantas, etc. Portanto, nessa retratação de Edson Nunes sobre Gênesis 1, Deus não estaria falando da criação material, mas sobre dar função a algo que Ele já teria criado bem antes…

Deus está presente em Gênesis 1, mas inicia somente o processo de dar função, não de criação, segundo essa nova interpretação do relato bíblico da criação.

O que Deus faz, o homem também deverá fazer. E Eva deverá ser sua “eser” — auxiliadora — palavra que teria sido usada sempre no contexto de apoio durante a guerra. Do mesmo modo como Deus nos ajuda, fazendo o que não sabemos, a mulher deveria ajudar o homem, embora fosse “superior” a ele, na versão do pregador.

O homem que veio da terra é colocado para cuidar da terra e a mulher que veio do homem deveria cuidar dele. Ser a imagem e semelhança de Deus deixa de ser assemelhar-se aEle. Ser imagem seria a missão ou função humana.

Perceba que o pregador afirma que só há existência porque Deus garante função, propósito, missão, para a terra, água, céus e o próprio ser humano! Interpretação homilética e alegorizada do relato bíblico, defendida originalmente por John Walton, professor de Antigo Testamento no Wheaton College, teólogo que primeiro defendeu que o relato de Gênesis não se refere a uma criação “ex nihilo”, e sim apenas à ordenação e atribuição de funções ao que já existia.

Perigoso Retorno ao Gnosticismo

Em 2009, o Dr. Walton publicou um pequeno volume intitulado The Lost World of Genesis One. Nele ele argumentou que, para entender a Bíblia, era necessário entender o antigo ambiente cultural em que ela foi escrita. É preciso, portanto, mergulhar na literatura não-israelita escrita durante esse período. Usando este novo conhecimento, pode-se recuperar o “mundo perdido” dos antigos e interpretar adequadamente a Bíblia.

Embora estudiosos conservadores concordassem que a compreensão da cultura antiga é importante, houve forte desacordo com suas análises e conclusões. [1]

Por exemplo, o Dr. Walton afirmou que o antigo povo do Oriente Próximo se concentrava mais em como as coisas funcionavam do que em sua natureza material . Isso significa que quando Gênesis 1 descreve Deus formando terra, mar e animais ao longo de uma série de dias, não está se referindo a substâncias materiais como sujeira, água e carne aparecendo em tempos e lugares específicos. Em vez disso, revela a função dessas coisas dentro do “templo cósmico” do mundo.

Essa construção incomum permitiu ao Dr. Walton concluir que Gênesis 1 “nunca foi destinado a ser um relato de origens materiais. Pelo contrário, foi concebido como uma conta de origens funcionais…. Se a Bíblia não oferece um relato de origens materiais, somos livres para considerar as origens contemporâneas em seus próprios méritos, desde que Deus seja visto como responsável final. ” [2]

A utilidade de um mundo perdido

Evolucionistas teístas rapidamente reconheceram a utilidade dessa nova interpretação. Eles desejavam fundir a história evolucionária com a Bíblia, mas sempre haviam lutado com a interpretação tradicional de Gênesis: a criação imediata em seis dias normais é o oposto do desenvolvimento progressivo ao longo de bilhões de anos.

A interpretação do Dr. Walton foi a solução perfeita. Ele agia como uma lâmina hermenêutica separando os eventos de Gênesis 1 do tempo real, permitindo assim que eventos evolutivos ocupassem seus lugares.

É por isso que Francis Collins, fundador do grupo de defesa da evolução teológica Biologos, é citado na capa do livro dizendo que é “uma nova análise profundamente importante do significado do Gênesis”. Não é de surpreender que o Dr. Walton seja membro do Conselho do Biologos Advisory.

A missão de Biologos é convencer a igreja evangélica global a adotar a evolução teísta. Como dizem em seu site: “A BioLogos convida a igreja e o mundo a ver a harmonia entre a ciência e a fé bíblica à medida que apresentamos uma compreensão evolucionária da criação de Deus.”

O trabalho do Dr. Walton, portanto, desempenha um papel fundamental em sua estratégia. Eles entendem que para mudar a igreja, eles devem primeiro mudar sua compreensão do Gênesis. Em 2013, Biologos financiou uma turnê mundial de sete meses para o Dr. Walton falar em dezenas de seminários e universidades nos Estados Unidos e outros 15 países.

Desde então, o Dr. Walton continuou a aplicar sua metodologia do “mundo perdido” a outras partes da Bíblia. Em livros adicionais, ele redefine a natureza da revelação bíblica, que Adão e Eva eram “arquétipos” em vez dos primeiros seres humanos biológicos, e que o dilúvio de Gênesis era um evento local não identificável descrito hiperbolicamente como uma catástrofe global. [3]

Como um estudioso bíblico evangélico acaba promovendo idéias tão heterodoxas?

É aqui que a tese do Dr. Walton fornece uma visão única de seu pensamento. O que revela é que ele adotou uma visão gnóstica do mundo antigo que o capacita a reinterpretar as principais seções das Escrituras.

Entrando em um mundo gnóstico

O Dr. Walton me lembra o teólogo do terceiro século Orígenes, a quem ele às vezes se refere. Orígenes tinha uma das mentes teológicas mais criativas da igreja primitiva. No entanto, sua criatividade o levou a defender visões que foram rejeitadas como perigosas para a teologia cristã.

Isso é o que os estudantes sentem quando leem um artigo ou livro do Dr. Walton. Há uma sensação perigosa em declarações como:

“Nenhum historiador existia no mundo antigo.”

“Gênesis é melhor entendido como narrativa do que como registro de eventos históricos.”

“Quando aceitamos a verdade de tais narrativas, estamos aceitando as afirmações metafísicas, que transcendem o empírico.”

“É impossível reconstruir eventos forensicamente usando as informações que a Bíblia fornece”.

“Quando tentamos enquadrar narrativas em termos históricos, potencialmente diminuímos sua verdade e limitamos a natureza de sua realidade.”

“As narrativas de Gênesis estão interessadas em uma realidade profunda que transcende eventos e história. Seu significado não é encontrado em sua historicidade, mas em sua teologia; não no que aconteceu, ou mesmo em afirmar que algo que acontecer, mas em por que isso aconteceu.”

Estas declarações revelam uma forma moderna de gnosticismo.

Por “gnosticismo”, estou me referindo a uma visão filosófica do mundo que pensa que conhecimento especial e oculto é necessário para entender o que é verdadeiro. Para o Dr. Walton, esse conhecimento é encontrado em seu “mundo perdido”; só pode ser recuperado por estudiosos como ele. Esse conhecimento fornece uma visão verdadeira da realidade.

A realidade é assim dividida em dois níveis: o que parece ser real versus “uma realidade profunda que transcende eventos e história”. Aqueles que não aceitam o conhecimento do Dr. Walton como ele o apresenta, são desprezados por falta de compreensão verdadeira: eles são mal orientados, eles usam categorias impróprias, eles fazem as perguntas erradas.

Quando se aceita seu conhecimento, no entanto, revela as divisões entre categorias previamente assumidas como conectadas: fé e realidade, função e natureza material, linguagem e evento, teologia e história.

Desentendimentos sobre essas coisas persistiram por séculos na igreja devido à falta de conhecimento. Agora que esse conhecimento especial está disponível, a igreja pode começar a conhecer a verdade.

No entanto, essa verdade não é capturada por uma série de declarações proposicionais descrevendo eventos passados ​​(como o Credo dos Apóstolos). Pelo contrário, é o movimento em um caminho medido pela aceitação ou rejeição desse conhecimento especial.

Quando alguém aceita esse conhecimento, é capaz de superar as tensões assumidas entre visões concorrentes das origens e da história. Em vez disso, quando se percebe que o texto bíblico está descrevendo “história teológica” em vez de história real, a pessoa está livre para aceitar a evolução como a verdadeira história do universo.

Segundo o Dr. Walton, a verdade bíblica não depende da história real. Em vez disso, “a verdade é encontrada na interpretação do narrador, que aceitamos pela fé, independentemente de podermos ou não reconstruir os eventos. Seus interesses não estão concentrados na história humana, mas nos planos e propósitos de Deus. ”

Esse é o objetivo do pensamento gnóstico: a separação da história humana dos planos e propósitos de Deus.

Nos primeiros séculos, o gnosticismo disse que a verdade foi encontrada em saber que Deus não poderia ter entrado no tempo como um homem suado, risonho e sangrando. Nestes últimos séculos, o gnosticismo diz que a verdade é encontrada em saber que Deus não poderia ter criado sujeira, água e vida em poucos dias, ou formado duas pessoas imediatamente de poeira e uma costela, ou destruído a terra com uma inundação global durante o 600º. ano da vida de Noé.

O gnosticismo procura consistentemente substituir a história bíblica por sua própria história. Na igreja primitiva, parecia às religiões da Pérsia e às filosofias da Grécia fornecer uma história espiritual do mundo. Na era moderna, parece à religião da ciência evolucionista e às filosofias do Iluminismo criar uma história materialista do universo.

No fundo, no entanto, o gnosticismo está em guerra com as ações reais de Deus na história.

É uma heresia que se opõe à visão bíblica que ensina uma conexão direta entre os atos originais da criação de Deus e Seu controle absoluto de cada evento no tempo. Esse controle inclui comunicação precisa através de Seus profetas sobre eventos reais que Ele realiza. Como Isaías nos diz:

Assim diz o Senhor, vosso Redentor, que te formou desde o ventre: Eu sou o Senhor, que faço todas as coisas, que sozinho estendi os céus, que sozinho estendi a terra, que frustra os sinais dos mentirosos e faz os tolos dos adivinhadores, que tornam os sábios para trás e tornam insensatos os seus conhecimentos, confirmam a palavra do seu servo e cumprem o conselho dos seus mensageiros, que dizem a respeito de Jerusalém: ‘Ela será habitada’ e das cidades de Judá ‘. Eles serão edificados e eu levantarei as suas ruínas. ‘” (Isaías 44: 24-26)

De acordo com Isaías, não há divisão essencial entre função e matéria, linguagem e evento, teologia e história. Basta ler Isaías 40-48 para ver que Deus forma materiais reais para funções específicas. Ele explica Suas palavras e ações no espaço e no tempo através de Seus servos, os profetas. Ele conecta diretamente a teologia às Suas ações na história.

O Dr. Nicholas Perrin, professor de estudos bíblicos em Wheaton, especializado em gnosticismo na igreja primitiva, explica essa conexão essencial entre Deus e a história:

“Deus fez história e história é importante. Além da convicção de que nossa fé é uma fé histórica, somos deixados apenas para nos dedicarmos. Mas, quando estamos plenamente convencidos de que a história sagrada combina com a história em que vivemos, nos movemos e temos, é quando a fé bíblica se torna uma possibilidade real…. O valor de coração e mente de reconectar o mundo bíblico ao “mundo real” dificilmente pode ser exagerado. De alguma forma, em nosso pensamento moderno confuso, conseguimos separar o que Deus uniu. ” [4]

Respondendo a um mundo gnóstico

O pensamento gnóstico sempre parece confuso. Isso porque tenta reorientar estruturas essenciais na ordem de criação. Irineu observou isso no século II e sabia que a melhor maneira de revelar erros gnósticos era compará-los com o texto bíblico e com a própria criação.

À luz disso, aqui estão três afirmações que podemos fazer em resposta ao Dr. Walton:

1. Deus projetou o mundo para que as pessoas possam conhecer o passado através da linguagem.

A doutrina da criação ensina que Deus fez o mundo físico usando a linguagem. Ele então formou o homem à sua imagem e lhe deu a habilidade de usar palavras para conhecer o mundo. Isso inclui a capacidade do homem de registrar eventos passados ​​e comunicá-los com precisão aos outros.

Nosso sentido básico de “história” como registro de eventos passados ​​(seja oral ou escrito, simples ou complexo) é resultado de ser feito à imagem de Deus. É uma característica que compartilhamos com todas as pessoas que já viveram.

Quando lemos no ano de 2018 dC algo que foi escrito em 1440 aC, instantaneamente cruzamos grandes distâncias de tempo e espaço. Mesmo quando idiomas e culturas são diferentes, temos a capacidade única de traduzir efetivamente o significado entre eles.

Afinal, Deus sempre pretendeu que a história fosse traduzida através da cultura e do tempo. Jesus falava uma língua, mas os evangelhos foram escritos em outra. Quando Pedro pregou o primeiro sermão, foi imediatamente traduzido para uma dúzia de idiomas. A própria Bíblia é uma coleção de documentos antigos do Oriente Próximo, escritos em três línguas diferentes ao longo de 1500 anos, por dezenas de homens de diversas culturas falando sobre eventos reais no tempo. É um testemunho claro da intenção esmagadora de Deus de comunicar a história através da linguagem.

Apesar disso, o Dr. Walton afirma que nosso conceito moderno de “história” não pode ser aplicado ao mundo antigo.

Ele invoca seu conhecimento especial para dizer que “nenhum historiador existiu no mundo antigo” e “o que é importante sobre os acontecimentos no mundo antigo não é de natureza empírica”. Eles estão mais interessados ​​no que o observador não pode ver. Isto é, eles estão mais inclinados a usar uma lente metafísica para a realidade, ao invés de uma empírica como nós fazemos. O mundo antigo como um todo tinha um jeito diferente de saber do que nós.

É importante para a interpretação gnóstica do Dr. Walton que ele separe nosso modo de pensar sobre o passado – até do jeito que sabemos – daquele do mundo antigo. Afinal, se nosso senso normal de “história” e “conhecimento” não se aplica aos antigos, como podemos ter certeza do que realmente aconteceu? Segundo o Dr. Walton, não podemos.

Esta é uma visão de mundo radicalmente diferente daquela ensinada pelos autores bíblicos que viveram e escreveram no mundo antigo. Eles repetidamente dizem que os eventos passados ​​são cognoscíveis e comunicáveis ​​para as futuras gerações através da linguagem.

Depois da primeira Páscoa, Moisés disse ao povo: “Lembrem-se do dia em que saíram do Egito, da casa da escravidão, porque por uma mão forte o Senhor te tirou deste lugar … Você dirá ao seu filho dia, ‘É por causa do que o Senhor fez por mim quando saí do Egito.’ ” (Êxodo 13: 3, 8) E mais tarde, ao viajarem em direção a Canaã, “Moisés anotou seus lugares de partida, etapa por etapa, por ordem do Senhor… ” (Nm 33:2)

Não apenas Moisés, mas Josué, Samuel, Isaías, Jeremias, Ezequiel, Daniel, Mateus, Marcos, Lucas e João, todos compreenderam o conceito de história e estavam plenamente conscientes do que estavam fazendo: registrando eventos reais para que as gerações futuras soubessem realmente aconteceu.

De fato, nós que vivemos no mundo ocidental recebemos nossa abordagem única da história dos hebreus. Isso é reconhecido pelos estudiosos em todos os lugares. Como até mesmo o teólogo liberal Thorlief Boman escreve: “em suma, pode-se dizer que os israelitas deram a religião histórica mundial”. [5]

A afirmação do Dr. Walton de conhecimento especial sobre o mundo antigo se desfaz quando se considera a Bíblia. No entanto, também se decompõe ao considerar textos antigos não-israelitas do Oriente Próximo. Há duas coisas a considerar aqui:

Primeiro, a maioria das pessoas não sabe que a grande maioria dos textos antigos são documentos administrativos, como contratos, leis, notas fiscais, casamentos, inventários, tratados, recibos e acordos. [6] Eles apresentam uma série de culturas antigas interessadas em datas, valores, pesos, medidas, custos, bordas, nomes e precisão numérica. É um mundo que usa a linguagem de maneira reconhecível e empírica.

Todos os tipos de pressupostos básicos sobre tempo, espaço e linguagem estão embutidos na economia, na política e na lei. Um contrato registra um contrato transacionado no passado , um recibo registra um item vendido no passado , uma escritura registra um pedaço de terra comprado no passado. Eles testemunham uma conexão essencial entre linguagem e história.

Em segundo lugar, em contraste com a abundância de documentos administrativos, existe apenas uma fração de textos literários não-israelitas com os quais o Dr. Walton pode tirar suas conclusões particulares. Por exemplo, ele menciona inscrições monásticas reais criadas para os reis pagãos como um contexto para a compreensão do Gênesis. Esta é uma comparação curiosa.

O Dr. Noel Weeks, ex-professor sênior de História Antiga da Universidade de Sydney, examinou os métodos do Dr. Walton e o uso de textos antigos do Oriente Próximo, afirmando: “Em resumo, não estou impressionado com toda a abordagem…. Não há reconhecimento da dificuldade de discernir uma mente uniforme do ANE. Textos extra-bíblicos individuais são transformados em representações de todo o enorme espaço cronológico e cultural. Ainda mais impressionantes são alegações que são simplesmente falsas ”. [7]

O Dr. Richard Averbeck, professor do Antigo Testamento e das línguas semíticas da Trinity Evangelical Divinity School, explica sucintamente: “O ponto é que a criação material era de grande preocupação tanto na Antigo Oriente Próximo quanto na antiga Israel.” [8]

Em suma, a bifurcação gnóstica do Dr. Walton de formas modernas e antigas de conhecimento é o oposto do testemunho bíblico e da ordem da criação. Ambos demonstram que todas as pessoas foram feitas à imagem de Deus para comunicar eventos aos outros através da linguagem ao longo do tempo.

Afinal, é através de eventos históricos que Deus se revela ao homem. Isso nos leva a nossa segunda afirmação.

2. As narrativas bíblicas são autorizadas porque Deus garantiu que elas fossem um registro preciso de Suas palavras e ações no tempo.

A doutrina da revelação ensina que Deus se revela através da criação e da linguagem. A primeira é “revelação geral” e afirma que pessoas de todos os tempos e culturas podem olhar para o mundo natural e perceber o poder e a natureza de Deus. (Romanos 1:19) O último é “revelação especial” e afirma que Deus falou em diferentes épocas e caminhos por meio de Seus profetas, Seus apóstolos e Seu Filho. (Hebreus 1:1-2)

Ao longo da história de Israel, no entanto, falsos profetas disseram que estavam falando por Deus. Como alguém poderia saber que eles eram falsos? Moisés forneceu um teste simples: se um profeta falasse em nome do Senhor, mas os eventos que ele previa não acontecessem, ele deveria ser ignorado. (Deuteronômio 18:22)

Esse teste revela a conexão essencial entre as palavras e a história de Deus. Uma vez que somente Deus controla o tempo e o espaço, somente Seus profetas poderiam prever consistentemente eventos em Seu nome. Como Deus explica em Isaías 42: 9 : “Eis que as primeiras coisas aconteceram e novas coisas eu agora declaro; antes que surjam, eu lhes falo sobre eles.

A reflexão verbal precisa dos eventos (passado, presente e futuro) era a marca básica do profeta de Deus. Mas essa reflexão também incluiu a interpretação dos eventos pelo profeta, de modo que aqueles que viviam na época — bem como seus descendentes — pudessem entender o propósito teológico desses eventos.

A discussão de Deus com Abraão em Gênesis 18 é um exemplo disso. Deus e os anjos passaram muitas horas com Abraão esperando que uma refeição fosse cozida e depois comê-la juntos. Eles naturalmente teriam falado sobre inúmeras coisas. No entanto, apenas dois estão incluídos na narrativa histórica: a promessa a respeito de Isaque e o intercâmbio sobre a destruição de Sodoma e Gomorra.

Sob a orientação do Espírito Santo, portanto, os profetas que escrevem sobre o passado foram levados a selecionar certos eventos, ignorar outros, enfatizar ações específicas e até mesmo ajustar a ordem cronológica para destacar pontos específicos. Esse controle do material histórico é o que todo mundo faz de alguma forma quando fala sobre o passado: a comunicação é sempre seleção, ênfase, ordem. No entanto, isso não minimiza a precisão potencial das palavras para representar eventos.

No caso de Abraão, o profeta liga as palavras de Deus às ações de Deus na história: “Então o Senhor fez chover Sodoma e Gomorra enxofre e fogo do Senhor do céu.” (Gn 19:24) e “O Senhor visitou Sara como ele havia dito, e o Senhor fez a Sara como havia prometido. ” (Gên. 21:1) A verdade da narrativa repousa sobre se havia realmente uma cidade em chamas ou um menino chorando.

Apesar disso, Walton projeta uma interpretação gnóstica na Bíblia quando afirma que “a verdade ou falsidade das narrativas tem menos a ver com a precisão com que elas descrevem os eventos do passado (muitas vezes incapazes de serem avaliados desde não temos testemunhas independentes), e mais a ver com a precisão com que descrevem o estado do presente … A autoridade é investida na interpretação do narrador, não no evento ou na nossa capacidade de reconstruir ou verificar o evento. .

É esta linha de pensamento que permite ao Dr. Walton concluir que Gênesis 1 não é sobre criação real em tempo normal, que Gênesis 2 não é sobre os dois primeiros seres humanos biológicos, e que Gênesis 6-8 não é sobre um verdadeiro dilúvio global.

Mas por que parar aí? Não há distinção exegética entre os filhos de Noé e Abraão – eles estão listados na mesma genealogia em Gênesis 11 . E quanto a Isaque, Jacó e José? A lâmina do Dr. Walton deve cortar as raízes históricas de todas as narrativas em Gênesis, removendo a autoridade do próprio evento e colocando-o na interpretação do autor que, aparentemente, está mais interessado no presente do que no passado.

No entanto, isso é o oposto da visão bíblica da autoridade. Como V. Philips Long observa, “a revelação divina deve estar localizada tanto nos eventos históricos quanto na palavra interpretativa que nos é mediada. Também parece ser a abordagem que está mais de acordo com o próprio testemunho bíblico. ” [9]

Mas a interpretação gnóstica da Bíblia feita pelo Dr. Walton insere um abismo entre os eventos e a interpretação desses eventos. Ele deve fazer isso, no entanto, para substituir a revelação bíblica sobre as origens da história evolutiva contemporânea. Autoridade é, portanto, retirado do evento e colocado apenas na interpretação. Se eventos como a criação de animais ou a inundação realmente aconteceram como as narrativas os descrevem, uma história evolutiva do mundo é impossível.

O Dr. Walton pode negar que esse tipo de substituição histórica é sua intenção, mas a estrutura de seus livros, os comentários repetitivos dentro deles e suas associações profissionais contam uma história diferente. Ele publicou um extenso corpus de material que fornece uma visão clara de seus pontos de vista. Como Jesus nos lembra: “Você os conhecerá pelos seus frutos” (Mt 7:16).

Isto, naturalmente, é como conhecemos alguém: por suas palavras e ações no tempo. É da mesma forma que Deus se revela a nós.

Ezequiel explica a ligação básica entre Deus e a história quando ele diz: “Assim diz o Senhor Deus: ‘Nenhuma das minhas palavras será mais demorada, mas a palavra que eu falo será realizada, declara o Senhor Deus’” (Ezequiel 12:28) “E sabereis que eu sou o Senhor, quando eu abrir os teus sepulcros, e te levantar das tuas sepulturas, ó meu povo. E eu porei o meu Espírito dentro de você, e você viverá, e eu colocarei você em sua própria terra. Então sabereis que eu sou o Senhor; Falei, e farei, diz o Senhor. ” (Ez 37:13-14)

O que Ezequiel nos lembra é que Deus estrutura eventos para incorporar a verdadeira teologia na história humana. Isso leva ao nosso terceiro ponto.

3. Deus colocou a teologia dentro do tecido da história humana de acordo com Seus planos e propósitos.

A doutrina da providência ensina que Deus ordena que todos os eventos da história estejam de acordo com suas intenções divinas. Como Isaías explica: “Assim diz o Senhor, o Santo de Israel e aquele que o formou: ‘Pergunte-me das coisas que estão por vir; você me comandará com respeito a meus filhos e ao trabalho de minhas mãos? Eu fiz a terra e criei o homem nela; foram as minhas mãos que estenderam os céus, e ordenei a todo o seu exército. Eu o incitei em retidão e farei todos os seus caminhos nivelados; ele edificará a minha cidade e libertará os meus exilados, não por preço ou recompensa ‘, diz o Senhor dos Exércitos. ” (Isaías 45:11-13)

Deus declara que, porque criou a terra e colocou o homem sobre ela, os israelitas podem ter certeza de que Ele levantará um homem único para salvá-los. Este é o Deus que “mata e traz à vida”, que “faz pobre e enriquece”, que “abate e exalta”. (1 Sm 2: 6-7) Ele é o Deus que molda a história humana da mesma maneira que o oleiro molda o barro, moldando-o para revelar Sua redenção e ser Sua redenção.

Como Geerhardus Vos explica, “em alguns casos, a revelação é identificada com a história. Além de usar palavras, Deus também empregou atos para revelar grandes princípios da verdade. Nestes casos, a história em si faz parte da revelação. Existe uma auto-revelação de Deus em tais atos. Eles falariam mesmo se falassem por si mesmos. ” [10]

Isto é o que vemos em todo o Novo Testamento. Jesus e os apóstolos confiam na estrutura da história bíblica para fornecer sua teologia.

Considere a resposta de Jesus aos fariseus sobre o divórcio: “Você não leu que aquele que os criou desde o princípio os fez homem e mulher, e disse: ‘Portanto o homem deixará seu pai e sua mãe e se apegará a sua esposa, e os dois se tornarão uma só carne? Portanto, já não são dois, mas uma só carne. O que, portanto, Deus uniu, não deixe o homem separado” (Mt 19: 4-6).

Jesus primeiro estabelece a autoridade do texto escrito como testemunha de um acontecimento real: “Você não leu…. Ele então constrói seu argumento contra o divórcio sobre a estrutura do que aconteceu no tempo: desde o princípio , Deus os criou como homem e mulher e pretendia que fossem unidos em casamento; Como resultado, homens e mulheres hoje devem permanecer unidos no casamento. Todo o argumento de Jesus depende da realidade de Adão e Eva serem os dois primeiros seres humanos casados ​​por Deus no jardim.

A teologia de Jesus está consistentemente conectada à história.

Apesar disso, o Dr. Walton cria uma separação gnóstica entre a história real e a teologia. Como ele afirma: “Reconstruir o evento não é o caminho para a verdade, porque a verdade alvo não é inerente ao evento, mas à interpretação do evento. As narrativas de Gênesis estão interessadas em uma realidade profunda que transcende eventos e história. Seu significado não é encontrado em sua historicidade, mas em sua teologia; não no que aconteceu, ou mesmo em afirmar que algo que acontecer, mas em por que isso aconteceu.”

Dr. Walton introduz uma falsa tensão entre história e teologia, a fim de desconectar eventos reais de suas implicações histórico-teológicas. Essa separação entre história e teologia permite-lhe substituir a história bíblica do mundo por uma história evolucionária materialista. Ao redefinir a história do homem, porém, ele deve inevitavelmente redefinir a teologia a ela ligada.

Considere os resultados do gnosticismo do Dr. Walton se aplicados a algumas doutrinas cristãs básicas:

Como devemos redefinir a revelação especial se as palavras da Bíblia não refletirem precisamente os eventos reais?

Como devemos redefinir a bondade, sabedoria e poder de Deus se Ele usou milhões de anos de evolução e morte para ‘criar’ animais e homens?

Como devemos redefinir a queda se a corrupção universal e a morte existissem antes de Adão?

Como devemos redefinir o pecado original se Adão e Eva não fossem os primeiros seres humanos biológicos?

Como devemos redefinir o julgamento universal se o dilúvio realmente não destruir todos os seres humanos e animais na Terra?

Como devemos redefinir a redenção se Jesus não veio para nos salvar dos efeitos do verdadeiro pecado de Adão?

Como devemos redefinir a autoridade da escritura se os autores do Novo Testamento baseiam sua teologia numa presumida historicidade de eventos passados?

Essas são perguntas perigosas a serem feitas. No entanto, eles são a consequência lógica do método do Dr. Walton. Não se pode substituir uma história por outra sem também mudar a teologia a ela ligada.

Pensamentos finais

O resultado de aceitar a visão gnóstica do Dr. Walton é a lenta destruição do fundamento histórico sobre o qual o cristianismo se baseia. Embora ele acredite que está fornecendo uma solução para o debate sobre as origens ao desconectar o texto bíblico da história real, ele está simplesmente caindo nos erros que afetaram o gnosticismo desde o primeiro século.

No entanto, o Dr. Walton é professor em uma das faculdades evangélicas mais respeitadas do mundo. Tal posição lhe confere notável credibilidade para difundir sua “nova análise do significado do Gênesis” aos cristãos de todos os lugares. Como resultado, alguns serão influenciados por seus métodos para adotar sua forma moderna de gnosticismo.

Isso é de fato concernente.

Uma de minhas suposições sobre os pensadores criativos é que eles tentam responder suas próprias perguntas através de seu trabalho. Você pode ver isso com romancistas e cineastas, bem como filósofos e teólogos.

Eu suspeito que algo semelhante está acontecendo com o Dr. Walton. Ele é claramente um homem brilhante e um pensador excepcionalmente criativo. Ele desenvolveu uma estrutura interpretativa única para resolver um problema em particular, que ele apresenta repetidas vezes em seus livros: o “conflito de origens percebidas entre a Bíblia e a ciência …” [11].

O objetivo do seu trabalho parece ser resolver esse problema difícil.

É um problema antigo. O historiador da ciência Edward Larson abre sua série de palestras A Teoria da Evolução: História de uma controvérsia, observando que no início do século 19, Gênesis 1 foi interpretado como Deus tendo criado todos os animais e pessoas de acordo com suas espécies. apenas alguns dias. Isso é oposto à visão de que todos os animais e pessoas foram progressivamente formados por seleção natural e descendência comum ao longo de milhões de anos. Essa é a essência da controvérsia.

O principal problema para os cristãos tem sido como conciliar uma religião que claramente é baseada em eventos históricos (a Crucificação e Ressurreição, a doação da Lei, o Dilúvio de Noé, Adão) com uma história evolucionária do mundo.

Para ser franco, como alguém pode afirmar a evolução e ainda manter o cristianismo?

Esse é o problema enfrentado pelo Dr. Walton. Enquanto sua solução básica é dividir o funcional e material (como descrito acima), ele oferece uma lógica filosófica intrigante para fazê-lo na “Proposição 13” do seu resumo do mundo perdido de Gênesis Um (ver Apênvice A, ao final)>. Ele afirma: “A diferença entre os relatos de origem na ciência e nas escrituras é de natureza metafísica”. [12]

Esta é uma declaração reveladora. Ao propô-lo, ele está tomando emprestada uma distinção da filosofia crítica moderna, que vê uma divisão essencial entre o “físico” e o “metafísico”. Ele, portanto, coloca os relatos de origem científica e contemporânea no reino físico, enquanto a atividade de Deus e os relatos de origem antiga são colocados no metafísico.

Segundo o Dr. Walton, a realidade pode ser vista como “um bolo de camada. Nesta visão, o reino da investigação científica seria representado na camada inferior…. Em contraste, a camada superior representa a obra de Deus.” [13] Ele diz que “A ciência, pela definição atual, não pode explorar a camada superior ”que“ diz respeito ao reino da teologia, ou mais amplamente, metafísica, e não é o material da ciência empírica … Gênesis é um relato de primeira camada — não está interessado em comunicar os mecanismos… ” [14]

Ao colocar os dois relatos de origens em duas camadas diferentes de realidade, ele remove o conflito. É por isso que ele pode dizer que é “percebido”; para ele, não é um conflito real, porque cada um descreve uma camada de realidade diferente e sem interseção.

Essa parece ser a influência filosófica por trás do gnosticismo do Dr. Walton. Ele toma essa distinção filosófica moderna e, conscientemente ou não, projeta-a de volta à visão de mundo dos antigos.

Ao ler sua explicação para a “Proposição 13”, continuei sentindo como se tivesse visto essa abordagem para estruturar o mundo antes e que houvesse um problema bem conhecido com ele. Não foi até que um amigo melhor formado em filosofia observou suas semelhanças com o pensamento neokantiano que me atingiu: o Dr. Walton estava empregando a filosofia crítica kantiana para separar o mundo em dois reinos essencialmente diferentes que não têm conexão identificável .

Francis Schaeffer viu esse tipo de divisão como o problema fundamental do pensamento moderno. Ele rastreou sua origem até o antigo neoplatonismo e usou uma linguagem semelhante para descrever a separação: ao dividir o mundo em uma “história superior” e “história inferior”, removemos as ações de Deus do mundo real. Teologia e fé operam no andar superior enquanto a ciência e a realidade operam no inferior.

Mas se isso for preciso, como as duas camadas se conectam? Esse é o novo dilema. Schaeffer, é claro, negou que essa separação fosse real; O Dr. Walton, no entanto, fez disso a pedra angular de sua metodologia.

Como resultado, ele se esforça em dizer que os mecanismos físicos “foram decretados pela palavra de Deus”, mas ele nunca identifica como o mundo divino da teologia metafísica realmente se cruza com o mundo real da ciência física. Onde as ações de Deus realmente interceptam a evolução? Como um Deus metafísico trabalha no mundo físico? O que podemos realmente saber que Ele fez se tivéssemos apenas interpretações humanas de eventos passados?

A adoção do Dr. Walton de uma distinção filosófica moderna para resolver um problema acaba criando incontáveis ​​outros.

Curiosamente, o Dr. Walton invoca essa distinção filosófica por razões semelhantes às de Immanuel Kant: ambas buscaram estabelecer uma base sólida para o conhecimento científico. Enquanto Kant, no entanto, não acreditava em Deus, o Dr. Walton certamente acredita. No entanto, ele adotou uma lâmina filosófica moldada por Kant que é perigosa para os cristãos exercerem.

O problema remonta à sua visão de “ciência” e “conhecimento”.

O que tanto Kant quanto Dr. Walton estão equivocados é que a ciência é, de algum modo, epistemologicamente definitiva. Não é por acaso que scientia é o mundo latino do conhecimento. (Assim como a gnose é o grego.) O que faz a ciência parecer oferecer certeza absoluta é que ela busca entender algo que na verdade é epistemologicamente definitivo: a criação de Deus. A ciência, no entanto, é feita pelo homem e, portanto, tem todas as falhas do homem e limitações naturais associadas a ela.

Foi isso que Thomas Kuhn percebeu: quando se estuda a história da ciência, percebe-se que as idéias científicas do homem não são epistemologicamente certas. “Ciência” é uma colcha de retalhos de peças e camadas que, com o tempo, são lentamente substituídas por novas, à medida que homens e mulheres procuram criar “mapas” de um mundo altamente complexo.

O processo de mapear o mundo físico na verdade requer habilidades metafísicas como pensamento racional, matemática, linguagem, análise, etc. Mas como esses mapas intelectuais se conectam ao mundo real?

Não-cristãos não têm explicação real. Basta ler “A Eficácia Irrazoável da Matemática nas Ciências Naturais”, de Eugene Wigners, para perceber que o problema permanece sem solução; a maioria dos cientistas simplesmente a ignora e volta a fazer ciência normal.

A solução só é encontrada na cosmovisão cristã. Aceitar isso, no entanto, significa rejeitar a visão neokantiana da realidade. Significa também a rejeição da divisão do físico e metafísico do Dr. Walton como ele os define.

Em vez disso, quando alguém aceita o que a Bíblia revela sobre o mundo, explica por que as pessoas podem criar mapas científicos úteis (por mais limitados e falíveis que sejam) e por que podemos realmente conhecer as coisas verdadeiras sobre o passado.

A solução é vista nos escritos de um homem idoso que viu os perigos que o gnosticismo representava para a igreja. Como apenas alguém liderado pelo Espírito Santo poderia fazer, ele mostrou como a ação metafísica divina de Deus levou à criação física registrada em Gênesis 1 , e como o Deus-homem Jesus Cristo estava essencialmente ligado a ambos:

“No princípio era a Palavra, e a Palavra estava com Deus, e a Palavra era Deus. Ele estava no princípio com Deus. Todas as coisas foram feitas por ele, e sem ele nada do que foi feito foi feito. E o Verbo se fez carne e habitou entre nós, e vimos a sua glória, glória como do único Filho do Pai, cheio de graça e verdade. ” (João 1: 1-3, 14)

Em vez de separação absoluta, existe uma conexão dinâmica entre Deus e Sua criação. Deus é transcendente e imanente, e suas ações podem ser conhecidas no mundo real.

Embora seja um grande mistério, Cristo é a solução para tudo isso, como afirma o Credo de Calcedônia: Ele é “em duas naturezas, inconfundivelmente, imutavelmente, indivisivelmente, inseparavelmente”.

A razão pela qual a matemática funciona, ou podemos fazer ciência, ou podemos usar a linguagem, ou podemos conhecer o passado, é porque um Deus metafísico/físico criou um mundo metafísico/físico e colocou nele um homem metafísico/físico para governá-lo, garantindo assim que tudo estava perfeitamente inter-relacionado. O metafísico e o físico são diferentes, mas conectados. Como o apóstolo João observa, há uma interação real e histórica entre os dois que foi projetada por Deus no começo e continua até o presente.

Quando o homem pecou, ​​no entanto, ele confundiu esse relacionamento. Nós vemos isso quando Adão e Eva pensaram que poderiam cobrir seus corpos físicos para esconder sua vergonha espiritual. Como resultado, o homem começou a adorar o próprio mundo físico, pensando de alguma forma que poderia usá-lo para controlar a metafísica. Isaías satiriza essa visão de mundo e mostra como isso sempre leva a uma mentira. (Isaías 44:9-20).

Para resolver o problema, Deus entrou no mundo e se tornou um homem. Isso demonstrou por toda a eternidade a conexão essencial entre os dois reinos – assim como Seu controle final sobre toda a história e Seu direito somente para ser adorado.

Deus então assegurou que Suas ações seriam escritas para que todos soubessem com precisão. É isso que João nos diz no final do seu evangelho: “Jesus fez muitos outros sinais na presença dos discípulos, que não estão escritos neste livro; mas estes são escritos para que creiais que Jesus é o Cristo, o Filho de Deus, e para que, crendo, tenhais vida em seu nome. ” (João 20: 30-31)

A linguagem é o que Deus sempre usa para revelar sua interação metafísica/física para salvar pessoas reais no mundo do espaço-tempo. Esta é a razão pela qual qualquer um que olha para a Bíblia como um todo também deve aceitar que Gênesis é um reflexo exato dos atos de Deus no tempo. Seja criando tudo em seis dias normais, formando Adão e Eva como os primeiros seres humanos biológicos, ou inundando o mundo inteiro, Ele sempre usou uma linguagem precisa para registrar Suas ações para que pudéssemos conhecê-Lo.

Este é o verdadeiro conhecimento.

E assim, embora eu respeite o brilhantismo e a criatividade do Dr. Walton, sua solução proposta para a questão das origens só leva a um conjunto mais sério de problemas. Sua abordagem filosófica é uma maneira perigosa de olhar o mundo.

Notas:

[1] Especificamente Vern Poythress, Noel Weeks, Richard Averbeck, John Currid, Steve Boyd e outros.

[2] John H. Walton,O Mundo Perdido de Gênesis Um(IVP Acadêmico, 2009) 131.

[3] Respectivamente emO Mundo Perdido das Escrituras(IVP Acadêmico, 2013),O Mundo Perdido de Adão e Eva(IVP Acadêmico, 2015),eO Mundo Perdido do Dilúvio(IVP Acadêmico, 2018).

[4] Andrew E. Steinmann, From Abraham to Paul: A Biblical Chronology (Concordia Publishing House, 2011) xxiv.

[5] Thorlief Boman, Hebrew Thought Compared with Greek (W.W. Norton & Co, 1960) 11.

[6] Marc Van De Mieroop, Cuneiform Texts and the Writing of History (Routledge, 1999), 12.

[7] Noel Weeks, “The Bible and the ‘Universal’ Ancient World: A Critique of John Walton,” Westminster Theological Journal, 78 (2016), 26.

[8] Richard E. Averbeck, “The Lost World of Adam and Eve: A Review Essay,” Themelios 40.2 (2015), 235.

[9] V. Philips Long, The Art of Biblical History (Zondervan 1994) 105-106.

[10] Geerhardus Vos, Redemptive History and Biblical Interpretation (P&R 1990) 9.

[11] Lost World of Genesis One, 113.

[12] Ibid.

[13] Ibid, 114.

[14] Ibid, 114, 115.

ANEXO 1

Resumo das idéias de John Walton

É o Gênesis uma História Real?

Muitas vezes, a questão sobre a natureza histórica do Gênesis é colocada em justaposição com “mito” ou “poesia”. Estas são falsas dicotomias e não levam a afirmações úteis ou a compreensão mais profunda. A questão, “É o Gênesis uma História Real?”, em muitos aspectos, é apenas a pergunta errada, porque nos obriga a operar com as nossas categorias modernas, definições e visão de mundo sobre o que constitui “história”. Quando ficamos trancados em nossas próprias formas de pensar, nós potencialmente distorcemos o que a literatura antiga está fazendo. Podemos explorar a questão em uma série de breves observações.

1. Quando usamos o termo “História”, o que estamos pensando é uma construção moderna não conhecido no mundo antigo. Nosso termo categoria é carregada de significado moderno, interesses e valores e não pode ser usado casualmente.

2. Não há tal coisa como um historiador existente no mundo antigo, e mesmo antigas inscrições do Antigo Oriente Próximo, muitas vezes considerada a principal fonte de história, foram escriaos, a fim de preservar o legado do rei, seja para futuros reis ou para os deuses. Portanto, podemos dizer que nesses documentos, falando sobre eventos é um meio para um fim de falar sobre o rei. É por isso que a sua verdade e falsidade é avaliado com base no que eles dizem sobre o rei, e não sobre o que eles dizem sobre os eventos.

3. Mesmo quando o referente de uma narrativa é um evento, o evento é um meio para um fim. Apesar de a narrativa tem um evento como referente, a narrativa não deve ser considerada orientada para o evento. Questões maiores estão em jogo.

4. O que é importante sobre os acontecimentos no mundo antigo não é de natureza empírica. Eles são mais interessado no que o observador pudesse não ver. Ou seja, eles estão mais inclinados a usar uma lente metafísica pela realidade, em vez de um empírica como nós. Quando aceitamos a verdade de tais narrativas estamos aceitando as afirmações metafísicas, que transcendem o empírico. Eventos em seu ponto de vista, portanto, compreendem mais do que aquilo que chamamos de história. No entanto, para todos que a visão ampliada, que não faz o ponto de vista de eventos menos real para eles. Eles podem ter eventos como os referentes a uma narrativa, ainda visualizar os eventos de uma maneira muito diferente do que nós. O mundo antigo como um todo tem diferentes formas de saber do que nós.

5. Não podemos ler a história; vivemos história. Nós lemos narrativas sobre eventos. Que narrativas dizem sobre eventos ou outras formas de realidade é mais importante, e por natureza, é intencionalmente interpretativa. Em Gênesis, a interpretação do narrador tem autoridade, não qualquer evento.

6.Nem tudo o que é real é história. Quando tentamos enquadrar narrativas em termos históricos que potencialmente diminuir sua verdade e limitar a natureza de sua realidade.

7. Genesis é melhor compreendido como narrativa em vez de como um registro dos acontecimentos históricos. Narrativa usa eventos, mas ela os molda para seus propósitos. História é feita de eventos. Eventos não podem ser recuperados por atacado. Nós só temos as narrativas com suas perspectivas e interpretações particulares.

8. Narrativas de Gênesis são narrativas não de Deus (que exigiria teoria ditado); eles são narrativas humanas que levam a autoridade de Deus. Consequentemente eles vão sempre levar a perspectiva humana e será baseada na observação e interpretação humana. Em Gênesis 1 temos a interpretação de um autor israelita da criação comunicada a uma audiência israelita. O narrador não é uma testemunha ocular e, portanto, não apresentá-la como história que ele viveu ou teria testemunhado. Que a narrativa não deve ser classificado como história. Mas, como a história tem uma âncora em eventos reais. É preciso reconhecer, porém, que tais narrativas não são “sobre” os acontecimentos que descrevem. Eles são sobre o não presente no passado. Eles oferecem a compreensão do mundo que o narrador deseja transmitir ao seu público.

Acreditamos que o entendimento do narrador em Gênesis é dada por Deus e, portanto, aceitá-la como oferecendo uma compreensão autoritária e verdadeiro do mundo. Não é fornecido para que possamos reconstruir os eventos de criação abordando a compreensão científica de hoje ou atender às demandas de nossa visão de mundo moderna. Autoridade é investido na interpretação do narrador, não no evento ou na nossa capacidade de reconstruir ou verificar o evento.

9. Selecione, recolha num narrativa, interpretação e forma perspectiva o pretendido verdade, e não apenas o fato contundente do evento. Narrativas que usam eventos têm finalidades e perspectivas.

10. Um relatório observacional é diferente de uma narrativa. Narrativas não são escritas para relatar o passado, mas para interpretar o passado para compreender o presente. Esta propriedade de definição, assim, oferece ao público um meio de compreender a identidade, nem os feitos do passado, mas o estado de coisas tal como estão no mundo do seu presente. É o significado para o presente, não a representação do passado, que dá a história do seu valor, e é a razão por que alguém se deu ao trabalho de escrever sobre os eventos ou para ler as narrativas. Consequentemente, a verdade ou falsidade das narrativas tem menos a ver com a precisão com que eles descrevem os eventos do passado (muitas vezes não é capaz de ser avaliada uma vez que temos nenhuma testemunha independente), e mais a ver com a precisão com que eles descrevem o estado do presente.

Historiador pode legitimamente reivindicar a experiência necessária precisava falar sobre eles com autoridade. Assim, eles não são “história”, mas como a história que eles não são realmente “sobre” os eventos que eles descrevem também.

11. Muitas das narrativas de Gênesis são narrativas de “identidade”. Em termos gerais, podemos dizer que o propósito dessas narrativas é descrever algo sobre a natureza eo caráter das pessoas e /ou comunidade que a história é uma narrativa de. A verificação da realidade vem perguntando “É isso que X é realmente?” Em vez de perguntar “É isso o que realmente aconteceu?” A última avaliação não é acessível através da narrativa.

12. As narrativas do Gênesis focam a resolução de conflitos. O problema é que a ordem estabelecida pela presença de Deus foi perdido e precisa ser recuperado. Essa é a missão narrativa. Ordem é estabelecida (Gn 1-2), perdeu (Gn 3), degenerados (Gen 4-6), é reposto (Gn 6-9) e há uma iniciativa humana para restaurar a presença de Deus (Gen 11) diante de Deus lança seu própria iniciativa (da aliança). Gênesis 1-11, então, é a história de fundo para a aliança. As narrativas Backstory dar uma avaliação verdadeira e real da situação humana e do pacto é verdadeira solução de Deus.

Precisamos não ter nenhum interesse na reconstrução de eventos de aceitarmos a interpretação dos eventos. Apologética procura reconstruir eventos para combater o ceticismo. Aqueles que procuram a verdade de Gênesis não tem necessidade de reconstruir eventos; eles buscam a mensagem do autor.

14. Muitos acreditam que o gênero de “história” é essencialmente uma apresentação de dados objetivos que os leitores são destinadas a chamar em ordem para reconstruir forense eventos. Essa abordagem leva os detalhes do texto como se fossem uma série de pontos de dados objetivos que podem ser usados para reconstruir forense que uma câmera presente no evento teria registrado. Na verdade, porém, é impossível reconstruir forense eventos usando as informações que o bíblia proporciona. Reconstruindo o evento não é o caminho para a verdade, porque a verdade alvo não é inerente ao evento, mas na interpretação do evento.

15. Narrativas! Genesis está interessado em uma realidade profunda que transcende eventos e história. Seu significado não é encontrado em sua historicidade, mas em sua teologia; não em o que aconteceu, ou mesmo em afirmar que algo fez acontecer, mas em porque aconteceu. O que Deus estava fazendo? É aí que o significado é para ser encontrado. Quando voltamos nossa atenção para a defesa de uma historicidade, que estão envolvidos em reducionismo se tornou demasiado focado em provar a realidade dos acontecimentos, em vez de abraçar a interpretação do significado teológico que está sendo monitorado pelo autor.

A questão não é se Genesis é história ou mito, ou se é histórico ou poético. Por trás da questão de saber se Gênesis é “história real” é uma preocupação para a verdade de Gênesis. A verdade é encontrada na interpretação do narrador, que aceitamos pela fé, independentemente de haver ou não podemos reconstruir os eventos. Seus interesses não se concentram na história humana, mas sobre os planos e propósitos de Deus.

Sobre Max Rangel

Servo do Eterno, Casado com Arlete Vieira, Pai de 2 filhas, Analista de Sistemas, Fundador e Colunista do site www.religiaopura.com.br.

Além disso, veja também:

Terra Plana | Estranha Conspiração

Relacionado

Pastor adventista demitido por criticar Dilma analisa documento sobre política da DSA

Íntegra do documento: “OS ADVENTISTAS E A POLÍTICA” Documento votado no Concílio Anual sul-americano traz …

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.