Conspiração de Gênesis 6: Os Gigantes da Antiguidade e o Cisma da Maçonaria Antediluviana

https://i0.wp.com/www.adventistas.com/wp-content/uploads/2021/03/anubisgigante-698x1024.jpg?resize=433%2C636

Quando percebemos que muitas coisas foram encobertas na história da humanidade, começamos a cavar por informações, e as vezes algumas dessas informações podem ser perturbadoras, porém, podem nos ajudar a entender coisas que aparentemente não fazem muito sentido. A discussão de hoje é sobre os Gigantes do Passado e a Maçonaria Antediluviana.

Lembre-se que a partir desta semana, teremos vídeos de segunda a sexta todos os dias, por pelo menos uns 2 meses sobre o livro “A conspiração de Genesis 6: Como sociedades secretas e os descendentes de gigantes planejam escravizar a humanidade”  (com tradução automática do Google Translate abaixo), que é o foco das discussões desta série de vídeos do irmão Afonso de Vasconcelos, doutor em geofísica pela USP.

4. Os Gigantes da Antiguidade

Aqui, nos primeiros tempos, nasceram os gigantes famosos.

—Baruch 3:26

Nephilim (Anakim) eram pessoas que colocavam medo no coração do homem comum. Carol Rose os descreve como gigantes enormes e assustadores.

Os Nephilim eram grandes guerreiros. Eles eram muito mais altos e maiores do que o israelita médio e possuíam consideravelmente mais força.2 Mas gigante se refere apenas a uma raça maior de humanóides ou a uma besta distinta que diminuía a humanidade? Os israelitas pós-diluvianos se descreveram como “meros gafanhotos” em comparação com os nefilins, conhecidos alternativamente como anaquitas. Os israelitas não apenas disseram que os Nephilim eram maiores do que eles, mas também que pareciam insetos em sua presença! 3 Esta é uma comparação surpreendente, mas gráfica. Os anaquitas eram considerados na lenda bíblica como semideuses gigantes: metade homens e metade anjos; até mesmo suas filhas eram gigantes que possuíam tamanho e força enormes.4 Em Peake’s Commentary on the Bible (edição de 1962), NH

Devemos ser claros neste ponto. Nephilim eram gigantes. O Antigo Testamento, os apócrifos, Josefo, os evangelhos gnósticos e uma miríade de outras fontes, todos testemunham o mesmo. Esses gigantes, de fato, tiveram um grande impacto na evolução dos mundos antediluviano e pós-diluviano, mas antes de nos aprofundarmos em seu legado na história antiga, vamos primeiro quantificar o que queremos dizer com gigantes para entender melhor quem são esses monstros estavam.

Seu tamanho era impressionante. Golias – mais tarde ligarei Golias aos Nephilim – afirmava ter mais de três metros de altura.6 Isso seria quatro metros mais alto do que a altura média de uma pessoa daquela época, ou quase o dobro! Iris Freelander, uma ministra ordenada, que possui diplomas em psicologia e teologia, observa que, dependendo de qual erudito bíblico conta a narrativa de Golias, ele tinha de 2,5 a 3,5 metros de altura.7 Em medidas de antiquário, A altura de Golias era de seis côvados e um palmo.8 Um côvado era comum de dezoito polegadas ou vinte e uma polegadas reais, enquanto um palmo tinha nove polegadas.9 Isso então registrava a altura de Golias em nove pés, nove polegadas na medida comum, mas porque Golias era de linhagem real Nephilim, pode-se argumentar que a verdadeira altura de Golias era de onze pés, três polegadas.

O rei Og dos amorreus possuía uma cama com mais de quatro metros de comprimento e seis metros de largura, 11 exigindo que ele tivesse pelo menos três metros de altura e até doze a quatro metros de altura. Og foi descrito na lenda como sendo de tamanho tão imenso que as águas batiam apenas em seus tornozelos.12 Todas as camas e móveis de Og eram feitos de ferro, pois seu peso esmagaria qualquer móvel feito de madeira.13 Podemos apenas especular sobre o que o tamanho que alguns gigantes podem ter alcançado ou mesmo quão grande a descendência original pura poderia ter sido, antes de se misturarem com a humanidade, diluindo seu tamanho e força ao longo das gerações. Os gigantes do Gênesis devem ter sido monstros.

Só podemos tentar imaginar seres que tivessem quase três metros de altura ou mais, com peso corporal variando de 600 a 900 libras de músculos puros. Os Nephilim não eram apenas extraordinariamente altos como o jogador de basquete moderno. Os Nephilim foram construídos mais como o jogador de futebol moderno ou o lutador moderno do WWF. Os caídos registrados na Teogânica por Hesíodo (907 AEC) foram descritos como uma raça monstruosa (“os caídos” traduzidos do hebraico para o grego são gigantes), 14 assim como os nefilins são traduzidos do hebraico para o grego como gigantes.15 Eles eram aumentados por músculos , dotado de força. A proporção entre altura e largura de Og, como um exemplo clássico, era surpreendente de dois para um, estabelecendo Og como sendo incrivelmente amplo, pois o ser humano médio mantém uma proporção de três para um.16 Além disso, os Nephilim eram rápidos e famosos por sua rapidez, destreza,

Os Nephilim infligiam terror tanto com sua altura quanto com sua largura. Eles eram feras poderosas, que se vestiam com armaduras e armas que forçariam o homem médio a desabar com o peso.18 Isso sem dúvida deixou o homem médio pasmo de espanto e medo, especialmente quando eles veriam tais feitos de força e os gigantes ostentando sua armadura para a batalha e, em seguida, travando a guerra por baixo dela. Eles eram conhecidos por terem uma companhia de criados apenas para carregar suas armaduras; o homem comum só suportava carregar uma peça de sua armadura de cada vez, exigindo, assim, um harém de criados. Os Nephilim eram guerreiros temíveis, heróis da antiguidade.

Alguns foram descritos como tendo seis dedos em cada mão e seis dedos em cada pé.19 Da mesma forma, Carol Rose descreve Og como tendo vários dedos das mãos e dos pés, insinuando que Og possuía mais de cinco de cada um.20 As mãos e os pés deviam ser intimidante não só pelo seu grande tamanho, mas também pela sua mutação. Calçados de tamanho 25 ou 30 (medidas modernas) não seriam incomuns. A noção de que esses gigantes eram uma forma mutante da humanidade é muito mais do que mera especulação. Josefo confirmou o mesmo cenário de que os Nephilim possuíam um dedo e dedo do pé extras em cada mão e cada pé.21

Basta raciocinar que tais seres grandes devem ter sido projetados e submetidos à bioengenharia de maneira diferente para suportar tamanho e peso. A menos que esses seres de fato tenham sido projetados de maneira diferente, eles não poderiam ser considerados poderosos guerreiros ou heróis da antiguidade. Eles teriam sido considerados criaturas deformadas, descoordenadas e patéticas, merecendo mais de nossa simpatia do que nosso respeito ou medo, por causa dos animais terríveis que eram. Sem a bioengenharia especificamente alterada, os Nephilim não seriam nada mais do que antigos aberrações secundárias.

Olhamos para Josefo mais uma vez em busca de insights raros sobre se os Nefilins eram ou não uma forma mutante da humanidade ou apenas meros aberrações secundárias. Josefo indicou que os semblantes dos gigantes eram inteiramente exclusivos da anatomia humana normal.22 Os descendentes dos Nephilim eram terríveis e surpreendentes à vista, assim como eram assustadores aos ouvidos. A tradução é simplesmente que os Nephilim eram um ataque muito assustador aos sentidos devido ao seu tamanho monstruoso e à força estrondosa de suas vozes. Além disso, os Nephilim eram terríveis de se ver, assim como seus pais serpentinos haviam sido, pois ambos possuíam o rosto de uma víbora, 23 de uma cobra.

Mais importante, porém, Josefo colocou no registro histórico que mesmo a estrutura óssea dos gigantes era diferente da dos seres humanos normais, o que, como já sublinhei, deve ter sido o caso para aqueles gigantes terem suportado seu grande tamanho e peso .24 Josefo não indica exatamente quais poderiam ser as diferenças, apenas que eram bastante diferentes das da humanidade normal. Essa estrutura óssea de Nephilim completamente diferente pode explicar por que investigações científicas planejadas desconsideram ossos fósseis atribuídos a gigantes como possivelmente (mas não conclusivamente) atribuídos a mastodontes ou mamutes.25

Josefo passou a afirmar que os ossos dessas criaturas foram mantidos em exibição pública para que todos se admirassem. Na verdade, eles estavam em exibição pública até a época de Josefo, o que nos diz claramente que essas maravilhas anatômicas estavam disponíveis para visualização até 70 dC 26 Ainda mais surpreendente, gigantes vivos eram publicamente vistos como espetáculos e maravilhas em Roma. Posio e Secundillia, um gigante e giganta na época de Augusto, tinham ambos dez pés e três polegadas de altura. Gabbaras, um gigante da época do reinado de Cláudio, tinha quase nove pés e dez centímetros de altura, enquanto um gigante trácio tinha nove metros de altura durante o reinado de Maximin.27 Ossos de Nephilim exibidos publicamente não descrevem como eram os ossos , mas eles contrastam a singularidade anatômica significativa desses ossos. A estrutura óssea desses gigantes deve ter sido uma maravilha de se contemplar, com base não apenas em seu tamanho, mas também em muitas outras coisas anatômicas; pelo menos, podemos especular que esse deve ser o caso, uma vez que eles mantiveram a atenção do público por um longo período e ainda confundem os cientistas modernos quanto à natureza de seus fósseis.

Na verdade, além do registro de Josephus, esqueletos gigantes foram até confirmados por recuperação arqueológica, conforme observado por Charles Sellier, onde ele cita Charles Missler, um autor e pesquisador publicado em mais de quarenta publicações. Missler insistiu que há evidências científicas absolutas de tribos de gigantes, confirmadas pela recuperação arqueológica de esqueletos enormes na Palestina. Missler passou a notar que Anakim e Rephaim altos e de pele clara foram homenageados em vários monumentos egípcios.28

Os semblantes dos Nephilim tecem seu caminho através do registro histórico do Antigo Testamento, aparecendo e reaparecendo em vários nomes de povos. Deuteronômio e Números listam os muitos nomes variados das raças Nephilim no período pós-diluviano:

Eu dei a terra de Ar aos descendentes de Lot como uma posse. (Os emitas costumavam viver lá – um povo forte, numeroso e tão alto quanto os anaquitas. Como os anaquitas, eles também eram considerados refaitas, mas os moabitas os chamavam de emitas).

—Deuteronômio 2: 9-11, (ênfase adicionada)

Essa também era considerada a terra dos refaitas, que moravam lá, mas os amonitas os chamavam de Zamzummites. Eles eram pessoas fortes e numerosas, e tão altas quanto os Anakites. O Senhor os destruiu desde antes dos amonitas, que os expulsaram e se estabeleceram em seu lugar. O Senhor fez o mesmo pelos descendentes de Esaú, que viviam em Seir, quando destruiu os horeus antes deles. Eles os expulsaram e viveram em seu lugar até hoje. E quanto aos avvitas que viviam nas aldeias até Gaza, os caftoritas que saíram de Caftor os destruíram e se estabeleceram em seus lugares.

—Deuteronômio 2: 20-23

“Vimos nefilins ali (os descendentes de Anak vêm dos nefilins)”, declara Números 13:32. Devemos concluir então que os Nephilim não apenas sobreviveram ao dilúvio, mas também floresceram como uma raça distinta no início da era pós-diluviana. As referências de Anakite e Rephaite sugerem que eles foram considerados a raiz ou as nações gigantes sobreviventes do dilúvio. Várias nações, no entanto, aplicaram seus próprios nomes vernáculos, como emites, zamzummites, horeus, avvites e, como iremos investigar mais tarde, possivelmente até amorreus e amalequitas. A designação bíblica compartilhada entre vários Nephilim pós-diluvianos era Rapha. Rapha aparece regularmente e sem coincidência na história de Davi e Golias. Rephaim é regularmente entendido como “gigantes antigos” na tradução do King James.29

A partir de um exame mais aprofundado das nações Nephilim pós-diluvianas, podemos reconstruir uma imagem precisa da aparência dos Nephilim. Em primeiro lugar, vamos definir Anak: “pescoço comprido, ou seja, um gigante”, 30 que o sol tocou seus pescoços31 por serem tão longos, como os das cobras. Zamzummites eram criadores de ruído, 32 o que provavelmente explica Josephus considerando os Nephilim como temíveis para a audiência. O autor Frank Joseph descreve os gigantes divinos com vozes como a de Atlas, quando ele berra das profundezas de sua montanha.33

Acreditava-se que os Nephilim tinham uma aparência assustadora (de cobra), assim como Josefo e outros declararam. Eles eram terríveis de se ver, assim como emim se traduz como “inspirar medo”, e rephaim se traduz como “fazer com que o coração enfraqueça à primeira vista” .34 Para ser específico, Josefo descreveu os Anak como uma raça famosa de gigantes que eram de tamanho tremendo, e seu semblante era tão completamente diferente em comparação com os humanos, que os Anak eram extraordinariamente surpreendentes, assustadores e terríveis para os sentidos da visão e da audição.35

Os nefilins espelhavam seus pais, anjos caídos, pois os observadores possuem a face de uma víbora 36 – serpentes identificadas como serafins, 37 empregadas como ligações entre o céu e a terra.38 Satanás assumiu a forma de um serafim quando enganou Eva no Jardim do Éden.39 Anjos semelhantes a serpentes foram registrados no evangelho gnóstico Origem do Mundo, possuindo rostos que eram longos e estreitos, maçãs do rosto proeminentes, maxilares alongados, lábios finos e olhos oblíquos (semelhantes aos alienígenas), enquanto seus descendentes se pareciam com eles.40

Na verdade, os nefilins e os observadores eram ambos referidos pelos antediluvianos como serpentes.41 Os crânios de cabeça longa, que datam da época antediluviana, foram desenterrados na Suméria e no Egito, dando mais crédito ao olhar de víbora dos Nefilins . Além disso, diz-se que os olhos dos Nefilins eram brilhantes e dourados ou cor de mel, enquanto sua pele era branca e áspera.42 Os mitológicos titãs antediluvianos da tradição grega foram originalmente reconhecidos como nascidos dos deuses Gaia e Urano; os Titãs eram parte humanos e parte serpentes, 43 de acordo com Carol Rose, assim como eles eram uma espécie inter-racial de mulheres humanas e anjos serafins. Os titãs atlantes eram conhecidos por terem feições aquilinas agudas, bocas determinadas, cabeças ovais, com uma leve inclinação para cima dos olhos.44

Vamos incluir neste debate o fato de que a insígnia oficial egípcia da realeza para o Egito era a naja, 45 e a representação de criaturas semelhantes a serpentes na antiguidade começa a se tornar real. A cobra foi gravada inexplicavelmente nas coroas do Egito a partir de 4000 aC, e talvez antes.46 Observe também, como discutido anteriormente, os monumentos egípcios registravam tanto Anakim quanto Rephaim como excepcionalmente altos e de pele clara.

Nefilins pós-diluvianos também são capturados na arte cananéia, que claramente retrata seres com pescoços longos e serpentinos, cabeças como cobras, bocas pequenas e olhos de grãos de café.47 Rephaim, surpreendentemente, surge frequentemente em textos cananitas, onde a denominação é traduzida como “divino seres. ”48 Voltaremos muitas vezes aos cananeus neste livro, com referência particular aos Nephilim e seu culto ao touro.

Novamente, imagens semelhantes de seres serpentinos foram encontradas em monumentos antigos do Egito e da América Central, que aparentemente datam da época antediluviana.49 Essas esculturas parecem ser imagens de anaquitas de pescoço longo e cabeça inclinada.

De acordo com o estudioso bíblico e autor JR Porter, os arqueólogos revelaram que as serpentes eram amplamente veneradas no Egito, nas culturas do Oriente Próximo e, não menos importante, em Canaã.50 Da mesma forma, a cultura Ubaid do antigo sul da Mesopotâmia, uma cultura que Gardner sugere como anterior a cultura suméria, retratou seus deuses e deusas com características faciais serpentinas distintas.51 De um modo geral, a cultura Ubaid refere-se a um período de civilização na baixa Mesopotâmia de 4000–5000 AC, enquanto o período de Uruk foi classificado como 4000–3200 AC, com 3200–2900 AC sendo o período Jemdat Nasr.52 O Jemdat Nasr é a época do dilúvio.

Nesse contexto, então, Ninkhursag, deusa do panteão sumério, era referida como a “Senhora Serpente”, assim como os sombrios e gigantes semideuses sumérios, os Anunnaki, eram referidos no Épico de Kur-Sag como príncipes e serpentes esplêndidas. 53 No mesmo espírito, Eva foi associada às deusas da fertilidade do Oriente Próximo, onde o nome de Eva de alguma forma derivou ou está relacionado com a palavra cobra, e Eva era uma deusa serpente original da fertilidade e da vida.54

Inserindo uma anedota estranha da arqueologia, encontra-se uma prática inesperada que prevalecia entre as aristocracias e sacerdócios de duas culturas aparentemente distantes e não relacionadas. As culturas pós-diluvianas de centro-americanos e citas da região do Mar Negro do Tártaro e da Transilvânia praticavam um misterioso ritual de achatar a testa para representar um crânio recuado, uma característica semelhante à de uma víbora. Os citas acreditavam que tal aparência conferia certa distinção aristocrática.55

Quanto aos centro-americanos, a prática de aplainar o crânio foi provavelmente uma tentativa de aproximar a imagem de um povo civilizado e dominante, 56 talvez os nefilins. Lembre-se, também, de que a cultura e as religiões da América Central estavam transbordando de imagens serpentinas.

E, finalmente, Inácio Donnelly, o famoso autor de um dos livros mais antigos e definitivos sobre Atlântida, Atlântida, O Mundo Antediluviano, afirma o seguinte: “Temos apenas que comparar essas linhas com os crânios dos egípcios, curdos e do tipo heróico de cabeças no status de deuses da Grécia, para ver que havia uma raça antiga marcada por uma testa recuada. ”57

Finalmente, os registros e lendas bíblicas registraram uma anedota interessante a respeito dos atributos físicos dos Nephilim no nascimento de Noé. Lameque confundiu a natureza sagrada de Noé como possuindo as características físicas surpreendentes do bebê Nephilim.58 Isso foi descrito adicionalmente no primeiro livro de Enoque:

E depois de alguns dias, meu filho, Matusalém, casou-se com seu filho Lameque, e ela ficou grávida dele e lhe deu um filho. E seu corpo era branco como a neve e vermelho como uma rosa; o cabelo de sua cabeça tão branco quanto lã e seu demdema [cabelo longo e encaracolado] lindo; e quanto aos seus olhos, quando os abriu, a casa inteira brilhava como o sol…. E seu pai, Lameque, ficou com medo dele e fugiu e foi para Matusalém, seu pai; e ele lhe disse: “Eu gerei um filho estranho. Ele não é como um ser humano, mas se parece com os filhos dos anjos do céu para mim, sua forma é diferente e não como nós…. Não me parece que ele seja meu, mas dos anjos. ”59

Da mesma forma, os gigantes atlantes, de acordo com Frank Joseph, autor de The Destruction of Atlantis, possuíam pele avermelhada e branca, com cabelos loiros e ruivos e olhos brilhantes.60 Aprenderemos sobre outros gigantes antigos que também possuíam pele clara e eram conhecidos como lucent, ou “shining gods”, e gigantes como os Tuatha Denaan e o povo das fadas da tradição do Senhor do Anel, cuja aparência era idêntica aos retratos gravados nos monumentos egípcios.

Resumindo, os colossais Nephilim eram uma raça de gigantes que eram altos em estatura e poderosos em tamanho, força e destreza. Eles eram caçadores vorazes com apetites intermináveis. Sua aparência era assustadora para os olhos e seus sons, ásperos para os ouvidos. Os Nephilim eram bestas com pescoços longos e rostos de serpentes, semelhantes aos alienígenas que agora mitificamos. Eles eram de fato uma mutação em si mesmos, uma raça distinta que se associou a humanos equivocados para patrocinar Irmandades de Cobras que eventualmente usurparam todos os governos da era antediluviana.

5. O Cisma da Maçonaria Antediluviana

ERRO DE PORTUGUÊS… Nos slides eu escrevi
Maçonaria com S (ao invés de Ç), porque em inglês freemason é com S, e eu me confundi. De qualquer forma, isso não altera o teor do vídeo!”

“Caim estava construindo uma cidade e deu-lhe o nome de seu filho Enoque.

—Gênesis 4:17

A maior parte do que foi apresentado em relação à introdução da religião panteísta ou pagã original foi especulação. Portanto, como essa nova religião herética e antediluviana introduzida pela progênie de Caim impactou a época antediluviana?

Essa religião espúria imposta pelos Nephilim de alguma forma levou o povo a uma rebelião total contra Deus, o Altíssimo, o que levou diretamente ao dilúvio. A Encyclopedia Americana descreveu a rebelião gigante como uma luta contra a “ordem da criação”, contra os deuses1 (Deus). É esse misticismo obscuro, antigo e antediluviano que renasceu em nossa geração, a um nível assustador de autoridade e poder ocultos, dando nova vida a The Genesis 6 Conspiracy.

Vamos voltar mais uma vez às Lendas da Arte preservadas pela Fraternidade Maçônica. Como aprendemos no capítulo dois, as Sete Ciências Sagradas ensinadas a Adão por Deus no Éden foram transmitidas a Seth e Caim. Caim cresceu para odiar o Deus verdadeiro, vivendo em total desafio, rebelando-se contra Deus e corrompendo, junto com seus descendentes, todas as Ciências Sagradas.

A posteridade de Caim poluiu essas Ciências Sagradas com idolatria e misticismo, aplicando o conhecimento para suas próprias agendas ímpias. Foi essa corrupção do conhecimento divino misturada com o panteísmo que foi então mesclada com a descendência dos anjos, que formou o eixo da Conspiração de Gênesis 6. Os Nephilim foram espalhados por todo o mundo antediluviano, com tamanho e força superiores para fazer cumprir a nova religião mística do estado. Os Nephilim combinavam seu poder com o panteísmo idólatra, que não deixava restrições à aplicação de seu poder, tanto físico quanto abstrato.

Como mencionei, o conhecimento divino das Sete Ciências foi passado para Caim e Seth. Essa foi a divisão antediluviana, conhecida como “o Cisma da Maçonaria”, de acordo com o Dr. Oliver e a Teoria Oliveriana, reconhecida como o “puro” e o “espúrio”. 2 Este cisma da Maçonaria antediluviana pode ser mais facilmente entendido como o separa o monoteísmo da divisão do politeísmo espúrio e místico.

O dicionário Webster’s New Compact Format define espúrio como “bastardo, ilegítimo, não genuíno, falso, forjado, simulado, mas essencialmente diferente”. E foi exatamente isso que aconteceu. A Maçonaria praticada pelos descendentes de Caim até o dilúvio era a forma bastarda do conhecimento divino, praticada de uma maneira que simulava a forma pura, mas era intrinsecamente diferente em seu núcleo. A Maçonaria, como continua o Dr. Oliver, era uma relíquia dos mistérios idólatras incrustados no cisma antediluviano, descendendo do ramo espúrio das Sete Ciências.3

À medida que o dia do dilúvio se aproximava, algo tinha que ser feito pelas forças espúrias. Mais uma vez, na teoria Oliveriana da Lenda da Arte, eram os filhos de Lameque, aquelas crianças curiosas cujos nomes encontraram seu caminho no livro de Gênesis por nenhuma razão aparente real além de serem os inventores de algumas habilidades inócuas e comércios (Jabal, Jubal, Tubal-Cain e Naamah), que preservaram e então revitalizaram o ramo espúrio.4 Eles não foram registrados nas Escrituras por sua contribuição positiva, mas sim por suas influências maculadas. Eles não eram heróis a serem reverenciados, mas sim curadores infames do mal.

Seu vil legado, entretanto, não se limitou apenas à era antediluviana. Os filhos de Lamech também foram creditados com a preservação das Ciências Corrompidas em dois pilares projetados para sobreviver ao dilúvio, de modo que as religiões numinosas pudessem ser transmitidas via hieróglifos ao mundo pós-diluviano para corromper aquela idade, 5 continuando assim a Conspiração de Gênesis 6. Como logo descobriremos, os filhos de Lameque foram muito bem-sucedidos em transmitir essas doutrinas heréticas da corrupção ao mundo pós-diluviano. Novamente, isso reforça ainda mais a legitimidade da Escritura registrar os filhos de Lameque pelo nome por causa de sua infâmia incrédula.

Por outro lado, a posteridade de Seth foi o ramo justo da semente de Adão. Seth foi registrado na lenda de Oliver como associado apenas aos homens mais virtuosos de sua época, conhecidos como os filhos da luz.6 Sua posteridade permaneceu justa, não corrompida pela descendência de Caim, até a sétima geração, durante o tempo de Matusalém, filho de Enoque. Seth presidiu a Arte até a época de Enoque, quando Seth nomeou Enoque como líder e guardião das Ciências Sagradas não corrompidas.

Enoque também era um homem justo, registrado nas Escrituras como caminhando com Deus. Enoque era tão justo que Deus o arrebatou ao céu sem que ele sofresse a primeira morte.7 Apenas dois outros santos na história bíblica receberam tal honra: Elias e o discípulo que Jesus amava.8 A maioria dos cristãos acredita que o discípulo que Jesus amava era João, mas é mais provável que tenha sido Netanael, embora os gnósticos acreditem que foi Maria Madalena. Netanael não foi incluído entre os doze apóstolos nomeados, embora Filipe estivesse (Mateus 10: 1-4; Marcos 3: 13-19; Lucas 6: 12-16), embora Jesus chamasse Filipe e Netanael ao mesmo tempo (João 1:43 -51). Netanael desaparece depois disso, o que me parece muito estranho, mas presume-se que ele permaneceu entre os discípulos depois de ser chamado. Observe o que Jesus disse quando conheceu Netanael: “Aqui está um verdadeiro israelita, em quem nada há de falso ”(João 1:47); “Como você me conhece?” Perguntou Nethanael. Jesus respondeu: “Eu te vi quando você ainda estava debaixo da figueira, antes que Phillip te chamasse”. Então Netanael declarou, [e desde o primeiro encontro e muito antes de Pedro reconhecer Jesus como tal] “Rabi, você é o Filho de Deus; você é o Rei de Israel. ” (João 1: 48-49); “Você verá coisas maiores do que isso.” Ele então acrescentou: “Em verdade, vocês verão o céu aberto e os anjos de Deus subindo e descendo sobre o Filho do Homem [dando a entender que Netanael estaria presente na ascensão de Jesus] (João 1: 50-51. Então na última ceia: “Pedro voltou-se e viu que o discípulo que Jesus amava os seguia. (era este que se encostou a Jesus na ceia e disse:“ Senhor, quem te vai trair? ”) Quando Peter o viu, ele perguntou, “Senhor, o que tem ele?” Jesus respondeu: “Se eu quero que ele continue vivo até que eu volte, o que é que tens? Você deve me seguir. ” Por causa disso, espalhou-se o boato entre os irmãos de que esse discípulo não morreria. Mas Jesus não disse que não morreria; ele apenas disse: “Se eu quero que ele continue vivo até eu voltar, o que é isso para você?” Este é o discípulo que dá testemunho dessas coisas e que as escreveu. Sabemos que seu testemunho é verdadeiro ”. (João 21: 2025). Todos os doze apóstolos, incluindo Matias, que substituiu Judas Iscariotes, estavam presentes na ascensão de Jesus e depois quando dois anjos desceram e ascenderam ao céu com Jesus quando os céus se abriram para receber Jesus (Atos 1: 7-14), mas aquele elogiado aparentemente além os outros discípulos e chamados por Jesus de debaixo da figueira não foram mencionados.

Seja quem for, porém, a pessoa deve ser do sexo masculino, pois foi registrada como “ele” no livro de João.9 Tanto Elias quanto o discípulo que Jesus amava foram reservados para retornar à Terra durante a tribulação para sofrer a primeira morte. 10 Somente os eleitos dos santos durante a tribulação dos últimos dias receberão o mesmo tributo que Enoque por não sofrer a primeira morte; eles serão arrebatados e transformados diretamente no céu.11

Josefo registrou a posteridade de Seth como pessoas que imitavam as virtudes de Seth, pois ele era virtuoso e de bom caráter.12 Josefo também registrou, assim como a História da Maçonaria, que a posteridade de Seth foi inventora da sabedoria peculiar da astronomia.13 Como os descendentes de Seth até Noé eram todos agrários, o conhecimento dos planetas e das estações era vital para sua prosperidade. Sua especialização pode ter sido em astronomia muito avançada, mas Seth e seus descendentes eram muito bem versados ​​em todas as outras seis ciências.14 Isso continuou até a sétima geração.

A versão Anderson de Craft Legend registrou o emprego justo filtrado para os poucos selecionados que permaneceram leais ao Deus verdadeiro, até que finalmente havia apenas um homem justo de sua época, Noé15. A marca pura trabalhou em oposição direta à variedade poluída empregada por A posteridade de Caim.16 A marca pura incluía adoração e honra ao Deus verdadeiro, sem ritos e cerimônias; 17 ao passo que a marca espúria não atribuía nada a Deus. Eles adoravam um panteão de deuses inundado de ídolos, ritos, cerimônias e misticismo. A Teoria Oliveriana observa que os descendentes de Seth continuaram a abordagem pura, sem os chamados símbolos sagrados, mas secretos, e cerimônias empregadas pelo ramo de Caim. Sethians praticava um sistema de moral e religião pura.18

O ramo puro sobreviveu ao dilúvio por meio de Noé, o último dos Guardiões da época antediluviana. Ele ressurgiu imediatamente após o dilúvio por meio dos três filhos de Noé, Ham, Shem e Jafé, que continuaram a prática de uma maneira mais limitada.19 Noé, de acordo com os cabalistas, era uma figura de sabedoria que entendia os mistérios secretos; pensava-se que ele conhecia os mistérios dos anjos mais elevados e de todas as coisas vivas20 dos Mistérios da sabedoria ensinada a Adão, sabedoria que pode ter sido registrada nas Escrituras perdidas chamadas de Livro da Luz e Livro da Criação.21

No evangelho gnóstico O Apocalipse de Adão, Adão passou para seu filho, Sete, e sua semente, o conhecimento celestial de Adão, apesar da chamada tentativa do Criador de destruir a humanidade através do dilúvio: 22

Agora então, meu filho Seth, eu vou revelar a você as coisas que aqueles homens que eu vi antes de mim revelaram a mim depois que eu completei os tempos desta geração e os anos da geração foram cumpridos. Pois chuvas do Deus Todo-Poderoso serão derramadas para que ele possa destruir toda a carne da terra por meio daquilo que está ao seu redor, junto com aqueles da semente dos homens que passaram a vida do conhecimento, que vieram de mim e Eva sua mãe. Pois eram estranhos para ele … E nenhuma semente virá de você [Noé] dos homens que não permanecerão na minha presença em outra glória. Então eles se tornarão como a nuvem da grande luz. Virão aqueles homens que foram expulsos do conhecimento dos grandes Aeons e anjos.

E assim, descobrimos a maneira pela qual as marcas espúrias e puras das Ciências celestiais sobreviveram ao dilúvio para se impressionarem mais uma vez no mundo pós-diluviano através do ramo puro que ligou o dilúvio através de Noé e o ramo espúrio ligou o dilúvio através de os Pilares de Lamech. Só que dessa vez o galho poluído não se casou com os Nefilins pós-diluvianos com o mesmo grau de sucesso, poupando aquela época dos horrores da era antediluviana, até o fim desta era, nossa geração. Mesmo assim, as Ciências Espúrias se casaram com outra perturbadora e esquecida força da antiguidade em Babel.

Trazer todas essas informações anedóticas sobre as ciências religiosas antediluvianas forma o entendimento básico na compreensão das religiões e sociedades de cobras corrompidas que surgiram da preservação do conhecimento celestial, que então causou o dilúvio. Revelar as formas básicas do panteísmo místico que germinou das Sete Ciências Sagradas é fundamental para compreender o impacto coletivo que o misticismo enoquiano imprime na sociedade moderna.

Entenda, também, que a era anterior à incorporação da Royal Society, à introdução do pensamento moderno, foi uma época antes que a religião tolerasse o que a ciência tinha a dizer. Esta foi uma era indefensável, intolerante a novas idéias e conceitos, embora fosse uma era fiel à tradução literal das Escrituras.

Desde o surgimento da ciência moderna, a teologia foi infectada com a interpretação alegórica. É este grande cisma entre a tradução literal e interpretativa que dividiu os literalistas do Cristianismo, as primeiras igrejas Cristãs de Jerusalém e Roma, dos interpretistas que formaram seitas numerosas do Cristianismo primitivo e as forças místicas interpretativas da era moderna, abriram caminho secretamente para o cristianismo contemporâneo.

A interpretação alegórica versus literal é a cunha moderna de The Genesis 6 Conspiracy. Em The Cathars, Malcolm Lambert descreve este cisma da perspectiva gnóstica desta forma:

… então, no exato momento em que o cristianismo triunfou sobre vários concorrentes para se tornar a religião oficial do Império de Roma, o Diabo aplicou seu truque mais astuto, uma camarilha dentro da Igreja que insistia na tradução literal das Escrituras – ao invés do mais abordagem alegórica favorecida pelos cristãos gnósticos – assumiu o controle e rapidamente começou a perseguir como hereges todos aqueles que discordavam deles. O padre da Igreja, John Chrysostom (347-407 EC), que de fato é conhecido por suas visões “literalistas”, era um líder dessa camarilha dos primeiros caçadores de heresia.24

Devemos agora dar um passo para o lado brevemente para investigar um patriarca antediluviano excepcionalmente enigmático a quem se atribui grande parte da natureza definidora das Ciências Sagradas. Precisamos considerar se sua aplicação das ciências deve ou não ser considerada espúria ou pura. Este famoso patriarca foi Enoque, o fundador do misticismo e autor de vários livros apócrifos da Escritura.

Quando Enoque viveu 65 anos, ele se tornou pai de Matusalém. E depois que ele se tornou pai de Matusalém, Enoque andou com Deus por 300 anos e teve outros filhos e filhas. Ao todo, Enoque viveu 365 anos. Enoque caminhou com Deus; então ele não existia mais, porque Deus o levou embora.

—Gênesis 5: 21-24

Não pode haver dúvida de que Enoque, quinta geração de Seth, guardião do ramo puro das Ciências celestiais, deve ser considerado um intocável quando se considera as fontes do ramo espúrio.

E, misteriosamente, é exatamente no mesmo Enoque eclesiástico e sua descendência que a Maçonaria e as formas espúrias de panteísmo pós-diluviano também reivindicam sua reivindicação.

Mas se a Maçonaria e seus ancestrais, as religiões panteístas pós-diluvianas, são e foram o ramo corrompido do conhecimento sagrado como eu tenho e continuarei a apresentar, então como a Maçonaria pode fazer tal afirmação bizarra? Certamente, uma das pessoas mais justas de todos os tempos não poderia ser associada aos ramos rebeldes e pervertidos do culto religioso, muito menos a um dos principais instigadores que causaram o dilúvio. Vamos então investigar as conexões de Enoque com o ramo espúrio da Maçonaria.

As lendas da arte transbordam de evidências autoproclamadas que declaram Enoque, seus antepassados ​​e sua posteridade como patriarcas de sua antiga sociedade. Para ser franco, Enoque é considerado o lendário fundador do Ofício1 da mesma forma que seus descendentes, Lameque e os filhos e filhas de Lameque.2 Na sexta geração após Seth, Seth nomeou Enoque como seu sucessor como o Guardião do Ofício, celebrado na Maçonaria como Grande Superintendente. Quando Enoque renunciou à sua posição de autoridade, ele nomeou seu filho Lameque para reinar sobre o governo da Arte. Lamech nomeou Noé como Grande Superintendente, que reinou como Soberano da Arte até a época do dilúvio.

De acordo com a versão dos orientalistas, Enoque recebeu um presente divino de Deus. Posteriormente, ele encheu trinta volumes com conhecimento sagrado do céu. Enoch acumulou grande conhecimento em astronomia; ele era um especialista em ciência, geometria e maçonaria.4 Além disso, Enoque foi atribuído com talvez a maior de todas as invenções humanas, pois os egípcios o atribuíam com a invenção de letras e escrita, como fazem os gregos e romanos.5 Alguns até sugerem que Enoque foi o fundador dos livros e da arte da construção.6 A forma de escrita que Enoque criou era, e é, chamada de hieróglifos, traduzida como “entalhes sagrados”, do grego hieras, que significa “sagrado”, e gluphein, que significa “esculpir. ” Era uma linguagem pictórica, representando objetos e símbolos geométricos. Enoch inventou os hieróglifos apenas com a intenção de preservar e comunicar ao longo das gerações o conhecimento das ciências celestiais. O escritor judeu Bar Hebraeus observou o mesmo sobre Enoque, que o fez enquanto construía muitas cidades e ensinava artes a outros.7

Enoque foi considerado uma espécie de ser supremo; por meio dele a humanidade foi incompreensivelmente elevada e colocada em comunicação com Deus. Enoque era semelhante ao deus grego Mercúrio, o que também é consistente com Enoque ter andado com Deus.

Até agora, tudo parece estar correto e compatível com o que a Bíblia registrou a respeito de Enoque, mas uma vez que ultrapassamos esse ponto em relação à lembrança histórica da Maçonaria a respeito de Enoque, paradoxos substantivos começam a se aglutinar que se tornam irreconciliáveis ​​com o Enoque eclesiástico.

As lendas maçônicas conectam inexplicavelmente seu lendário Enoque a muito além de seu tempo na época antediluviana. Este Enoque perplexo foi vicariamente considerado o fundador da religião egípcia. Para os egípcios, Enoque era conhecido alternativamente como Hermes. Por meio de Hermes, os egípcios se comunicavam com os deuses, assim como Enoque e Mercúrio. Concluiu-se que Hermes era um antigo sacerdote egípcio, o inventor de todas as ciências, mais uma vez consistente com a lembrança de Enoque. O egípcio Hermes também foi credenciado com a escrita de 36.525 livros sobre todos os tipos de conhecimento, mais uma vez, assim como Enoque o fez. Hermes também foi alistado como o santo padroeiro dos Alquimistas.8

Em outras lendas, Enoque (Hermes) era mais conhecido como Taut (Thoth), o deus egípcio da ciência e da escrita; ele foi deificado pelos egípcios e colocado ao lado de Osíris e Ísis em estatura. Hermes, sinônimo de Thoth, era o conselheiro mítico de Osíris e Ísis, 9 e surpreendentemente, ele era um deus da lua.10 Thoth era o deus que identificou o mal para a humanidade e o deus que providenciou o remédio para o mal. Acredita-se que ele tenha vivido por volta de 3000 aC ou antes, 11 mais uma vez, consistente com a vida de Enoque.

Thoth era o guardião das artes mágicas que o tornaram o Mestre dos Deuses, aquele que revelou todo o conhecimento das Sete Ciências Sagradas e da religião para a humanidade.12 Thoth foi quem transmitiu segredos místicos a seus seguidores obscuros, membros de uma A reticente Ordem da Cobra que examinaremos mais tarde. Thoth, também, era considerado a divindade com o crédito de ser o deus da sabedoria, o inventor das letras e da escrita. Thoth foi transformado em deus por meio da sabedoria.13 Também sabemos por outras fontes que Thoth inventou os hieróglifos e foi quem trouxe a ciência, a geometria e a arquitetura para a humanidade.14

Thoth foi posteriormente celebrado como o Hermes grego.15 Os gregos e romanos identificaram Hermes com seu deus panteísta Mercúrio.16 Mercúrio era a divindade patrona do aprendizado, o escriba escolhido para a infinidade de deuses. Ele serviu como seu mensageiro ordenado, novamente consistente com as responsabilidades de Enoque. Mercúrio era filho de Zeus (Júpiter) e Maia; 17 Mercúrio também foi atribuído com a invenção da escrita. Além disso, Mercúrio assinou sentenças sobre as almas dos mortos.18

A de Unger recita uma versão semelhante, admitindo que Hermes era Mercúrio e que Hermes era filho do deus Zeus e da filha (Nephilim) de Atlas, uma pessoa chamada Naiad. Outras afirmações de Unger, Hermes usava sandálias aladas (assustadoramente idênticas aos motivos de cobras médicas), bem como asas em seu chapéu, o tempo todo sendo um guia para os mortos no submundo.19

Embora Enoque tenha sido considerado Hermes / Thoth entre os egípcios e Mercúrio fosse a denominação de Enoque entre os gregos, Enoque também era conhecido como Hermes entre os gregos. Os gregos, curiosamente, identificaram seu Hermes / Mercúrio com Thoth / Hermes do Egito, acreditando que ele construiu as pirâmides do Egito.

Somando-se à reputação alternativa de Enoque, os hebreus místicos, de acordo com Timothy Freke e Peter Gandy, que co-escreveram A Hermética, A Sabedoria Perdida dos Faraós, referiram-se a Enoque como Idris.20 Os fenícios conheciam Enoque como Thaut, que é muito próximo ao egípcio Taut ou Thoth, enquanto os árabes conheciam Enoque como Edris.

O filósofo sufi do século XII dC Yayha Sufrawardi afirmava que os antigos sábios pregavam uma única doutrina de sabedoria revelada a Hermes, a quem Yahya identificou com um indivíduo unificado – Idris do Alcorão, que é Enoque da Bíblia.21 Os sufis acreditam no primeiro dos três Hermeses viveram durante a época antediluviana no Alto Egito; ele era hábil nas ciências e foi originalmente identificado como Idris, a quem os judeus chamam de Enoque.22 Alguns concluem que o Alcorão iguala Hermes a Idris, aquele que viveu antes do dilúvio (Enoque), enquanto outros estudiosos islâmicos também igualam Idris com um que viveu na Babilônia e foi o mentor de Pitágoras e de outro que viveu em Alexandria, formando o Trismegisto.23 Este mais famoso dos indivíduos para tantas culturas antigas, aparentemente conhecido por muitos nomes, parece ser um único indivíduo.

Havia três seres na mitologia egípcia que possuíam o nome de Hermes, conforme registrado por Manetho, o sacerdote egípcio, e citado por Sincelo.24 Hermes Trismegistus implica três maiores Hermeses (três vezes). Trismegistus significa “três vezes maior” por causa de seu conhecimento da ciência.25 No entanto, em minha opinião, essa definição também pode significar três indivíduos diferentes conhecidos como “Thoth o deus”, Enoque o patriarca antediluviano e, claro, Hermes o pai pós-diluviano / sacerdote dos Mistérios. E como se viu, Hermes, mais conhecido como Hermes Trismegistus, era mais do que apenas um indivíduo.

O primeiro Hermes Trismegistus viveu antes do dilúvio; ele inventou a escrita e o estilete, pelo qual os filhos de Lamech inscreveram as Ciências Sagradas em pilares. Hermes / Thoth / Enoch era adorado como um deus, mas ele ainda era um homem, um homem que escreveu segredos em um obelisco para o benefício das gerações futuras por causa do dilúvio iminente, 26 e ele também foi o Enoque que construiu nove abóbadas ocultas para proteger as sete ciências espúrias do dilúvio iminente.27 Este era de fato um Enoque antediluviano, mas não era necessariamente o Enoque eclesiástico.

O segundo Hermes era tradicionalmente considerado filho de uma pessoa chamada Agatodemônio; embora, como aprenderemos nos últimos capítulos, os gnósticos tenham uma distorção completamente diferente da qual Hermes era chamado por esse nome. Acredita-se que esse Hermes de Babel pós-diluviano tenha traduzido os preceitos do primeiro Hermes da época antediluviana dos Pilares de Lameque.

O terceiro Hermes era considerado sinônimo de Thoth, o conselheiro de Osíris e Ísis, o deus patrono da ciência e do conhecimento na era de Babel. Thoth pode ou não ter sido Hermes / Enoch, pois se dizia que a sabedoria transformou o mortal Hermes / Enoch em um deus. Em segundo lugar, o semelhante a um deus Thoth pode ter sido um anjo caído que gerou uma Ordem da Cobra ultrassecreta, que então corrompeu o conhecimento celestial derivado ilegalmente, e talvez Thoth fosse o anjo caído Azazel. Seja qual for o caso, o terceiro partido de Hermes Trismegistus nesta versão estava entrincheirado na mitologia e religião egípcia pós-diluviana.

Os dois últimos Hermeses foram fundidos no primeiro Hermes, formando a lenda conhecida como Trismegistus Hermes em idades posteriores, 28 onde Hermes Trismegistus tornou-se mitologizado como um guia espiritual, ou profeta, ao longo do mesmo espírito de Moisés, João Batista, Maomé e Buda. Além disso, os gregos chamaram Thoth de “Hermes Trismegistus” para distinguir a divindade egípcia de seu próprio Hermes e para honrar a sabedoria sublime de Thoth.29

Os sufis acreditam que o antediluviano Idris / Enoch foi o primeiro Hermes, enquanto o segundo Hermes (de Babel) carregou as ciências, a magia e a alquimia para Mênfis após o dilúvio, criando a religião egípcia. Os escritores árabes afirmam que, de fato, houve três Hermeses separados: um que construiu as Grandes Pirâmides (Thoth, Idris e Enoque), um que veio da Babilônia (Babel) e ensinou Pitágoro e um terceiro que viveu e escreveu mais tarde no Egito a respeito da alquimia. Eles acreditam que os três Hermeses descrevem a origem e a continuidade da tradição hermética.30

Outro relato registrou a designação de “Hermes Trismegistus” como o sistema em que os egípcios combinavam os ensinamentos de Thoth e do deus grego Hermes na escrita grega para sua preservação.31 Finalmente, Hermes Trismegistus foi denominado “Hermes três vezes”, em homenagem a sua realização de sendo o primeiro entre os homens a obter todo o conhecimento e segredos dos deuses que ele inscreveu em tábuas de pedra com hieróglifos sagrados, que ele escondeu para as gerações futuras.32 No final do dia, todos são provavelmente verdadeiros até certo ponto.

A pergunta que vem à mente é a seguinte: como o nome Enoque fez a transição para “Hermes”? Hermes deriva do nome Hermarynes. Este Hermarynes mítico foi registrado nas Lendas da Arte como filho de Cub, que era filho de Shem. No entanto, a Tábua das Nações não registra Cub como um dos filhos de Shem – apenas Elam, Asshur, Arphaxad, Lud e Aram são listados.33 Novamente, reconciliarei este enigma do gnosticismo nos últimos capítulos. Em seguida, começa-se a ponderar se Hermes foi ou não, de fato, um Nephilim pós-diluviano por causa de sua genealogia curiosa e não bíblica.

Hermarynes foi mais tarde chamado de “Harmes”, que mais tarde se tornou “Hermes”. Hermarynes foi o indivíduo lendário que originalmente descobriu um dos dois pilares deixados pelos descendentes de Enoque e traduziu as ciências espúrias, ensinando ao povo de Babel as Ciências Corrompidas da época antediluviana.34 Por causa disso, Hermes foi o descobridor do antediluviano de Enoque conhecimento. Hermes e Enoque então se entrelaçaram com o tempo na lenda, assim como outros que preservaram o conhecimento de Enoque e Hermes mais tarde se fundiram com o mesmo nome.

Caim se deitou com sua esposa, e ela ficou grávida e deu à luz a Enoque.

—Gênesis 4:17

Se Hermes traduziu o ramo espúrio da alvenaria dos pilares de Enoque, então o Antediluviano Enoque deve ter sido o guardião do ramo espúrio das Sete Ciências Sagradas. Mas que evidência existe entre as Lendas da Arte para apoiar essa noção?

Quando Enoque imaginou escrever na forma de hieróglifos, ele inadvertidamente pôs em movimento a tecnologia que alimentaria todos os avanços da humanidade. Pois, sem uma maneira eficiente de preservar ideias e avanços e comunicá-los com precisão aos outros, seja na geração atual ou nas gerações futuras, a humanidade ficaria presa em um estado virtual de ignorância sem fim, esquecendo no esquecimento quaisquer ideias ou avanços dignos de nota.

Por mais esclarecedora e significativa que fosse essa criação, a motivação para os hieróglifos não era tão pura quanto seus resultados sugeriam. Enoch inventou a escrita, de acordo com Mackey, para empregar os símbolos sagrados secretos, conhecidos apenas pela elite selecionada, como um veículo para transmitir as verdades sagradas e mistérios de uma forma que fosse livre de descoberta pelas massas não consideradas dignas o suficiente para aprender. sobre essas verdades e mistérios sagrados.1 Eram os Mistérios aos quais Enoque estava associado que têm um valor importante.

Com hieróglifos, Enoque registrou todas as ciências do ramo espúrio em grandes livros, enquanto construía nove abóbadas subterrâneas para proteger a sabedoria do dilúvio que se aproximava. A Enoch é até mesmo creditado por Adrian Gilbert com a construção das Grandes Pirâmides para preservar esse conhecimento antediluviano corrompido. Além disso, os egípcios devem suas origens (e hieróglifos) a Hermes Trismegistus. Além disso, acredita-se que Hermes tenha fundado a antiga cidade egípcia de Hermópolis, 2 o lar da infame Grande Fraternidade Branca, que discutiremos em detalhes mais tarde. Enoque foi atribuído com a construção dos primeiros zigurates antediluvianos na Suméria. Enoque também era conhecido na tradição por ser o primeiro verdadeiro construtor de cidades, 3 segundo o espírito de Caim. Enoque, então, foi o primeiro Mestre Maçom.

Tudo isso sugere que o antediluviano Enoque foi o primeiro patrocinador da preparação para o dilúvio. Ele salvou o conhecimento antigo corrompido por meio de hieróglifos e casas de armazenamento secreto para o conhecimento espúrio, que foram posteriormente aprimorados pelos filhos de Lameque e finalmente encontrados por Hermes após o dilúvio. Acredita-se que as nove abóbadas ocultas sejam abóbadas subterrâneas empilhadas uma sobre a outra, enquanto um dos dois famosos Pilares de Lamech foi fabricado em mármore para que nunca queimasse e o segundo fora de laterus, algum tipo de tijolo, para que não afundasse. O pilar de tijolo havia inscrito nele as sete ciências espúrias, enquanto o pilar de mármore havia escrito nele instruções para encontrar as nove abóbadas.4

De acordo com as lendas da Arte, a história das ciências e suas doutrinas, junto com os rituais e cerimônias arcanas de sua implementação, foram posteriormente preservados pelos filhos de Lamech em um pilar de latão em hieróglifos. Este era o pilar de tijolo mencionado anteriormente que continha os Arquivos dos Maçons.5 Gardner observou que os dois pilares eram originalmente conhecidos como Pedras Mazzebah de marbyl para o pilar de mármore e latres para o pilar de tijolo / latão.6 Acredita-se que o pilar latres foram corrompidos de alguma forma em traduções em alguns escritos para laterus e depois reconciliados mais tarde como laterita, argila vermelha à base de ferro usada para fazer tijolos e superfícies de estradas.7 Gardner acredita que a natureza original dos latres permanece obscura; embora a tradição maçônica inicial presuma que tenha sido alguma forma de metal.

Novamente, a partir das lendas da Arte, os filhos de Lamech inscreveram as informações sobre o paradeiro dos nove cofres do conhecimento no pilar de mármore. O pilar de mármore foi considerado, nos primeiros escritos maçônicos, alguma forma de rocha cristalina obscura.9 A informação descoberta no pilar de mármore, é claro, é o motivo pelo qual Hermarynes levou o povo de Ham de volta ao Egito após o incidente de Babel.

De acordo com a Lenda de Enoque, Salomão descobriu essas nove abóbadas durante a escavação do Primeiro Templo.10 Salomão de fato escavou e descobriu o conhecimento antediluviano, mas é improvável que essa descoberta fosse o conhecimento antediluviano original; essa versão judia do conhecimento antediluviano provavelmente veio a ser armazenada em Jerusalém como uma relíquia secreta e sagrada do êxodo do Egito. É razoável esperar que o conhecimento antediluviano original tenha sido enterrado no Egito, sob as Grandes Pirâmides e na Suméria, sob os zigurates antediluvianos ou na Grã-Bretanha.

Com os hieróglifos sagrados, Enoque ensinou o misticismo original das Ciências Sagradas, completo com cerimônias e rituais sagrados e secretos. O adepto maçom Albert Mackey nos informa que Enoque era idólatra e adorador do sol.11 É claro que o ramo das ciências ensinado por Enoque, de acordo com a Lenda de Enoque, não era a marca pura, mas sim o espúrio. O ramo puro não continha nenhum misticismo. Não continha rituais ou cerimônias secretas, e não era guardado em masmorras escuras, escondido dos crentes e seguidores de Deus. Esse reticente culto religioso só era praticado pelos descendentes de Caim e, portanto, era contrário ao do eclesiástico Enoque, que foi a posteridade de Sete.

Enoque (o mal) também foi atribuído à implementação da adoração a Deus por meio de ritos religiosos, um pilar do misticismo.12 Quanto mais desvendamos os detalhes das lendas da Maçonaria com relação a Enoque, maior se torna a contradição entre os registros bíblicos do justo Enoque e a lenda do numinoso Enoque reverenciado pela Maçonaria. No entanto, a Maçonaria considera o Enoque místico como o Enoque eclesiástico. Estranho, de fato, a menos que se considere que a Maçonaria realmente defende a doutrina de que o misticismo é de fato a religião pura e o ramo puro do conhecimento celestial que desceu de Adão através de Seth e Noé, juntamente com o conceito de que o Cristianismo ortodoxo e o Judaísmo ortodoxo são, de fato , parceiros iguais na religião do mal.

Enoque se funde com o misticismo quando consideramos a segunda definição do nome hebraico Enoque. Não apenas Enoque pode ser traduzido como “consagrado”, o que se aplica perfeitamente ao Enoque bíblico, mas também pode ser traduzido como “iniciado”, o que se aplica perfeitamente ao Enoque da Maçonaria.13 Veja, o misticismo vem com cerimônias secretas para iniciar a elite selecionada em sociedades secretas, preservando assim o conhecimento sagrado e as verdades com a elite, que era conhecida como os iniciados.

Abbey Robin, que escreveu Recherches sur les Initiations Anciennes et Modernes em 1780, traçou as antigas iniciações aos virtuosos intercessores com os deuses, que certamente é como a Maçonaria encara Enoque.14 Certamente, Mercúrio foi considerado um mensageiro para os deuses que também podiam ser visto como um intercessor, assim como Thoth era visto como um intercessor dos deuses do Egito. Além disso, Hermes foi quem transmitiu o conhecimento dos deuses sobre seus nomes secretos, fraquezas e habilidades para controlar os deuses para a humanidade, novamente sugerindo que ele era um intercessor junto aos deuses. Enoque certamente foi considerado alguém que intercedeu junto aos deuses. Finalmente, Enoch é um dos lendários fundadores da Arte que deu à humanidade a arte da construção (alvenaria) .15

Portanto, o Enoque que inventou os hieróglifos foi atribuído com a introdução do misticismo formalizado que corrompeu os mundos antediluviano e pós-diluviano. De acordo com a Teoria de Anderson, Enoch foi creditado com o fundador da Arte, sem dúvida porque ele foi o primeiro a formalizá-la na forma escrita.16 Entenda então, que a maçonaria, as Sete Ciências Liberais, o conhecimento celestial ilícito adicional dos anjos caídos, e o misticismo, no qual tudo isso foi habilmente codificado, são todos parte da mesma religião espúria de Enoque, Caim, anjos caídos e Nephilim. Não é de se admirar que Enoque fosse tido em tão alta consideração pelos descendentes da religião espúria da época pós-diluviana. Enoque foi verdadeiramente o santo padroeiro espúrio, o pai fundador do misticismo e da Maçonaria.

À medida que retiramos o véu deste infame herói da antiguidade, aprendemos ainda mais sobre sua corrupção. Os babilônios afirmavam que Enoque era um especialista nas estrelas, assim como a linhagem de Enoque de Seth teria sido um especialista na sabedoria peculiar das estrelas, conforme registrado por Josefo e as lendas da Arte. No entanto, os babilônios afirmaram que Enoque usou seu conhecimento das estrelas para inventar a astrologia, uma perversão óbvia da aplicação pretendida para a astronomia. Em The Legend of Enoch, Enoch é o patriarca que descobriu o conhecimento do zodíaco, que ele embrulhou na astrologia. Ele também estabeleceu festivais e sacrifícios ao sol durante os períodos em que o luminar começou a entrar em um novo signo zodiacal, do qual existem, e existiam, doze.17 Isso é conhecido no ocultismo como precessão zodiacal.

Enoque também foi associado ao sol e ao ano solar. A Mitologia dos Hebreus, de Goldziher, um etnólogo alemão, identifica claramente Enoque com ambos.18 Enoque era um adorador do sol, como atestam seus festivais e sacrifícios celebrados ao sol durante sua procissão através do zodíaco. Hermes coletou 36.525 livros (o número exato de dias em um ano solar: 365,25), mantidos secretamente nos templos, assim como Enoque escreveu seu conhecimento em 365 livros secretos armazenados em cofres subterrâneos.19 Enoque viveu por 365 anos, um ano solar, antes de ascender ao céu – uma característica solar na lenda.20 A adoração do sol foi um clássico ato anti-Deus da rebelde linhagem de Caim e não uma violação provavelmente cometida pela posteridade fiel de Sete e o eclesiástico Enoque.

Não importa como alguém tente reconciliar o Enoque do Gênesis e o Enoque da Maçonaria, não se pode fazer isso. Portanto, qual caracterização de Enoque é correta: a da Bíblia ou a das Lendas da Arte? Talvez ambos estejam corretos. Talvez ambos estejam descrevendo diferentes indivíduos da pré-história, embora as Lendas da Arte não anunciem sua má orientação malévola. Poderia ter havido dois Enoque que viveram relativamente ao mesmo tempo na pré-história? Poderia um ser da linhagem de Seth, que sustentou o ramo puro, enquanto o outro era da linhagem de Caim, que sustentou o ramo espúrio, formalizando-o em hieróglifos e misticismo? Acredito que tenha sido esse o caso.

Referências

CAPÍTULO 4: OS GIGANTES DA ANTIGUIDADE

1. Carol Rose, Giants, Monsters and Dragons: An Encyclopedia of Folklore, Legend, And Myth (New York: W. W. Norton & Company, 2001), 16.

2. Numbers 13:32; Numbers 12:28; Deuteronomy 1:27; Deuteronomy 9:1.

3. Numbers 13:33.

4. Ginzberg, Legends, 431.

5. Knight and Lomas, Uriel’s Machine, 154.

6. 1 Samuel 17:4.

7. Charles Sellier, Ancient Revelations of the Bible, 1995, 95.

8. 1 Samuel 17:4, note a.

9. Unger’s, 1988, 841–842.

10. Booth, The Secret History of the World, 88.

11. Deuteronomy 3:11.

12. Rose, Giants, Monsters and Dragons, 274.

13. Ginzberg, Legends, 462.

14. Collins, Ashes of Angels, 3.

15. Knight and Lomas, Uriel’s Machine, 154.

16. Ginzberg, Legends, 462.

17. Plutarch, the Dryden Translation, 14, 26, Whiston and Maier, Josephus, Ant. 4:5:3, and Ginsberg, Legends of the Bible, 461.

18. 1 Samuel 17:4–7.

19. 1 Chronicles 20:6.

20. Rose, Giants, Monsters and Dragons, 274.

21. Whiston and Maier, Josephus, Ant. 7:12:2.

22. Ibid., Ant. 5:2:3.

23. Collins, Ashes of Angels, 48–49.

24. Whiston and Maier, Josephus, Ant. 5:2:3.

25. The Encyclopedia Americana, 637, Vol. 12.

26. Whiston and Maier, Ant. Josephus, 5:2:3

27. The Encyclopedia Americana, 637, Vol.12.

28. Sellier, 95.

29. Bible Authorized KJV Self Pronouncing Edition, Genesis 15:5 notation, 15:20, Deuteronomy 2:11; 2:20; 3:11; 3:13; Joshua 12:4; 13:12; 17:15; 1 Chronicles 20:4.

30. Unger’s, 57.

31. Ginzberg, Legends, 49.

32. Unger’s, #1378.

33. Frank Joseph, The Destruction Of Atlantis (Rochester, VT: Bear and Company, 2002), 20.

34. Ginzberg, Legends, 69.

35. Whiston and Maier, Josephus, Ant. 5:2:3.

36. Collins, Ashes of Angels, 48–49, quoting The Testament Of Amram from the Dead Sea Scrolls, 4Q543.

37. Robinson, The Nag Hammadi Library, quoting from On Origin of the World, 105:1–25.

38. Ibid.

39. Ginzberg, Legends, 49.

40. Robinson, The Nag Hammadi Library, 176, quoting from On Origin of the World, 105:1–25.

41. Ibid., commenting on Enoch The Tripartite Tractate, 59.

42. Ibid., 1, .54, 317.

43. Rose, Giants, Monsters and Dragons, 136.

44. Joseph, Destruction of Atlantis, 219.

45. Lorraine Evans, Kingdom of the Ark (London: Simon and Schuster UK Ltd., 2000), 61.

46. Bauer, 24.

47. L. Evans, Kingdom of the Ark, 268–269.

48. J. R. Porter, The New Illustrated Companion To The Bible (London: Prospero Books, A Division of Indigo Books and Music, Duncan Baird Publishers, 2003), 62.

49. Gardner, Grail Kings, 55–58.

50. Porter, New Illustrated Companion to the Bible, 23.

51. Gardner, Realms, 56.

52. Bauer, 5.

53. Gardner, Realms, 55–56.

54. Porter, New Illustrated Companion To The Bible, 23.

55. Gardner, Grail Kings, 57.

56. Ignatius Donnelly, Atlantis: The Antediluvian World (New York: Dover Publications Inc., 1976), 273.

57. Ibid.

58. Ginzberg, Legends, 66.

59. Collins, Ashes of Angels, 4.

60. Joseph, Destruction Of Atlantis, 218–219.

CAPÍTULO 5: O CISMA DA MAÇONARIA ANTEDILUVIANA

1. The Encyclopedia Americana, 637, Vol. 12.

1. Mackey, History, 187, Free Masonry and the Ancient Mysteries.

2. Ibid., 146, “Oliverian Theory.”

3. Ibid.

4. Ibid., 18, “Legend of the Craft.”

5. Ibid., 146, “Oliverian Theory.”

6. Genesis 5:21–24.

7. John 21:15–24; 2 Kings 2:1–17.

8. John 1:43–50 and 21:24.

9. Revelation 11:7.

10. 1 Thessalonians 4:13–17; 1 Corinthians 15:51–52, The Good News, 1992, 2 Esdra 6:25.

11. Whiston and Maier, Josephus, Ant. 1:2:3.

12. Mackey, History, “Legend of Lamech’s Sons and the Pillars,” 44.

13. Ibid., “Anderson Theory,” 118.

14. Ibid.

15. Ibid., 187.

16. Ibid., “Hutchinsonian Theory,” 132.

17. Ibid., “Oliverian Theory,” 147.

18. Ibid., “Anderson Theory,” 118.

19. Eisenman and Wise, The Dead Sea Scrolls Uncovered, 33–34.

20. Jim Marrs, The Rise of the Fourth Reich (New York: HarperCollins Publishing, 2008), 95–96.

21. Barnstone, The Other Bible, 81.

22. Ibid., 82–83.

23. Hancock and Bauval, Talisman, quoting Malcom Lambert, The Cathars, 1998, 67.

Sobre Max Rangel

Servo do Eterno, Casado, Pai de 2 filhas, Analista de Sistemas, Fundador e Colunista do site www.religiaopura.com.br.

Além disso, veja também:

A Conspiração de Gênesis 6: Quem era o Senhor dos Anéis e a Rainha dos Céus?

Esta é mais uma postagem em vídeo do Dr. Afonso Vasconcelos, doutor em geologia, cristão …

Abortos em hospitais adventistas: Pai de Ted Wilson nos envergonhou perante todo o mundo!

In vitro image of a human fetus in the womb – approx 12 weeks. RESUMO …

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.