Iníco / Últimas Notícias / Deu na RA: Cópia mais antiga dos evangelhos deve ser divulgada oficialmente em 2015

Deu na RA: Cópia mais antiga dos evangelhos deve ser divulgada oficialmente em 2015

Achado arqueológico pode ser o primeiro manuscrito do Novo Testamento que data do 1º século, segundo o site da Revista Adventista

mummy-mask-150118

Fragmentos do evangelho de Marcos encontrados em máscara de múmia egípcia poderão ser mais uma prova contundente da historicidade dos evangelhos. Foto: Cortesia do prof. Craig Evans / Reprodução do site Live Science

Fragmentos do evangelho de Marcos, encontrados por pesquisadores há cerca de três anos em uma máscara de múmia egípcia, devem ser divulgados até o final de 2015. O achado arqueológico pode ser a cópia mais antiga dos evangelhos localizada até agora. Os pesquisadores que investigam o papiro evitam afirmações categóricas antes da publicação oficial. Mas, nesta semana, Craig Evans, professor de estudos do Novo Testamento no Acadia Divinity College, no Canadá, e um dos 30 cientistas que estudam os achados, disse por meio de sua página no Facebook que, se os estudiosos estiverem certos, realmente “este será o primeiro manuscrito do Novo Testamento que data do 1º século”. Evans também reiterou a possibilidade de a publicação acontecer ainda neste ano.

O assunto voltou à tona depois da repercussão internacional de uma entrevista concedida por ele para uma reportagem que foi publicada no último dia 18 de janeiro pelo site Live Science. Evans explicou que as informações obtidas até agora por meio de uma combinação de métodos (como datação por carbono-14, estudo da caligrafia do fragmento e análise dos demais documentos encontrados junto com o trecho do evangelho) levam os pesquisadores a crer que o fragmento foi escrito antes do ano 90 de nossa era. Até o momento, o fragmento mais antigo do Novo Testamento é um pequeno trecho do evangelho de João, datado de aproximadamente 125 d.C.. Nenhum manuscrito do 1º século ainda é oficialmente reconhecido.

Divulgação oficial

A previsão inicial da equipe envolvida no estudo arqueológico era de que a publicação acontecesse em 2013, cerca de um ano depois da descoberta. Embora os pesquisadores não tenham revelado o motivo do atraso, asseguram que o livro deve trazer não só os textos bíblicos, mas também fragmentos de textos gregos clássicos, como cópias de histórias escritas pelo poeta Homero (autor de Ilíada e Odisseia). “O benefício do atraso é que, quando ele sair, haverá a possibilidade de ter informações adicionais sobre este e outros textos relacionados”, declarou Craig Evans ao site.

Apesar das especulações geradas por conta do adiamento da publicação, a credibilidade dos estudiosos envolvidos na pesquisa confere seriedade ao projeto. Conforme acredita Wilson Paroschi, pós-doutor em Teologia e autor dos livros A Origem e a Transmissão do Texto do Novo Testamento, publicado pela Sociedade Bíblica Brasileira (SBB), e Crítica Textual do Novo Testamento (Editora Vida Nova) “podemos estar diante de um fato novo e muitíssimo importante para a datação do estabelecimento do texto dos evangelhos”.

Acredita-se que Marcos tenha sido o primeiro evangelho a ser escrito. Alguns estudiosos, a exemplo do doutor Paroschi, chegam a datá-lo da metade do 1º século. “Se o fragmento for mesmo anterior ao ano 100, então a cópia foi feita ainda no período apostólico. Aqueles que negam a historicidade dos evangelhos, alegando que eles são apenas produto da piedade cristã e que foram tardiamente produzidos, devem estar bastante preocupados com a possível impacto do fragmento. Eles certamente terão que rever suas posições, ou então, como já o fizeram outras vezes, vão se esforçar ao máximo para desacreditar a descoberta”, analisa.

Entenda

O fragmento que traz cópia de trechos do evangelho de Marcos foi encontrado em um papiro reutilizado na fabricação da máscara de uma múmia egípcia. Embora esse artefato costumasse ser de ouro no caso dos faraós, para pessoas comuns as máscaras eram confeccionadas com papiro (ou linho), tinta e cola. Como, no entanto, o papiro também era um material caro na época, folhas que já tinham algo escrito costumavam ser reaproveitadas na mumificação. [Márcio Tonetti, equipe RA / Com informações do site Live Science]

Tradução da notícia via Google Translate

Um texto que pode ser a mais antiga cópia de um evangelho de que se tem notícia – um fragmento do Evangelho de Marcos que foi escrito durante o primeiro século, antes do ano 90 – está previsto para ser publicado ainda neste ano.

Atualmente, os mais antigos exemplares sobreviventes dos textos evangélicos datam do segundo século (os anos 101-200).

Este fragmento de evangelho do primeiro século, foi escrito em uma folha de papiro que mais tarde foi reutilizada para criar uma máscara que foi usada por uma múmia. Embora as múmias de faraós egípcios usassem máscaras feitas de ouro, as pessoas comuns tiveram de se contentar com máscaras feitas de papiro (ou de linho), tinta e cola. Dado o quão caro papiro foi, as pessoas muitas vezes tinham de reutilizar as folhas sobre as quais já haviam escrito.

Nos últimos anos, os cientistas desenvolveram uma técnica que permite desmontar as máscaras originais a serem desfeitas sem prejudicar a tinta sobre o papel. O texto sobre as folhas pode então ser lido.

O evangelho do primeiro século, é uma das centenas de novos textos que uma equipe de cerca de três dezenas de cientistas e estudiosos está trabalhando para descobrir, e analisar, usando esta técnica de descolamento das máscaras, disse Craig Evans, professor de estudos do Novo Testamento Acadia Divinity em College em Wolfville, Nova Scotia.

“Estamos recuperando documentos antigos do primeiro, segundo e terceiro séculos. Os documentos não apenas cristãos, não apenas os documentos bíblicos, mas textos gregos clássicos, documentos comerciais, vários papéis mundanos, cartas pessoais”, disse Evans à Ciência Viva. Os documentos incluem textos filosóficos e cópias de histórias pelo poeta grego Homero.

As cartas comerciais e pessoais, por vezes, têm datas sobre elas, disse ele. Quando a cola foi dissolvida, os pesquisadores dataram o evangelho como sendo do primeiro século, em parte, através da análise de outros documentos encontrados na mesma máscara.

Uma desvantagem para o processo é que a máscara múmia é destruída, e assim por estudiosos no campo estão debatendo se que determinado método deve ser usado para revelar os textos que elas contêm.

Mas Evans enfatizou que as máscaras que estão sendo destruídas para revelar os novos textos não são os de alta qualidade que serão exibidas em um museu. Alguns não são máscaras em todos, mas são simplesmente peças de cartonagem.

Evans disse Ciência Viva, “Nós não estamos falando sobre a destruição de qualquer peça de museu-qualidade.”

A técnica está trazendo muitos textos novos à luz, Evans observou. “A partir de uma única máscara, não é estranho para se recuperar de uma dúzia de casal ou até mais” novos textos, ele disse a Ciência Viva. “Nós vamos acabar com muitas centenas de papiros, quando o trabalho é feito, se não milhares de pessoas.”

Debate

Os estudiosos que trabalham no projeto tem que assinar um contrato de confidencialidade que limita o que eles podem dizer publicamente. Há várias razões para este acordo. Uma delas é que alguns dos proprietários desses máscaras simplesmente não quer ser conhecido, disse Evans. “Os estudiosos que estão trabalhando neste projeto tem que honrar o pedido dos museus, universidades, proprietários privados, assim por diante.”

Os proprietários das máscaras de múmia manter a propriedade das folhas de papiro após a cola sobre eles é dissolvido.

Evans disse que a única razão pela qual ele pode falar sobre o evangelho do primeiro século antes de ser publicado é porque um membro da equipe de vazou algumas das informações em 2012. Evans teve o cuidado de dizer que ele não está dizendo a Ciência Viva nada sobre o primeiro evangelho -century que já não tenha sido divulgada online.

Logo após o vazamento de 2012, a especulação cercado os métodos que os estudiosos usados ​​para descobrir a idade do evangelho.

Evans diz que o texto foi datado através de uma combinação de datação por carbono 14 , o estudo da caligrafia no fragmento e estudando os outros documentos encontrados junto com o evangelho. Estas considerações levaram os pesquisadores a concluir que o fragmento foi escrito antes do ano 90. Com o acordo de confidencialidade em vigor, Evans disse que ele não pode dizer muito mais sobre a data do texto até o papiro é publicado.

Destruição de máscaras de múmia

O processo que é usado para se obter o papiro, que envolve a destruição das máscaras de múmias, tem também gerado um debate. Por exemplo, o arqueólogo Paul Barford, que escreve sobre a coleta e questões de herança, escreveu um post no blog mordaz criticando o trabalho sobre o evangelho.

Roberta Mazza, professor de Clássicos e História Antiga na Universidade de Manchester, tem um blog suas preocupações sobre o texto como tem Brice Jones, doutorando em religião da Universidade Concordia.

Quando os textos são publicados o debate é provável que ir além da blogosfera e na grande mídia e publicações acadêmicas.

Pistas bíblicas

Embora o fragmento de evangelho do primeiro século é pequena, o texto irá fornecer pistas sobre se o Evangelho de Marcos mudou ao longo do tempo, disse Evans.

Sua própria pesquisa é focada na análise dos textos máscara múmia, para tentar determinar como as pessoas longos mantinham-nas consigo antes de descartar ou reutilizar-los. Isso pode gerar informações valiosas sobre como os textos bíblicos foram copiadas ao longo do tempo.

“Temos todas as razões para acreditar que os escritos originais e respectivas cópias mais antigas teria sido em circulação por cem anos, na maioria dos casos – em alguns casos, muito mais tempo, mesmo 200 anos”, disse ele.

Isto significa que “um escriba fazer uma cópia de um script no terceiro século realmente pode ter à sua disposição (a) originais do primeiro século, ou cópias do primeiro século, bem como cópias do segundo século.”

Set para publicar

Evans disse que a equipa de investigação vai publicar o primeiro volume de textos obtidos através das máscaras de múmia e cartonagem ainda este ano. Ele irá incluir o fragmento de evangelho que os pesquisadores acreditam que remonta ao primeiro século.

A equipe originalmente esperava o volume seria publicado em 2013 ou 2014, mas a data teve que ser transferido de volta para 2015. Evans disse que ele é incerto por que a publicação do livro foi adiada, mas a equipe fez uso do tempo extra para realizar mais estudos sobre o evangelho do primeiro século. “O benefício do atraso é que quando ele sai, haverá obter informações adicionais sobre este e outros textos relacionados.”

Fontes:

http://www.revistaadventista.com.br/2015/01/copia-mais-antiga-dos-evangelhos-deve-ser-divulgada-oficialmente-em-2015.html

http://www.livescience.com/49489-oldest-known-gospel-mummy-mask.html

Compartilhar isso:

Sobre Max Rangel

Servo do Eterno, Casado com Arlete Vieira, Pai de 2 filhas, Analista de Sistemas, Fundador e Colunista do site www.religiaopura.com.br.

Além disso, veja também:

Escândalo entre os TJs

Relacionado

VEREADOR DETONA VALDEMIRO, APÓS RIR DA MORTE DE MARCELO REZENDE

Relacionado

Deixe uma resposta