Iníco / Alimentação e Saúde / Em primeira do gênero, pesquisa mostra que crianças vacinadas ficam mais doentes!

Em primeira do gênero, pesquisa mostra que crianças vacinadas ficam mais doentes!

Claire Dwoskin – Crianças que recebem menos vacinações têm menos probabilidade de desenvolver doenças crônicas.

A publicação científica Journal of Translational Science publicou uma das primeiras pesquisas a formalmente avaliar os resultados de saúde de prazos mais longos associados às campanhas rotineiras de vacinação infantil nos Estados Unidos. Tendo como autoria principal o Dr. Anthony R. Mawson (um epidemiologista com um currículo extenso e comprovado de pesquisas de saúde infantil), o estudo concluiu que crianças vacinadas têm muito mais probabilidade de serem diagnosticadas com uma doença crônica (inclusive alergias e deficiências de aprendizado) quando comparadas a crianças não vacinadas. Além disso, 7,5 por cento das 666 crianças no estudo haviam sido diagnosticadas com uma desordem neurocomportamental (DNC).

A pesquisa, feita a partir de uma amostra representativa designada, focou em reações de 415 mães de 666 crianças que receberam educação escolar em casa entre as idades de seis e doze anos. O estudo foi dividido em três subgrupos — totalmente vacinados, parcialmente vacinados e não vacinados — cada um abrangente aproximadamente um terço da amostra. Os participantes foram perguntados sobre diagnósticos médicos de 40 doenças agudas e crônicas. Embora as crianças no grupo dos vacinados tivessem menos probabilidade do que as crianças não vacinadas de terem tido catapora ou coqueluche, não havia nenhuma diferença significativa entre os grupos para outras doenças visadas pelas vacinas. Além disso, crianças vacinadas de forma importante tinham mais probabilidade de serem diagnosticadas com infecções do ouvido médio e pneumonia.

O estudo revelou cinco fatores acentuadamente associados com DNCs: vacinação, sexo masculino, ambiente adverso, uso maternal de antibióticos durante a gravidez e parto prematuro. Uma regressão logística revelou que a combinação de vacinação e parto prematuro era associada a um aumento de 6,6 de DNC. Outro documento publicado revelou descobertas semelhantes, mas com um aumento de 14,5 mais elevado de probabilidades em comparação com um parto normal sem vacinação. Esses resultados indicam que a prática aceita de dar para bebês prematuros a mesma tabela de vacinas como bebês normais deveria ser reconsiderada.

Nas décadas passadas, a tabela de vacinas pediátricas nos EUA aumentou de só 3 vacinas para mais de 50 doses de 15 vacinas. A tabela não mais inclui apenas doenças mortais, mas também cobre doenças não mortais numa tentativa de minimizar futuros gastos econômicos (tais como ausências prolongadas da escola ou trabalho). Esses aumentos de vacinações coincidem com um aumento na prevalência de doenças crônicas perigosas e DNCs. Embora o objetivo do estudo signifique que os resultados não podem ser usados para provar causalidade, o autor nota que “a força e persistência das descobertas, a relação clara ‘dose-reação’ entre condição de vacinação e várias formas de doenças crônicas, e a associação significativa entre vacinação e DNCs apoiam a conclusão de que algum aspecto das atuais campanhas de vacinação pode estar contribuindo para os riscos de morbidez infantil.” [Traduzido do original em inglês do The Vaccine Reaction: First of Its Kind Survey Shows Vaccinated Children Get Sicker / FONTEwww.juliosevero.com]

Compartilhar isso:

Sobre Max Rangel

Servo do Eterno, Casado com Arlete Vieira, Pai de 2 filhas, Analista de Sistemas, Fundador e Colunista do site www.religiaopura.com.br.

Além disso, veja também:

Rituais e ocultismo são stigmas da Dysney

Relacionado

O Mágico, James Randi, Desmascara Pastores Farsantes

Relacionado

Deixe uma resposta