Iníco / Noticias Adventistas / Falsa perseguição: Ted Wilson mentiu sobre razões da prisão de líderes da IASD no Burundi

Falsa perseguição: Ted Wilson mentiu sobre razões da prisão de líderes da IASD no Burundi

Apesar do “apelo” do papastor Ted Wilson para que orássemos pelos supostos irmãos perseguidos de Burundi, republicado pela Revista Adventista brasileira, não houve real perseguição da Igreja Adventista do Sétimo Dia ou de seus membros fiéis nesse país. Pelo contrário, o que houve foi simplesmente uma disputa de liderança da IASD, após uma concorrida eleição para os cargos de presidente e departamentais da União local, na qual o lado perdedor conseguiu de alguma forma o apoio do governo civil para aprisionar seus adversários.

Coisas assim acontecem com frequência na África, onde já noticiamos por exemplo no Www.AngoAdventistas.Com que, depois de perseguir e tramar a morete de centenas de leigos tidos como “dissidentes”, pastores adventistas sequestraram e pretendiam matar seu concorrente para evitar que fosse reeleito para a presidência da União.

A prisão em Bujumbura de 21 líderes e obreiros adventistas, segundo um pastor adventista local e testemunhas, ocorreu porque o novo presidente da União, Lameque Barishinga, nomeado em novembro, se recusou a ceder seu posto ao seu antecessor, o Pastor Joseph Ndikubwayo “que é próximo do governo e tem o apoio do Ministério do Interior”, de acordo com a mesma fonte.

Não houve perseguição religiosa, como Ted Wilson quis dar a entender em seu “pedido de oração” (vídeo acima). Foi mais uma vez corrupção da liderança adventista, que se aliou em parceria com o Estado, como ocorre no Brasil desde Neal Wilson (com Orestes Quércia) até agora com Ted Wilson, apoiador de Geraldo Alckmin e João Dória, entre outros. Convém lembrar que o massacre de Ruanda, do qual obreiros adventistas participaram matando milhares de irmãos, iniciou-se a partir de Burundi!

Joseph Ndikubwayo foi demitido em novembro, acusado de peculato e por ter concordado em ser nomeado em 2016 para o Conselho de Segurança Nacional (CNS) do Burundi, presidido pelo chefe de Estado Pierre Nkurunziza.

Isso “contradiz fundamentalmente a doutrina de nossa igreja”, disse outro pastor adventista que também pediu anonimato. Mas o ministro do Interior do Burundi, Pascal Barandagiye, recusou-se a reconhecer a substituição de Joseph Ndikubwayo, considerando-o o representante legal da igreja.

O Burundi entrou em crise quando o presidente Pierre Nkurunziza (foto acima) buscou, em abril de 2015, um terceiro mandato ferozmente contestado.

A violência matou pelo menos 1.200 pessoas e deslocou mais de 400 mil pessoas entre abril de 2015 e maio de 2017, segundo estimativas do Tribunal Penal Internacional (TPI), que abriu uma investigação.

Desde então, o governo reprimiu a mídia e adotou leis rígidas para fortalecer o controle sobre associações e igrejas locais.

Desmentido oficial

Quem desmentiu Ted Wilson foi o próprio Ganoune Diop, líder do Departamento de Assuntos Públicos e Liberdade Religiosa da IASD, ao esclarecer qual era a real situação no Burundi. O governo do Burundi estava usando seu poder de polícia para favorecer e manter no cargo um líder da Igreja Adventista do Sétimo Dia que não conseguiu se reeleger e, como não admitia perder o poder, pediu que o Governo interferisse, prendendo os vencedores da eleção. Esta explicação está publicada no site da PARL:

O que os adventistas do sétimo dia enfrentam no Burundi

Ganoune Diop, Ph.D.
Diretor de Assuntos Públicos da GC e Liberdade Religiosa

A Igreja Adventista do Sétimo Dia, em geral, não se envolve no estabelecimento ou queda de governos. Sua adesão oficial é ao princípio da separação entre religião e estado, o que impediria qualquer envolvimento nos assuntos de qualquer governo ou estado. Seus 21 milhões de membros em todo o mundo têm a liberdade de escolher seus representantes políticos de acordo com suas consciências individuais.

A questão que está no centro da atual crise no Burundi, não é apenas o direito de adorar de acordo com os ditames da consciência. É o direito das organizações religiosas de conduzir seus assuntos sem interferência do governo, num nível mais profundo, livre de ser ferido, magoado, intimidado, humilhado, perseguido, preso, torturado ou assassinado. A violência contra os cidadãos para fazê-los cumprir as preferências daqueles que governam um país é totalmente antiética e desumana. A persuasão pacífica deve ser sempre preferida à coerção.

O princípio internacionalmente afirmado de não coerção em questões de crença também se aplica aos governos nacionais, que não devem se intrometer nos assuntos da Igreja.

Este princípio é violado sempre que um governo tenta ditar à Igreja como administrar seus assuntos internos. Nenhum governo deve tentar influenciar a escolha dos líderes adventistas do sétimo dia. Isso é simplesmente inaceitável. Se a Igreja permite esse tipo de intrusão, sua própria razão de ser seria comprometida como um espaço onde o status fundamental da liberdade de consciência sustenta todas as outras liberdades.

Um governo pode opor-se apropriadamente à nomeação de qualquer cidadão, se provar, além de qualquer dúvida razoável, que tal líder infringiu a lei da Terra. Mas sem o princípio básico básico de “inocente até que se prove a culpa”, fundamental para qualquer sistema judicial legítimo, a lei afunda na arbitrariedade. Sem essa proteção básica, ninguém está imune a acusações arbitrárias, calúnias, prisões e prisões.

Em outras palavras, ninguém deveria ser acusado sem provas. Se o governo tem provas contra o novo líder devidamente eleito, então é seu dever moral pressionar as acusações em vez de permitir a perpetração de possível corrupção. Acusações e alegações sem o devido processo judicial são um abuso de prerrogativas.

Além disso, se o governo demonstrasse que o líder devidamente eleito não está apto para o cargo no Burundi, ele poderia usar os locais de justiça presentes em sua própria constituição. Então, a Igreja teria que agir com provas convincentes de que o líder escolhido não seria capaz de liderar a igreja no Burundi. Até que isso seja provado, no entanto, não há base para demitir um líder devidamente eleito.

No caso do Burundi, a violação central da liberdade religiosa é a recusa do governo em aceitar a decisão da Igreja Adventista do Sétimo Dia de eleger seus líderes em liberdade e sem interferência, [por influência do lado perdedor].

A delegação enviada pelo presidente mundial da Igreja Adventista do Sétimo Dia, a convite do Ministro do Interior para resolver a crise na sucessão de liderança no Burundi, foi de boa fé para ouvir a proposta do ministro. Relatamos a sugestão do ministro. A representação ampla e diversificada dos líderes que receberam o relatório consideraram cuidadosamente as opções que manteriam a integridade da decisão do comissão executivo da Igreja na Divisão África do Centro-Leste (região), embora tendo em mente as supostas preocupações do governo do Burundi. para assegurar a coesão civil.

O mandato da delegação não era o de uma missão de apuração de fatos, nem era para ficar do lado de um Campo e se envolver em diferenças de interpretações e opiniões. Fomos enviados para ouvir o Ministro do Interior e relatamos a proposta com precisão.

Aproveitamos a oportunidade para encorajar espiritualmente os membros da igreja. Mas nós certamente não éramos um esquadrão de investigação. A expectativa de alguns de que deveríamos estar ouvindo todas as partes nesta crise estava além de nossa competência ou responsabilidade. Nós não fomos mandatados para julgar a Divisão da África Central Oriental e avaliar a decisão de um comitê de representantes de 11 nações da África Centro-Oriental. Em sua política de trabalho, a Igreja Adventista tem mecanismos para expressar suas queixas, independentemente de uma decisão de um comitê. Como delegação

Teria sido simples aceitar a proposta da igreja de permitir que o representante legal da igreja fosse o tesoureiro da União, enquanto permitia ao presidente do sindicato devidamente eleito assistir aos assuntos espirituais e administrativos da igreja confiada aos seus cuidados. Mas o representante do governo que visitamos com toda a boa fé insistiu em seu próprio plano. A situação se intensificou com o apoio do governo de uma pessoa removida de sua função como representante da igreja.

A intransigência do governo vista em desmentir a proposta da Igreja de permitir que o tesoureiro da União seja o representante legal da Igreja Adventista do Sétimo Dia no Burundi foi surpreendente. Certamente não ajudará a manter a coesão pacífica de um país ao qual a Igreja Adventista está comprometida com o desenvolvimento sustentável. Existem atualmente 23 escolas adventistas e cinco clínicas / dispensários no Burundi. O notável trabalho da Agência Adventista de Assistência ao Desenvolvimento (ADRA) é um bem vital para o país. A Igreja Adventista do Sétimo Dia tem planos de fazer muito mais pelo país do Burundi.

A decisão do governo do Burundi de manter na liderança uma pessoa que a igreja optou por remover de suas funções não foi uma escolha sábia. Além disso, o ex-presidente da União foi privado de suas credenciais pastorais pela igreja que serviu uma vez.

A natureza coercitiva desta imposição de um líder que a Igreja retirou de seu cargo não está de acordo com o respeito devido às instituições eclesiásticas. Capacitar e empossar um ex-empregado da igreja é despropositado e inútil. Ele não pode mais representar a Igreja Adventista do Sétimo Dia. Sua recusa em deixar o cargo parece uma sabotagem do funcionamento da Igreja Adventista em um país onde os adventistas ocupam posições de responsabilidade para servir leal e sinceramente seu país.

Ainda mais preocupante, o governo do Burundi prendeu os líderes da Igreja Adventista do Sétimo Dia, e é nossa esperança que — ao contrário de alguns relatos — eles não tenham sido submetidos a qualquer forma de violência. Essa ação injustificada exacerba o tecido frágil de uma sociedade que precisa de paz após um passado difícil de distúrbios civis e desafios tribais. Os adventistas do sétimo dia são cuidadosos em obedecer às leis da Terra enquanto são fiéis às crenças, princípios, políticas de trabalho e modo de operação de sua igreja.

Como cristãos comprometidos, não há animosidade em nossos corações contra qualquer membro do governo. Continuaremos a respeitar sua dignidade e apelar para o melhor de sua humanidade.

Esta situação infeliz é totalmente desnecessária e poderia ter sido facilmente evitada. A boa vontade dos líderes do país em diminuir a tensão poderia ser demonstrada deixando a igreja administrar seus próprios assuntos de acordo com suas próprias políticas internas de trabalho.

A interferência do governo nos assuntos da igreja nunca leva à paz na sociedade. Tais ações criam traumas, incitam as queixas e promovem a insatisfação. Eles são caros para um país que precisa de paz e prosperidade.

Mesmo agora, ainda há tempo para reverter essa ferida auto-infligida. Os membros adventistas do sétimo dia, em número de 186.000 no Burundi, e a igreja a que pertencem, são bênçãos para o país de Burundi. A Igreja e seus membros estão comprometidos com o bem-estar do povo do país.

Este compromisso de respeitar, mostrar solidariedade e servir o povo do Burundi está ancorado em uma convicção que Nelson Mandela memoravelmente expressou: “Negar a qualquer pessoa os seus direitos humanos é desafiar a sua própria humanidade.” Esperamos fazer parceria com a liderança do país. para afirmar a humanidade e os direitos de todos, incluindo a liderança legítima da Igreja Adventista do Sétimo Dia.

Apesar das diferenças de abordagem e opiniões, devemos e continuamos a mostrar respeito e consideração a todos os funcionários do governo. Acreditamos na solidariedade de toda a família humana.

Oramos para que a liderança deste país tenha sabedoria em permanecer dentro dos limites de suas funções e se abstenha de interferir nos assuntos da Igreja.

Que a sabedoria e a paz prevaleçam no Burundi, um país lutando para elevar seus cidadãos à paz e à vida com dignidade.

Fonte: https://www.adventistliberty.org/commentary-what-seventh-day-adventists-face-in-burundi

Depois dessa informação completa sobre a real situação, que nada teve a ver com perseguição por fidelidade a Deus, mas resultado de corrupção e brigas internas pelo poder na IASD de Burundi, Ted Wilson e o noticiário oficial adventista se viram obrigados a divulgar a verdade sobre o que acontecia por lá, mudando o discurso publicado pela Revista Adventista.

Sobre Max Rangel

Servo do Eterno, Casado com Arlete Vieira, Pai de 2 filhas, Analista de Sistemas, Fundador e Colunista do site www.religiaopura.com.br.

Além disso, veja também:

LEI DOMINICAL PRÓXIMA??: Cresce a influência do Papa Francisco na Política e na Economia mundial

Assista e confirme o que estamos alertando há décadas e com os últimos artigos Lei …

Pastores Que Defendem o CHIP: Silas Malafaia, Paulo Junior e Leandro Quadros, seu líder aceita o chip? Se afastem deles!!!

Relacionado

Um Comentário

  1. Ótimo texto, informações bem esclarecedoras a respeito do caso.
    Dança Árabe Grupo Nasser, São Paulo – SP

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.