Iníco / Sistema Religioso e Apostasia / IASD brasileira deveria homenagear “apóstatas” e “dissidentes”!

IASD brasileira deveria homenagear “apóstatas” e “dissidentes”!

Desse jeito torto, a mensagem adventista começou a chegar a grupos de imigrantes alemães, em Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Espírito Santo, Paraná e São Paulo, onde um alemão incentivado por L. R. Conradi fundou a Casa Publicadora Brasileira, imprimindo inicialmente apenas livros em alemão.

Louis Richard Conradi foi o primeiro representante da Associação Geral a visitar a Argentina e o Brasil, onde começou a estruturar a Organização Adventista, através do estabelecimento das primeiras Associações e Uniões por volta de 1910. Nessa época, embora conservasse as credenciais ministeriais, já começava a ser visto como um dissidente, por questionar o dom proféfico de Ellen Whute e não valorizar a doutrina da expiação no Santuário Celestial, como necessária para a salvação.

Em anos posteriores, foi um dos líderes que decidiu e recomendou que os jovens adventistas alemães deveriam subordinar-se às autoridades militares e participar da I Guerra Mundial. Por fim, na década de 30, abandonou definitivamente o adventismo, associando-se à Igreja Batista do Sétimo Dia.

Curiosa e incoerentemente, a liderança da IASD brasileira persegue e demoniza irmãos tidos como “apostados” e “dissidentes”, aos quais deve historicamente sua introdução no Brasil. Já houve redator da Casa Publicadora Brasileira que deletou o relato de sua conversão em vídeo, depois que descobriu que se convertera pela leitura de um folheto produzido por “dissidentes” brasileiros!

Leia as monografias e artigos científicos em que este texto está fundamentado:

Compartilhar isso:

Sobre Max Rangel

Servo do Eterno, Casado com Arlete Vieira, Pai de 2 filhas, Analista de Sistemas, Fundador e Colunista do site www.religiaopura.com.br.

Além disso, veja também:

MENTIRAS DO CRISTIANISMO

Relacionado

Por Que Cardeais Estão Chamando o Papa de “Falso Profeta”

Relacionado

Deixe uma resposta