Iníco / Noticias Adventistas / Michelson Borges sorri debaixo de escultura com forma de pergaminho-serpente, que eterniza a Ciência do bem e do mal no CERN

Michelson Borges sorri debaixo de escultura com forma de pergaminho-serpente, que eterniza a Ciência do bem e do mal no CERN

Visão lateral da escultura do pergaminho-serpente, que vaga pelo incomensurável, contendo inscrições de fórmulas da “Ciência” desde 2.000 anos antes de Cristo. Um monumento à Ciência do Bem e do Mal, que se opõe à Palavra de Deus, com inscrições em aço inoxidável para que se eternizem… Abaixo dela, um sorridente teólogo adventista seduzido e iludido pela Ciência satânica…

O pior de tudo é que Michelson Borges não percebe que a serpente metálica da Ciência (ou a Ciência milenar da Serpente) está colocada em oposição ao suposto “globo” da Ciência, que reproduz não uma esfera mas a abóbada do firmamento sobre uma área circular, acima do “mundo inferior” do colisor, réplica quase perfeita da terra plana, criada e descrita por Deus em Gênesis:

Chantier de rénovation du Globe de la Science et de l’Innovation du CERN afin d’améliorer la structure générale du bâtiment et de remplacer certains éléments vieillissants. Photo Lucien FORTUNATI

Leia mais sobre o monumento:

CERN inaugura escultura de aço

“Wandering the immeasurable” – uma escultura de 15 toneladas ao lado do Globe of Science and Innovation – foi inaugurada em uma cerimônia no sábado

CERN inaugura escultura de aço

“Wandering the immeasurable” – uma escultura de 15 toneladas ao lado do Globo de Ciência e Inovação <span> (Imagem: CERN)

Em uma cerimônia na manhã de sábado, o diretor-geral do CERN, Rolf Heuer, e o prefeito de Meyrin Monique Boget inauguraram “Wandering the immeasurable” – a escultura de aço de 15 toneladas do Globe of Science and Innovation.

Torcendo 11 metros no ar, a escultura, que tem a forma de uma fita gigante, presta homenagem às grandes descobertas da física através dos tempos. Cerca de 37 metros de aço são cortados a laser na superfície externa com 396 descobertas em sua língua de origem. Cada um mostra o nome de um cientista e o ano e a natureza de seu avanço no campo da física, astrofísica ou matemática.

A primeira inscrição, escrita em escrita cuneiforme na base da escultura, trata de cálculos sexagesimais, descobertos pelos antigos mesopotâmios por volta de 1500 aC. Inscrições gregas seguem desde os primeiros pensadores, como Arquimedes, antes que o chinês, o sânscrito e o árabe deixassem sua marca.

Galvanizadas na superfície interna da escultura, essas mesmas descobertas são representadas com símbolos científicos – mapas cibernais antigos e equações algébricas, incluindo o teorema de Pitágoras e o famoso e = mc 2 de Einstein , culminam com a complexa equação de Langrangian que descreve o Modelo Padrão de partículas. física.

“A fita de aço se ergue da Terra e torce como se estivesse em uma peregrinação – a ciência não sabe para onde levará”, diz Bernard Pellequer, do CERN, que iniciou o projeto de escultura.

A escultura foi desenhada pelo artista canadense Gayle Hermick e possibilitada por uma doação única da Fondation Meyrinoise du Casino. A metalúrgica suíça SENN-AG juntou o aço

Fonte: https://home.cern/news/news/cern/cern-inaugurates-steel-sculpture

A história por trás dessa obra de arte data de 2005, quando Gayle Hermick, um escultor canadense, descobriu o CERN. “Depois de visitar o site do CERN pela primeira vez em 2005, fui capturado pela enormidade do que o LHC representa – experimentação baseada em séculos de exploração científica”, lembra ela. “As teorias da física atual baseiam-se naquelas que vieram antes delas, que foram, por sua vez, baseadas em outros precedentes. As conexões entre as teorias tecem a história da ciência, criando um tecido de detalhes complexos ”.

Fora deste encontro inspirador entre o artista e o CERN, nasceu um projeto. Batizado de “Wandering the Immeasurable”, assume a forma de uma fita de aço, infinitamente enrolada e desenrolada para representar infinitas possibilidades e abrangendo quase 4.000 anos, uma vez que remonta parte da história do conhecimento científico e técnico mundial. “De um lado da fita, 396 importantes descobertas estão inscritas em sua língua de origem, acompanhadas dos nomes de seus descobridores”, explica Bernard Pellequer, responsável pelo programa de eventos do Globe e pela realização deste projeto. “A história começa com cálculos sexagesimais na Mesopotâmia e termina (por enquanto) com a descoberta do bóson de Higgs no CERN. Claro, a exploração continua, razão pela qual o fim da fita permanece suspenso, como se esperassem eventos futuros … ”Os visitantes podem, portanto, refazer a história da ciência passo a passo e encontrar alguns nomes familiares aqui e ali. Do outro lado da fita, Hermick queria mostrar a linguagem da ciência. Do amado teorema de Pitágoras à enigmática equação Lagrangeana Modelo Padrão, o alfabeto matemático se torna mais complexo quanto mais a fita se desenrola.

A escultura tem numerosas conexões simbólicas ao CERN, tecnologicamente acima de tudo, pois o escultor optou por trabalhar com um metal industrial, aço inoxidável, que teve que ser cortado a laser. Do ponto de vista da diversidade também: ao conceder o lugar de honra a homens e mulheres de todo o mundo que contribuíram para a ciência através dos tempos, a obra de Hermick reflete a natureza do CERN, cuja própria existência é construída sobre colaboração internacional. Finalmente, essa escultura, como o próprio Globo, atua como uma ponte entre a ciência e a sociedade. “Esse trabalho permite que os visitantes compreendam uma parte da história da ciência, desde seus primórdios até hoje”, sublinha Pellequer. “Esse papel educativo é também um dos objetivos fundamentais do CERN.”

Fonte: https://cds.cern.ch/journal/CERNBulletin/2013/31/News%20Articles/1563838

Vagando o incomensurável

Escultura de Gayle Hermick

“A natureza usa apenas os fios mais longos para tecer seus padrões, de modo que cada pedacinho de seu tecido revela a organização de toda a tapeçaria.” Richard P. Feynman

“Depois de visitar o site do CERN pela primeira vez em 2005, fui capturado pela enormidade do que o Grande Colisor de Hádrons representa – experimentação baseada em séculos de exploração científica. As teorias atuais da física são baseadas naquelas que vieram antes, que foram, em Por sua vez, com base em outros precedentes, as conexões entre teorias tecem a história da ciência, criando um tecido de detalhes complexos.Fiquei impressionado com a natureza aparentemente abstrata e etérea dos experimentos conduzidos no CERN. , a linguagem usada pela comunidade científica era completamente estranha para mim – mas sua elegância era notável e intrigante. ” Gayle Hermick designer da escultura

CERN Science: Um laboratório para o encontro de mentes

O trabalho do CERN envolve milhares de cientistas de mais de 100 países, que trabalham em colaboração. Cada avanço leva a novas descobertas e inovações e à criação de novos relacionamentos. Desde o estabelecimento do Laboratório em 1954, homens e mulheres têm vindo a explorar uma rara marca de criatividade para forjar uma cultura única. Vindo de origens muito diferentes, mas compartilhando a mesma curiosidade e uma paixão que não conhece limites, cada um desempenha um papel em colisões produtivas entre os sexos, nacionalidades, planos de carreira, formações educacionais, valores e habilidades. Seguindo os passos de milhares de humanos que fizeram uma contribuição humilde para a expansão do conhecimento ao longo de vários milênios, cada pessoa no CERN tem algo a oferecer para somar à soma total. A escultura narra essa história de como o conhecimento é transmitido através das gerações, cresce até se formar completamente e contribui para o desenvolvimento de todos. Da escrita cuneiforme dos mesopotâmios ao formalismo matemático por trás da descoberta do bóson de Higgs, a linguagem da ciência se torna universal e anda de mãos dadas com a partilha de um sonho comum.

A criação de ‘vagando pelo incomensurável’

A instalação final, com 7,09 metros de altura por 10,33 metros de largura, compreende duas fitas entrelaçadas de aço inoxidável que retratam uma cronologia seletiva de inovações na física, desde as primeiras revelações até a presente experimentação. A camada voltada para fora é cortada a laser com descobertas, apresentada na linguagem do físico, e acompanha a migração da ciência, refletindo como a informação científica é compartilhada em todo o mundo e ao longo do tempo. Equações correspondentes são gravadas na camada voltada para dentro e destinam-se a lembrar as reflexões dos físicos. Eles ilustram a natureza estética e esotérica da matemática por trás da física. A escultura se curva no espaço, terminando no ar – aguardando a próxima era de avanço e descoberta.

https://visit.cern/globe/wandering-immeasurable

Esta escultura ousada e sinuosa fica dentro do campus da Organização Europeia para Pesquisa Nuclear (CERN). É uma reviravolta poética e artística que representa a divulgação de informações científicas e um tributo adequado aos milhares de mentes brilhantes de todo o mundo que vêm ao CERN para colaborar.

Wandering the Immeasurable é uma linda escultura de uma escultura que simboliza como o conhecimento é passado entre as pessoas. A escultura termina abruptamente, parte dela se estende como se esperasse que futuras descobertas fossem adicionadas.

Se você olhar de perto para a fita de metal curvada, você notará que ela está coberta com várias inscrições. A camada externa mostra descobertas científicas que refletem sobre como a informação é disseminada e compartilhada entre o mundo.

A camada interna é mais simbólica do funcionamento interno da mente de um físico. Parece um pouco como o bloco de notas de um cientista, já que é coberto por diferentes equações e símbolos que destacam a matemática por trás da ciência. De certa forma, as inscrições mostram a mistura caótica de informações que possibilita o progresso científico.

https://www.atlasobscura.com/places/wandering-the-immeasurable

“Wandering the Immeasurable” por Gayle Hermick

Por Robin

Pintor ocasional. Jogador de golfe. Fascinado pela humanidade. Apaixonado por coisas bonitas, as pessoas que criam e sua narrativa.

É janeiro. Eu estou em um bonde na fronteira da França e Suíça apenas pelo CERN , a Organização Européia para Pesquisa Nuclear, (os caras do Grande Colisor de Hádrons). Eu noto uma enorme estrutura de metal enrolada orgulhosa da neve persistente. Um vento cortante dissipa o interesse além de um estalo de longa distância com o meu iPhone.

On-line, acho que este trabalho é “Wandering the Immeasurable”, de Gayle Hermick. Eu falo com um amigo físico que trabalha no CERN. “Todos nós amamos essa escultura!”, Explica ele. “Ele conta toda a história do nosso campo.” Estou intrigado. Isso me lembra um passeio por Cambridge (Reino Unido) e como belas esculturas e pinturas são usadas para homenagear as mentes brilhantes que trouxeram avanços extraordinários em conhecimento e, finalmente, mudaram a humanidade.

Mais neve. As semanas passam antes que eu queira voltar. Quando o faço, acho que isso é uma obra de beleza impressionante, na qual a estética se combina com o que é provavelmente a narrativa humana mais importante de todas.

Gayle Hermick 2

Hermick visitou o site do CERN em 2005. Ela ficou impressionada com a enormidade do que o Grande Colisor de Hádrons representa: um experimento maciçamente ambicioso baseado em séculos de exploração científica. O que a inspirou foi a percepção de que qualquer teoria da física é baseada em teorias que vieram antes e que, por sua vez, são baseadas em outros precedentes. As conexões entre as teorias tecem a história da ciência. Um dos lados da fita de aço inoxidável em espiral contém 396 importantes descobertas científicas e técnicas inscritas em sua língua de origem, acompanhadas dos nomes de seus descobridores. A lista começa com cálculos sexagesimais na Mesopotâmia de 4000 anos atrás e termina – por enquanto – com a descoberta do bóson de Higgs no CERN. A cauda da fita permanece suspensa, como se esperasse eventos futuros.

Gayle Hermick 3

O outro lado da fita mostra a matemática: a linguagem da ciência. Isso ajuda o visitante, independentemente de sua formação, a apreciar como a matemática sustenta as 396 descobertas. O todo é acessível ao não-cientista e, assim, ressoa com os objetivos educacionais do CERN.

Colocando a estética e a narrativa de lado; o trabalho é inspirador como uma realização técnica. Demorou uma equipe de trabalhadores de metal ao longo de um ano para fazer. O processo envolveu especialistas que poderiam cortar o texto a laser e eletrodepositar as equações em aço inoxidável.

Gayle Hermick 4

E o “quem” por trás desse trabalho monumental? Gayle Hermick é formado em Belas Artes pela Universidade de Manitoba, no Canadá. Ela gravitou em formas esculturais em barro. Metal foi uma evolução natural. Ela é tolerante com minha persistência e generosa com seu tempo, dando respostas honestas e elegantes às minhas perguntas. Pergunto-lhe como ela ganhou a comissão pelo trabalho. Ela responde: “Não foi uma comissão. Eu lancei a ideia de uma escultura no site depois de visitar o Grande Colisor de Hádrons, então em progresso. Eu não visitei o CERN com formação em física ou matemática. A dança para criar a escultura certa envolveu muita pesquisa da minha parte e alguns para lá e para cá com o CERN para obter mais informações sobre a física de partículas. Percebi rapidamente que eu não tinha conhecimento suficiente sobre física contemporânea para criar um trabalho sobre uma teoria específica, mas também percebi que estava em boa companhia com a maior parte do mundo. Minha escultura cresceu naturalmente a partir deste ponto. Eu queria que fosse tanto um monumento ao que foi alcançado quanto para me informar, e espero que outros, sobre como nós, a humanidade, chegamos ao ponto de colidir partículas apenas sob a velocidade da luz para entender o que compõe o nosso universo ”. (Uau!) Ela continua: “Fiquei fascinado com as belas mas impenetráveis ​​equações que acompanham cada artigo que pesquisei”.

Ela me conta que enquanto a inspiração para “Wandering the Immeasurable” foi despertada por sua visita em 2005 ao CERN, o conceito visual veio da natureza multicultural do CERN como uma instituição, seus objetivos científicos, seus objetivos educacionais e, por sua própria admissão, sua ignorância e confusão sobre os físicos e teorias contemporâneas. Não consigo imaginar que existam muitos outros escultores com horizontes intelectuais tão amplos.

Ingenuamente, pergunto se, como resultado de sua extensa pesquisa, ela tem um físico ou teorema favorito. “Esse (todo o projeto) foi um mergulho emocionante na história da ciência e dos físicos que permanecerão comigo pelo resto da minha vida. Eu admiro muito os primeiros cientistas que vieram para suas descobertas de diferentes disciplinas, há muitos – um, Gilbert, um médico, chegou à conclusão de que a Terra era magnética e é por isso que a bússola aponta para o norte. E há a engenhosidade da máquina de calcular de Pascal. A dedicação de Galileu à observação é de tirar o fôlego; Sua documentação completa das luas de Júpiter e manchas solares são feitos surpreendentes. Eu li sobre a tabulação cuidadosa dos dados astronômicos de Brahe, permitindo que Kepler descobrisse suas leis do movimento planetário. Eu gostava de biografias de físicos: os Curie, Rutherford, Heisenberg, Planck, Bohr e Dirac, para citar alguns. E que momento emocionante na física antes da Segunda Guerra Mundial! Após anos de experimentação silenciosa, acredito (com a descoberta do bóson de Higgs e o potencial de saída do Grande Colisor de Hádrons), estamos em outro momento excitante tanto para a cosmologia quanto para a física de partículas. ”Ela compreende a física agora? “Robin, eu acho que essa pergunta é muito engraçada!”, Ela responde. “Eu acho que há físicos que não entendem a física contemporânea”. Ela então lista, com citações, alguns físicos proeminentes que admitem não compreender completamente o campo escolhido. A lista inclui Einstein que, aparentemente, não acreditava na teoria quântica. Após anos de experimentação silenciosa, acredito (com a descoberta do bóson de Higgs e o potencial de saída do Grande Colisor de Hádrons), estamos em outro momento excitante tanto para a cosmologia quanto para a física de partículas. ”Ela compreende a física agora? “Robin, eu acho que essa pergunta é muito engraçada!”, Ela responde. “Eu acho que há físicos que não entendem a física contemporânea”. Ela então lista, com citações, alguns físicos proeminentes que admitem não compreender completamente o campo escolhido. A lista inclui Einstein que, aparentemente, não acreditava na teoria quântica. Após anos de experimentação silenciosa, acredito (com a descoberta do bóson de Higgs e o potencial de saída do Grande Colisor de Hádrons), estamos em outro momento excitante tanto para a cosmologia quanto para a física de partículas. ”Ela compreende a física agora? “Robin, eu acho que essa pergunta é muito engraçada!”, Ela responde. “Eu acho que há físicos que não entendem a física contemporânea”. Ela então lista, com citações, alguns físicos proeminentes que admitem não compreender completamente o campo escolhido. A lista inclui Einstein que, aparentemente, não acreditava na teoria quântica. “Eu acho que há físicos que não entendem a física contemporânea”. Ela então lista, com citações, alguns físicos proeminentes que admitem não compreender completamente o campo escolhido. A lista inclui Einstein que, aparentemente, não acreditava na teoria quântica. “Eu acho que há físicos que não entendem a física contemporânea”. Ela então lista, com citações, alguns físicos proeminentes que admitem não compreender completamente o campo escolhido. A lista inclui Einstein que, aparentemente, não acreditava na teoria quântica.

Então, à medida que o tempo mais quente se aproxima, por que não visitar a deslumbrante criação do CERN e Hermick? Faça um piquenique, ouça música, tire fotos e considere…. mas para aqueles textos e equações, você não teria chegado lá, você não teria tempo livre porque estaria tão ocupado tentando encontrar comida suficiente para o seu piquenique, não haveria como a música ser gravada e você não Não conseguir tirar fotos porque as câmeras não existiriam. Em resumo, sem esses cientistas e suas descobertas, todas as nossas vidas, supondo que nós existíssemos, seriam solitárias, pobres, desagradáveis, brutas e breves.

Fonte: http://talkingbeautifulstuff.com/2015/04/02/wandering-the-immeasurable-by-gayle-hermick/

Sobre Max Rangel

Servo do Eterno, Casado com Arlete Vieira, Pai de 2 filhas, Analista de Sistemas, Fundador e Colunista do site www.religiaopura.com.br.

Além disso, veja também:

#AMelhorAventura #LaMejorAventura Associação Geral aprovou uso de “machadão” LGBT no V Campori 2019

Barretos, SP, como todo mundo sabe, é a capital brasileira do culto ao touro. e …

Baixaria!? Articulista católico reclama do uso que Lutero fez do “humor pesado” para reformar a Igreja

Lutero e Charlie Hebdo: muita coisa em comum! Nesses tempos de discussão sobre o respeito …

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.