Iníco / Sã Doutrina / Na Mira da Verdade: Se os três deuses da Trindade são iguais, por que o pecado contra o Deus Espírito não tem perdão?

Na Mira da Verdade: Se os três deuses da Trindade são iguais, por que o pecado contra o Deus Espírito não tem perdão?

pecado-espiritosanto

A gravidade do chamado “pecado contra o Espírito Santo” coloca em xeque a doutrina antibíblica da Trindade porque implicaria numa desigualdade entre as pessoas divinas, com superioridade do Deus Espírito Santo sobre o Deus Pai e o Deus Filho, embora os trinitarianos acreditem na coigualdade entre eles. É por isso que, no Facebook, o programa Na Mira da Verdade formulou o questionamento nestes termos, deixando de fora a expressão “iguais” ou “coiguais”:

“A crença da trindade nos ensina que Deus Pai, Filho e Espírito Santo são: onipotentes, oniscientes, onipresentes e eternos, então, por que somente a blasfêmia contra o Espírito é que não tem perdão?”

No programa, a pergunta foi formulada sem citação de autoria: “Temos Deus Pai, Deus Filho e Deus Espírito Santo, por que a blasfêmia contra o Espírito Santo não tem perdão? Você pode blasfemar contra Jesus, pode blasfemar contra Deus, mas por que a Bíblia fala que contra o Espírito Santo não há perdão? Esse é o pecado de morte, professor?” Em seguida, veio a resposta que você confere no vídeo.

Leandro Quadros afirma que a correta interpretação do texto deve levar em conta o contexto, mas deturpa o que está escrito, incluindo no relato de Mateus uma suposta terceira pessoa divina, cuja participação seria absolutamente desnecessária se o Deus Filho e o Deus Espírito citados na pergunta existissem como tais e fossem de fato coiguais. Como Deus Filho e não apenas Filho de Deus, Cristo não precisaria da intervenção do Deus Espírito nem mesmo de Deus Pai para expulsar demônios.

O Espírito de Deus que operava através do Filho, expulsando os demônios, era o próprio Deus, o Pai, agindo através de Cristo, e não uma terceira pessoa divina. “Não crês que eu estou no Pai e que o Pai está em mim? As palavras que eu vos digo não as digo por mim mesmo; mas o Pai, que permanece em mim, faz as suas obras.” João 14:10.

Releia o relato de Mateus:

Então, lhe trouxeram um endemoninhado, cego e mudo; e ele o curou, passando o mudo a falar e a ver. E toda a multidão se admirava e dizia: É este, porventura, o Filho de Davi? Mas os fariseus, ouvindo isto, murmuravam: Este não expele demônios senão pelo poder de Belzebu, maioral dos demônios.

Jesus, porém, conhecendo-lhes os pensamentos, disse: Todo reino dividido contra si mesmo ficará deserto, e toda cidade ou casa dividida contra si mesma não subsistirá. Se Satanás expele a Satanás, dividido está contra si mesmo; como, pois, subsistirá o seu reino?

E, se eu expulso demônios por Belzebu, por quem os expulsam vossos filhos? Por isso, eles mesmos serão os vossos juízes. Se, porém, eu expulso demônios pelo Espírito de Deus, certamente é chegado o reino de Deus sobre vós. Ou como pode alguém entrar na casa do valente e roubar-lhe os bens sem primeiro amarrá-lo? E, então, lhe saqueará a casa.

Quem não é por mim é contra mim; e quem comigo não ajunta espalha. Por isso, vos declaro: todo pecado e blasfêmia serão perdoados aos homens; mas a blasfêmia contra o Espírito não será perdoada. Se alguém proferir alguma palavra contra o Filho do Homem, ser-lhe-á isso perdoado; mas, se alguém falar contra o Espírito Santo, não lhe será isso perdoado, nem neste mundo nem no porvir.

Ou fazei a árvore boa e o seu fruto bom ou a árvore má e o seu fruto mau; porque pelo fruto se conhece a árvore. Raça de víboras, como podeis falar coisas boas, sendo maus? Porque a boca fala do que está cheio o coração. O homem bom tira do tesouro bom coisas boas; mas o homem mau do mau tesouro tira coisas más. Digo-vos que de toda palavra frívola que proferirem os homens, dela darão conta no Dia do Juízo; porque, pelas tuas palavras, serás justificado e, pelas tuas palavras, serás condenado. – Mateus 12:22-37.

Observe que Tito Rocha foi, no mínimo, leviano ao afirmar que podemos blasfemar contra o Filho de Deus e contra Deus, o Pai, pois mesmo assim seremos perdoados. Jesus admite blasfêmia contra Si mesmo, como Filho do Homem, mas não contra Deus, o Pai, que por meio de Cristo realizava os milagres de cura e libertação. O pecado contra o Espírito consistiu em dizerem que Jesus estava possuído pelo demônio (espírito imundo) e não pelo poder de Deus, o Pai (espírito santo).

Confira o mesmo relato em Marcos 3:22-30:

Os escribas, que haviam descido de Jerusalém, diziam: Ele está possesso de Belzebu. E: É pelo maioral dos demônios que expele os demônios.

Então, convocando-os Jesus, lhes disse, por meio de parábolas: Como pode Satanás expelir a Satanás? Se um reino estiver dividido contra si mesmo, tal reino não pode subsistir; se uma casa estiver dividida contra si mesma, tal casa não poderá subsistir.

Se, pois, Satanás se levantou contra si mesmo e está dividido, não pode subsistir, mas perece. Ninguém pode entrar na casa do valente para roubar-lhe os bens, sem primeiro amarrá-lo; e só então lhe saqueará a casa.

Em verdade vos digo que tudo será perdoado aos filhos dos homens: os pecados e as blasfêmias que proferirem. Mas aquele que blasfemar contra o Espírito Santo não tem perdão para sempre, visto que é réu de pecado eterno. Isto, porque diziam: Está possesso de um espírito imundo.

Veja também que o pecado ou blasfêmia contra o Espírito Santo já não pode ser cometido nos mesmos moldes:

Em Mateus 12:31-32, os Fariseus, tendo testemunhado provas irrefutáveis que Jesus fazia milagres no poder do Espírito Santo, afirmaram que, ao contrário, o Senhor estava possuído pelo demônio “Belzebu” (Mateus 12:24). Note que em Marcos 3:30 Jesus é muito específico a respeito do que exatamente eles fizeram para cometer a “blasfêmia contra o Espírito Santo”.

Esta blasfêmia tem a ver com alguém acusando Jesus Cristo de ser possuído por demônios ao invés de estar cheio do Espírito. Há outras maneiras de blasfemar contra o Espírito Santo, mas esta foi “A” blasfêmia imperdoável. Como resultado, a blasfêmia contra o Espírito Santo não pode acontecer hoje. Jesus Cristo não está sobre a terra, mas assentado ao lado direito de Deus. Ninguém pode testemunhar que Jesus Cristo esteja fazendo um milagre e atribuir este poder a Satanás ao invés do Espírito. Apesar de não haver blasfêmia do Espírito hoje, devemos sempre lembrar que há um estado de existência imperdoável: o estado de incredulidade. Não há perdão para alguém que morre em incredulidade. A contínua rejeição às exortações a crer em Jesus Cristo é a blasfêmia imperdoável. Lembre-se do que foi dito em João 3:16: “Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna”. A única condição na qual alguém não pode ter perdão é se esse alguém não estiver entre “todo aquele que nele crê”.

Fonte: http://www.gotquestions.org/Portugues/blasfemia-Espirito-Santo.html

Compartilhar isso:

Sobre Max Rangel

Servo do Eterno, Casado com Arlete Vieira, Pai de 2 filhas, Analista de Sistemas, Fundador e Colunista do site www.religiaopura.com.br.

Além disso, veja também:

PANORAMA 2018 & A PREPARAÇÃO FINAL

Relacionado

Adulteraram Hino “Vinde, Povo do Senhor” do Hinário Adventista.

Relacionado

Deixe uma resposta