Iníco / Nova Ordem Mundial, Tempo do fim / Norte-americana criada por casal lésbico diz ser contra casamento gay: “Outra mãe nunca substituirá o pai que perdi”

Norte-americana criada por casal lésbico diz ser contra casamento gay: “Outra mãe nunca substituirá o pai que perdi”

Em artigo publicado em jornal conservador, Heather Barwick, de 31 anos, diz amar a companheira da mãe, mas ter sentido falta do pai após separação. “Casamento entre pessoas do mesmo sexo significa privar a criança de um pai ou uma mãe dizendo que é tudo o mesmo. Mas não é”, afirma

A NORTE-AMERICANA HEATHER BARWICK: "NÃO É PORQUE VOCÊS SÃO GAYS. EU AMO VOCÊS, DE VERDADE" (FOTO: REPRODUÇÃO / FACEBOOK / HEATHER BARWICK)

A NORTE-AMERICANA HEATHER BARWICK: “NÃO É PORQUE VOCÊS SÃO GAYS. EU AMO VOCÊS, DE VERDADE” (FOTO: REPRODUÇÃO / FACEBOOK / HEATHER BARWICK)

Uma americana criada por um casal lésbico vem provocando controvérsia nos Estados Unidos após escrever um artigo para um jornal conservador dizendo que é contra o casamento gay porque afirma ter sentido a falta de um pai durante a infância.

Heather Barwick, que tem 31 anos e vive no Carolina do Sul com o marido e quatro filhos, diz que a mãe se separou do pai quando ela tinha entre 2 e 3 anos de idade para viver com outra mulher.

“Comunidade gay, eu sou sua filha. Minha mãe me criou com sua companheira entre os anos 80 e 90”, escreveu Heather para a publicação conservadora The Federalist (leia o texto completo, em inglês), reproduzida pelo inglês Daily Mail.“Estou escrevendo porque estou saindo do meu armário: eu não suporto casamento gay”, diz o texto.

No artigo, Heather se justifica: “Mas não é pelas razões que vocês estão pensando. Não é porque vocês são gays. Eu amo vocês, de verdade. É por causa da natureza das relações entre pessoas do mesmo sexo.”

Heather, então, diz que cresceu num ambiente muito liberal e “cabeça aberta” numa comunidade de amigos gays e lésbicas e que a companheira de sua mãe sempre a tratou “como se eu fosse sua própria filha”. A americana também admite que seu pai biológico “não era um grande cara” e “nunca se importou em visitá-la”.

Leia também: ABOMINAÇÃO É: Brasileiro e sueco são 1° casal gay da Suécia a adotar no exterior

HEATHER BARWICK: "EU AMO A PARCEIRA DA MINHA MÃE, MAS OUTRA MÃE NUNCA SUBSTITUIRÁ O PAI QUE EU PERDI” (FOTO: REPRODUÇÃO / FACEBOOK)

HEATHER BARWICK: “EU AMO A PARCEIRA DA MINHA MÃE, MAS OUTRA MÃE NUNCA SUBSTITUIRÁ O PAI QUE EU PERDI” (FOTO: REPRODUÇÃO / FACEBOOK)

A despeito de ter militado em defesa do casamento gay por volta dos 20 anos, ela afirma que mudou a maneira de pensar. “Casamento entre pessoas do mesmo sexo significa privar a criança de um pai ou uma mãe dizendo que não importa, que é tudo o mesmo. Mas não é”, diz o texto.

“Muitos de nós, muitos de seus filhos, estão sofrendo. A ausência do meu pai criou um grande vazio em mim e eu sofria todo dia por não ter um. Eu amo a parceira da minha mãe, mas outra mãe nunca substituirá o pai que eu perdi.”

Falando à publicação religiosa World, a americana disse que só encontrou conforto para a ausência paterna após começar a frequentar a igreja com seu futuro marido.“Foi só quando encontrei Cristo que tirei esse peso de mim. E não fiquei amarga, não tenho raiva. Eu perdoei meu pai.”

Ela também falou sobre o que acredita terem sido consequências de ter duas mães. “Eu não sou gay, mas a relação que tinha como modelo antes era entre duas mulheres. Então tive que me esforçar quando adulta para entender como seria a relação com meu marido.”

‘NÃO FAZ SENTIDO’
Para Abigail Garner, autora do livro “Families Like Mine: Children Of Gay Parents Tell It Like It Is” (“Famílias como a minha: filhos de pais gays contam como é”), que foi criada por dois pais, afirma que o artigo de Heather não faz sentido.

“Ao mesmo tempo em que compreendo a dor de Heather por ter sido abandonada pelo pai heterosexual, esse sofrimento nada tem a ver com o casamento homossexual”, ela diz. “Todos nós temos nossos dramas pessoais, mas eu discordo totalmente dela quando usa sua história pessoal como exemplo para que outras famílias não tenham direito a se casar.”

Heather foi também uma das seis pessoas criadas por casais gays que assinou a carta em defesa de Dolce & Gabbana, após a polêmica defesa dos estilistas do casamento apenas entre “homem e mulher”, que vem provocando protestos de celebridades como Elton John e Madonna.

FONTE: Marie Clare

Sobre Max Rangel

Servo do Eterno, Casado com Arlete Vieira, Pai de 2 filhas, Analista de Sistemas, Fundador e Colunista do site www.religiaopura.com.br.

Além disso, veja também:

NÃO HÁ COMO BANIR AGROTÓXICO CANCERÍGENO DAS LAVOURAS BRASILEIRAS! AHAM, “ÇEI”! TÁ “SÉRTUH”!

Relacionado

12 Conselhos muito úteis que Michelson Borges poderia divulgar, em vez de perseguir irmãos unitarianos

 Jordan Bernt Peterson (Fairview, Alberta, Canadá, 12 de junho de 1962) é um psicólogo clínico canadense e professor de …

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.