Iníco / Ecumenismo / Quanto tempo ainda irá demorar para a Revista Adventista traduzir este texto de George Knight?

Quanto tempo ainda irá demorar para a Revista Adventista traduzir este texto de George Knight?

George R. Knight e suas 9,5 Teses da Ordenação da Mulher! Em sua palestra de 12 de junho de 2017, “Católica ou Adventista?”, George R. Knight identifica os que se opõem à ordenação feminina como católicos, ele próprio é Lutero, Ted Wilson é o Papa e a Igreja Adventista é a Igreja Católica Medieval. “Os adventistas em seus documentos recentes, como os católicos romanos, interpretam mal o texto bíblico da mesma maneira e para fins similares.” Pág. 8.

“A liderança da Conferência Geral em 2017 está se aproximando perigosamente de se tornar uma réplica da Igreja Medieval.”

“Não creio que a votação de 2015 sobre a ordenação de mulheres indicou a voz de Deus.”

Faça o download do texto completo em inglês: 

Católica ou adventista: a luta contínua sobre a autoridade + 9,5 teses, por George R. Knight:

Velho conhecido Adventistas.Com

George Raymond Knight (1941) é teólogo, historiador e educador estadunidense, membro da Igreja Adventista do Sétimo Dia. Há décadas, é professor de história da Igreja na Universidade Andrews. Autor de dezenas de artigos, vários deles já foram traduzidos para o português e impressos pela Casa Publicadora Brasileira. Por isso, é nosso velho conhecido aqui no Adventistas.Com.

O historiador George R. Knight, professor da Universidade Andrews em seu livro “Em busca da identidade”, por exemplo, revela que “a maioria dos fundadores do adventismo não poderia unir-se a igreja hoje se tivesse que concordar com as “27 crenças fundamentais” da denominação (página 16). Que a esmagadora maioria dos primeiros líderes adventistas não conseguiria concordar com pelos menos três seções da declaração denominacional de 1980. Essas três seções tratam da Trindade, da plena divindade de Jesus e da personalidade do Espírito Santo (pág. 112), que Thiago White referiu-se a trindade em 1846 como esse “antigo credo trinitariano antibíblico (pág. 113), que Urias Smith também rejeitava a Trindade (pág. 114) e que Ellen White nunca desenvolveu argumentos principais sobre os temas da Trindade (pág. 117).

Na edição de maio/junho de 1993, da Revista Ministério, págs. 15-20, George Knight disse aquilo que o Adventistas.Com tenta dizer na Internet: Deus NÃO Depende da IASD para NADA!

“Eu gostaria de sugerir que como adventistas nós deveríamos conservar nossos olhos abertos para a possibilidade de que Deus tenha um plano número dois para o fim da Era Cristã… Da perspectiva de Ellen White, Deus não fez qualquer garantia de imunidade à Igreja Adventista. …Os adventistas podem não estar preparados, se não considerarem a possibilidade de um plano escatológico número dois.”

Conselhos de George Knight que a Liderança da DSA Não Seguiu

Depois de anunciar a provável fragmentação do Adventismo para os próximos anos, o Professor de História da Igreja na Andrews, veio ao Brasil em outubro de 1998, para alertar administradores e pastores acerca do risco do congregacionalismo que novamente rondava a denominação, sob diferentes formas.

Contudo, seus alertas e sugestões para a liderança da Igreja sequer foram considerados. Além disso, suas previsões quanto aos leigos de países de origem católico-romana não se confirmaram exatamente…

Em artigo publicado na edição de julho-agosto de 2002 da revista Ministério, o Dr. George R. Knight, Ph.D., professor de história do Seminário Teológico da Universidade de Andrws, afirma que nossos pioneiros eram radicalmente contra as igrejas protestantes e católica, que acreditavam representar Babilônia, mas com o tempo até a Sra. Ellen G. White teria entendido que o cumprimento da profecia de Apocalipse 14 é futuro e que não há mal nenhum em nos relacionar com os líderes de outras denominações no presente.

O título do artigo é “Outra Visão de Babilônia”. Nele, George Knight tenta provar que, depois da Conferência Geral de 1888 em Mineápolis, a própria Irmã White teria incentivado o pastor A. T. Jones, a promover parcerias com a União Pró-Temperança que defendia a santificação nacional do domingo, incentivando-o até a convidar seus representantes para pregar em nossas igrejas.

Para o autor, as igrejas que pensávamos representar Babilônia não estão, de fato, nessa condição ainda e podemos nos unir a elas, através de seus líderes, em diferentes projetos. Ele cita a recomendação para nos aproximarmos dos ministros de outras igrejas como se fosse uma autorização para o ecumenismo, esquecendo-se de que a ordem é trabalharmos pela conversão desses pastores para que não se percam. — Leia todo o artigo.

Sobre Max Rangel

Servo do Eterno, Casado com Arlete Vieira, Pai de 2 filhas, Analista de Sistemas, Fundador e Colunista do site www.religiaopura.com.br.

Além disso, veja também:

Porque Jesus foi chamado de Deus?➤7/16 Série Vida Eterna

Relacionado

Pastores que ensinam que não se devem ser questionados!

Relacionado

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.