Iníco / Ecumenismo / Se Babilônia é sinônimo de confusão, Papa Francisco diz: “Eu quero a confusão!”

Se Babilônia é sinônimo de confusão, Papa Francisco diz: “Eu quero a confusão!”

“O Catolicismo se distingue por sua clareza: 2.000 anos de pensamento claro”, diz Michael Voris, do Church Militant, em um vídeo cuja transcrição eu traduzo neste meu vídeo. Voris mostra como os Sínodos convocados por Francisco se caracterizam pela introdução de “um vocabulário totalmente novo, novos termos e novos temas que resultam em muita confusão”. E mostra como o Papa chegou a dizer a um seu interlocutor que queria a confusão.

Embora Michael Voris não o mencione, o interlocutor era Thomas Weinandy (na foto do thumbnail deste meu vídeo), um cappuccino e um dos teólogos mais importantes do mundo, que depois foi demitido da Conferência Episcopal Americana por ter escrito uma carta aberta ao Papa Francisco pedindo que ele acabasse com o “caos na Igreja”. A resposta de Francisco foi: “Eu quero a confusão”. É o que estamos vendo com esse Sínodo: o estabelecimento da confusão para derrocar a ordem estabelecida e mantida por cerca de dois mil anos na Igreja Católica.

Sínodo Amazônico: Papa afirma: “Eu quero a confusão!”

por Michael Voris, STB • ChurchMilitant.com • 7 de outubro de 2019

Mas por que a confusão?

Todo sínodo aqui em Roma sob Francisco sempre introduz um vocabulário totalmente novo, novos termos e novos temas que resultam em muita confusão – o que significa que ninguém tem a menor idéia do que realmente significa.

Dependendo de quem os está lendo ou ouvindo, eles podem significar centenas de coisas diferentes. Esses termos parecem deliberadamente deixados ambíguos.

Se você está tentando perturbar a ordem estabelecida, a ambiguidade é uma dinâmica muito útil.

Por exemplo, na conferência de imprensa de hoje, surgiram termos elásticos em toda parte: espaço para discípulos; expressões autênticas; uma igreja que não está fechada; uma igreja que aprende com as pessoas da floresta; escuta sinodal; uma igreja que não é auto-referencial; e, claro, o abrangente “Novos Caminhos”.

Esses termos não têm significado real por si próprios. Eles precisam receber seu significado, e é aí que reside o perigo desse sínodo. A confusão é desenfreada nesse tipo de vocabulário.

Mas não é uma explicação para isso e é realmente muito simples – de abrir os olhos de fato.

O papa Francisco estava conversando com alguns íntimos há um tempo, e um deles observou que parte do vocabulário é confusa e precisa de alguma clareza.

A resposta do papa revelou muito.

O papa disse: ‘Eu quero a confusão’. Esse comentário foi tão impressionante que desperta medo na alma – grande preocupação.

Ele disse: ” Eu quero a confusão”. Vamos repetir isso, o papa disse: “Quero a confusão”. Esse comentário foi tão impressionante que desperta medo na alma – grande preocupação.

Mas tem o benefício de enquadrar todo esse papado e todas as suas ações. As autocontradições, a recusa em responder à dubia e assim por diante. A pergunta que as pessoas fazem é: Por quê? Por que o papa iria querer confusão?

A resposta a essa pergunta pode estar oculta na filosofia de alguns sul-americanos que influenciaram muito o futuro papa – homens como Juan Carlos Scannone, que desenvolveu o que chamou de “teologia do povo”, além do poeta Rubén Darío . Para não ser deixado de fora da lista de influenciadores, o proponente da teologia da libertação Gustavo Guti é rrez.

Coletivamente, esses filósofos sustentam que, para reverter a ordem estabelecida, a confusão deve ser promovida.

Então a confusão promoverá um tipo de conflito e, a partir desse conflito, uma nova realidade será introduzida.

Isso gera outro conjunto de idéias. Se o Papa está encorajando a confusão para que uma nova realidade nasça, essa nova realidade é algo que ele já imagina e, em sua mente, é um objetivo? Ou será que algo simplesmente se desenvolve e onde quer que os chips caiam, eles caem, e então lidamos com essa nova realidade como ela se apresenta?

Por exemplo, após a missa de abertura em São Pedro, um grupo de índios da Amazônia desenrolou uma faixa comemorando a Mãe Terra. Eles foram levados rapidamente pelos guardas do Vaticano, mas não antes de terem feito uma declaração.

A teologia da Mãe Terra eleva a criação a um status divino. É por isso que a Mãe Terra é adorada. Isso é paganismo.

Tudo o que está acontecendo e quer dizer com tudo isso, é claro que pelo menos alguns estão concluindo que a Mãe Terra tem algum tipo de pé de igualdade ou paralelo com a Igreja Católica, que os dois podem de alguma maneira sintetizar.

Isso criaria uma religião totalmente nova.

Isso ficou evidente na conferência de imprensa de hoje, quando foi feita uma pergunta sobre o significado ou simbolismo do estatuto da mulher grávida nua, que foi apresentada ao papa na cerimônia de adoração de pagãos e plantio de árvores nos jardins do Vaticano na sexta-feira.

Não existe tal coisa, nenhum mandato divino, que a Igreja seja tão ouvinte que ouça paganismo e heresia.

Um repórter perguntou ao painel qual era o significado da estátua, o que é representado por ela. Foi a Virgem Maria? Foi a Mãe Terra? O que foi isso?

A resposta não forneceu clareza – não surpreendeu muito. A resposta foi, no final das contas, tem significados diferentes para pessoas diferentes – bastante justo, isso é verdade. Mas isso é um problema.

O catolicismo se distingue por sua clareza: 2.000 anos de pensamento claro.

E embora nenhum vocabulário humano possa capturar todo o mistério da Fé e a revelação divina, ele pode descartar proposições opostas a ele. Ele pode apontar para contradições e falhas lógicas que devem não ser permitidos.

O trabalho da teologia é mais um trabalho de negação do que de afirmação positiva. Deixa-nos refletir sobre o mistério do que resta depois que tudo o que é falso foi filtrado.

O culto à Mãe Terra não pode estar logicamente ao lado do catolicismo. Os dois se opõem.

Se a Mãe Terra é “divina” e deve ser adorada, o que certamente ocorre nas culturas amazônicas, a Mãe Terra criada está em pé de igualdade com o Deus não criado.

Isso é heresia, pois nega o significado da própria divindade. São esses perigos neste Sínodo da Amazônia que preocupam profundamente os fiéis com toda a conversa ambígua, expressões e vocabulário.

Em sua própria concepção, sua maneira de se expressar, é anticatólico – não apenas não católico, mas anticatólico.

Não existe tal coisa, nenhum mandato divino, que a Igreja seja tão ouvinte que ouça paganismo e heresia.

Fonte: https://www.churchmilitant.com/news/article/synod-report-i-want-the-confusion

FRANCISCO QUER FICAR NO CARGO ATÉ QUE AS MUDANÇAS QUE ELE FEZ SEJAM IRREVERSÍVEIS.

(Padre Adolto Nicholas, ex-superior geral dos jesuítas, em 2017)

CLIQUE PARA AMPLIAR E VER TODOS QUE ESTÃO NA FILA.

Fonte: Canal TV Nossa Senhora de Fatima. nop Youtube

Sobre Max Rangel

Servo do Eterno, Casado com Arlete Vieira, Pai de 2 filhas, Analista de Sistemas, Fundador e Colunista do site www.religiaopura.com.br.

Além disso, veja também:

Histeria Climática: Greta é Proclamada “Sucessora” de Jesus Cristo Pela Igreja da Suécia

Para refrescar sua memória: a Igreja da Suécia é aquela mesma que deu as boas …

Pastor Adventistas defende ocultistas e satanistas e persegue irmãos terraplanistas

A pergunta final é essa: Isaac Newton cria na Trindade, Michelson Borges?

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.