Iníco / Alimentação, Saúde e Plantas Medicinais / Vacinação compulsória que altera geneticamente o corpo humano… Já não somos “seres humanos”? Era Tecnotrônica e Eugenia, a teoria da conspiração mais real do que se imagina.

Vacinação compulsória que altera geneticamente o corpo humano… Já não somos “seres humanos”? Era Tecnotrônica e Eugenia, a teoria da conspiração mais real do que se imagina.

Os “guardiões do portal” da chamada pandemia do Corona nos forçarão as vacinas, sem as quais não poderemos voltar à normalidade? O que realmente significa a “nova normalidade”?Esse artigo foi publicado originalmente em alemão em http://www.pbme-online.org, em 14 de maio de 2020. Tradução do alemão por M.L.Oberem.

São essas questões que são intensamente debatidas no momento: há especulações, insinuações e, novamente, negação. A resistência está aumentando entre a população, se é que existe, por um senso de premonição.

Segundo a Dra. Claudia von Werlhof, socióloga e professora de ciências políticas, a questão central de todo esse debate nem começou a ser abordada.

Os eventos atuais devem ser vistos em um contexto muito maior. Em sua análise, ela antecipa uma variedade de cenários, todos seguindo um “plano” muito maior e já existente – pertencente ao campo do “transhumanismo”, o paradigma aparentemente inevitável da 4ª Revolução Industrial. A menos que….

“Somos seres humanos e não máquinas!” gritou um dos oradores durante a manifestação de 1º de maio em Viena, recebendo aplausos da multidão. De fato, todas as medidas tomadas contra o vírus Corona podem ser resumidas sob este lema:

somos solicitados a nos comportar como se não fôssemos seres humanos, mas máquinas.

Somos desencorajados a ter sentimentos empáticos um pelo outro, a pensar os próprios pensamentos, a expressar a mente ou a agir espontaneamente. Antes de tudo, deveríamos estar cantando, dançando e se exercitando juntos, ou até se levantando juntos. Não devemos estar próximos um do outro, definitivamente não nos tocamos e, no geral, saímos do caminho um do outro. Deveríamos deixar os idosos sozinhos e doutrinar nossos filhos com a idéia de que eles representam uma ameaça para a avó e o avô, para que eles também já aprendam como é ser uma máquina – sem empatia.

Como seres humanos semelhantes a máquinas, a única emoção que temos permissão para manter e até somos incentivados a ter, é o sentimento de medo. Medo do vírus, porque o vírus pode ser prejudicial para nós, como uma “praga” e como todos aqueles que precisam ser considerados portadores potenciais dele.

Dessa maneira, o medo se instala; medo de não seguir as instruções com cuidado o suficiente para nos proteger da “praga” – através do constante empurrão da mensagem de higiene – lavagem das mãos, limpeza geral e desinfecção – afastando-nos do corpo e de sua “sujeira”, que agora é definida como perigo, para nós mesmos e nas relações com os outros.

Somos até um perigo para nós mesmos por ainda estarmos vivos e ainda termos um ser corporal, um organismo sensorial, em vez de sermos uma máquina; assim, ficamos com medo de nós mesmos.

Deveríamos estar nos “purificando” de nós mesmos. Devemos sentir nojo de nós mesmos e até de nosso ser somático e corporal, sem mencionar o dos outros.

Do ponto de vista tecnológico, “um ser humano” é um modelo ultrapassado e precisa urgentemente de ser “transformado”. Nesse processo, ele será supostamente “aprimorado”.

Quais são os resultados disso? Realmente deveríamos desejar ser mais uma máquina do que um ser humano, mais morto do que vivo, melhor estar em uma prisão de alta segurança do que viver em liberdade, onde perigos invisíveis e onipresentes nos ameaçam.

Uma teoria da conspiração real de cima

Minha proposta é que a propagação implacável dos perigos do vírus Corona funcione como uma teoria da conspiração de cima.

A intenção é aterrorizar-nos a tal ponto que consentimos em práticas que de outra forma nunca teríamos aceitado (1). Para ser mais preciso, somos levados a temer um suposto perigo da natureza, que agora é, com a ajuda de medidas maciças, supostamente sendo contornado para nos “proteger”.

Além disso, argumento, as práticas correspondentes pretendem nos transformar em seres mais bem equipados contra esses supostos perigos da natureza. Dessa maneira, poderíamos nos transformar em seres humanos “melhores”, isto é, ser cada vez mais alterados na direção das máquinas; então deixaríamos de ser apenas seres humanos naturais. Neste caso: o avanço médico torna possível!

Certamente, o roteiro para essa alteração já está escrito há algum tempo, visível no curso de ação especialmente deliberado atualmente em execução (2). Neste ponto, no entanto, estamos longe de saber tudo. Essa corona-mania não foi colocada no mundo – de cima – apenas por diversão, deixando a vida em todo o mundo paralisada, apenas para retornar mais tarde à “normalidade” como a conhecíamos.

A chamada “nova normalidade” esperada deve ser concluída pelo que já sabemos hoje. Não se pretende um retorno à mesma economia de antes do Corona, nem pretendemos dispor de um corpo mais forte e saudável depois do Corona. Vamos agora ficar com este último tópico, o de nossa saúde física, a parte somática do problema, porque até agora essa parte permanece completamente inexplicável.

Porque, antes que uma vacina suficientemente testada seja desenvolvida, já se fala em um programa abrangente de vacinação obrigatória, a ser implementado em breve para todas as pessoas neste planeta, e os regulamentos legais necessários também estão sendo preparados.

O que estamos lidando aqui e agora, para aprofundar meu argumento, não é uma medida a serviço da nossa saúde, mas uma nova definição do que nós, como seres humanos vivos, devemos ser no futuro, ou melhor, não devemos mais estar no futuro, bem como a implementação prática de tal conceito.

A transformação de nós mesmos como seres humanos

Esse problema ainda não faz parte da discussão pública. A discussão atual concentra-se principalmente no dinheiro, nos lucros da indústria farmacêutica e em suas medidas escandalosas para aumentá-los. Um outro foco é a tentativa de estabelecer o máximo controle sobre as pessoas e, para isso, a abolição de seus direitos.

No entanto, o que não foi focado até agora, é o “progresso tecnológico” que ocorreu a portas fechadas e que está sendo implementado agora. A questão em jogo é a transformação de nós mesmos como seres humanos. Este tópico não é abordado em nenhum lugar do domínio público. Não é considerado um assunto digno de debate público.

O “progresso tecnológico”, que estou falando aqui, não é utilizado apenas para “dominar” a natureza externa, dissecando e remontando-a de novas maneiras, transformando-a em uma “segunda” natureza supostamente “melhor” – a máquina – mas é também isso que paradoxalmente parece estar reservado para nós mesmos, o alegado “orgulho da criação”. Do ponto de vista do avanço tecnológico, “um ser humano” é um modelo desgastado, com necessidade urgente de ser “transformado”. Em seu curso, ele / ela será supostamente “aprimorado”. Os seres humanos devem se tornar algo como “máquinas”.

O primeiro que ouvimos sobre isso é “inoculação”. É precisamente isso que está reservado para nós em breve, depois de prestar juramento sobre o medo da natureza, o medo do outro e o medo de nós mesmos. Deveríamos ser inoculados com algo, mesmo que não o desejássemos – qualquer resistência sendo considerada “atrasada” ou até “cruel” – essa tão anunciada possibilidade de salvação do medo, via vacinação em massa decretada globalmente como a libertação final do mal “Pragas”.

Nesse contexto, pode significar apenas duas coisas: é suposto se tornar um negócio gigantesco e multibilionário, isso é claro. Além disso, essa poderia ser a grande chance de começar a transformação da humanidade em algo como quimeras homem-máquina, “cyborgs” ou “transhumans”.

A máquina como alegada melhoria da natureza, um substituto da natureza não é – em congruência com sua própria invenção – uma construção democrática, mas totalitária.

O debate sobre máquina-homem e homem-máquina

Este debate está ocorrendo agora de maneiras muito concretas (3), não apenas como fantasia, como era o caso no passado. A razão para isso é óbvia: o avanço tecnológico levou à invenção da máquina como a tecnologia central dos tempos modernos. A máquina está no processo de assumir gradualmente todas as áreas da vida. Funciona de maneiras imperialistas, por assim dizer, e não para em nada, isto é, não para os seres humanos. O princípio da máquina é transformar qualquer coisa da natureza em máquina. Isso significa, nós também, nós, aqueles que já moramos ao lado, com e até dentro da máquina. Essa é a lógica da máquina – aparentemente até agora amplamente desconhecida -.

Geralmente, a princípio, havia uma adaptação do comportamento humano em relação ao da máquina – de soldados a operários. E hoje é de todos nós em direção ao computador “, a máquina das máquinas”. Devemos seguir as ordens (instruções) desta máquina (4) como se fizéssemos parte dela ou, como qualquer máquina, ela não funcione corretamente.

Porque a máquina como substituta supostamente melhor que a natureza não é – em congruência com sua invenção – uma construção democrática, mas totalitária (5). A máquina tem precedência sobre a natureza, e o ato violento de destruí-la é sempre necessário. No entanto, desde o advento da ciência e de sua violenta metodologia, a ciência se defendeu afirmando que a natureza é “matéria morta” de qualquer maneira, o que não é verdade, é claro (6).

Não devemos nos surpreender que o contato com a máquina já tenha tido consequências que nos mudaram. Foram aplicadas medidas externas crescentes para uma aproximação “mimética” e uma convergência do corpo com a máquina – “estética”.

O “encaixe” dos membros artificiais ocorreu e até órgãos substitutos foram implantados no corpo humano.

Até agora, no entanto, a transformação do corpo humano a partir de dentro, a fim de tornar o corpo parecido com uma máquina ou compatível com a máquina e até mesmo a transformação gradual do corpo em uma máquina viva ou na vida da máquina, em geral, ainda não ocorreu. No entanto, é exatamente isso que está na agenda de novas tecnologias (7). Ele já está na agenda há bastante tempo.

O famoso sociólogo americano Daniel Bell declarou: “As pessoas podem ser criadas de novo ou liberadas, seu comportamento pode ser controlado e sua consciência pode ser alterada” (8). Ele pretende isso como uma afirmação positiva, assim como seus colegas no campo da ciência. Isso é ingenuidade? De onde, caso contrário, vem esse otimismo que ainda envolve o progresso tecnológico e que, até agora, impediu a maioria de nós de desafiá-lo sistemicamente?

Qual é a relação entre a “pandemia” e esse “progresso”?

Agora somos confrontados com o fato de que a “pandemia” poderia realmente ter uma relação com esse “progresso”. No momento, parece que existe um plano para vacinar toda a humanidade em uma suposta tentativa de libertar a humanidade dos reféns do vírus.

Afinal, a vacinação agora oferece a oportunidade única de entrar diretamente em tantos corpos como nunca antes e, nessa ocasião favorável, de colocar algo no corpo que o transformará por dentro. Além disso, tornará o corpo “disponível” do lado de fora, ou seja, conectá-lo a um sistema tecnológico maior, a Mega-Máquina (9). Consequentemente, entretanto, é preciso fazer perguntas sobre o que o progresso tecnológico tem a oferecer a esse respeito.

Bill Gates, ex-chefe da Microsoft e planejador da vacinação mundial contra a Corona, deseja efetivamente vacinar todas as 7,8 bilhões de pessoas possíveis no planeta Terra, incluindo mulheres grávidas, recém-nascidos e aqueles que já se recuperaram da Corona (!). No entanto, por enquanto, o governo alemão ainda não decidiu implementar o chamado “cartão de identidade de imunidade” previsto.

Além disso, e preocupante, entretanto, é a vigilância contínua dos cidadãos por meio de inteligência artificial, sistemas de inteligência artificial e censura da internet, ou seja, a abolição da liberdade de expressão na internet (10). Aparentemente, existe uma expectativa de que nem todos fiquem entusiasmados com o suposto alívio que uma vacinação possa trazer, apesar das promessas relacionadas à liberdade de viajar e à liberdade de escolha profissional parecerem tentadoras. Inversamente, isto é, no caso de recusa de vacinação, existe a ameaça de que essas liberdades sejam retidas, o que é nada menos que a abolição dos direitos civis essenciais!

No tratamento da pandemia e suas consequências, nossa saúde não é o problema.

Porque a nossa saúde está ameaçada por perigos muito mais graves, por ex. radioatividade, poluição de partículas, glifosato, alimentos perigosos para a saúde e 5G, nenhum dos quais é mencionado em nenhum lugar. Mesmo as máscaras faciais prescritas não estão servindo à nossa saúde, muito pelo contrário. Eles são perigosos para a saúde, pois podem levar à auto-infecção e nos impedir de fornecer oxigênio. Assim, eles podem até causar os sintomas objetados da doença, sem mencionar as repercussões psicológicas. A questão não é precisamente a batalha contra o vírus, embora seja nisso que acreditamos há meses.

Porque, de acordo com perspectivas médicas genuínas, o vírus Corona não é mais perigoso do que outros vírus influenza, o vírus sofre mutação constante e, principalmente, não pode ser considerado como um inimigo que poderia ser erradicado com uma vacina, muito menos a longo prazo. (11)

Além disso, neste momento, uma vacina ainda não foi desenvolvida, uma vez que o próprio vírus ainda não foi adequadamente identificado. Após a descoberta de uma vacina, ela deve ser testada por um período de vários anos antes de poder ser administrada, sem mencionar a provável mutação do vírus.

Não é lógico, e não é responsável pressionar por uma rápida vacinação compulsória em massa, possivelmente até o final de 2020 e, aliás, sem que alguém tenha o direito legal de responsabilizar alguém por possíveis efeitos nocivos (12). Tais efeitos geralmente ocorrem mesmo com vacinas testadas há muitos anos e que são administradas regularmente. Isso significa que não se trata de uma vacinação no sentido médico. A vacinação planejada só pode, portanto, ser explicada de tal maneira que se destine a propósitos muito diferentes.

Sobre o que tudo isso é realmente

Atualmente, estamos no meio da chamada 4ª Revolução Industrial. Isso significa a introdução em massa e a expansão maciça de todas as novas tecnologias, ou seja, engenharia genética, incluindo biologia sintética, inteligência articular e nanotecnologia, além de geoengenharia, juntamente com o aumento da utilização de tecnologias eletromagnéticas nas atmosferas mais altas da terra e também, em nossos corpos (13).

Ao mesmo tempo, tendo em vista o sucesso atual das empresas que trabalham com essas tecnologias, respectivamente, o complexo industrial-militar, pode-se reconhecer qual é a nova estruturação da economia global, utilizando seu “colapso controlado” através do “bloqueio”, tem tudo a ver (14).

O modelo econômico e a forma de sociedade agora propagados, conectados às novas tecnologias, também são chamados de “Green New Deal” (Novo Acordo Verde). Trata-se, supostamente, da introdução de uma sociedade pós-capitalista, des globalizada e amiga da natureza.

O modelo econômico e a forma de sociedade agora propagados, conectados às novas tecnologias, também são chamados de “Green New Deal“. Trata-se, supostamente, da introdução de uma sociedade pós-capitalista, des globalizada e amiga da natureza.

No entanto, neste contexto – e de maneira intrigante – as novas tecnologias são amplamente consideradas “verdes”, incluindo até a energia nuclear, a nova revolução industrial e os meios pelos quais se pretende introduzir e implementar essas tecnologias. Este “acordo” que, entre outros, a Comissão da UE e especialmente os partidos “verdes” estão se propagando, é na verdade o oposto do que afirma ser (16). Como isso deve ser entendido?

A digitalização é um novo projeto que, surpreendentemente, não recebe nada além de amplo consentimento. Até agora, a digitalização é uma expressão das novas tecnologias, especialmente na forma de “Internet das Coisas” IoT. Esta é uma mega-máquina digitalizada de inteligência artificial na qual todas as “coisas” relacionadas devem agora ser “ciberneticamente” conectadas.

A digitalização, agora propagada em todos os lugares, torna exatamente isso possível. Cada “coisa” deposita suas “informações” na IoT. Essa informação é a “energia” na qual a IoT é executada, ou seja, é considerada seu “petróleo” – como a chanceler Angela Merkel a chamou, figurativamente falando.

As atividades de IoT são inseridas no sistema por meio de sensores que precisam ser montados em todos os equipamentos, prédios, toda a infraestrutura e também no exterior, assim como em seres humanos que devem interagir com a IoT (17).

Na e através da máquina IoT, todas as informações recebem “tratamento igual”, ou seja, informações factuais e informações humanas. Portanto, não há mais diferenciação entre diferentes tipos de informações.

Como resultado, os seres humanos não são considerados diferentes das coisas e de suas informações. Existe um programa de software que regula o tratamento dessas coisas, ou seja, essas informações, podendo encaminhá-las ou excluí-las. É como trabalhar em nosso computador pessoal, ao qual nos acostumamos nas últimas décadas.

O que é novo, no entanto, é o fato de ser aplicado a nós mesmos, ou seja, somos os que estão sendo transformados em uma “coisa” ou em “informação” na IoT. Isso significa que nós mesmos precisamos estar equipados com sensores que relatem todas as nossas atividades. É somente dessa maneira que podemos participar ou sermos obrigados a participar da Mega-Máquina. Essa nova “participação” deve se tornar a premissa da nova norma para todos os cidadãos. O celular ou o smartphone já são seus precursores.

A “transformação da espécie humana”

Agora, devemos nos ligar à máquina também por dentro de nossos corpos, não apenas por fora. Pretendemos nos tornar parte da Mega-Máquina da IoT e até nos transformar em quase-máquinas.

Pois, em breve, somos percebidos não apenas como máquinas, e isso significa que devemos não apenas aspirar a esses comportamentos, mas também ser tecnicamente forçados a nos tornar máquinas:

    “Previsível, quantificável, reduzido em nossa complexidade, a ser operacionalizado, obediente a restrições práticas, a ser regulado do lado de fora, identicamente reproduzível, intercambiável, passível de ser controlado, tornado transparente e inquestionável dentro do sistema de controle de circuito fechado”, em de certa forma, operar sem falhas cem por cento da maneira pretendida (18).

Para funcionar de maneira tão confiável quanto as máquinas, precisamos ser alterados no nível do corpo, isto é, no interior de nossos corpos. A adaptação externa à máquina, ou seja, obediência incondicional, não é mais suficiente para o sistema, devido ao “risco residual de ser humano”. Parte da agenda é que devemos implantar diversos chips, uma prática já estabelecida com os animais há algum tempo. Devemos ser “vacinados” com sensores e outros dispositivos de armazenamento de memória ou mini-máquinas, incluindo nanobots. Desde que tais dispositivos, incluindo sua capacidade de se auto-replicar, ou seja, se auto-reproduzir, tenham sido desenvolvidos, o que é exatamente o que acontece durante este ano (19).

Por meio desse tratamento, estaríamos “interligados”, registrados e acessíveis de fora, por ondas eletromagnéticas e logo também por satélites no espaço (20). É até possível que esse procedimento de uma ‘mecanização’ interna possa se transformar em progressivo e gradualmente transformar humanos em máquinas. Um modelo para rastrear e identificar um indivíduo no momento é o implante ID2020 (21).

… a questão em jogo aqui é nada menos do que intencionalmente transformar toda a evolução humana em caos

Essa tentativa culmina no desenvolvimento de novas vacinas que, com a ajuda da engenharia genética, podem alterar geneticamente o corpo humano. Isso parece pretendido (diretamente via nosso DNA e indiretamente via mRNA)

Isso está planejado para ser realizado através de injeções específicas de três vias, garantindo que a resistência das células contra DNA estranho seja quebrada por “eletroporação”, ou seja, quase choques elétricos internos, forçando as células a abrir suas membranas para DNA estranho ou transmissores de mRNA (22)

Assim, seríamos transformados pela força em organismos geneticamente modificados, OGM e podemos adivinhar o que deveríamos ser: quimeras? Máquinas sem vontade? Definitivamente, não seríamos mais seres humanos em plena posse de nosso poder natural.

A questão em jogo aqui é nada menos do que intencionalmente trazer toda a evolução humana ao caos: a confiança fundamental no corpo humano que poderíamos ter até agora ficará basicamente obsoleta. Ninguém sabe como o corpo reagirá e que tipo de conseqüências essa interferência terá, nem como lidar com elas, se não pudermos mais confiar nas capacidades de autocura do organismo humano.

    “As mensagens genéticas, que a natureza preservou para se manterem separadas desde milênios … devem ser misturadas e quimeras esquisitas vão preencher o futuro … aprendizes de feiticeiros moleculares já estão esperando para finalmente começar o rearranjo genético do ser humano … O que me assusta é o irreversibilidade de tal processo ”, comentou Erwin Chargaff (23), o grande químico, geneticista e crítico de engenharia genética sobre esse tipo de avanço tecnológico.

Parece que chegou a esse ponto agora. Jeremy Rifkin, ex-crítico de engenharia genética, agora recomenda o Green New Deal, que propaga a introdução de novas tecnologias, implora por uma “transformação abrangente da espécie humana” e por “uma fusão de tecnologia e genética de computadores em direção a uma poderosa nova realidade tecnológica ”(24).

Assim, ele está exatamente direto com o Sr. Bill Gates.

O que está em jogo é nada menos que uma “nova criação do mundo” e, ao lado, a nova criação dos seres humanos. Também se trata de:

    “Segunda história da criação, originada nos corredores dos laboratórios (e) o estabelecimento de uma natureza criada artificialmente por meio de uma bioindústria, destinada a substituir o conceito original da evolução da natureza” (25).

Uma “Nova Ordem Mundial” com “novos humanos”?

Seria de fato uma “nova ordem mundial” se tais invasões ultrajantes, por si só prejudiciais, irreversíveis e até herdáveis ​​do nosso direito à integridade física, de nossa herança genética no futuro, pudessem ser implementadas em escala global.

Tal interferência afetaria até a própria Conditio Humana, ou seja, nossa reprodução como espécie humana. Não seria exagero chamar essa intervenção de maior crime possível contra a humanidade.

No entanto, mesmo se pudéssemos escapar desse tipo de massacre por ser humano, uma existência fora da Mega-Máquina da IoT não se destina a longo prazo. A China é o primeiro país que avançou, mas provavelmente apenas em nível organizacional, até agora em relação às formas externas de “mecanização” ou “maquinação”. Não é por acaso que a China é cada vez mais mencionada como um exemplo positivo de um desenvolvimento futuro. Além do problema do totalitarismo político e da eventual transformação técnica do ser humano, já existe, no entanto, um problema jurídico geral.

Direitos humanos – tecnicamente obsoletos?

Como na IoT não há diferenciação entre informação e seres humanos, como todos são tratados como “coisas”, não somos mais definidos ou tratados como seres humanos dentro da Mega-Máquina da IoT. É por isso que nossos direitos como seres humanos se desfazem efetivamente sob tais condições, porque são tecnicamente “obsoletos”. Isso também se aplica aos direitos humanos básicos, não apenas às liberdades civis. Coisas, informações e máquinas não têm esses direitos. Em um tratamento igual, baseado na norma das “coisas”, esses direitos se dissolveriam e, com eles, eventualmente os efeitos legais sobre nossa transformação genética artificial contingente, ou seja, a própria Conditio Humana também! Com o progresso tecnológico, a legislação pode ser polida, por assim dizer. Ou o que?

A Mega-Máquina, como qualquer outra máquina, é por definição de caráter totalitário e na verdade é uma arma. Consiste em ordem e obediência. Quem ou o que não é obediente está se tornando prejudicial para si mesmo.

As liberdades civis já são amplamente restritas ou desmoronaram com o bloqueio devido à pandemia do Corona.

Além disso, aparentemente não está planejado restabelecer completamente essas liberdades. Pelo contrário, os próprios direitos humanos, como o direito à integridade física e à dignidade humana, podem estar próximos; em algum momento, possivelmente até o direito à vida … Essa é a lógica duradoura da ‘maquinação’. Isso significa que não haveria vida, exceto a da máquina que é realmente definida como tal. Pois a própria máquina agora significa “vida”, até uma forma “melhor” de vida. Nesse mundo, os humanos se tornam “obsoletos”, até mesmo uma “espécie em extinção” (26). Como isso será refletido pela legislação?

No contexto de novas tecnologias, tudo isso já foi verbalizado e discutido detalhadamente. Quando se trata de inteligência artificial, os direitos humanos não são um problema, nem no sentido geral nem no sentido individual. Isso também se aplica ao campo da engenharia genética e até da biologia sintética, uma tentativa ativa de criar seres humanos de maneiras artificiais.

Antes, no final, trata-se de possíveis invenções, sobre as quais alguém pode, por exemplo, reivindicar uma patente, presumivelmente aquele que nos modificou geneticamente.

Se as patentes da vida humana e não apenas da vida de animais e plantas fossem reconhecidas, pertenceríamos ao nosso inventor e essa pessoa poderia nos aniquilar, nos destruir – exclua-nos.

Dentro da Mega-Máquina, que pertence à inteligência artificial, isso já está estabelecido. Somente na “comunidade” da IoT como máquina somos algo ou alguém. Nós não existimos independentemente. Dessa maneira, não seríamos mais considerados “indivíduos” livres, sobrenaturais e independentes. (Estranhamente, algumas pessoas chamam isso de “socialismo”).

Democracia e natureza – tecnicamente obsoletas?

Nesta perspectiva, podemos ver por que a democracia não seria mais necessária e não pode mais existir, porque a máquina funciona estritamente hierarquicamente, apenas de acordo com “restrições práticas” como parte do sistema de controle em circuito fechado. De acordo com essa definição, nenhuma lei ética ou moral pode penetrá-la.

Além disso, na Mega-Máquina, sexo, gênero, pais, genealogia ou parentes não existem mais, pois qualquer coisa para ser um fato da natureza não é mais planejada na matriz.

A própria Mega-Máquina é expressão de uma tecnologia que transforma a natureza em máquina e, nesse processo, destrói a natureza e, posteriormente, supostamente a substitui (27).

Assim, podemos ver que a máquina não apenas emerge da destruição, mas continua com a destruição. Dessa maneira, tudo se inverte – a matéria viva se transforma em matéria morta, a sociedade se transforma em prisão, os humanos se transformam em algo mecânico …

O truque é que todas essas novas criações devem aparecer como algo “melhor” e, de acordo com Rifkin: “devem ser apresentadas e justificadas como continuação dos princípios e processos naturais”. 28)

Essa é a razão pela qual a nova criação feita na máquina é agora considerada “verde”. É simplesmente chamado de verde, porque visa os “verdes”, os vivos! Na inversão, as palavras assumiram em muitos casos o significado oposto que tinham antes.

Mega-Machine – Arma com “Controle da Mente”

A Mega-Máquina, como qualquer máquina, é, por definição, de caráter totalitário e na verdade é uma arma. Consiste em ordem e obediência. Quem ou o que não é obediente, se torna prejudicial para si mesmo. Ele/ela não pode continuar, “trava” ou pontos são deduzidos porque ele/ela não fornece mais informações/dados. É simultaneamente sobre “vigilância e punição” (Foucault); sobre o controle total de tudo e sobre a capacidade de exercer influência direta do exterior, possivelmente chegando ao ponto de “exclusão”.

O chip, sensor ou nanobot pode ser localizado e, via software de computador, ser alimentado com informações. Essas informações, na forma de ondas eletromagnéticas em várias frequências, podem ser direcionadas ao cérebro, como uma forma de “controle da mente” e induzir certos sentimentos e comportamentos. Isso vem sendo experimentado há décadas (29). Além disso, em breve haverá 5G generalizado, que nos conectará a satélites e a uma ampla rede ou rede eletromagnética global (projeto “Starlink” (30)).

Também estaremos em um “bloqueio” de cima e não apenas de baixo (31) e, não está claro se e como vamos sobreviver a isso – talvez apenas como quase máquinas.

No entanto, o que se fala é preocupação com a nossa “saúde”. Até as crianças pequenas são intencionalmente carregadas de uma culpa em potencial, ou seja, de possivelmente serem a causa da morte de seus avós, o que naturalmente os traumatiza …

PLANdemic: “1984” de Orwell e “Admirável Novo Mundo” de Huxley, tudo em um

Não estou dizendo que já estamos neste momento. Mas estamos no caminho direto para isso. Nos últimos 40 anos, esse caminho tem sido discutido nos círculos profissionais e está em processo de estabelecimento. Portanto, é completamente incompreensível que até hoje não haja um debate crítico sobre esse tópico explosivo. Ninguém está discutindo isso.

Este parece ser o caminho que será seguido em vários níveis durante e após a pandemia, o “PLANdemic”. Assumir algo diferente não seria apenas ingênuo, mas também completamente irrealista.

A futura tarefa da medicina é começar a nos transformar em máquina-homem ou homem-máquina

A tarefa futura da medicina é começar a nos transformar em máquinas-humanos ou máquinas humanas e, de acordo com o herói da IA, Ray Kurzweil, “fundindo-se com o computador” (32), contribuindo assim para a vitória do “transhumanismo”. O “belo novo humano” (33), que, até o momento, existe apenas na propaganda e na fantasia alquímica dos “extropianos” (aqueles que advogam o fim de “humanos”) é visto como o “humano aprimorado” – de maneira alguma mais sendo um ser humano.

Trata-se de uma ruptura desdenhosa de nós, mamíferos, dinossauros e da geléia primordial (34), daqueles que ainda nascem de mãe e que supostamente estão desatualizados pela “evolução da inteligência” (35). Os novos criadores semelhantes a deuses estão nos cumprimentando, que, após a destruição forçada da matéria e de todas as suas manifestações, acredita que eles chegaram ao Big Bang novamente e, portanto, podem recriar qualquer coisa à vontade.

Isso é verdadeiramente patriarcado, imaginando ser “a fonte paterna da vida”, em oposição às origens comuns da vida da mãe, tentando se estabelecer irrevogavelmente hoje. (41)

Por que ninguém lê os trabalhos dos loucos da IA, da engenharia genética e da cena nanotecnológica? Há muito que começaram a colocar isso em prática – porque nesse campo, bilhões de dólares adicionais serão ganhos!

A “nova evolução” – uma “civilização eugênica” com uma “raça humana sintética”

A longo prazo, a suposta nova evolução possível não conta mais com nenhum ser humano. Pelo contrário, será preenchido pelo “post” – humano “Homo Deus”. O deus-humano deve fazer parte da “máquina-deus”, a chamada “singularidade”, que transcenderá o ser humano no entendimento antigo e que supostamente está assumindo a liderança sobre o próprio universo (36). Eis que Yuval Harari, autor do Homo Deus, é mundialmente conhecido e um dos favoritos, inigualáveis, de todos os que estão no poder, de Obama a Merkel.

É isso que os heróis do campo das novas tecnologias estão nos dizendo. Eles propagam abertamente uma “civilização eugênica”, mesmo uma “humanidade sintética” (37) e Bill Gates, seguindo os passos de seu pai, está determinado a servir a esse propósito. Não é por acaso que ele pretende combinar a tecnologia AI com suas vacinas e engenharia genética.

Sabemos que ele está interessado em eugenia. Ele mesmo disse isso: as vacinas são e devem continuar sendo usadas com o objetivo de reduzir a população mundial (38). Nessa lógica sinistra, despovoamento seria um tópico para discussão. Mas mesmo isso, até agora, não é o caso.

Já há um século, Rudolf Steiner nos advertiu:

    A alma será eliminada através de um medicamento. Com base em uma ‘perspectiva razoável’, desenvolver-se-á uma vacina que afetará o organismo, começando no início da juventude, preferencialmente no momento do nascimento, para que esse corpo humano não chegue ao pensamento: (que) existe uma alma e um espírito. – As duas visões de mundo se oporão de maneira tão feroz. Uma visão de mundo terá que pensar em como desenvolver termos e conceitos que permitirão às pessoas lidar com a verdadeira realidade da alma e do espírito. O outro, os sucessores dos materialistas de hoje, buscará a vacina para tornar o corpo ‘saudável’, de modo que esse corpo, por meio de suas condições constitucionais, não fale de coisas tolas como alma e espírito, mas fale em ‘saúde’ ‘caminhos das forças que vivem nas máquinas e na química, que constituem os planetas e os sóis dentro da nebulosa planetária. Isto será alcançado através de procedimentos somáticos. Caberá aos médicos materialistas eliminar a alma da humanidade.” (39)

Com o tempo, os transformados serão considerados os “melhores”. No entanto, a questão é: quão “saudáveis”, no sentido mais amplo, esses melhores podem ser? Ou eles não terão o corpo original e / ou a alma e o espírito. Uma terceira categoria permaneceria composta daqueles que escaparam de tais medidas, as não vacinadas – além do Sr. Gates e seus filhos, a propósito. O debate sobre a exclusão desses desobedientes já começou. A “grande transformação” de que todos falam, está de fato a caminho.

Adeus ser humano?

Então, ele não era sempre “mau”? E isso não o serve, certo? Até agora, no entanto, está claro quem é o maligno, e não apenas de maneira trivial, mas radical. A era da humanidade, o Antropoceno, do qual se orgulha tanto em nossos dias – será uma era sem seres humanos no final? O que resta é o “pós-humanismo”, finalmente nos libertando dessa “vida” tola …

O avanço tecnológico está agora mostrando sua verdadeira face. É o rosto das “forças produtivas” sagradas. Mas os “luditas”, como aqueles que questionam as máquinas, foram e ainda são ridicularizados e ridicularizados por serem atrasados.

Hoje, estamos pagando por nossa obediência. Isso impede o verdadeiro reconhecimento do que tem sido e do que realmente está acontecendo, e que significado ele tem. Esse fracasso agora está chegando em casa para nós. Ninguém está preparado para isso. O debate é sobre nada menos que a “vida” em si – não, no entanto, a “vida” semelhante a um zumbi da máquina, que prejudica nossa força vital e a do planeta.

A verdadeira questão é sobre nossa vida e nossa existência viva, que agora temos que defender contra as novas criações obscenas, contra aqueles que afirmam possuir a capacidade de melhorar a vida além das habilidades inerentes ao nosso planeta Terra e mãe natureza.

Deveríamos continuar acreditando em tais alegações? Agora que é antes de tudo sobre nós? Agora que temos a oportunidade de revogar essa reversão da vida em morte e destruição, em vez de nos tornarmos vítimas da “era tecnotrônica”? (40)

Que vergonha para a autoproclamada “resistência” se seus protagonistas ainda não compreenderam o que é hoje tudo isso – além de dinheiro e poder.

Ao mesmo tempo, eu os vejo por toda parte, emergindo de baixo, muitos rostos claros estão aparecendo na multidão e pessoas maravilhosas estão levantando suas vozes. Eles vêem o que precisa ser feito e o caminho que agora precisa ser seguido. É uma verdadeira alegria!


Notas:
1. https://gedankenwelt.de/das-overton.fenster/;precisely: Werlhof, Claudia von, 2020: Wir sind Virus! Auf/ on pbme-online.org; also in Neue Rheinische Zeitung, /April 29th2. https://norberthaering.de/die-regenten-der-welt/lock-step-rockefeller-stiftung/3. Bammé, Arno et al., 1983: Maschinenmenschen-Menschmaschinen, Reinbek, Rowohlt

4. Schirrmacher, Frank, 2013: EGO. Das Spiel des Lebens, München, Karl Blessing

5. Mumford, Luis, 1977: Mythos der Maschine, Frankfurt, Fischer (orig. The Myth of the Machine 1964/66); Ullrich, Otto 1990: Technik und Herrschaft, Frankfurt, Fischer

6. Merchant, Carolyn, 1987: Der Tod der Natur, München, Beck (orig. The Death of Nature)

7. Schirrmacher, Frank (Hg.) 2001: Die Darwin AG. Wie Nanotechnologie, Biotechnologie und Computer den neuen Menschen träumen, Köln, Kiepenheuer & Witsch; Moravec, Hans, 1988: Mind Children. The Future of Robot and Human Intelligence, Cambridge/London, Harvard University Press; Kurzweil, Ray, 2016: Die Intelligenz der Evolution. Wenn Mensch und Computer verschmelzen, Köln, Kiepenheuer & Witsch (orig. The Age of Spiritual Machines); Preston, Christopher, 2019: Sind wir noch zu retten? Wie wir mit neuen Technologien die Natur verändern können, Berlin, Springer (orig. The Synthetic Age, Cambridge 2018, MIT Press); Rifkin, Jeremy, 2007: Das Biotechnische Zeitalter, Frankfurt a.M./New York, Campus (orig. The Biotech Century, New York 1998, Tarcher/Putnam); Sorgner, Stefan, 2016: Transhumanismus, Freiburg, Herder

8. Bell, Daniel, 2007: Cover, in Sitter-Liver, Beat (Hg.): Utopie Heute, I, Fribourg/Stuttgart, Academic Press/Kohlhammer

9. „Mega-Machine“ is a term by Lewis Mumford from ”The Myth of the Machine”, 1964/1966.With this term he identifies the organisation of the empire of the pharaos in Ancient Egypt, which long before industrialisation and ‘machinisation’ in the modern sense, showed traits of a mechanical organisation of society, in which humans themselves were the ”machine”, similarly to armies. Today, the term Mega-Machine can be taken up again in order to describe the literal ‘machinisation’ of society and the form of integrating its members, even transformating them into machines, i.e. becoming a part of the larger machinery. The machine always stands for a strict hierachical, even totalitarian context.

10. Fikentscher, Anneliese und Neumann, Andreas, 2020:Per Androhung des Grundrechtentzugs zur Zwangsimpfung? In:Neue Rheinische Zeitung. May, 8th

11. Frazer, Ian: http://blauerbote.com/2020/05/07/professor-ian-frazer-there-has-never-been-a-vaccine-for-coronavirus-and-unlikely-there-will-ever-be-one/; Prof. Ioannidis, John: https://www.achgut.com/artikel/wer_hat_angst_vor_Professor_Ioannidis

12. https://www.youtube.com/watch?time_continue=251&v=WJTOTdd0F0E&feature=emb_logo, accessed May 13th, 2020

13. Bertell, Rosalie, 2018: Kriegswaffe Planet Erde, Gelnhausen, J. K. Fischer (orig. Planet Earth. The Latest Weapon of War, London 2000, The Womens´ Press): Freeland, Elana, 2018:Under an Ionized Sky. From Chemtrails to Space Fence Lockdown, Port Townsend, Feral House; Werlhof, Claudia von (Ed.), 2020: Global Warning! Geoengineering is Wrecking Our Planet, Dublin, Talma (forthcoming)

14. Wolff, Ernst, 2020: https://www.youtube.com/watch?v=aYZ2gVs9U7o, accessed March 13th, 2020; Wolff, Ernst. 2014:Weltmacht IWF – Chronik eines Raubzugs, Marburg, Tectum Wissenschaftsverlag

15. Rifkin, Jeremy, 2019: Der Globale Green New Deal, Frankfurt a. M., Campus (orig. The Green New Deal, 2019)

16. Werlhof, Claudia von, 2019:Schöne „grüne“ Digi-Welt? Oder: Die neue „grüne Revolution“? in: Neue Rheinische Zeitung, (724, Köln. November 6th, 2019) Morningstar against  the „Deal for Nature“, à la Greta Thunberg and the „Green New Deal“: https://nodealfornature.org

17. Rifkin, Jeremy, 2019, s. (15), p. 14

18. Genth, Renate, 2002: Über Maschinisierung und Mimesis, Frankfurt a.M., Peter Lang, pp. 110 ff.

19. Joy, Bill, 2001: Warum die Zukunft uns nicht braucht, in: Schirrmacher, Frank s. (7), pp. 31-71 (orig. Why the future does not need us)

20. Freeland, Elana, 2018, s. (12)

21. Koenig, Peter, 2020: The Coronavirus COVID-19 Pandemic: The Real Danger is Agenda ID2020, on Global Research, March 12th, a.  https://www.nogeoingegneria.com/effetti/politicaeconomia/i-tentacoli-del-potere-dei-rockefeller-le-rivelazioni-di-aaron-russo/

22. The Children‘s Health Defense 2020: https://www.thelibertybeacon.com/covid-19-spearpoint-for-rolling-out-a-new-era-of-high-risk-genetically-engineered-vaccines/; Dr. Kaufman, Andrew, 2020: They Want to Genetically Modify Us with the COVID-19 Vaccine,  forbiddenknowledgetv.net, May 11th.Short version of Interview Spiro Skouras with Andrew Kaufman on May, 10th.https://www.youtube.com/watch?v=qy5FD0XameI, accessed on May 13, 2020, May 11th, Interview Summary by Spiro Skouras with Andrew Kaufmann on May 10th, 2020

23. Chargaff, Erwin, 1988:Unbegreifliches Geheimnis. Wissenschaft als Kampf für und gegen die Natur, Stuttgart, Klett-Cotta

24. Rifkin, Jeremy, 2007, s. (7), p. 34

25. Rifkin, Jeremy, 2007, s. (7), pp. 41; 33

26. Dupuy, Jean-Pierre, 2005: The Philosophical Foundations of Nanoethics, speech at the Nano-Ethics Conference, University of South Carolina, Columbia, SC, 2.-5.3., Ecole Polytechnique, Paris und Stanford University, pp. 19 f.

27. Werlhof, Claudia von, 2011: Die Verkehrung, Wien, Promedia; dies. 2010a: Fortschritts-Glaube am Ende? In Werlhof, C. v..: West -End, Köln, PapyRossa, pp. 88-129; Werlhof, C. v. 2010b: Gentechnik, moderne Alchemie und Faschismus, in Werlhof, C. v.: Vom Diesseits der Utopie zum Jenseits der Gewalt, Freiburg, Centaurus, pp. 171-209

28. Rifkin, Jeremy, 2007, s. (7), p. 34

29. Begich, Nick und Manning, Jeanne, 2001: Löcher im Himmel, Peiting, Michaels Verlag (orig. Angels Don´t Play this HAARP); Bearden, Tom, 2012: Skalar Technologie, Peiting, Michaels Verlag (orig. Gravitobiology);Krishnan, Armin, 2017: Military Neuroscience and the Coming Age of Neurowarfare, New York, Routledge

30. Tung, Liam, 2020: Elon Musk’s SpaceX: Now 1 million Starlink user terminals OKed for US internet service. ZDNet, March 24th.

31. Freeland, Elana, s. (13)

32. Kurzweil, Ray 2016, Subtitle

33. Sorgner, Stefan, 2018: Schöner neuer Mensch, Berlin, Nicolai publishing

34. Minsky, Marvin, 1988, Massachusetts Institute of Technology, MIT: Interview in the Documentary „Maschinenträume“ by Peter Krieg, s. Werlhof, Claudia von, 1991: Männliche Natur und Künstliches Geschlecht, Wien, Frauenverlag, pp. 54 f.

35. Kurzweil, Ray, 2016, s. (7); Moravec, Hans, 1988, s. (7)

36. Harari, Yuval, 2017: Homo Deus, München, Beck

37. Rifkin, Jeremy, 2007 s. (7); Preston, Christopher, 2019, s. (7)

38. Kennedy, Robert jr. against Gates: https://www.instagram.com/p/B-s-9ZiHOYP/, / accessed May 13th, 2020 ; s. a. Doktoren in Schwarz, Interview with Dr. Mikovits about Dr. Fauci: https://www.youtube.com/watch?v=XnrPboi8FPU, accessed May 13th , 2020; Interview Dr. Dietrich Klinghardt: https://www.youtube.com/watch?v=5jUXxcaZegQ; Chossudovsky, Michel, 2020: After the Lockdown: A Global Coronavirus Vaccination Program, on Global Research, appr. May 5th; Engdahl. William, 2020: The Warp Speed Push for Coronavirus Vaccines, on Global Research, appr. May 10th ; Dr. Kaufman, Andrew, 2020: Sie wollen uns mit dem COVID-19-Impfstoff genetisch verändern: https://forbiddenknowledgetv.net/dr-andrew-kaufman-they-want-to-gentically-modify-ud-with-the-covid-19-vaccine/, accessed May,13th, 2020

39. Steiner, Rudolf, 1917:Vorträge in Dornach vom 29. September bis 28. Oktober 1917, Gesamtausgabe Band 177, pp. 97 f.

40. Brzezinski, Zbigniew, 1982: Between Two Ages: America´s Role in the Technotronic Age, New York, Viking Adult

41. For the English version a general reference to the „critical theory of patriarchy“:

Autor: Prof. Claudia von Werlhof

Traduzido para publicação em dinamicaglobal.wordpress.com

Fonte: Global Research.ca

Sobre Max Rangel

Servo do Eterno, Casado, Pai de 2 filhas, Analista de Sistemas, Fundador e Colunista do site www.religiaopura.com.br.

Além disso, veja também:

Suicídio espiritual: Feminismo, ecumenismo e a agenda LGBT +, quando adventistas do sétimo dia participam de sua própria morte

22 de junho de 2020 por Andy Roman O Observatório Inter-religioso sobre Violência contra a …

Fuga das cidades: Será você um neo-ruralista?

Se você sente que as cidades não oferecem mais o que você precisa para ter …

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.