Iníco / Ecumenismo / Você sabia que a Igreja Católica Apostólica Romana apoiou o Nazismo e o Fascismo?

Você sabia que a Igreja Católica Apostólica Romana apoiou o Nazismo e o Fascismo?

Leia também: O livro que é o tapa na cara de todo apologista católico que nega a inquisição18hitlercatholicnuncio

Pelo Tratado de Latrão, de 1929, a batina preta confraternizou-se com a camisa negra. Em troca de aproximadamente 750 milhões de liras – o “empréstimo da conciliação”-, o referente Papado reconheceu o regime do ditador Mussolini. A mão que abençoava os cristãos apertou a mão de quem sufocava toda a liberdade italiana.

A  Igreja Católica apressou-se em suprimir da política italiana, o  seu Partito Popolare, e todas as diversas demais organizações católicas que poderiam atrapalhar ou causar empecilho durante a implantação do regime de partido único na Itália.

Quando Hitler assumiu o poder em 1933, foi o próprio Papra Pacelli quem supervisionou os termos da concordata, assinada em 20 de julho de 1933, redigidos pelo então,  Monsenhor Gröber, o “bispo nazista”(der braune Bischof), de Fribourg, que, a pretexto de garantir seguranças aos católicos, tirou o Führer dos nazistas do isolamento diplomático em que se encontrava nos primeiros momentos da sua ascensão.

O papa Pio XII, que dispunha da única rádio independente em toda a Europa ocupada, jamais alçou-se em fazer sequer uma denúncia pública das atrocidades que os nazistas estavam cometendo. Na reunião do Lago de Wansee, ocorrida na periferia de Berlim em janeiro de 1942, como se sabe, os altos hierarcas do partido e do governo comprometeram-se a conjugar esforços para executar a Endlösung, a Solução Final, gazeando toda a população judaica européia (calculada em 11 milhões).

O máximo que obteve-se de Sua Santidade foi uma alocução, no Natal de 1942, na qual, sem especificar quem eram as vítimas, apontou “as centenas e os milhares que, sem falta ou culpa alguma, talvez apenas em razão da sua nacionalidade ou raça, foram marcados pela morte e pela progressiva extinção.”

Imagem

holocausto

O estranho argumento dos defensores do mutismo pacellista era de que se o Sumo Pontífice delatasse os crimes, os nazistas, em represália, poderiam aumentar o número dos imolados, tornado o sofrimento ainda maior! Alegam ainda, como fez o historiador Christopher Browning, que é uma ingenuidade pensar-se que o papa pudesse, em qualquer momento, deter o genocídio que, em sua maior parte, deu-se bem longe da Itália, vitimando ciganos, judeus poloneses e russos, e prisioneiros soviéticos.

Imagem

281686_4356902680942_908556813_n1

Raciocínio que nos leva a concluir que o sentimento de solidariedade cristã e indignação humana contra os assassinatos em massa está limitado pela geografia! Ninguém, é bom lembrar, considera a Cúria Papal um exército, nem vê o papa como um general a quem se recorre para complicadas operações de salvamento e resgate, mas sim acredita ser a Igreja Católica uma força ética e uma reserva moral do Ocidente, de quem espera-se que aja em favor das vítimas justo nesses momentos terríveis.

ImagemImagem

 

 

images1allert_06

Leia também: O livro que é o tapa na cara de todo apologista católico que nega a inquisição

FONTE: https://abalaweb.wordpress.com

Compartilhar isso:

Sobre Max Rangel

Servo do Eterno, Casado com Arlete Vieira, Pai de 2 filhas, Analista de Sistemas, Fundador e Colunista do site www.religiaopura.com.br.

Além disso, veja também:

O Mágico, James Randi, Desmascara Pastores Farsantes

Relacionado

SUPERFATURAMENTO GOSPEL COM DINHEIRO PÚBLICO

Relacionado

Deixe uma resposta