Iníco / Ecumenismo / #ILOVEYOUBEAST: Paixão de pastores adventistas pelo Papa foi amor à primeira vista!

#ILOVEYOUBEAST: Paixão de pastores adventistas pelo Papa foi amor à primeira vista!

Pastores e administradores adventistas, redatores e teólogos, além de estudantes da Universidade de Andrews, retornaram entusiasmados para os Estados Unidos, depois de visitarem Roma, na Itália, e três deles serem recebidos pelo Papa Paulo VI, que lhes presenteou com uma medalha, entregue pessoalmente por ele.

Roland R. Hegstadm que da editor da Revista Liberty, em 5 de maio de 1068 publicou reportagem na Review and Herald (págs. 15 a 17), em que só incluiu elogios à suposta liberdade religiosa de que os adventistas desfrutavam em Roma, como se quisesse contradizer tudo que até então fora descrito e predito por Deus, através de Ellen G. White, em relação ao papado. Incluiu também no texto foto em que o Leif Kr. Tobiassen, professor de História e Ciência Política da Andrews, recebe uma medalha das mãos do Papa Paulo VI!

Reportagem publicada na Review and Herald em 30/05/68: Durante a visita da Comissão de Estudo Igreja-Estado à Itália, os membros se uniram em uma audiência geral papal em São Pedro. Depois, três membros da comissão conversaram brevemente com o Papa. (À esquerda) Pierre Lanares, secretário de liberdade religiosa da Divisão do Sul da Europa; Roland R. Hegstad, editor da revista Liberty; e Leif Kr. Tobiassen da Andrews University. O papa é visto aqui entregando uma medalha como lembrança ao Dr. Tobiassen.

Tradução via Google Translate:

Surpresa em Roma

ROLAND R. HEGSTAD
Editor, Liberty

Coloque um evangelista adventista americano ou colportor na Itália sem nenhuma informação sobre as relações igreja-estado por lá, e ele provavelmente não terá problemas. Esta foi a surpreendente conclusão a que chegaram os membros da Comissão de Estudo da Igreja-Estado durante sua estada de cinco dias e meio em Roma.

De fato, em um ou dois aspectos, o trabalhador ou leigo adventista que vive na Itália pode ter menos dificuldade do que nos Estados Unidos! Por exemplo, nenhuma Portaria de Green River atrapalha o trabalho de nossos evangelistas da literatura, que pagam um imposto sobre pequenas empresas e depois vendem literatura sem restrições. Alguns, é claro, encontram preconceitos nos níveis da comunidade. E os adventistas empregados pelo governo geralmente recebem os sábados livres. Muitas empresas privadas, como a Fiat, também fazem acomodação para a observância do sábado dos funcionários adventistas.

Briefings do Dr. Gianfranco Rossi, secretário de liberdade religiosa da União italiana, deixaram claro, no entanto, que a maioria das liberdades constitucionais desfrutadas por grupos religiosos minoritários na Itália vieram em face da oposição da igreja estatal – embora mesmo aqui o ecumenismo tenha moderado as posições da Igreja Católica.

Depois de uma discussão de duas horas e meia com o padre Thomas F. Stansky, chefe da seção protestante no Secretariado para a Promoção da Unidade Cristã do Cardeal Bea, realizada na sala em
que o Religious Liberty Schema, torturantemente organizado, os membros da comissão estavam prontos para admitir que as posições católicas de hoje não são as mesmas de cinco anos atrás. No entanto, não nos esquecemos do “ceticismo saudável” dos objetivos de Roma evidenciados pela doutora Vittoria Subilia, chefe do Seminário Waldense em Roma, com quem nos encontramos uma noite. A Dra. Subilia acha que os americanos, que não têm experiência com uma igreja estatal, são mais ingênuos do que os europeus, que, em sua maioria, têm séculos de lições duramente ganhas em seu balanço.

Para registro, o Acordo de Latrão de 1929 entre a Itália e o Estado do Vaticano reconheceu o catolicismo romano como “a única religião estatal”. Sob a concordata que acompanha o pacto, a Igreja Católica recebeu o monopólio do treinamento religioso nas escolas elementares e secundárias. os padres estavam isentos de procedimentos judiciais civis e o matrimônio canônico era consagrado no direito civil. (Há agora um movimento determinado na legislatura italiana para legalizar o divórcio.) A igreja também foi isenta de impostos sobre suas posses – outro ponto dolorido entre o corpo político – e concedeu status cooperativo especial ao governo em programas de assistência social e capelania nas forças armadas. Serviços.

O status especial do catolicismo está sob fogo crescente – até mesmo dos estudiosos do direito católico – que apontam que a Constituição italiana reconheceu, desde 1º de janeiro de 1948, o “pluralismo confessional”, assim, com efeito, “desafiando a alegação da Igreja Católica de ser o religião estatal ”. No nível operativo existe pouca dúvida de que a Igreja Católica é de fato a igreja do estado.

As relações entre o Estado italiano e as religiões não-católicas são definidas no Artigo 8 da Constituição: “As confissões religiosas diferentes das católicas têm o direito de ser organizadas de acordo com seus próprios estatutos, desde que não entrem em conflito com o sistema jurídico italiano

O Artigo 8 também afirma que “todas as confissões religiosas são igualmente livres perante a lei”.

“Igualdade de liberdade” no papel não provou ser “liberdade igualitária” de fato. Forte resistência e incompreensão das minorias religiosas marcaram a primeira década de vida sob a Constituição de 1948. Hoje a maioria das confissões religiosas desfrutam de tolerância religiosa, embora problemas ocasionais surjam para refrear o bom sentimento do Artigo 19 da Constituição: “Todos têm o direito de professar livremente sua própria fé religiosa em todas as formas, individualmente ou em associação, para propagá-la e praticar em privado ou publicamente a adoração, desde que não envolva rituais contrários à boa moral. ”Os evangelistas adventistas têm pouca dificuldade em permanecer dentro dos termos da frase qualificadora.

As confissões religiosas agora realizam livremente serviços religiosos, incluindo campanhas evangelísticas; abrir novos lugares de culto; imprimir e distribuir literatura; construir e operar escolas, hospitais, casas de repouso e assim por diante.

A medida de acomodação entre o governo e as minorias religiosas pode ser avaliada pelas seguintes áreas de interesse adventista:

1. Ausência da escola no sábado. Em todas as escolas estatais italianas, os estudantes adventistas podem se ausentar no sábado. (Pode não precisar ser adicionado, apenas por razões de religião!) Os exames do sábado não são mais um problema. Em 1956, o Ministério da Educação dirigiu superintendentes de escolas primárias e presidentes de universidades e outras instituições de ensino superior para permitir que estudantes adventistas fizessem exames em outro dia. Arranjos semelhantes foram feitos no nível secundário, onde os exames preparados pelo próprio Ministério nunca caem no sábado. Nem os professores adventistas são obrigados a ministrar suas aulas no sábado.

2. Observância do sábado nas forças armadas. Em 1960, depois que Gianfranco Rossi, secretário departamental da União italiana, intercedeu em nome de um jovem adventista do sétimo dia que recusou deveres militares no sábado, o Ministério da Defesa isentou nossos jovens de todos os deveres “exceto em possíveis casos em que as necessidades de os serviços são de tal natureza que não podem ser adiados, e no caso de instruções coletivas que não podem ser repetidas individualmente. ”

Entende-se que os soldados adventistas podem ser convidados a prestar serviços de domingo não realizados no sábado. Nenhuma limitação é colocada na observância do sábado. O Ministro da Defesa apresentou duas razões interessantes para sua intercessão pelos jovens: ele achava que era seu dever, e seria absurdo colocar obstáculos no caminho das observâncias religiosas dos jovens no exato momento em que “todos nós reconhecemos que a maioria o mal no mundo vem do ateísmo e da falta de religião ”.

3. Observância do sábado para os funcionários adventistas do sétimo dia no governo. O escritório de assuntos religiosos do Ministério do Interior em cooperação com o gabinete do Primeiro Ministro emitiu a seguinte diretriz:

“Uma vez que o número de funcionários do governo que estão interessados ​​na observância do sábado como um dia de descanso é muito pequeno, isso não interferiria na atividade ordenada do trabalho, se pedidos de permissão de tempos em tempos fossem apresentados para não trabalhar no sábado, foram concedidos. Essa permissão deve ser concedida, levando em consideração as possibilidades de uma atividade ordenada de cada serviço e escritório em questão, o tempo perdido no sábado para ser recuperado no domingo ou em outros feriados ou através do trabalho de horas extras”.

Os escritórios do governo que concederam privilégios sabáticos incluem: os Ministérios do Interior, Comércio Exterior, Finanças, Tesouro, Saúde Pública, Transporte e Aviação Civil, o governo regional da Sicília, as cidades de Roma e Florença, e muitos outros departamentos governamentais.

E, como já observamos, a indústria privada também adotou uma atitude esclarecida em relação à observância do sábado. Se alguns funcionários do governo fizerem o que querem, pode se tornar obrigatório que a indústria privada também honre as convicções do sábado.

Não muito tempo atrás, o Ministro do Trabalho pediu ao Dr. Rossi para entrar em contato com vários membros do Parlamento, a fim de chamar a sua atenção para a provisão do descanso sabático no projeto de lei semanal de descanso oferecido a esse órgão no ano passado. O escritório de advocacia do Conselho Federal das Igrejas Evangélicas da Itália está apoiando o esforço do Dr. Rossi e já interveio com as autoridades.

4. Leis Dominicais. O Ministério do Comércio e Indústria está examinando a possibilidade de autorizar os comerciantes varejistas adventistas que fecham suas lojas no sábado para abri-los no domingo. O Ministro do Comércio escreveu que ele “concorda totalmente com as considerações desenvolvidas” pelo Dr. Rossi.

Pode-se ver que as autoridades italianas fizeram, durante a última década, grandes avanços não só em relação à liberdade religiosa, mas também na compreensão dos problemas dos grupos religiosos minoritários. Suas concessões em relação à observância do sábado excedem as feitas até mesmo pelo governo dos EUA.

Enquanto permanexeu em Roma, a Comissão de Estudos Adventistas experimentou a pompa e a cerimônia de uma audiência papal em São Pedro. Não era uma audiência privada; cerca de 5.000 peregrinos gritando e aplaudindo estavam ao nosso redor. Os membros do nosso grupo estavam sentados não muito longe do altar-mor, que fica no meio das serpentinas colunas de Bernini, que, por sua vez, estão sob a cúpula central de São Pedro.

Depois da audiência geral, durante a qual o Papa falou por uns 20 minutos em sua encíclica Populorum Progressio, de um ano de idade, L. Kr. Tobiassen, Pierre Lanares e eu fomos apresentados ao pontífice. O Dr. Tobiassen contou-lhe o propósito de nossa comissão de estudos e dos países que visitávamos. Mencionei, então, o nosso prazer em encontrar progresso material em direção à liberdade religiosa na Espanha, onde o esquema de liberdade religiosa do Vaticano II está tendo bom efeito.

Fui apresentado também ao prelado que dirige o Programa Mundial de Ação Social da Igreja Católica. Embora eu tenha esquecido seu nome, não me esqueci de que ele forneceu informações de que ele havia sido leitor da Liberty por 18 anos. Em que nota mais feliz
o editor daquele periódico poderia terminar seu relatório de Roma?

Fotolegendas:

Ann Louise Jones (esquerda) e Rosalie Anderson, estudantes da Universidade Andrews, visitam a prisão de Mamertine, em Roma. A mão acima deles aponta para a abertura original da masmorra em que eles estão.

Os membros do grupo de passeio se misturam com os membros na entrada da igreja adventista do sétimo dia em Roma. Geralmente, as repartições do governo permitem que aqueles que desejam adorar no sétimo dia o façam livremente.

Durante a visita da Comissão de Estudo Igreja-Estado à Itália, os membros se uniram em uma audiência geral papal em São Pedro. Depois, três membros da comissão conversaram brevemente com o Papa – (à esquerda) Pierre Lanares, secretário de liberdade religiosa da Divisão do Sul da Europa; Roland R. Hegstad, editor, Liberty; e Leif Kr. Tobiassen da Andrews University. O papa é visto aqui apresentando uma medalha de lembrança ao Dr. Tobiassen.

Clique aqui para baixar a revista.

Page 1 / 24
Zoom 100%

Leia o texto original em inglês:

Surprise in Rome

By ROLAND R. HEGSTAD
Editor, Liberty

Put an American Adventist evangelist or colporteur in Italy with no briefing on church-state relations there, and he is not likely to get in trouble. This was the surprising conclusion reached by members of the Church-State Study Commission during their five-and-one-half-day stay in Rome.

In fact, in one or two respects, the Adventist worker or layman living in Italy may have less difficulty than in the United States! For example, no Green River Ordinances hinder the work of our literature evangelists, who pay a small business tax and then sell literature without restriction. Some do, of course, encounter prejudice on the community levels. And Adventists employed by government are generally granted Sabbaths off. Many private companies, such as Fiat, also make accommodation for Adventist employees’ Sabbath observance.

Briefings by Dr. Gianfranco Rossi, religious liberty secretary of the Italian Union, made clear, however, that most constitutional freedoms enjoyed by minority religious groups in Italy have
come in the face of opposition from the state church—though even here ecumenism has moderated Catholic positions.

After a two-and-one-half-hour discussion with Father Thomas F. Stansky, head of the Protestant section in Cardinal Bea’s Secretariat for the Promotion of Christian Unity, held in the room in
which the Religious Liberty Schema was torturously put together, members of the commission were ready to concede that Catholic positions of today are not those of even five years ago. We were not unmindful, however, of the “wholesome skepticism” of Rome’s objectives evinced by Dr. Vittoria Subilia, head of the Waldensian Seminary in Rome, with whom we met one evening. Dr. Subilia feels that Americans, who lack experience with a state church, are more naive than Europeans, who in the main, have centuries of hard-won lessons on their balance sheet.

For the record, the Lateran Agreement of 1929 between Italy and the Vatican State recognized Roman Catholicism to be “the only state religion.” Under the concordat accompanying the pact, the Catholic Church was given a monopoly in religious training in elementary and high schools, priests were exempted from civil court procedures, and canonic matrimony was enshrined in civil law. (There is now a determined move in the Italian legislature to legalize divorce.) The church was also exempted from taxes on its holdings—another sore point among the body politic — and granted special cooperative status with government in welfare programs and chaplaincy in the armed services.

Catholicism’s special status is coming under increasing fire—even from Catholic legal scholars—who point out that the Italian Constitution has, since January 1, 1948, recognized “confessional pluralism,” thus, in effect, “challenging the Catholic Church’s claim to be the state religion.” On the operative level little doubt exists that the Catholic Church is indeed the state church.

Relations between the Italian state and non-Catholic religions are defined in Article 8 of the Constitution: “The religious confessions different from the Catholic have the right to be organized according to their own statutes, insofar as these do not conflict with the Italian
legal system.”

Article 8 also maintains that “all religious confessions are equally free before the law.”

“Equal freedom” on paper has not proved to be “equal freedom” in fact. Strong resistance to, and incomprehension of, religious minorities marked the first decade of life under the 1948 Constitution. Today most religious confessions enjoy religious toleration, though occasional problems crop up to mar the fine sentiment of Article 19 of the Constitution: “All have the right to profess freely their own religious faith in every form, individually or in association, to propagate it and to practice in private or publicly the worship thereof, provided it does not involve rituals contrary to good morals.” Adventist evangelists have little difficulty in staying within the terms of the qualifying phrase.

Religious confessions now freely hold religious services, including evangelistic campaigns; open new places of worship; print and distribute literature; build and operate schools, hospitals, rest homes, and so forth.

The measure of accommodation between the government and religious minorities may be gauged by the following areas of Adventist concern:

1. Absence from school on Sabbath. In all Italian state schools, Adventist students are permitted to absent themselves on Sabbath. (It may not need to be added, only for reasons of religion!) Sabbath examinations are no longer a problem. In 1956 the Ministry of Education
directed superintendents of elementary schools and presidents of universities and other higher educational institutions to permit Adventist students to take examinations on another day. Similar arrangements have been made on the secondary level, where examinations prepared by the Ministry itself never fall on Sabbath. Nor are Adventist teachers required to meet their classes on Sabbath.

2. Sabbath observance in the armed forces. In 1960, after Gianfranco Rossi, departmental secretary of the Italian Union, interceded on behalf of a Seventh-day Adventist youth who refused military duties on Sabbath, the Ministry of Defense exempted our youth from all duties “except in possible cases where the needs of the service are of such a nature that they cannot possibly be postponed, and in the case of collective instructions which cannot be repeated individually.”

It is understood that Adventist soldiers may be asked to render on Sunday services not performed on Saturday. No limitations are placed on Sabbath observance. The Minister of Defense advanced two interesting reasons for his intercession for our youth: He felt it was his duty, and it would be absurd to put obstacles in the way of religious observances by young people at the very time when “we all recognize that most evil in the world comes from atheism and lack of religion.”

3. Sabbath observance for Seventh-day Adventist employees in government. The office for religious affairs of the Ministry of the Interior in cooperation with the office of the Prime Minister has issued the following directive:

“Since the number of government employees who are interested in the observance of the Sabbath as a day of rest is very small, it would not interfere with ordered activity of the work if requests from time to time presented for permission not to work on the Sabbath were granted. This permission is to be granted, taking into consideration the possibilities of an orderly activity of each service and office concerned, the time lost on the Sabbath to be recuperated on
Sunday or other holidays or through overtime work.”

Government offices which have granted Sabbath privileges include: The Ministries of the Interior, Foreign Commerce, Finance, Treasury, Public Health, Transport and Civil Aviation, the regional government of Sicily, the cities of Rome and Florence, and many other government departments.

And, as we have noted, private industry too has taken an enlightened attitude toward Sabbath observance. If some government officials have their way, it may become mandatory for private
industry likewise to honor Sabbath convictions.

Not long ago the Minister of Labor asked Dr. Rossi to contact several members of Parliament in order to bring to their attention the Sabbath-rest provision in the weekly rest-day bill brought before that body last year. The law office of the Federal Council of the Evangelical Churches of Italy is supporting Dr. Rossi’s effort, and has already intervened with the authorities.

4. Sunday Laws. The Ministry of Commerce and Industry is examining the possibility of authorizing Adventist retail merchants who close their shops on Saturday to open them on Sunday. The Minister of Commerce has written that he “agree[s] fully with the considerations developed” by Dr. Rossi.

It can be seen that the Italian authorities have, during the past decade, made great advances not only toward religious freedom, but in understanding the problems of minority religious groups. Their concessions toward Sabbath observance exceed those made by even the U.S. Government.

While in Rome the Adventist Study Commission experienced the pomp and ceremony of a papal audience in St. Peter’s. It was hardly a private audience: some 5,000 shouting and clapping pilgrims were around us. Members of our group were seated not far from the high altar, which is in the midst of the serpentine Bernini columns, which, in turn, are under the central dome of St. Peter’s.

After the general audience, during which the Pope spoke for some 20 minutes on his year-old encyclical Populorum Progressio, L. Kr. Tobiassen, Pierre Lanares, and I were introduced to the pontiff. Dr. Tobiassen told him of the purpose of our study commission and of the countries we were visiting. I then mentioned our pleasure at finding material progress toward religious liberty in Spain, where the religious liberty schema of Vatican II is having good effect.

I was introduced also to the prelate who heads the Worldwide Social Action Program of the Catholic Church. Though I have forgotten his name I have not forgotten that he volunteered information that he had been a reader of Liberty for 18 years. On what happier note could
the editor of that journal end his report from Rome?

Photo Legends

Ann Louise Jones (left) and Rosalie Anderson, Andrews University students, sight-seeing in Rome’s Mamertine Prison. The hand above them points at the original opening to the dungeon in which they are standing.

Members of the tour group mingle with members at the entrance to the Seventh-day Adventist church in Rome. Generally, government offices permit those desiring to worship on the seventh day to have it free.

During the visit of the Church-State Study Commission to Italy, the members joined in a general papal audience in St. Peter’s. Afterwards three members of the commission spoke briefly with the Pope—(from left) Pierre Lanares, religious liberty secretary of the Southern European Division; Roland R. Hegstad, editor, Liberty; and Leif Kr. Tobiassen of Andrews University. The Pope is here seen presenting a souvenir medal to Dr. Tobiassen.

Sobre Max Rangel

Servo do Eterno, Casado com Arlete Vieira, Pai de 2 filhas, Analista de Sistemas, Fundador e Colunista do site www.religiaopura.com.br.

Além disso, veja também:

O lado oculto da NASA: Mais de 60 anos de fraudes e mentiras satânicas

Há pouco mais de 60 anos, no dia 29 de julho de 1958, a NASA …

Foguetes da NASA foram acesos com chamas do Inferno, mesmo assim pastores adventistas aplaudem a suposta conquista do Espaço

 “Anjo Estranho”: O mago do ocultismo sexual que enviou a América ao Espaço, ganha …

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.