O Enigma da Páscoa

Era impossível dizer, em primeiro lugar, o que ele tinha achado. Os cacos quebrados, envoltos em milênios de sujeira acumulada, estavam relutantes em revelar seu segredo com rapidez. O arqueólogo, no entanto, era paciente. Peneirando o solo, ele cuidadosamente coletava cada peça que ele poderia encontrar, meticulosamente, mesmo catalogando um ínfimo fragmento. Quando a escavação havia liberado cada última peça ainda em existência, o verdadeiro trabalho havia começado.

restored vaseCom muito cuidado e habilidade do arqueólogo, cada peça foi meticulosamente limpa e restaurada. Finalmente ele estava pronto para começar a montar o quebra-cabeça. A montagem de uma peça aqui, outra ali, tentando encontrar o ajuste perfeito, lentamente começou a tomar forma, uma forma bonita. A perfeição de simetria precisa, surgiu como completa, laterais arredondadas e equilibradas sobre uma base que parecia muito fina para apoiá-las.

Por fim, seus esforços diligentes foram recompensados. Diligência e trabalho duro tinham tomado um amontoado de pedaços quebrados e os transformado em um vaso elegante, um dos melhores de seu tipo já encontrado.

Todos os que procuram a verdade, também devem ser arqueólogos. A sujeira e a gordura da tradição, a sujeira do paganismo, enterraram muitas belas verdades celestes. Para cuidadosamente deixar de lado o erro e descobrir a verdade, restaurando-a para toda a sua glória, requer esforço muito diligente e meticuloso. O princípio de que todos os buscadores da verdade devem ter em mente é que a verdade nunca se contradiz. Se uma passagem das Escrituras parece contradizer outra passagem, é um convite claro: Aqui! Há mais verdade a ser descoberta que irá conciliar a inconsistência.

Uma dessas áreas das Escrituras, que há muito tem intrigado os estudiosos da Bíblia, são as declarações de Mateus, Marcos e Lucas, que parecem discordar com claras declarações no livro de João. Os estudiosos até se referem a Mateus, Marcos e Lucas como Evangelhos “sinóticos” por causa das grandes semelhanças nos detalhes de cada um, bem como a ordem dada dos acontecimentos. O quarto evangelho, João, difere em alguns detalhes.

Em nenhum lugar essa diferença é mais aparente do que no registro da Páscoa/crucificação. Todos os três Evangelhos sinóticos parecem concordar em uma data para a Páscoa, que é diferente da indicada pelo Evangelho de João.

colored puzzle piecesNa realidade, não há nenhuma inconsistência. A verdade nunca se contradiz! É verdade que nesta vida nem todas as questões serão respondidas. Yahuwah nunca remove todas as causas para a dúvida, porque Ele valoriza a liberdade pessoal. Ele nunca vai forçar as pessoas a acreditarem naquilo que elas não querem acreditar. Assim, sempre haverá ganchos para pendurar as dúvidas daqueles que não querem acreditar. Nessas áreas, é privilégio do crente exercer a fé nAquele que nunca mente. Dito isso, o exame cuidadoso da evidência revela a harmonia de todos os quatro Evangelhos. Cada evangelho fornece peças do quebra-cabeça que, quando bem compreendido, prova que não há conflito.

Os textos que têm confundido as pessoas são:

Mateus 26:17 E, no primeiro dia da festa dos pães ázimos, chegaram os discípulos junto de [Yahushua], dizendo: Onde queres que façamos os preparativos para comeres a páscoa?” (ACF1)

Marcos 14:1 “E DALI a dois dias era a páscoa, e a festa dos pães ázimos; e os principais dos sacerdotes e os escribas buscavam como o prenderiam com dolo, e o matariam.” (ACF)

Lucas 22:7 “Chegou, porém, o dia dos ázimos, em que importava sacrificar a páscoa.” (ACF)

A confusão surge quando os textos acima são comparados com o relato de João da última ceia, como em João 13: “ORA, antes da festa da páscoa, sabendo [Yahushua] que era chegada a sua hora de passar deste mundo para o Pai, como havia amado os seus, que estavam no mundo, amou-os até o fim.” (João 13:1, ACF)

Neste, como em todos os outros enigmas da Bíblia, as Escrituras fornecem a resposta. A lei de Moisés, que o legislador, Yahushua, manteve perfeitamente, prevê claramente os parâmetros de tempo de ambos: a Páscoa e a Festa dos Pães Ázimos.

“No mês primeiro, aos catorze do mês, à tardinha, é a páscoa do SENHOR [YAHUWAH]. E aos quinze dias desse mês é a festa dos pães ázimos do SENHOR [YAHUWAH]; sete dias comereis pães ázimos. No primeiro dia tereis santa convocação; nenhum trabalho servil fareis.” (Levítico 23:5-7, ACF)

Esta passagem claramente atribui duas datas diferentes para duas diferentes observâncias sagradas:

Páscoa no 14º dia de Abib [primeiro mês do calendário lunissolar Bíblico]

Primeiro dia da Festa dos Pães Ázimos em 15 de Abib

João 13 simplesmente diz: “Ora, antes da festa da páscoa ….” Os Sinóticos parecem contradizer mesmo as datas dadas em Levítico!

Mateus: E, no primeiro dia da festa dos pães ázimos, chegaram os discípulos junto de [Yahushua].

  • Marcos: E DALI a dois dias era a páscoa, e a festa dos pães ázimos. 
  • Lucas: Ora, chegou o dia dos pães ázimos, em que se devia imolar a páscoa.

blue puzzle pieceAo montar as várias peças da verdade deste enigma Bíblico, as datas indicadas para a Páscoa e a Festa dos Pães Ázimos, como dadas em Levítico 23, devem ser mantidas. Estas fornecem a “fronteira” do quebra-cabeça. Elas não podem ser postas de lado. Assim, alguma outra explicação deve ser fornecida por que os Sinóticos parecem colocar a Páscoa e o primeiro dia dos Pães Ázimos, no mesmo dia.

O primeiro ponto a ser considerado é que, tanto Mateus 26:17 quanto Marcos 14:1 tiveram palavras adicionadas na tradução do Inglês/Português, que não aparecem no original. As palavras abaixo, em itálico e sublinhado, são as palavras que os tradutores haviam adicionado aos textos. Elas não aparecem no original:

“E, no primeiro dia da festa dos pães ázimos, chegaram os discípulos ….” (Mateus 26:17, ACF)

“E DALI a dois dias era a páscoa, e a festa dos pães ázimos ….” (Marcos 14:1, ACF)

Sem as palavras fornecidas, Mateus simplesmente afirma: “E, no primeiro dos pães ázimos, chegaram os discípulos ….”. Com as palavras fornecidas deixadas de fora, Marcos afirma: “E DALI a dois dias era a páscoa, e ázimos. . . .”

No texto de Mateus, a palavra “primeiro” vem da palavra πρώτος (protos), que significa: “primeiro no tempo ou lugar; em alguma sucessão de coisas ou pessoas; primeiro na posição” 2. Pode significar “principal” e “influência”, mas também pode ser corretamente traduzido como “antes”. Quando πρώτος (protos) é traduzida como “antes”, Mateus 26:17 diz: “E, antes dos pães ázimos, chegaram os discípulos ….”. Isto concorda com João 13:1: “Ora, antes da festa da páscoa …”

Isso deve ser considerado no contexto do que se segue imediatamente sobre o cálculo da unção de Yahushua em Betânia durante a festa na casa de Simão. Antes, porém, é necessário entender exatamente como os Israelitas usaram certas frases, especificamente “Páscoa” e a frase “o pão sem fermento [ázimo].” Isso fornece a próxima peça do quebra-cabeça Bíblico.

red puzzle pieceUm estudo do Esboço da semana da paixão. . . irá revelar o fato de que a frase τά ἄζυμα (“pães ázimos”) no Novo Testamento. . . ocorre em vários dos evangelhos que se referem à época pascal. Esta expressão é um termo típico Sinótico, e ainda, Marcos e Lucas, aparentemente, teriam entendido que, no momento da sua escrita, os nomes festivos τò πάνοχα e τά ἄζυμα estavam sendo usados ​​alternadamente em um sentido geral.3 No entanto, o segundo destes [termos] parece ter sido o preferido de Lucas em representar a época da Páscoa,4 e, provavelmente, também o de Mateus.5 Josefo também reconhece o uso alternativo destes dois termos festivos em seu próprio dia.6 Ele mesmo chama de “décimo quarto” o “dia dos pães ázimos”.7, 8

A linguagem é fluida e os termos são freqüentemente usados de mais de uma maneira. Assim como a palavra “Natal” aplica-se a 25 de Dezembro, também é freqüentemente aplicada à época, a época do ano ou o mês de Dezembro. Até o tempo do Messias, os termos “pães ázimos” e “Páscoa” vieram a ser termos festivos que foram aplicados para toda a semana, a partir da Páscoa (14 de Abib) e indo até a Festa inteira de sete dias de pães ázimos que começou em 15 de Abib.

Dois conhecidos escritores do primeiro século d.C. usaram “Páscoa” e “Festa dos Pães Ázimos” como sinônimos, às vezes usando “Pão Ázimo” para aplicar à Páscoa, outras vezes usando “Páscoa” para aplicar a Festa inteira. Esses escritores são Fílon de Alexandria (20 a.C. – 50 d.C.) e Flávio Josefo (37 d.C. – cerca de 100 d.C.).

A fim de que as demonstrações da Páscoa, por escritores do primeiro século, possam ser entendidas, é essencial que os seus termos festivos possam ser catalogados e interpretados. De um modo geral, estas palavras e expressões são uma língua desconhecida, e podem ser de significado muito diferente de suas traduções para o inglês/português. Por exemplo, a palavra grega πάσχα, ou φάσκα, como às vezes ocorre, é encontrada cerca de 12 vezes em Josefo. Nós traduzimos Páscoa, comumente significando a ceia pascal. Mas geralmente, com Josefo, a palavra é trocável com o banquete de oito dias de pães ázimos, e apenas três vezes ela se refere diretamente ao dia 14 de Nisã [Abib], embora certamente só três vezes ela signifique o cordeiro pascal. E, aparentemente, em nenhum lugar tem ainda vindo à luz, onde πάσχα designa somente a ceia, embora possa se ​​referir ao sacrifício pascal e juntamente com a ceia. Em Josefo, há cerca de 25 referências a esta cerimônia sacrifical. 9

Um exemplo de Josefo usando os termos “Páscoa” e “Festa dos Pães Ázimos” alternadamente, pode ser encontrado em Guerras II.I.1-3, onde ele declara:

“E agora que a festa dos pães ázimos já havia chegado, que é chamada pascha [Páscoa] pelos judeus, que contribui com um número tão grande de sacrifícios, inúmeras pessoas, por um lado, movem-se no país para a cerimônia, enquanto, por outro lado, aqueles de luto para os médicos ficaram no templo obtendo recrutas para a sua facção.” 10

green puzzle pieceNesta passagem, Josefo estava dando o contexto para uma revolta dos Israelitas que ocorreu em 14 de Abib, a Páscoa, após a morte de Herodes, o Grande. Ele começa, expressando que “a festa dos pães ázimos já tinha vindo” e mais adiante explica que a festa, em si, foi chamada de “Pascha/Páscoa” pelos Israelitas. Isto é exatamente como os evangelhos sinóticos usam a frase.

É claro que, para Josefo, os termos utilizados para designar os dois períodos de festas tinham se tornado imprecisos, a ponto de serem permutáveis. Josefo, que poderia se referir a este período de oito dias em um lugar como o Festival de pães sem fermento e em outros lugares, usa a Páscoa como um sinônimo para a Festa dos Pães Ázimos, ou, simplesmente, se refere a todo o período como a Páscoa confirma. . . que, no uso comum, uma distinção já não era feita entre a Páscoa e a Festa dos Pães Ázimos e que Nisan 14 tornou-se assimilado ao período do festival.11

A razão pela qual os termos foram tantas vezes usados ​​como sinônimos, é simplesmente devido ao fato de que o pão ázimo também foi comido na Páscoa e não apenas durante os sete dias seguintes. “A frase τά ἄζυμα [pão ázimo], sem dúvida, teve origem a partir do Velho Testamento, cujas leis primitivas haviam estipulado que o pão sem fermento deveria ser comido com o cordeiro assado no décimo quarto dia do primeiro mês judaico”.12 O fermento (levedura) foi removido das casas no dia 14, e na festa da Páscoa, naquela noite, foi comido o pão sem fermento.

A dificuldade que tem surgido sobre estes textos, vem, em grande parte, do pressuposto de que, em Fílon e Josefo a palavra πάσχα [pascha / Páscoa] sempre se refere à cerimônia pascal em 14 de Nisan [Abib]. Pelo contrário, como tem sido apontado, esta palavra geralmente se refere a toda a Festa dos Pães Ázimos. E nenhum significado diferente deve ser atribuído, a menos que seja representado no texto.13

Com isso claramente entendido, que “Páscoa” e “pães ázimos” foram usados ​​alternadamente em um sentido festivo para aplicar a toda à temporada, bem como individuais, dentro de dias de comemoração festiva, é hora de olhar novamente para Marcos 14:1 e para os textos imediatamente a seguir:

E DALI a dois dias era a páscoa, e a festa dos pães ázimos; e os principais dos sacerdotes e os escribas buscavam como o prenderiam com dolo, e o matariam. Mas eles diziam: Não na festa, para que porventura não se faça alvoroço entre o povo. E, estando ele em Betânia, assentado à mesa, em casa de Simão, o leproso, veio uma mulher, que trazia um vaso de alabastro, com ungüento de nardo puro, de muito preço, e quebrando o vaso, lho derramou sobre a cabeça.

E DALI a dois dias era a páscoa, e a festa dos pães ázimos; e os principais dos sacerdotes e os escribas buscavam como o prenderiam com dolo, e o matariam. Mas eles diziam: Não na festa, para que porventura não se faça alvoroço entre o povo. E, estando ele em Betânia, assentado à mesa, em casa de Simão, o leproso, veio uma mulher, que trazia um vaso de alabastro, com ungüento de nardo puro, de muito preço, e quebrando o vaso, lho derramou sobre a cabeça. (Marcos 14:1-3, ACF)

A razão deste cálculo ter causado alguma confusão, é porque parece contradizer o cálculo em João:

FOI, pois, [Yahushua] seis dias antes da páscoa a Betânia, onde estava Lázaro, o que falecera, e a quem ressuscitara dentre os mortos. Fizeram-lhe, pois, ali uma ceia, e Marta servia, e Lázaro era um dos que estavam à mesa com ele. Então Maria, tomando um arrátel de ungüento de nardo puro, de muito preço, ungiu os pés de [Yahushua], e enxugou-lhe os pés com os seus cabelos; e encheu-se a casa do cheiro do ungüento. (João 12:1-3, ACF)

Nenhum tempo deve ser desperdiçado embromando sobre os diferentes relatos de onde, precisamente, Maria derramou o ungüento: Marcos diz que foi a cabeça de Yahushua, João diz que foram Seus pés. Todo detetive policial sabe que até mesmo os relatos de testemunhas oculares podem parecer diferentes quando uma pessoa percebe uma coisa, enquanto outra pessoa se concentra em outra coisa, apesar de ambas as contas poderem ser verdadeiras. A resposta simples é a de que Maria derramou o perfume sobre os pés do Salvador e sobre Sua cabeça.

O verdadeiro conflito, aparente, surge mais claramente com a declaração de Marcos de que a Páscoa ocorreria em dois dias, enquanto o relato de João afirma que Yahushua foi à Betânia seis dias antes da Páscoa. Ao resolver esta aparente contradição, é importante tomar as Escrituras assim como se lê e não fornecer-lhes significado adicional ao que não está lá.

É fácil tirar conclusões quando o texto em si não se faz presente. . . uma “conclusão inevitável.” Os textos sobre Betânia são um exemplo disso. João diz que a unção foi de seis dias antes da Páscoa? Não! O que o texto diz, é: “FOI, pois, [Yahushua] seis dias antes da páscoa A Betânia” (João 12:1, ênfase minha). Então, após esta declaração, a conta da unção é introduzida com a palavra grega oun que significa “então, por esta razão, consequentemente, conformemente, sendo assim” (Dicionário Strong). Oun refere-se simplesmente a próxima coisa que aconteceu na qual João escolheu discutir. Ela não tem de significar que a refeição ocorreu no mesmo dia em que [Yahushua] foi a Betânia.14 Por outro lado, Marcos descreve uma sucessão de eventos. Em um momento no qual, “dali a dois dias era a páscoa” (Marcos 14:1 a), os líderes judeus conspiraram para matar [Yahushua] (Marcos 14:1 b). Isso aconteceu quando [Yahushua] foi, “a Betânia, na casa de Simão, o leproso” (Marcos 14:3). Isso nos diz que a unção em Betânia teve lugar dois dias antes da Páscoa, e [Yahushua] foi a Betânia seis dias antes da páscoa (ou quatro dias antes desta).

Assim, o cálculo em João não contradiz o relato de Marcos. Mas, para apreciar plenamente o completo acordo entre João e Marcos, sobre esta questão, é necessário voltar a atenção para a primeira Páscoa registrada nas Escrituras. Como já foi demonstrado, os termos “Páscoa” e “Pão Ázimo” foram usados ​​como sinônimos para aplicar a toda a temporada festiva. No entanto, o que é muitas vezes esquecido, é que a “temporada” não começou no 14º dia do mês, mas sim sobre o décimo dia quando um trabalho muito importante de preparação foi realizado.

“E FALOU YAHUWAH a Moisés e a Arão na terra do Egito, dizendo: Este mesmo mês vos será o princípio dos meses; este vos será o primeiro dos meses do ano. Falai a toda a congregação de Israel, dizendo: Aos dez deste mês tome cada um para si um cordeiro, segundo as casas dos pais, um cordeiro para cada família. O cordeiro, ou cabrito, será sem mácula, um macho de um ano, o qual tomareis das ovelhas ou das cabras. E o guardareis até ao décimo quarto dia deste mês, e todo o ajuntamento da congregação de Israel o sacrificará à tarde.” (Ver Êxodo 12:1-3, 5, 6, ACF).

lambO décimo dia do primeiro mês foi o dia em que cada família foi selecionar um cordeiro perfeito, ou cabrito, para a sua oferta sacrificial. Como um símbolo do Salvador, cada animal era para ser perfeito e sem uma só mancha. Estes animais jovens eram levados para a casa, lavados, acariciados e alimentados. Como isso foi feito, as emoções da família começaram a se ligar com a pequena criatura. Assim, quando o animal fosse morto, teria um efeito muito mais profundo sobre a família como um símbolo do Cordeiro de YAH que deve ser morto pelos pecados do mundo.

Entendendo que a palavra “Páscoa” tinha um uso muito mais amplo do que simplesmente a referida data específica do dia 14 de Abib, alguns estudiosos têm sugerido que o dia em que Yahushua foi ungido foi, de fato, o décimo dia do mês – no dia em que os animais do sacrifício sempre eram selecionados. Lembrando que os Hebreus contaram, inclusive, seus dias, em vez de exclusivamente como é feito hoje. O momento da festa na casa de Simão encaixa perfeitamente o prazo para ocorrer no décimo dia do mês.

As palavras do próprio Salvador parecem indicar que ele compreendeu o significado de Maria ungi-Lo. Quando os discípulos começaram a criticar a generosidade de Maria, Yahushua disse: “Deixai-a, por que a molestais? Ela fez-me boa obra.” (Marcos 14:6, ACF). Então, prevendo a sua morte em apenas mais quatro dias, ele acrescentou:

“Porque sempre tendes os pobres convosco, e podeis fazer-lhes bem, quando quiserdes; mas a mim nem sempre me tendes. Esta fez o que podia; antecipou-se a ungir o meu corpo para a sepultura.” (Marcos 14:7, 8, ACF)

O banquete foi, de fato, um “jantar de graças” dado ao Salvador por um rico fariseu por nome Simão. Yahushua tinha curado Simão da lepra (ver Marcos 14:3) e na sua gratidão por ter sido curado, Simão agradou o Salvador, Seus discípulos e Lázaro com uma refeição abundante. O próprio filho de Simão foi um dos doze discípulos. Foi esse discípulo que, estando no conforto da sua própria casa, primeiro, presume-se a criticar a generosa oferta de Maria e, por implicação, a aceitação dela pelo Salvador.

“E, estando ele em Betânia, assentado à mesa, em casa de Simão, o leproso, veio uma mulher, que trazia um vaso de alabastro, com ungüento de nardo puro, de muito preço, e quebrando o vaso, lho derramou sobre a cabeça.” (Marcos 14:3, ACF)

“Então, um dos seus discípulos, Judas Iscariotes,filho de Simão15, o que havia de traí-lo, disse: Por que não se vendeu este ungüento por trezentos dinheiros e não se deu aos pobres? Ora, ele disse isto, não pelo cuidado que tivesse dos pobres, mas porque era ladrão e tinha a bolsa, e tirava o que ali se lançava. Disse, pois, [Yahushua]: Deixai-a; para o dia da minha sepultura guardou isto; Porque os pobres sempre os tendes convosco, mas a mim nem sempre me tendes.” (João 12:4-8, ACF)

Os outros discípulos, que admiravam Judas por sua riqueza, cultura e boa aparência, rapidamente seguiram seu exemplo. Era “a reação furiosa contra a gentil repreensão do Salvador, no jantar de seu pai, que conduziu diretamente à traição de Yahushua por Judas para as mãos dos sacerdotes. Depois de gravar a repreensão de Yahushua aos discípulos, as palavras muito próximas em Marcos são: “E Judas Iscariotes, um dos doze, foi ter com os principais dos sacerdotes para lho entregar. E eles, ouvindo-o, folgaram, e prometeram dar-lhe dinheiro; e buscava como o entregaria em ocasião oportuna.” (Marcos 14:10, 11, ACF)

A evidência circunstancial adicional, de que o jantar na casa de Simão ocorreu no décimo dia do mês, pode ser encontrada no fato de que os seguintes eventos ocorreram após a festa na casa de Simão:

  1. Judas se encontra com os chefes dos sacerdotes e líderes para trair Yahushua. (Veja Lucas 22:1-6).
  2. O dia depois da festa na casa de Simão, foi a entrada triunfal em Jerusalém. (Ver Mateus 21:1-11 e João 12:12-15).
  3. Ao chegar em Jerusalém, Yahushua limpou o templo dos vendedores e cambistas. (Veja Lucas 19 :45-48).
  4. Vários discursos e trocas são registrados nos diferentes evangelhos como ocorrendo nos dias seguintes à entrada triunfal em Jerusalém, como os Gregos que pediram para ver Yahushua. (Veja João 12:20-33).

Se o banquete na casa de Simão ocorreu no 12º dia, apenas dois dias antes do 14º, não teria havido tempo suficiente para que todos possam acontecer que está registrado nas Escrituras como tendo ocorrido entre o jantar e a Última Ceia. Isso confirma o acordo entre o cálculo em João e em Marcos.

Uma peça adicional do quebra-cabeça se encaixa com o fato de que todos os quatro evangelhos afirmam claramente que a crucificação ocorreu na Páscoa, foi o “dia da preparação”.

Mateus 27:59, 60 e 62 – “E José, tomando o corpo, envolveu-o num fino e limpo lençol, e o pôs no seu sepulcro novo, que havia aberto em rocha, e, rodando uma grande pedra para a porta do sepulcro, retirou-se… E no dia seguinte, que é o dia depois da Preparação, reuniram-se os príncipes dos sacerdotes e os fariseus em casa de Pilatos….”

Marcos 15:42, 43 – “E, chegada a tarde, porquanto era o dia da preparação, isto é, a véspera do sábado, chegou José de Arimatéia, … e ousadamente foi a Pilatos, e pediu o corpo de [Yahushua].”

Lucas 23:53, 54 – “E, [José de Arimatéia] havendo-o tirado, envolveu-o num lençol, e pô-lo num sepulcro escavado numa penha, onde ninguém ainda havia sido posto. E era o dia da preparação, e amanhecia o sábado.”

Esta é uma evidência muito conclusiva de que os quatro Evangelhos concordam quanto às datas da Páscoa e da Festa dos Pães Ázimos. No calendário luni-solar Bíblico, a Páscoa no dia 14 sempre ocorre no sexto dia da semana.

Creator's Luni-Solar Calendar

Consequentemente, o dia seguinte, o primeiro dia da Festa dos Pães Ázimos, sempre caiu no Sábado do sétimo dia que Levítico 23:6 confirma ser o dia 15 do mês. As Escrituras chamam o décimo quarto/Páscoa, o “dia da preparação.” Muitos Sabatistas usam o termo para se aplicar a cada sexto dia, em que designa o sexto dia como um dia de trabalho, preparando-se para o Sábado, no dia seguinte, e é certamente possível que os Israelitas usaram o termo desta forma. Porém, a própria Escritura, só aplica esse rótulo para o décimo quarto/Páscoa – o dia antes do primeiro dia da Festa dos Pães Ázimos.

Porque o primeiro dia dos Pães Ázimos sempre caiu em um Sábado semanal, o dia foi chamado de “Sábado Grande.”

“E, quando [Yahushua] tomou o vinagre, disse: Está consumado. E, inclinando a cabeça, entregou o espírito. Os judeus, pois, para que no sábado não ficassem os corpos na cruz, visto como era a preparação (pois era grande o dia de sábado), rogaram a Pilatos que se lhes quebrassem as pernas, e fossem tirados.” João 19:30, 31, ACF

purple puzzle pieceO dia da preparação foi um dia de trabalho. Foi o dia no qual o fermento foi retirado da casa (um símbolo do pecado sendo removido do templo da alma). Foi quando os cordeiros pascais eram mortos, apontando para frente, quando o Messias seria morto pelos pecados do mundo. Este fato, e o momento do dia da preparação, são confirmados por um incidente registrado nos evangelhos sinóticos, que não foi registrado em João. Este incidente fornece mais um pedaço do quebra-cabeça, esclarecendo o relato Bíblico do tempo da Páscoa da crucificação.

Era costume os criminosos condenados carregarem suas próprias cruzes no seu caminho para o local da execução. No entanto, Mateus, Marcos e Lucas, todos registram que alguém carregou a cruz do Salvador no lugar dEle. Esse não foi um último ato de misericórdia mostrado a um homem inocente. Com toda a probabilidade, o Salvador não tem a força física para levar a sua própria cruz devido à noite sem sono, bem como a perda de sangue pelo flagelo que Ele havia recebido. Os soldados romanos resolveram o problema forçando alguém a carregar a cruz para Ele:

  • “E, quando saíam, encontraram um homem cireneu, chamado Simão, a quem constrangeram a levar a sua cruz.” (Mateus 27:32, ACF)
  • “E constrangeram um certo Simão, cireneu, pai de Alexandre e de Rufo, que por ali passava, vindo do campo, a que levasse a cruz.” (Marcos 15:21, ACF)
  • “E quando o iam levando, tomaram um certo Simão, cireneu, que vinha do campo, e puseram-lhe a cruz às costas, para que a levasse após [Yahushua].” (Lucas 23:26, ACF)

Alguns autores acreditam que a explicação de Simão em “vinha do campo” é uma referência a Simão ter trabalhado no campo. Porque era assim no início da manhã, uma razão mais provável era que Simão estava viajando para Jerusalém, para a Festa dos Pães Ázimos. A frase putting the puzzle pieces together“vinha do campo” implica uma viagem maior que uma curta “jornada em dia de Sábado” permitida em dias santos. Se Simão estava trabalhando no campo, ou viajando, a única maneira que ele poderia ter realizado um ou outro era se a Páscoa fosse um dia de trabalho. O fato de os três evangelhos sinóticos incluírem esta história, é a confirmação de que seu uso anterior da frase “festa dos pães ázimos” era uma referência, geralmente entendida, como a Páscoa em si.

Em Lucas, o cálculo é um pouco diferente. Ele declara: “Chegou, porém, o dia dos ázimos, em que importava sacrificar a páscoa.” (Lucas 22:7, ACF). Como tem sido demonstrado, os termos “Páscoa” e “pães ázimos” foram amplamente utilizados, abrangendo o dia, o cordeiro sacrificial foi selecionado no décimo até o último dia da festa dos pães ázimos (no dia 21), que foi imediatamente seguido por um o Sábado do sétimo dia no 22º dia. O que se segue, em Lucas 22, é uma descrição detalhada da Última Ceia, que hoje, ainda é comemorada no serviço da comunhão. A peça de ligação entre os três evangelhos sinóticos e o evangelho de João, é encontrada no fato de que a Última Ceia, comida apenas horas antes da traição do Salvador, não foi a Páscoa.

Em Hebraico, Aramaico e Grego, assim como em Português, havia palavras diferentes para afirmar se o pão era feito com fermento (pão com fermento) ou sem levedura (pão sem fermento {ázimo}).

HEBRAICO

Pão ázimo = matstsah (ou matzot para mais de um).
Pão levedado = lekhem (ou lekhemim para mais de um.)

ARAMAICO

Pão ázimo = patireh
Pão levedado = lakhma

GREGO

Pão ázimo = azumos (ou azumon ou azuma para mais de um).
Pão levedado = artos (ou arton para mais de um.)

Sem uma única exceção, sempre que as Escrituras referem-se à “Festa dos Pães Ázimos”, a palavra para o pão sem fermento é usada: matstsah, patireh, azumos. No entanto, nas Escrituras, sempre o pão da última ceia é mencionado, a palavra para pão levedado é usada: lakhma, artos. Assim, a “Última Ceia” ocorreu no dia antes da refeição da Páscoa.

Como já foi demonstrado, João e Mateus mostram que a Última Ceia ocorreu antes da Páscoa e da Festa dos Pães Ázimos. Em 1 Coríntios 11:23 e 26-28, Paulo, também, sempre usa a palavra para pão com fermento quando se discute a Última Ceia e seu significado espiritual. Embora João não dê conta da Última Ceia, concentrando-se sobre o lava-pés que o precedeu, Mateus, Marcos e Lucas, todos concordam que o pão usado na Última Ceia foi o pão fermentado e, portanto, não poderia ter sido o jantar da Páscoa. Isto é confirmado pelo cálculo em João que repetidamente se refere ao dia da crucificação como sendo o verdadeiro dia da Páscoa, procedendo o primeiro dia da Festa dos Pães Ázimos. (Veja João 18:28; 18:39; 19:14; 19:31 e 19:42.) Para uma explicação detalhada, consulte A Última Ceia: Páscoa? Ou não?

A última peça da verdade, que afirma que todos os quatro Evangelhos estiveram, na verdade, referindo-se aos mesmos eventos nas mesmas datas, pode ser encontrada no fato de que toda a nação foi puzzle with missing piece in the middleunificada em celebrar o Pentecostes. Tivesse os três evangelhos sinóticos, realmente, se referindo à Páscoa como ocorrendo em uma data diferente da que consta no evangelho de João, então isso certamente teria efetuado a contagem para o Pentecostes.

Pouco antes de o Salvador voltar ao céu, após a Sua ressurreição, Ele deu instruções claras aos Seus discípulos para que permanecessem em Jerusalém: “E, estando com eles, determinou-lhes que não se ausentassem de Jerusalém, mas que esperassem a promessa do Pai, que, disse ele, de mim ouvistes. Porque, na verdade, João batizou com água, mas vós sereis batizados com o Espírito Santo, não muito depois destes dias.” (Atos 1: 4, 5, ACF)

Os discípulos obedeceram seu Mestre ressuscitado. Os dias que se seguiram foram um tempo de busca de coração e arrependimento.

“E, CUMPRINDO-SE o dia de Pentecostes, estavam todos concordemente no mesmo lugar; E de repente veio do céu um som, como de um vento veemente e impetuoso, e encheu toda a casa em que estavam assentados. E foram vistas por eles línguas repartidas, como que de fogo, as quais pousaram sobre cada um deles. E todos foram cheios do Espírito Santo, e começaram a falar noutras línguas, conforme o Espírito Santo lhes concedia que falassem.” (Atos 2:1-4, ACF)

Pentecostes é uma das festas anuais para o qual todos os Israelitas devotos voltaram para Jerusalém para sua celebração. O fato de que Jerusalém estava cheia destes peregrinos de terras distantes é referido no versículo seguinte.

“E em Jerusalém estavam habitando judeus, homens religiosos, de todas as nações que estão debaixo do céu. E, quando aquele som ocorreu, ajuntou-se uma multidão, e estava confusa, porque cada um os ouvia falar na sua própria língua. E todos pasmavam e se maravilhavam, dizendo uns aos outros: Pois quê! não são galileus todos esses homens que estão falando? Como, pois, os ouvimos, cada um, na nossa própria língua em que somos nascidos? Partos e medos, elamitas e os que habitam na Mesopotâmia, Judéia, Capadócia, Ponto e Ásia, e Frígia e Panfília, Egito e partes da Líbia, junto a Cirene, e forasteiros romanos, tanto judeus como prosélitos, Cretenses e árabes, todos nós temos ouvido em nossas próprias línguas falar das grandezas de [Elohim]. (Atos 2:5-11, ACF)

Esta lista incrível de pessoas de sangue Israelita, vivendo em tantas nações diferentes e localidades, confirma que eles, também, estavam em Jerusalém com o propósito expresso de manter a festa anual de Pentecostes.

completed puzzleSe João e os outros escritores do evangelho tivessem sido discordantes em sua cronologia sobre a data da Páscoa, como é que se explicaria que não só todos os discípulos, mas também os judeus de todas as partes do Oriente Próximo, estavam em pleno acordo sobre a data de Pentecostes que observavam no mesmo dia? Se tivesse havido diferença de opinião sobre a data da Páscoa, era obrigatória a variação sobre a data de Pentecostes.16

Longe de apresentar relatos contraditórios da Páscoa da crucificação, os quatro evangelhos estão todos de acordo! As diferenças em seus cálculos, na verdade, fornece a confirmação de que eles estão todos de acordo, sem contradição alguma.

A verdade nunca se contradiz. Se houver discrepâncias aparentes, elas simplesmente destacam uma área onde o estudo adicional é necessário. Em áreas onde a sabedoria de YAHUWAH determinou que nem todas as causas para a dúvida eram para ser removidas, permitindo com que todos exerçam a sua liberdade de escolha de como irão acreditar ou duvidar, vamos optar por exercer a fé, “ora, sem fé é impossível agradar-lhe; porque é necessário que aquele que se aproxima de [Elohim] creia que ele existe, e que é galardoador dos que o buscam.” (Hebreus 11:6, ACF)

Enquanto o crítico de fé irá ser ágil em fazer suposições e usar os seus pressupostos para desacreditar as Escrituras, o estudante deve acreditar e treinar para analisar cuidadosamente as palavras (e silêncio) das Escrituras. Na maioria (se não em todos os casos) os enigmas que enfrentamos em nossa própria incompreensão do texto, não são as palavras da própria Escritura.17

Neste tempo, em que o conhecimento está sendo aumentado e muitas verdades Celestiais estão sendo restauradas, todos devem sentir-se encorajados a estudar por si mesmos cada princípio de suas crenças. Se uma crença é um erro, o Espírito Santo foi prometido para levar todos os que buscam a verdade, no conhecimento do que é a verdade. “E, quando ele vier, convencerá o mundo do pecado, e da justiça e do juízo.” (João 16:8, ACF)

__________________________________________________________________________________

1 Quase todas as referências das Escrituras são da Versão Almeida Corrigida e Fiel.

2 #G4413, Nova Concordância Exaustiva de Strong (Concordância Exaustiva da Bíblia).

3 Marcos 14:1, Lucas 22:1.

4 Atos dos Apóstolos 12:3; 20:6.

5 Mateus 26:17.

6 Ant[iquities], XVII.IX.3; B.II.I.3, etc.

7 B.V.III.1. Thackeray: “When the day of unleavened bread came round on the fourteenth,” {“Quando o dia dos pães ázimos deu a volta no décimo quarto dia”} etc.

8 Grace E. Amadon, “The Johannine-Synoptic Argument,” {“O Argumento Joanino-Sinótico”} (original manuscript of the published article {manuscrito original do artigo publicado}), Andrews University, James White Library,Collection 154, Box 2, Folder 1, p. 1, grifo nosso.

9 Grace E. Amadon, “Important Passover Texts in Josephus and Philo,” {“Textos Importantes sobre a Páscoa em Josefo e Fílon”} (original manuscript of the published article {manuscrito original do artigo publicado}), Andrews University, James White Library, Collection 154, Box 2, Folder 1, p. 1, underlined original; itálico fornecido.

10 Tradução direta por G.E. Amadon, ibid., p. 2.

11 Barry D. Smith, “The Chronology of the Last Supper,” {“A Cronologia da Última Ceia”}Westminster Theological Journal {Jornal Teológico de Westminster} 53:1 (1991), pp. 35 & 36.

12 Amadon, “The Johannine-Synoptic Argument,” {“O Argumento Joanino-Sinótico”} op cit., p. 3.

13 Amadon, “Important Passover Texts in Josephus and Philo,” {“Textos Importantes sobre a Páscoa em Josefo e Fílon”,} op cit., p. 9.

14 Oun “does not always furnish a strictly causal connection, but may be used more loosely as a temporal connective in the continuation or resumption of a narrative” {“Nem sempre fornece uma conexão estritamente causal, mas pode ser usado mais livremente como um conectivo temporal na continuação ou retomada de uma narrativa”} (A Greek Grammar of the New Testament and Other Early Christian Literature. F. Blass, A. Debrunner and Robert Funk. Chicago: University of Chicago Press, 1961, 234-5).

15 Para uma confirmação adicional de Judas Iscariotes como o filho de Simão, ver João 13:2, 3 e 13:26.

16 Amadon, “The Johannine-Synoptic Argument,” {“O Argumento Joanino-Sinótico”} op cit., p. 9.

17 Kyle Pope {Papa}, “Dating Passover and the Last Supper,” {“Datando a Páscoa e a Última Ceia”} Ancient Road Publications.

Fonte: https://www.worldslastchance.com/portuguese/yahuwahs-calendar/o-enigma-da-pscoa.html

Sobre Max Rangel

Servo do Eterno, Casado, Pai de 2 filhas, Analista de Sistemas, Fundador e Colunista do site www.religiaopura.com.br.

Além disso, veja também:

JESUS É DEUS? A Origem da Trindade

LASHON TOV – O Elogio que Transforma – Parashá Metzorá 5784/2024 – Prof. Matheus Zandona

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.