Professor de teologia alertou que diálogo inter-religioso iria requerer fim do proselitismo adventista

Em 25 de março de 2012, quando ainda assinava seus textos com o nome completo (Adenilton Tavares de Aguiar), Nilton Aguiar, atualmente Mestre em Ciências da Religião, professor de grego e Novo Testamento na Faculdade Adventista da Bahia e doutorando em Novo Testamento na Universidade Andrews (EUA), no artigo “O diálogo inter-religioso e o lugar da IASD”, publicado pela Revista Kerygma v. 8 n. 1 (2012), concluiu que:

 

O pluralismo religioso toma por pressuposto que todas as religiões são verdadeiras e igualmente válidas, exigindo que cada tradição abandone o proselitismo em prol de um bem comum maior. Os adventistas, por outro lado, não compactuam com essa sugestão ecumênica por possuir uma mensagem específica destinada “a toda nação, tribo, língua e povo” (Ap 14:6). Participar dos critérios exigidos no diálogo inter-religioso é abrir mão da razão da sua existência e dar vazão à contrafação satânica que ameaça a igreja nos últimos dias (Ap 13-16). A dura mensagem, porém, não possui teor de intransigência ou estreiteza, mas um convite à consideração sincera das verdades bíblicas.

Embora contenha referências à doutrina antibíblica da Trindade, da qual discordamos, republicamos abaixo o último e mais importante trecho do artigo em que o teólogoa adventista fala de sua preocupação com o risco de a Igreja Adventista do Sétimo Dia vir a ser enredada pela proposta de ecumenismo ou diálogo inter-religioso que requeira o fim do proselitismo como condição para o reconhecimento da denominação como um grupo cristão respeitável.

O lugar da IASD no debate inter-religioso

Uma série de artigos de Hélio Grellmann, publicados pela Revista Adventista em 1988, chamou a atenção para o fato de que o surgimento do marxismo, do espiritismo moderno e do evolucionismo coincide com o início do adventismo. Ele argumenta que enquanto o movimento adventista aparecia no cenário para resgatar verdades bíblicas esquecidas, tais sistemas de pensamento apontavam um caminho independente de Deus (apud BORGES, 2005, p. 15-16).

Michelson Borges (2005) acrescenta o fato de que a publicação de o O Manifesto Comunista, de Karl Marx, em 1848, acontece apenas quatro anos após o desapontamento de 1844; a publicação de O livro dos espíritos, de Allan Kardec, em 1857, e A origem das espécies, de Darwin, em 1859, acontece, respectivamente, apenas seis e quatro anos antes da organização da IASD.

Conforme já mencionado anteriormente, para o teólogo John Hick, o
pluralismo religioso é um “filho” do Iluminismo europeu dos séculos XVII e XVIII. Esse foi um período de grandes despertamentos religiosos e um aumento pelo interesse no estudo das profecias.

Diversos estudiosos da época publicam suas pesquisas sobre escatologia bíblica: Joseph Mede (1586-1638) publica Chave do Apocalipse; Campegius Vitringa (1659-1722) publica Uma exposição do Apocalipse do apóstolo João; Johann Wilhelm Petersen publica, em 1692, A verdade do glorioso reino de Jesus Cristo, o qual deve ser aguardado ao soar da sétima trombeta; Johann Albrecht Bengel (1687-1752) publica Sessenta discursos práticos sobre o Apocalipse; Isaac Newton (1643-1727) publica As profecias de Daniel e Apocalipse; Manuel de Lacunza (1731-1801) publica La venida del Mesías em gloria y majestad, para mencionar apenas alguns.

Esse período também assiste ao despertar do movimento millerita, o
qual culminaria com o grande desapontamento em 1844 e o surgimento da Igreja Adventista do Sétimo Dia (ver TIMM, 1988). Desse modo, acrescente-se ao marxismo, ao evolucionismo e ao espiritismo moderno, o Iluminismo europeu e o incipiente pluralismo religioso.

Coincidentemente, essas linhas de pensamento entram no cenário mundial num momento em que o cenário religioso, no que se refere ao interesse pelas profecias bíblicas, oferece as condições para o nascimento da IASD.

Tendo em vista que um dos principais pressupostos do pluralismo religioso é a crença segundo a qual todas as tradições religiosas são igualmente válidas e verdadeiras e que todas configuram um caminho possível para Deus, para que haja um diálogo, de fato é necessário que se busquem critérios de unidade, em função do qual, para alguns pluralistas cristãos, a exemplo de Claude Geffré e John Hick, o cristianismo precisa não apenas tomar iniciativa em tal diálogo, mas também reinterpretar suas crenças. Nessa reinterpretação, a doutrina de Deus é diretamente afetada. Não apenas coloca-se em dúvida o valor da divindade de Cristo e do Espírito Santo, mas a crença em um Deus Trino entra em colapso.

Uma recapitulação de algumas ideias desses dois autores deixará claro esse ponto:

  • Todas as religiões são verdadeiras e igualmente válidas;
  • Jesus é apenas um caminho para Deus;
  • Se o cristianismo pode dialogar com outras religiões é porque ele entende suas próprias limitações;
  • Talvez o pluralismo seja um desejo secreto de Deus;
  • Conceitos religiosos como divindade e trindade variam de cultura para cultura;
  • A encarnação divina é uma ideia metafórica;
  • Se todas as religiões são válidas e verdadeiras, não há lugar para proselitismo.

Primeiramente, comente-se o fato de que a IASD compreende que
possui uma mensagem para pregar a toda nação, tribo, língua e povo (Ap 14:6); que um convite é feito para que as pessoas abandonem o falso sistema de adoração (Ap 18:4) e se unam ao remanescente (Ap 12:17). Assim, para a IASD, proselitismo (no sentido missiológico-cognitivo) constitui uma questão ontológica, a razão de ser.

Duas crenças comentadas por Ellen G. White — a imortalidade da
alma e a santidade do domingo — atingem o centro de duas doutrinas defendidas pela IASD, ou seja, o juízo investigativo pré-advento e o sábado, as quais estão intimamente relacionadas com o ministério de Cristo no santuário celestial e a obra do Espírito Santo na Terra, culminando com o selamento do povo de Deus antes da segunda vinda de Cristo.

O cristianismo é a única religião que afirma ter na posição de mediador um ser que é plenamente Deus. Nas religiões indígenas, a mediação se dá pelos espíritos; nas religiões orientais, pelos ritos, sacrifícios e meditações, embora haja uma correspondência forte com o espiritismo através da ideia de reencarnação; nas religiões de matriz africana, pelos orixás. O cristianismo, porém, afirma que Jesus é o mediador entre Deus e os seres humanos.

Não obstante, se por um lado o catolicismo romano junta ao ministério de Cristo a intercessão de Maria e dos santos (MAXWELL, m 2006, p. 173-181), do outro, o protestantismo deixa de dar relevância para a profecia que apontava para o ministério de Cristo no lugar santíssimo do santuário celestial (Dn 8:14).

Ellen G. White (1991, p. 254), falando a respeito do ministério de Jesus no santuário celestial, comenta que o terceiro anjo encerra sua mensagem assim: “Aqui está a paciência dos santos; aqui estão os que guardam os mandamentos de Deus e a fé em Jesus” (Ap 14:12). Ao dizer ele estas palavras, aponta para o santuário celeste.
A mente de todos os que abraçam esta mensagem, é dirigida ao lugar santíssimo. […] pela rejeição das duas primeiras mensagens, ficavam com o entendimento tão entenebrecido que não podiam ver qualquer luz na mensagem do terceiro anjo, que mostra o caminho para o lugar santíssimo. Vi que assim como os judeus crucificaram a Jesus, as igrejas nominais haviam crucificado essas mensagens,
e por isso mesmo não têm conhecimento do caminho para o santíssimo, e não podem ser beneficiadas pela intercessão de Jesus ali (WHITE, 1991, p. 260-261, grifo nosso).

De fato, a Bíblia não apenas aponta para o ministério de Jesus no lugar santíssimo do santuário celestial como também alega a divindade plena de Cristo. O autor de Hebreus, por exemplo, abre seu livro apresentando provas a respeito da plena divindade de Jesus. Johnsson (1992, v. 7, p. 21) conclui que “porque Cristo é totalmente Deus (Hb 1:5-14) e totalmente homem (Hb 2:6-26), Ele pode tornar-se nosso sumo sacerdote”. A doutrina do santuário, portanto, coloca Cristo exatamente na posição em que Ele está: na posição de [Filho de] Deus, que intercede pela raça humana.

Anteriormente, observamos que o “falso profeta” de Apocalipse 16 e
a besta que subiu da terra de Apocalipse 13 são designações diferentes do mesmo poder apresentado pelo apóstolo João como uma contrafação do Espírito Santo. Enquanto o Espírito Santo age no final dos tempos realizando uma obra de selamento dos crentes (2Co 1:22; Ef 1:13; 4:30), a besta aplica uma marca na mão. Para Maxwell (2006), essa marca “é intencional e inteligível, uma aprovação no tempo do fim da coercitiva observância do domingo em oposição à clara luz sobre a questão do sábado e em harmonia
com o catolicismo clássico romano”.

Ellen G. White (1985, v. 2, p. 318-319) afirma que quando a nação
americana “renunciar os princípios de seu governo de tal forma que vote uma lei dominical, nesse próprio ato o protestantismo dará a mão ao papado”. Percebe-se que o domingo está se tornando um ponto de intersecção religiosa.

A IASD, por sua vez, entra no cenário religioso mundial com a proclamação das três mensagens e o santuário, fatores que integram um grupo de verdades há muito negligenciadas: a perpetuidade da lei, o sábado, o ministério celestial de Cristo, a segunda vinda de Cristo, a imortalidade condicional da alma, o dom profético, o remanescente, o conflito cósmico (TIMM, 2009), sem esquecer o pensamento inspirado de que “Cristo crucificado como a expiação pelo pecado é a grande verdade central do evangelho, em torno da qual todas as verdades giram. Dessa grande verdade todas as outras verdades são tributárias” (WHITE, 1983, p. 79).

Considerações finais

O pluralismo religioso pressupõe que todas as religiões são verdadeiras e igualmente válidas, fazendo-se necessário que cada tradição supere seus fundamentalismos em favor de um bem maior comum a todas as tradições.

Como diria o teólogo espanhol José María Vigil, é preciso aprofundar a consciência de que as religiões precisam se unir e trabalhar juntas objetivando a paz mundial e melhores condições de vida no planeta (SBARDELOTTO, 2011).

À luz desse pressuposto, chega-se a afirmar a necessidade de que o
cristianismo reinterprete algumas de suas crenças fundamentais, a exemplo da divindade de Cristo, a fim de que o diálogo entre as religiões se torne algo tangível. A consequência disso é uma relativização das verdades bíblicas e uma redução da Bíblia a um texto sagrado no mesmo nível dos textos sagrados de outras religiões, o que as mantêm na posição em que estão sem que sintam a necessidade de receber luz adicional. Jesus Cristo deixa de ser o único mediador entre Deus e os seres humanos (1Tm 2:5) e o único caminho para o Pai (Jo 14:6).

Vigil foi o responsável pela Comissão Teológica da ASETT (Associação Ecumênica de Teólogos do Terceiro Mundo) na América Latina. Dentre seus livros, destaca-se Teologia do pluralismo religioso: para uma releitura pluralista do cristianismo, publicado pela Paulus, em 2006. Além de teólogo, é psicólogo e educador.

A IASD não compactua com essa linha de pensamento. Ela acredita
que possui uma mensagem para pregar a toda nação, tribo, língua e povo (Ap 14). Participar efetivamente do diálogo inter-religioso significa abrir mão da razão de sua existência. Isto, porém, não significa, em hipótese alguma, que os adventistas devem ilhar-se. Eles podem e devem estar abertos ao contato até o limite que lhes seja possível, ou seja, sem aderir aos pressupostos que tornam viável o debate atual entre as religiões.

Para finalizar, comente-se que em um mundo plural, a hermenêutica
adventista pode, de fato, soar como estreiteza e intransigência, sobretudo no que se refere às entidades de quem as bestas de Apocalipse 13 são símbolos.

A essa questão, William Johnsson (1992) responde convidando-nos a refletir sobre três fatores:

1) nós fazemos diferenciação entre indivíduos e sistemas;

2) se a interpretação parece “dura”, devemos lembrar-nos de que reformadores protestantes estavam persuadidos de sua validade;

3) precisamos de uma visão geral da história; uma visão que seja capaz de manter unido o movimento impetuoso dos eventos dos dias dos escritores bíblicos aos nossos dias; uma visão que não seja distorcida por nosso próprio tempo.

Fonte: https://revistas.unasp.edu.br/kerygma/article/view/117/116

Sobre Max Rangel

Servo do Eterno, Casado, Pai de 2 filhas, Analista de Sistemas, Fundador e Colunista do site www.religiaopura.com.br.

Além disso, veja também:

Sermão legendado: “A doutrina bíblica da Terra Plana e a mensagem do Primeiro Anjo”

Sermão do Pastor adventista australiano Tom Pinto, com legendas traduzidas automaticamente.

Leitura recomendada para os defensores incansável das vacinas “aprovadas pelo Vaticano”

Na última defesa que fez das vacinas contra a Covid-19, o editor-chefe da Casa Publicadora …

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.