60 anos de paixão adventista pelo Vaticano: Arthur S. Maxwell, quem diria!?

De acordo com a documentação do livro “Half a Century of Apostasy: The New Theology’s Grim Harvest 1956-2006”, escrito por Russell R. Standish e Colin D. Standish, nos capítulos 15 e 16, págs. 33 a 36, o espírito do Movimento Ecumênico envolveu a Igreja Adventista do Sétimo Dia há exatos 60 anos. Desde que o Dr. Bert Beach e o Pastor Arthur Maxwell participaram do Concílio Ecumênico Vaticano II convocado pelo Papa João XXIII em 1962 e concluído pelo Papa Paulo VI em 1965, o caminho para Roma foi traçado.

Em uma entrevista conduzida pelo Dr. Roy Adams, editor associado da Adventist Review, no dia 8 de novembro de 2001, com o Dr. Beach, o Dr. Adams declarou: “Eu queria saber quais eventos se destacaram em sua mente”. (Ibidem, p. 10). O grande evento de sua vida [do Dr. Beach], disse ele, foi sua participação no Concílio Vaticano II. (Ibidem).

Muitos se lembrarão que o Dr. Beach que em 1976 entregou uma medalha ao Papa Paulo VI. Este ato naturalmente causou consternação generalizada em toda a Igreja Adventista do Sétimo Dia.

Em sua entrevista com o Dr. Adams, o Dr. Beach confirmou que havia presenteado a medalha ao Papa. O Dr. Adams perguntou: Uma vez você deu um medalhão ao papa. O que foi isso? (Ibidem, p. 11). Aconteceu há 24 anos. Acho que durante o mandato do Papa Paulo VI. (Ibidem).

Em 30 de junho de 1993, Russell R. Standishl estava sentado na biblioteca do Escritório da Associação Geral. De direções opostas, o Dr. Beach e Clifford Goldstein, então no Departamento de Liberdade Religiosa do qual o Dr. Beach era Diretor, estavam prestes a passar no corredor. Russell chamou os dois até ele. Seu objetivo era comentar o fato de que Clifford Goldstein havia escrito recentemente uma defesa da ação do Dr. Beach ao entregar aquela medalha ao Papa em 1978, quinze anos antes.“Cliff”, disse Russell, “você acabou de escrever um artigo apoiando a ação de Bertie em apresentar a medalha a Paulo VI.” Antes que Cliff pudesse falar, o Dr. Beach interrompeu, “Você não acha que eu estava apoiando a Igreja Católica Romana quando fiz isso, faça o favor” Russell respondeu candidamente: “Na verdade, Bertie, eu acho.”

“Bem”, ele respondeu, “o papa também nos deu uma medalha. Ele estava apoiando a Igreja Adventista do Sétimo Dia?” “Certamente não!” Russell respondeu com um pouco de ênfase.

O Dr. Beach, como era de se esperar, acusou então Russell de inconsistência patente. Olhando para o assunto do ponto de vista dele, sem dúvida a resposta de Russell parecia possuir esse defeito. Mas a resposta de Russell não foi baseada na lógica, mas sim nas Escrituras.

Nossa conversa chegou a uma conclusão abrupta quando Russell expressou sua opinião. “Não há absolutamente nenhuma incoerência. As Escrituras não declaram que todo o mundo se maravilhou após a Igreja Adventista do Sétimo Dia.”

Desde então, os defensores do papado declaram que ela foi caluniada; e o mundo protestante está inclinado a aceitar a afirmação. Muitos insistem que é injusto julgar a Igreja Romana de hoje pelas abominações e absurdos que marcaram seu reinado durante os séculos de ignorância e escuridão. Eles desculpam sua horrível crueldade como resultado da barbárie da época e alegam que a civilização mudou seus sentimentos. Essas pessoas esqueceram a alegação de infalibilidade por oitocentos anos apresentada por esse poder altivo? (Spirit of Prophecy, Vol. 4, pp. 380, 381).

“Porque todas as nações beberam do vinho da ira da sua fornicação, e os reis da terra fornicaram com ela; e os mercadores da terra se enriqueceram com a abundância de suas delícias.
E ouvi outra voz do céu, que dizia: Sai dela, povo meu, para que não sejas participante dos seus pecados, e para que não incorras nas suas pragas. Porque já os seus pecados se acumularam até ao céu, e Deus se lembrou das iniqüidades dela.” (Apocalipse 18:3-5).

“E o diabo, que os enganava, foi lançado no lago de fogo e enxofre, onde estão a besta e o falso profeta; e de dia e de noite serão atormentados para todo o sempre.” (Apocalipse 20:10).

Um pastor adventista do sétimo dia considerar sua participação em um Concílio Ecumênico Católico Romano como o maior evento de sua vida, chega a parecer incrível. Afinal, a história desses Concílios do quarto ao século XX foi de destruição maciça da pura fé de Cristo.

Arthur S. Maxwell, uma história nada bela de vida

A revista Signs of the Times teve seu próprio representante credenciado no 1º Concílio Vaticano II, o pastor Arthur Stanley Maxwell (1896-1970) do renomado “Bedtime Stories” e “The Bible Stories”. Incrivelmente, ele também foi seduzido por Roma. Em um relatório de sermão intitulado “Impressões do Vaticano II”, suas palavras foram claras. Ele se atreveu a usar o título blasfemo de “Santidade” assumido pelo Papa.

O pastor Maxwell parecia honrado por ter se sentado a apenas doze metros do papa. “Ninguém jamais acreditará em mim, que fiquei tanto tempo sentado, tão perto de Sua Santidade. Mas eu tinha uma vista maravilhosa e presenciei algumas fascinantes vistas de perto. (160, pág. 3).

O pastor Maxwell em dez ocasiões aplicou a palavra pai aos padres católicos romanos. Basta um exemplo: agora eu não ousaria dizer isso, mas esse padre católico disse a um grupo de jornalistas: “Alguns dos reverendos padres não entendem o que estão lendo.” (lbid, p. 6).

Falando das aparentes mudanças que ele notou na Igreja Católica Romana, o Pastor Maxwell exclamou: “Fascinante! É um novo dia, amigos. É um novo dia!” (Ibidem, p. 7).

O nível do engano do Dr. Maxwell pode ser medido por duas declarações entre muitas. Foi-lhe perguntado: “A Igreja Católica é sincera nesta declaração de liberdade religiosa?” E ele respondeu: “Agora, minha opinião pessoal é que eles são sinceros – eles são totalmente sinceros…. Esta é uma tremenda mudança que a Igreja Católica Romana embarcou…. É uma coisa incrível que a igreja [católica romana] tenha feito para se colocar ao lado dos protestantes ao declarar que todo homem tem o direito de escolher sua própria religião e seguir os ditames de sua própria consciência.”

“Se a igreja [católica] vai ficar com isso para sempre, EU NÃO SEI. (Ibidem, p. 11 — grifo nosso).” Esta foi uma surpreendente admissão de ignorância sobre este assunto.

Será que o pastor Maxwell não leu Apocalipse capítulo 13 ou O Grande Conflito? Se o pastor Maxwell tivesse vivido no século XXI, ele teria aprendido que o Papa João Paulo II beatificou o Papa Pio IX, que havia declarado em seu diabólico Syllabus of Errors, publicado em 8 de dezembro de 1864, que: “A doutrina absurda e errônea ou delírios em defesa da liberdade de consciência são o erro mais pestilento, uma praga de todos os outros, mais temível em um estado.”

Chegando à sua conclusão, o pastor Maxwell aconselhou: “Devemos repensar nossa abordagem aos nossos amigos católicos romanos. Como podemos rejeitar uma mão estendida e ser cristãos? Como podemos dizer que eles pertencem ao anticristo quando revelam muitas belas atitudes cristãs? Isso te choca muito? Espero que sim! Eu só espero que sim! … Não podemos carimbar eles com a marca da besta. Que coisa terrível temos feito com eles ao longo dos anos.” (Ibidem, p. 13).

Nunca foi papel dos adventistas do sétimo dia “carimbar” alguém com a marca da besta. Essa decisão é feita por Cristo. Mas Roma É o poder do anticristo. Um padre e teólogo católico romano britânico, Dr. Charles Davis, que também esteve presente no Vaticano II, foi muito mais perspicaz que Maxwell. Participou como consultor especializado. Ele relatou suas observações no livro, Uma Questão de Consciência, publicado pela Harper and Row.

Russell R. Standish e Colin D. Standish citam uma resenha deste livro no Hanford Sentinelcínico , Califórnia, 28 de outubro de 1967. Ele [Dr Davis] ficou chocado com o que sentiu ser um “desrespeito cínico pela verdade” entre os altos funcionários do Vaticano e muitos bispos…. Ele também ficou desencantado com um olhar de perto sobre as lutas de poder nos bastidores, as intrigas burocráticas e as manipulações maquiavélicas que ocorreram. (Ibidem).

“E depois destas coisas vi descer do céu outro anjo, que tinha grande poder, e a terra foi iluminada com a sua glória.
E clamou fortemente com grande voz, dizendo: Caiu, caiu a grande Babilônia, e se tornou morada de demônios, e coito de todo espírito imundo, e coito de toda ave imunda e odiável.” (Apocalipse 18:1-2).

O texto reproduzido abaixo e citado acima pelos irmãos Russell R. Standish e Colin D. Standish é de uma publicação adventista jornalística independente iniciada em 1992 por um grupo em Loma Linda, incluindo o falecido Raymond Cottrell e outros, que representavam esse pensamento que tem sido promovido pela liderança da igreja em vários escalões desde a década de 60 até agora.

É um relato de cair o queixo do “tio” Arthur S. Maxwell, então editor da Signs of the Times , que deu um relato de testemunha ocular sobre o Concílio Vaticano II em um sermão proferido na Universidade da Igreja de Loma Linda, na Califórnia. O título de seu sermão, “The Outstretched Hand” (“A mão estendida”), revela o tom de sua mensagem. Em seu discurso, Maxwell revelou os nomes dos principais adventistas do sétimo dia que participaram do Concílio Vaticano II.

Este relato oral é tão estranho à posição pioneira adventista do sétimo dia sobre o papado e o ecumenismo que as declarações surpreendentes de Maxwell devem ser apresentadas com comentários.

Primeiro parágrafo do sermão-relatório de Maxwell sobre o Concílio Vaticano II:

“Em primeiro lugar, a amabilidade da acolhida. Você vê, eu estive lá várias vezes, isto é, em Roma. Sempre havia uma espécie de frieza por lá, mas desta vez não mais, não mais! E isso era evidente de muitas maneiras. Por exemplo, ao dar esses credenciais de imprensa, o irmão Loewen estava lá pela revista Religious Liberty, o irmão Cottrell da Review and Herald, o irmão Beach estava lá do como representane do norte da Europa, e eu estava lá como editor da Signs of the Times, e desde que você tivesse uma boa razão por pedir a credencial, você conseguia. Se você fosse um editor ou um correspondente de qualquer jornal de verdade, eles davam a credencial e davam para pessoas de todas as religiões.

“No nosso caso, quatro adventistas receberam essas  credenciais. Achei que vocês gostariam de ver a minha. É o único documento que tenho com as chaves cruzadas e a tríplice coroa do Vaticano. Eu tenho que ter cuidado ao mostrar isso. Não quero que ninguém pense que vou à Igreja de Roma. Mas é uma credencial muito bonita, e foi muito valiosa. Esta carteirinha me levou a qualquer lugar que eu quisesse ir na época do Concílio.” Arthur S. Maxwell, Editor da Signs of the Times, em “The Outstretched Hand”, um sermão-relatório proferido na Igreja Adventista do Sétimo Dia da Universidade de Loma Linda, Califórnia.

Comentário do primeiro parágrafo do relatório de Maxwell:

Incrível! Esta declaração está repleta de tantos detalhes surpreendentes que é quase impossível decidir por onde começar a comentar. Por um lado, os pioneiros adventistas do sétimo dia ficariam horrorizados com as informações divulgadas apenas neste parágrafo. Por exemplo, na primeira frase Maxwell afirmou que eles receberam “a simpatia das boas-vindas”. E na segunda frase ele admitiu: “Já estive lá várias vezes, isto é, em Roma. ” Por que? Por que o editor da Signs of the Times foi a Roma “várias vezes?” O Vaticano é a sede do Anticristo, a Besta de Apocalipse 13! Então Maxwell afirmou que Roma sempre os recebeu com frieza. As palavras originais de Maxwell “uma espécie de gelo”. Então ele acrescenta com prazer, “mas não mais, não mais!”

Os “observadores” adventistas do sétimo dia não deveriam estar alarmados com a mudança em sua recepção pelo papado? Nosso próprio Espírito de Profecia não advertiu que “Houve uma mudança; mas a mudança não está no papado”. (O Grande Conflito, página 571, grifo nosso). “O catolicismo de fato se assemelha muito ao protestantismo que agora existe”, escreveu Ellen White, “porque o protestantismo degenerou muito desde os dias dos reformadores”. (ibid., GC, p. 571, grifo nosso).

Será que nós, adventistas do sétimo dia, também “degeneramos” a ponto de nos tornarmos como a Igreja de Roma? Hoje pode-se reformular a declaração de Ellen White para ler: “O catolicismo de fato se assemelha muito ao adventismo que existe agora, porque o adventismo degenerou tão grandemente desde os dias dos pioneiros”.

Durante anos o papado estava tentando estabelecer um relacionamento ecumênico com a Igreja Adventista do Sétimo Dia. Enquanto a igreja corporativa permanecesse fiel aos princípios da Palavra de Deus, a Roma papal não teria sucesso. A triste realidade é que a Igreja Corporativa da Associação Geral da Igreja Adventista do Sétimo Dia fez compromissos ecumênicos com a besta, Roma Papal, há vários anos.

Desde que os líderes da CG, Bert B. Beach e o pastor Arthur Maxwell, famosos por seus conjuntos de volumes de Histórias Bíblicas do “livro azul”, e outros oficiais adventistas participaram do Segundo Concílio Ecumênico do Vaticano pelo Papa João XXIII em 1962 e pelo Papa Paulo VI em 1965 a ponte para Roma foi construída e atravessada. (Russel R. Standish & Colin D. Standish, Half Century Of Apostasy, Austrália, 2006, p. 33).

Maxwell comentou o quão honrado ele estava por sentar-se tão perto do papa em seu sermão intitulado “Impressões do Vaticano II”. Nesse sermão, ele teria dito: “Ninguém jamais acreditará em mim, que fiquei tanto tempo sentado, tão perto de Sua Santidade. Mas eu tive uma vista maravilhosa e vi uma visão fascinante de perto.” (Ibid. p. 35).

Maxwell ficou hipnotizado e seduzido por Mentira, Apostasia e Compromisso, que chamou o papa de “Sua Santidade”. Blasfêmia! Em entrevista à Adventist Review, Beach, diretor aposentado de Relações Públicas e Liberdade Religiosa (PARL), disse que “o grande evento de sua vida foi sua participação no Concílio Vaticano II”. Então, mais tarde na entrevista, ele disse: “Eu me vejo como um construtor de pontes”. (Roy Adams, Adventist Review, “Bert Beach: Adventist Statesman”, 8 de novembro de 2001).

Bert B. Beach deu ao Papa Paulo VI um medalhão de ouro como presente oficial da Igreja Adventista como um “ramo de oliveira” de amizade em 18 de maio de 1977. Novamente em 1997 Beach se encontrou com o Papa João Paulo II em apoio ao seu relacionamento ecumênico com o papado.

Mais recentemente, em outubro de 2016, o Dr. Ganoune Diop, diretor da PARL para a Igreja Mundial SDA , encontrou -se com o Papa Francisco durante a Conferência dos Secretários das Comunhões Cristãs Mundiais no Vaticano . A Conferência dos Secretários das Comunhões Cristãs Mundiais (CWC) é uma coleção de 20 grandes associações ecumênicas internacionais nas quais Diop preside atualmente como secretário-geral. De fato, um líder oficial do GC da SDA presidiu o CWC desde 1970, Bert B. Beach de 1970 a 2003; John Graz de 2003 a 2014; e Diop de 2014 até o presente .

Como resultado, muitas literaturas e livros adventistas sobre a besta e a marca da besta tornaram- se vagos, genéricos ou não foram mais publicados. A Roma papal como a besta e o chifre pequeno é pouco mencionada.

Em 2010, na sessão da Conferência Geral em Atlanta, fizeram um apelo urgente aos membros para arrecadar dinheiro para imprimir e entregar o “Grande Conflito” a milhões de lares . Os membros com grande entusiasmo doaram dinheiro para completar a missão. Em vez da versão completa do Grande Conflito, como muitos foram levados a acreditar, os oficiais da CG fizeram uma “isca e troca” e a substituíram por uma versão abreviada conhecida como “Grande Esperança”, que mal fala sobre o Reforma Protestante e omite muitos dos erros, enganos e atrocidades do papado como o Anticristo.

A relação ecumênica com a Roma papal e outros apóstatas se reflete na troca do logotipo da Mensagem dos Três Anjos pela IASD para a chama ecumênica que é semelhante a outras igrejas como sua solidariedade ao movimento ecumênico. Infelizmente, é ainda mais profundo do que isso e o povo de Deus precisa estar ciente ou será varrido da Verdade!

Tudo isso não é um verdadeiro reavivamento e reforma, mas uma “reorganização” que Ellen White advertiu a igreja há quase 120 anos. Ela disse:

“O inimigo das almas tem procurado introduzir a suposição de que uma grande reforma devia efetuar-se entre os adventistas do sétimo dia, e que essa reforma consistiria em renunciar às doutrinas que se erguem como pilares de nossa fé, e empenhar-se num processo de reorganização. Se tal reforma se efetuasse, qual seria o resultado? Seriam rejeitados os princípios da verdade, que Deus em Sua sabedoria concedeu à igreja remanescente. Nossa religião seria alterada. Os princípios fundamentais que têm sustido a obra neste últimos cinqüenta anos, seriam tidos na conta de erros. Estabelecer-se-ia uma nova organização. Escrever-se-iam livros de ordem diferente. Introduzir-se-ia um sistema de filosofia intelectual. Os fundadores deste sistema iriam às cidades, realizando uma obra maravilhosa. O sábado seria, naturalmente, menosprezado, como também o Deus que o criou. Coisa alguma se permitiria opor-se ao novo movimento. Ensinariam os líderes ser a virtude melhor do que o vício, mas, removido Deus, colocariam sua confiança no poder humano, o qual, sem Deus, nada vale. Seus alicerces se fundariam na areia, e os vendavais e tempestades derribariam a estrutura.” Mensagens Escolhidas, Vol. 1– Pag. 205

Adaptado de: https://www.pathwaytopeace.net/index.php/blogs-and-articles/truth-lie-apostasy-compromise

Sobre Max Rangel

Servo do Eterno, Casado, Pai de 2 filhas, Analista de Sistemas, Fundador e Colunista do site www.religiaopura.com.br.

Além disso, veja também:

A vacina não é a marca, mas poderá indicar nossa predisposição para adorar ou não a Besta

Em nosso mundo em rápida mudança, bloqueios, ordens executivas e medidas de cima para baixo …

Participante da Conferência Geral beijou a bandeira do Vaticano antes de desfilar com ela

Veja o vídeo no ponto em que está, depois retorne ao início dele para acompanhar …

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.