A Conspiração de Gênesis 6: A conquista de Jericó provou que Israel era apoiado pelo Criador do Universo

Este novo vídeo de nosso amigo Dr. Afonso Vasconcelos, doutor em geofísica, cristão nazareno, corresponde ao décimo-segundo capítulo da terceira parte do livro “A Conspiração de Gênesis 6: Como sociedades secretas e os descendentes de gigantes planejam escravizar a humanidade”, que traça a evidência bíblica de gigantes sobreviventes, o estabelecimento de suas linhagens reais e sua conspiração transgeracional para escravizar a humanidade por meio de eventos épicos e incompreendidos do Antigo Testamento.

SEÇÃO III: Os descendentes de Anaque

Linhagens de Sangue e Alianças

Veja, eu entreguei Jericó em suas mãos, junto com seu rei e seus guerreiros. Marcha pela cidade uma vez com todos os homens armados. Faça isso por seis dias. Peça a sete sacerdotes que carreguem trombetas de chifres de carneiro na frente da arca. No sétimo dia, marche ao redor da cidade sete vezes, com os sacerdotes tocando as trombetas. Quando você os ouvir soar um longo toque de trombetas, faça com que todo o povo dê um grito alto; então o muro da cidade desabará e as pessoas irão subir, cada homem direto para dentro. — Josué 6: 2-5

Os amorreus ouviram os rumores do desastre egípcio dos amalequitas, bem como a humilhação dos amalequitas nas mãos dos israelitas. Os amorreus de Jericó estavam bem familiarizados com a aniquilação arrecadada contra seus irmãos amorreus liderados por Siom e Og a leste do rio Jordão. Isso explica por que os amorreus dominados pelo medo se encolheram dentro das muralhas antigas e poderosas de Jericó, agarrando-se à esperança de que aquelas muralhas altas e poderosas os salvassem.

Mas por que Israel derrubou os muros de Jericó por meio de rituais e cerimônias inexplicavelmente estranhos? Qual é o significado inexplicável e subjacente da destruição de Jericó?

Jericó era uma cidade da antiguidade extraordinariamente famosa, datando de 11.000 anos, de acordo com a maioria dos arqueólogos. Alguns acreditam que Jericó é a cidade mais antiga do mundo.1 Nem a maneira como a cidade foi conquistada, nem que Jericó foi a primeira cidade a ser conquistada na Terra da Aliança, nem sua grande idade e simbolismo são coincidências. A Bíblia simplesmente não funciona dessa maneira. Lembre-se também de que todas as outras cidades-estados do sul dos amorreus foram totalmente destruídas de maneira semelhante a Jericó. É de se perguntar se os mesmos rituais de destruição, com trombetas, também foram realizados nas outras cidades-estado do sul dos amorreus.

Os israelitas não atacaram apenas esta cidade lendária da antiguidade, com suas paredes míticas de altura e força extraordinárias. Não, os israelitas, liderados por Josué e a Arca da Aliança, foram instruídos a marchar ao redor daquela grande cidade fortificada da antiguidade com todo o seu pessoal armado uma vez por dia durante seis dias consecutivos, com apenas sete sacerdotes autorizados a soprar ruidosamente suas trombetas. O exército de Israel foi instruído a não dizer uma palavra durante o drama de uma semana.

O ritual das sete trombetas era um gesto antigo e simbólico de destruição, simbolizando a renovação de todas as coisas.2 A conquista, então, representou o início da renovação da Terra Prometida legada em Deuteronômio. Jericó era considerada os primeiros frutos da Terra da Aliança, oferecida a Deus em um ritual sagrado, como parte da Santa Aliança com Israel.

A batalha de Jericó começou durante as festas e sábados da Páscoa e as festas e sábados dos pães ázimos. Na verdade, o ritual das trombetas começava no primeiro dia da Páscoa, enquanto a Páscoa era celebrada pouco antes do ataque.3 Se Jericó não foi selecionada por um significado especial e religioso, então por que a peculiar cerimônia preparatória, religiosa e ritualística realizada durante a Páscoa de sete dias e a Festa dos Pães Ázimos para o Senhor? Por que não esperar até depois da Santa Festa de Deus? Qual foi a pressa ou a importância de travar uma guerra durante o Festival Sagrado? Lembre-se, 1.500 anos depois, outro espetáculo sagrado aconteceu no dia após a Páscoa e no início da Festa dos Pães Ázimos; foi a santa primeira oferta dos primeiros frutos da salvação, a crucificação de Cristo.

Observe, também, que no Dia da Preparação deste festival sagrado de uma semana, todo pão fermentado e todo fermento foram removidos de todas as casas e moradas dos israelitas.4 A ação de soprar do fermento no pão era um símbolo de orgulho, arrogância, e o pecado.5 O orgulho representava simbolicamente os Nephilim como a causa da violência e corrupção da época antediluviana. Todo esse simbolismo não pode ser uma simples coincidência, pois a Bíblia não funciona por meio de coincidências.

A manobra dos amorreus de se encolherem dentro das poderosas muralhas de Jericó não funcionou, pois Jericó fora reservada para um sacrifício especial ao Senhor. Jericó foi ordenado para ser entregue nas mãos dos israelitas, desde que os israelitas seguissem as instruções de Deus ao pé da letra. No sétimo dia, o último dia da semana da Páscoa e dos Pães Ázimos, as forças armadas de Israel repetiram o mesmo ritual que haviam feito nos seis dias anteriores. Nesse dia, eles acrescentaram o toque das trombetas sete vezes ao ritual de marchar pela cidade. Todo o povo de Israel gritou em sinfonia com as trombetas, e os muros de Jericó desabaram.6 O exército israelita invadiu a cidade lendária, massacrando todos os ocupantes perplexos e atordoados, exceto Raabe, a prostituta e sua família, pois eles haviam prestado assistência aos espiões de reconhecimento israelenses.7 A cidade inteira foi arrasada, queimada e completamente destruída, exceto a casa de Raabe. Todo o tesouro foi reservado para a tesouraria da casa do Senhor. Finalmente, Josué pronunciou uma maldição sobre qualquer um que tentasse reconstruir a lendária cidade no futuro.8 Jericó foi separada para um tipo específico de destruição, como um exemplo para o mundo para todas as gerações seguintes.

Essa narrativa épica e bíblica é realmente estranha. Por que tanto ritual e mistério foram incluídos na morte de Jericó? Acredito que Deus desejava fazer uma declaração contundente para os outros povos que habitavam a Terra Prometida que Israel era nutrido e apoiado pelo onipotente, um verdadeiro Deus do universo. A Bíblia descreve cidades da terra com muros até o céu.9 Sem dúvida, Jericó foi posta de lado especificamente como um exemplo para tudo o que aconteceria a todas as cidades infestadas de Nephilim na Terra Prometida.

A destruição de Jericó, além do milagre no rio Jordão, combinada com a matança dos exércitos de Ogue e Sihon, mais os rumores que as nações teriam ouvido sobre o que havia acontecido aos egípcios, foram todos planejados para colher terror completo e absoluto em todas as fileiras das outras nações infestadas com Nephilim. Os milagres do Êxodo foram planejados como um aviso para que outras nações prestassem atenção, nações que, até então, permaneceram intocadas pela ira de Deus. Mas essas nações adulteradas ignoraram os avisos.

Além disso, devemos considerar a grande idade desta lendária cidade. Os arqueólogos acreditam que as fundações de Jericó foram lançadas por volta de 8300 aC Durante seus primeiros mil anos de existência, três enormes paredes, com mais de cinco metros de altura, foram construídas e reforçadas por uma vala profunda escavada em uma rocha dura, que circundava as grandes muralhas.10 Por quê tais defesas foram erguidas? De quem eles estavam se protegendo? Lembre-se também de que Caim construiu as cidades de Enoque e sessenta outras cidades, todas fortificadas com muros para a guerra. Lembramos também as descrições de Uruk, na mitologia suméria, sendo uma cidade poderosa da época antediluviana e pós-diluviana. Jericó, Uruk e Enoque poderiam ser parentes?

Claro, esses eventos são anteriores ao dilúvio. Há evidências arqueológicas, de acordo com Collins, para sugerir que Jericó realmente negociava com uma cultura conhecida como os observadores do Lago Van.11 Lembre-se, sumérios, babilônios e acadianos acreditavam que todas as cidades antediluvianas foram originalmente construídas pelos deuses, antes do advento de os humanos Black Heads e os Nephilim. Jericó era uma cidade que ligava os tempos antediluvianos aos pós-diluvianos. Era bem possível que Jericó fosse celebrado como um santuário desafiador para a violenta era antediluviana atormentada por Nephilim e observadores.

Certamente, as paredes de Jericó representavam as guerras antediluvianas, assim como as paredes eram um idioma antediluviano para a superfície da terra, de acordo com Alford. E nesses termos, Jericó provavelmente representava a terra antediluviana.12

Agora, as sete trombetas empregadas para destruir Jericó e seus poderosos muros também anunciaram a destruição de Jericó e a renovação da terra da aliança de Israel. A destruição de Jericó por Josué representou figurativamente a destruição do mundo antediluviano pelo dilúvio, junto com a renovação da terra por meio de Noé e sua família. Além disso, a destruição de Jericó representou o início oficial para a erradicação do contágio antediluviano sobrevivente. O assentamento dos israelitas na Terra da Aliança representou a renovação da terra.

Além de tudo isso, Josué instruiu que todos, exceto a família de Raabe, deveriam ser mortos, incluindo todos os animais; toda pilhagem, de acordo com Josefo, deveria ser recolhida e oferecida como uma oferta sagrada ao Senhor como parte das Primícias da Terra da Aliança oferecida a Deus como a primeira cidade conquistada.13 Todos os habitantes foram condenados à morte, enquanto o completo cidade, incluindo os cadáveres, foi queimada, 14 novamente consistente com uma oferta queimada ao Senhor. A festa das primícias no antigo Israel sempre começava no primeiro dia após o primeiro sábado, quando a colheita estava quase pronta.15 Nesse caso, era o sábado de preparação para a festa dos pães ázimos.

A festa das primícias incluía o sacrifício de um cordeiro em holocausto, junto com os primeiros frutos do grão e das uvas, antes que Israel pudesse participar da colheita, 16 assim como Jesus mais tarde seria o primeiro fruto da colheita da salvação. É uma celebração dos primeiros frutos da generosidade que virá da colheita. Assim, também, na alegoria profética é uma colheita e a Festa das Semanas da Colheita17 figurativa para uma grande matança, como na colheita do tempo do fim de Apocalipse 18 e conforme definido em Mateus.19

A figurativa colheita de Jericó foi o primeiro fruto do sacrifício dedicado a Deus, prenunciando a grande colheita / matança que se seguiria na conquista da Terra Prometida da Aliança. E a destruição de Jericó ocorreu no primeiro sábado antes da colheita alegórica. A Festa das Semanas da Colheita seguia cinquenta dias após a Festa das Primícias, após a colheita, assim como o Pentecostes. 20 Da mesma forma, os santos do Apocalipse são considerados os primeiros frutos do holocausto ou colheita do tempo do fim.21 Jericó foi, nesta alegoria, os primeiros frutos da colheita da Terra Prometida da Aliança, oferecida no holocausto religioso e na cerimônia das festas de Israel, completa com trombetas.

Da mesma forma, a Festa das Trombetas e a Festa das Barracas (também chamadas de Tabernáculos) sempre foram consideradas por muitos estudiosos como representando a renovação da criação.22 Era o shofar, o chifre de carneiro, que era utilizado na Festa das Trombetas.23 O shofar também foi tocado quando Israel foi para a guerra24 e ao anunciar uma assembléia solene. O shofar é conhecido metaforicamente por sua trombeta durante o futuro, a segunda vinda de Jesus e na assembléia solene do julgamento do tempo do fim. As trombetas longas e bem iluminadas eram usadas durante os sacrifícios e também nos anúncios do início e do fim dos sábados.25 Provavelmente, então, os dois tipos de trombetas foram usados ​​em Jericó.

Nos últimos tempos, trombetas foram tocadas ao longo do dia em Jerusalém, durante as festividades, mas nunca fora dos muros de Jerusalém.26 A pessoa então se pergunta sobre a conexão com Jericó, onde as trombetas foram tocadas fora das paredes. Os israelitas estavam com medo de derrubar os muros de Jerusalém?

Os rabinos acreditam que o primeiro dia das trombetas é o dia alegórico da profecia, quando Deus julgará todos os homens à medida que passarem diante dele.27 Jericó foi reservada para um ritual extraordinário e destruição mística em honra do único Deus verdadeiro e como um sinal para os povos infectados se corromperam com Nephilim. Deus destruiu o domínio Nephilim sobre a humanidade nos tempos antediluvianos, e agora Ele estava preparado para fazer isso mais uma vez. E não havia nada que os Nephilim, seus falsos deuses ou os povos daquela época pudessem fazer para evitá-lo.

Os detalhes enigmáticos da Bíblia não existem para redundância, nem para mero efeito. Nesse caso, eles descrevem a aniquilação completa e absoluta. A maneira simbólica dessa destruição tornou o poder dos deuses do panteão silencioso e conspícuo por sua ausência. Quando as fichas caíram, os chamados deuses do panteão eram todos subservientes ao único Deus verdadeiro do universo.

Postagens anteriores:

SEÇÃO I: A Época Antediluviana. A Era dos Grandes Heróis

SEÇÃO II: A Era Dourada. O Testemunho Global Para Outras Raças

SEÇÃO III: Os Descendentes de Anaque. Linhagens de Sangue e Alianças

DOWNLOAD

REFERÊNCIAS:

CAPÍTULO 34: JERICÓ

1. Knight and Lomas, Uriel’s Machine, 12.

2. Alford, 333.

3. Whiston and, Maier, Josephus, Ant. 5:1:4–5.

4. Exodus 12:17–20; Deuteronomy 16:1–8; Numbers 28:16–25; Exodus 34:18.

5. 1 Corinthians 5:6–8; Matthew 16:5–12; Mark 8:15–21; Habakkuk 2:4; Job 41:34; Proverbs 21:4.

6. Joshua 6:1–21.

7. Joshua 6:22–23.

8. Joshua 6:26.

9. Deuteronomy 9:1–2.

10. Collins, Ashes of Angels, 310–311.

11. Ibid., 310.

12. Alford, 138, 454.

13. Whiston and Maier, Josephus, Ant. 5:1:5.

14. Ibid., Ant. 5:1:7.

15. Leviticus 23:9–14; Deuteronomy 26:2–4; Exodus 23:16, 19.

16. Leviticus 23:9–14.

17. Leviticus 23:15–22; Exodus 34:22; Numbers 28:26–31; Deuteronomy 16:9–12.

18. Revelation 14:14–20; Joel 3:14; Isaiah 63:2–4: Isaiah 636; Revelation 19:11–16.

19. Matthew 13:30–42.

20. Acts 2:1–4.

21. Revelation 14:4–5; 1 Corinthians 15:2–24; Romans 8:22–23; Revelation 6:9–11, Psalm 116:15; Daniel 11:35; Revelation 20:4.

22. Porter, New Illustrated Companion to the Bible, 17.

23. Exodus 19:13, 17, 19.

24. Numbers 10:1–10; Judges 7:18; Jeremiah 4:19–21; Joshua 6:20.

25. Numbers 10:10.

26. Unger’s, 417–421

27. Ibid.

Sobre Max Rangel

Servo do Eterno, Casado, Pai de 2 filhas, Analista de Sistemas, Fundador e Colunista do site www.religiaopura.com.br.

Além disso, veja também:

Amalgama: Homem + Animal. Transplante não é ingestão e as Igrejas logo devem apoiar novo “avanço” da Ciência depois da vacina da Covid

“Mas se há um pecado acima de todo outro que atraiu a destruição da raça …

EM DEBATE: Rim de porco em humano… Será a volta dos nefilins?

Em 2017, cientistas criaram embriões híbridos de porcos e humanos Essa Criação foi descrita como …

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.