Dados mostram que a maioria das mortes por COVID ocorreu após o lançamento das vacinas “seguras e eficazes”

https://i0.wp.com/www.adventistas.com/wp-content/uploads/2022/04/mortes-covid.jpg?w=618

Depois que as vacinas contra o COVID, anunciadas como “milagrosas”, foram lançadas em 2021, mais de 61.000 indivíduos da geração Y e um número recorde de indivíduos da geração X morreram, criando uma trilha histórica de mortalidade no quarto trimestre do ano. Os mandatos de vacinas apoiados pela administração de Joe Biden e impostos por empregadores, hospitais e outras instituições estão ligados a um aumento nas mortes.

O ex-gerente de portfólio da Blackrock, Edward Dowd, informou a Steve Bannon, do site Breitbart, que a geração Y, de 25 a 40 anos, sofreu um pico chocante de 84% no excesso de mortalidade no outono de 2021. O que teria provocado esse excesso de mortalidade senão as vacinas “seguras e eficazes” tão alardeadas pela mídia e “autoridades”?

Não há um consenso sobre o ano em que começa e termina cada um, mas uma divisão possível é Baby Boomers (nascidos entre 1946 e 1964), Geração X (1965-1980), Geração Y ou Millennials (1981-1996) e Geração Z (1997-2010). Há ainda a Geração Alfa, que compreende os nascidos a partir de 2010.

Los datos muestran que la mayoría de las muertes por COVID ocurrieron después de que se lanzaron las vacunas 2

Essas mortes, que foram mais do que o número total de mortes durante a Guerra do Vietnã em um único ano, coincidiram com aumentos nas doses de vacina e reforço que foram impostas em agosto de 2021.

‘Democídio’

Edward Dowd disse que os números, que ele reuniu a partir de dados do CDC para análise, também demonstraram que os Gen-Xers (aqueles entre 40 e 55 anos) não tiveram melhor desempenho, resultando no que ele chamou de “democídio”, ou o abate sancionado pelo governo de grandes segmentos da população.

Mais mortes por ‘pandemia’ em 2021

De acordo com um documento de trabalho recém-divulgado de um professor de Economia Aplicada da Universidade Johns Hopkins, o ápice de vidas perdidas durante os últimos dois anos de políticas de saúde pandêmicas ocorreu em janeiro de 2021, quase dobrando a magnitude do pico supostamente grave da “primeira onda” de mortes em abril de 2020. A pesquisa da professora Genevieve Briand examina estatísticas mensais de mortes nos Estados Unidos de 1999 a 2021.

Em setembro de 2021, ocorreu uma segunda onda inesperada de mortes, desta vez predominantemente entre adultos mais jovens, coincidindo com a introdução da vacinação obrigatória por empregadores e instituições em todos os Estados Unidos.

Los datos muestran que la mayoría de las muertes por COVID ocurrieron después de que se lanzaron las vacunas 3

“O fato de o pico de abril de 2020 ser menor do que o de janeiro de 2021, por uma magnitude maior do que o pico de janeiro de 2018 é comparado a ele, e o fato de o pico de setembro de 2021 ser quase tão alto quanto o pico de abril de 2020, fornece mais baseando-se em que o tão temido pico de abril de 2020 não foi tão alarmante quanto se acreditava”, afirma Genevieve Briand.

Sua pesquisa cita uma queda nas mortes por distúrbios respiratórios, excluindo o COVID-19, para pessoas com 85 anos ou mais durante a pandemia, para um nível não visto desde 2009. A mortalidade por influenza e pneumonia nos grupos de idosos mais vulneráveis ​​foi milhares menor do que no pico de mortes por influenza em anos anteriores, incluindo 2018, 2015 e 2013.

Los datos muestran que la mayoría de las muertes por COVID ocurrieron después de que se lanzaron las vacunas 4

As doenças respiratórias, que representaram 8,8% a 9,3% de todas as mortes desde 1999, caíram para 7,4% em 2020 e 6,6% em 2021.

“Os números de mortes por COVID-19 foram exagerados”, disse Briand, acrescentando que “todas essas mortes teriam encontrado um lar em outras categorias de causas de morte” se um novo grupo de diagnóstico COVID-19 não tivesse sido formado. O desaparecimento dos números de óbitos por doenças respiratórias é o exemplo mais visível de “recategorização” da mortalidade.

As mortes por outras causas caíram

As mortes por outras três principais causas de mortalidade – doenças cardíacas, câncer e distúrbios cerebrovasculares – também desapareceram durante a pandemia, com cada grupo atingindo novos mínimos, sugerindo que foi a rotulagem da causa da morte que mudou, e não o fato de milhares de pessoas morreram de doenças circulatórias e câncer.

Los datos muestran que la mayoría de las muertes por COVID ocurrieron después de que se lanzaron las vacunas 5

A imagem estatística para doenças cardíacas em idosos frágeis parecia como se os picos regulares de morte tivessem sido cortados em 2020 e 2021; era “como se as pontas das montanhas fossem cortadas”, escreve Briand. Novamente, essa anomalia estatística mostra que as pessoas não pararam de morrer de doenças cardíacas em quantidades recordes, mas sim que suas mortes foram classificadas como fatalidades do COVID-19. E esse GOLPE foi aplicado na grande maioria dos países.

Los datos muestran que la mayoría de las muertes por COVID ocurrieron después de que se lanzaron las vacunas 6

Enquanto os adultos morreram em números recordes em janeiro de 2021, os idosos foram responsáveis ​​pela maioria das mortes, que começaram em dezembro de 2020, concomitantemente ou logo após a implantação das vacinas, principalmente para idosos e profissionais de saúde.

Enquanto isso, indivíduos mais jovens morreram em números recordes, com as faixas etárias de 45-54, 35-44 e 25-34 atingindo o pico em setembro de 2021. As mortes entre os 65-74 e 55-64 em setembro de 2021 também foram maiores do que em abril 2020, quando os aumentos de setembro nas mortes entre os jovens eram “inéditos” antes do COVID, de acordo com Briand.

Excesso de mortes por vacinas

Os criminosos “mandatos de vacinas” apoiados pela administração Biden e impostos por empregadores, hospitais e outras instituições estão ligados a um aumento nas mortes. Em setembro, o CDC informou que indivíduos de 65 a 74 anos morreram em maior número do que aqueles com 75 anos ou mais, e que aqueles com 45 a 54 anos morreram em taxas comparáveis ​​​​às com 85 anos ou mais de COVID-19.

“Isso nunca aconteceu antes para mortes por doenças respiratórias, de 1999 a 2019”, disse Briand e é “consistente com a hipótese de mortes por vacina”.

Mais dados, principalmente de grupos como membros das Forças Armadas que foram obrigados a vacinar, corroborariam as evidências. Genevieve Briand acha que as estatísticas do hospital também revelariam uma parte significativa da história. “Se essas vacinas podem levar à morte, certamente podem levar a condições que exigem hospitalização”, disse ela.

“Essa hipótese também pode ser testada ainda mais, analisando os dados de hospitalização relacionados a essas condições documentadas”.

Fonte do texto: greatgameindia

É difícil para as massas entenderem que o Estado é uma mega corporação criminosa que serve apenas aos interesses do Deep State globalista. As principais funções do Estado são mentir, roubar, matar e transferir a riqueza da população para uma pequena elite de parasitas. NADA MATOU MAIS PESSOAS DO QUE O ESTADO.

E é o Estado (controlado por organizações criminosas chamas de “partidos políticos”) que a pessoas acreditam que irá “protegê-las” e dar-lhes “segurança”. O Estado é uma máquina movida a SUBORNO/PROPINA e as tais “autoridades” são especialistas em criar dificuldades para vender facilidades.

E foi acreditando nas mentiras do Estado que milhões de trouxas entregaram suas vidas, aceitando ser cobaias de um experimento farmacêutico genocida que rendeu milhões em SUBORNO/PROPINA para as “autoridades”.

Colaborador de Wuhan, Peter Daszak, exige US $ 1 trilhão para financiar esforços de prevenção de pandemias

O presidente da EcoHealth Alliance, Peter Daszak, que colaborou com o Instituto Wuhan de Virologia usando bolsas de pesquisa patrocinadas pelo “doutor morte” Anthony Fauci, pediu que o “presidente” Joe Biden dedique cerca de US $ 1 trilhão em “prevenção de pandemia” às custas do contribuinte.

Daszak, que nasceu e estudou no Reino Unido, é mais conhecido por seu trabalho no Instituto Wuhan de Virologia com associados do Partido Comunista Chinês e pelo subsequente encobrimento das raízes do COVID-19.

Agora, o cientista desacreditado está solicitando que o contribuinte dos Estados Unidos assuma o custo de se defender contra seu trabalho de manipulação de patógenos “assassinos” , financiando novas “proteções” de aproximadamente um trilhão de dólares nos próximos anos.

O grande pedido foi apresentado em um editorial de opinião recente da revista Fortune e ocorre em meio a um exame contínuo da pesquisa de Daszak em colaboração com o laboratório chinês considerado por muitos como responsável pela pandemia do COVID-19. Na maior cara de pau, Daszak exigiu grandes somas de dinheiro do Tesouro dos EUA para financiar seu estudo de “ prevenção de pandemia ”.

“O governo Biden claramente precisa investir muito mais dinheiro para prevenir e se preparar para outra pandemia (fabricada)”, Daszak e seus três coautores explicam em seu editorial de 11 de abril: “Aqui está o quanto o governo Biden deveria investir em infraestrutura para evitar outra pandemia (fabricada)”.

Daszak sugere uma despesa inicial de US$ 500 bilhões, que seria expandida para US$ 829 bilhões ao longo do tempo com “investimentos anuais para manter a capacidade”:

Sob suposições razoáveis, nossa análise prevê ganhos máximos decorrentes de um investimento inicial de US$ 511 bilhões, seguido por um aumento constante de até US$ 829 bilhões e apoiado por investimentos anuais para manter a capacidade. Os retornos desses investimentos variam entre US$ 9 e US$ 15 em benefícios por dólar investido. Ao todo, nossos investimentos propostos em capacidade poderiam gerar até US$ 10,4 trilhões em danos esperados evitados à sociedade, bem como evitar sofrimento humano imensurável.

“Os EUA devem investir muito mais na capacitação tanto para prevenir pandemias quanto para se adaptar a elas caso ocorram.” Os autores escrevem: “Esses recursos adicionais ajudariam a prevenir a próxima pandemia (fabricada), tornando possível detectar novos surtos precocemente e usar o rastreamento de contatos para direcionar e apressar uma resposta”, ecoando os pontos de discussão da EcoHealth Alliance de Daszak antes do surgimento do COVID-19.

O psicopata que exige um trilhão de dólares dos contribuintes americanos para “combater” uma futura pandemia fabricada por ele e seu comparsa Anthony Fauci, é o mesmo que tentou sufocar as investigações sobre o COVID-19 ter escapado do Instituto Wuhan de Virologia, enquanto trabalhava para a OMS como “investigador”. De acordo com novas divulgações da Vanity Fair, ele foi escolhido para o cargo pelo Partido Comunista Chinês.

Fonte: greatgameindia e https://www.stylourbano.com.br/dados-mostram-que-a-maioria-das-mortes-por-covid-ocorreu-apos-o-lancamento-das-vacinas-seguras-e-eficazes/

Sobre Max Rangel

Servo do Eterno, Casado, Pai de 2 filhas, Analista de Sistemas, Fundador e Colunista do site www.religiaopura.com.br.

Além disso, veja também:

Dr. Lee Merritt: COVID-19 é uma guerra de DNA contra a humanidade

O Dr. Lee Merritt acha que a pandemia do coronavírus Wuhan (COVID-19) é uma guerra …

A 3ª Guerra Mundial usou a Covid e suas vacinas como bioarmas para invasão e dominação da Humanidade

Dr. David Martin: As vacinas COVID são armas biológicas projetadas para o genocídio O Dr. …

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.