Iníco / Denúncias / Líderes da IASD censurados por justificarem casos de aborto em Concílio Anual

Líderes da IASD censurados por justificarem casos de aborto em Concílio Anual

Nesta segunda-feira, o Comitê Executivo da Associação Geral discutiu a adoção de uma nova declaração oficial sobre o aborto. Esta declaração oficial informaria ao mundo e à igreja como os adventistas do sétimo dia entendem a vida. Após alguma discussão, as novas diretrizes sobre o aborto não foram votadas.

Foi recomendado que a declaração sobre o aborto fosse encaminhada a um comitê de redação para revisões. Uma versão atualizada provavelmente será votada nos próximos dias. Embora a nova declaração sobre o aborto seja melhor do que as primeiras diretrizes de aborto adotadas em 1992, uma tentativa de ser “compassivo” está deixando em aberto algumas possíveis exceções ao aborto. Veja a Seção Seis da nova declaração.

Sempre que procuramos exceções ou casos “raros” para violar a lei moral, não fazemos efeito nos mandamentos de Deus. Esse foi o argumento do Dr. Ekkehardt Mueller, do Instituto de Pesquisa Bíblica, um centro de estudos teológicos da Igreja Adventista do Sétimo Dia.

No vídeo acima, o Dr. Mueller expressou muita sabedoria em seu apelo ao Comitê Executivo da Associação Geral. Ele citou o mandamento divino que diz: “Não matarás” e perguntou ao comitê: “Isso é absoluto ou não? E a igreja tem o direito de dizer que podemos matar de qualquer maneira?”

O Dr. Mueller seguiu com algumas perguntas de senso comum que desafiavam o comitê: “A igreja tem o direito de fazer isso? Se o fizermos, não seremos como a Igreja Católica? ”O Dr. Mueller disse que, se permitirmos exceções à lei de Deus, não seríamos diferentes de Roma.

Ele também explicou que os líderes judeus eram especialistas em violar os mandamentos de Deus, fazendo exceções à lei moral. A lei de Deus diz “Honre seu pai e sua mãe”. O Dr. Mueller explicou como os judeus fizeram uma exceção à lei de Deus por meio de “Corban” (Marcos 7: 9-13).

Se os judeus davam sua riqueza à igreja, estavam livres de ter que sustentar seus pais, o que Mueller diz que era uma violação da lei de Deus. A riqueza, é claro, não iria para a igreja até que eles morressem. Isso significava que os judeus eram livres para viver por si mesmos. Foi assim que a lei de Deus foi violada através de “exceções”.

Os adventistas do sétimo dia estão procurando exceções para justificar o aborto. Se você procurar por eles, encontrará alguns. Mas a pergunta que devemos fazer é quem somos para determinar a moralidade? Quem somos nós para determinar qual vida é valiosa e vale a pena salvar e quais não são? ”

Uma coisa é se o bebê morre no útero e outra se terminarmos sua vida prematuramente. Isso é uma violação da lei de Deus. Se os adventistas do sétimo dia quiserem fazer uma declaração sobre a santidade da vida, toda a vida deve ser valiosa, não apenas algumas.

Fonte: http://adventmessenger.org/seventh-day-adventists-wrestle-with-the-abortion-issue-during-annual-council-2019/

Texto original e tradução automática da declaração proposta:

Sobre Max Rangel

Servo do Eterno, Casado com Arlete Vieira, Pai de 2 filhas, Analista de Sistemas, Fundador e Colunista do site www.religiaopura.com.br.

Além disso, veja também:

Como prevenir suicídios entre adolescentes?

Bastaria ensinar a verdade bíblica e banir a pseu-Ciência. Ensinem a seus filhos que Deus …

NOVA ERA NO CRISTIANISMO

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.