Iníco / Ciência de Verdade / Operação Chumbo Grosso: Doutor em Geofísica prova que o Criacionismo bíblico de verdade inclui a Terra plana

Operação Chumbo Grosso: Doutor em Geofísica prova que o Criacionismo bíblico de verdade inclui a Terra plana

Embora, por uma questão de coerência e humildade, peça ajuda a outros terraplanistas mais ligados à interpretação de passagens bíblicas, uma vez que não é teólogo mas Doutor em Geofísica, Afonso de Vasconcelos questiona e refuta os argumentos supostamente bíblicos de Eduardo Lutz. Aliás, Lutz é apenas Físico, mas se posiciona como se fosse um teólogo, especializado em hermenêutica bíblica e especial e exclusivamente autorizado a explicar a Bíblia, esquecendo-se do princípio do livre acesso e interpretação pessoal da Escrituras por todos os crentes, desde a Reforma de Lutero.

Afonso de Vasconcelos percebe e expõe a descrença de Lutz e de Michelson na literalidade plena do relato de Gênesis, a ponto de se referirem à Semana da Criação como “Semana da Terra-Formação”, período em que Deus teria apenas preparado a Terra para ser habitada e não exatamente e, de fato, criada. Classificam o relato de Gênesis como uma narrativa “embelezada”, para ancestrais ignorantes da Humanidade, um poema mitológico na verdade. Afonso ridiculariza o fato de “teólobos” adventistas, como Michelson Borges, interpretarem o texto bíblico como linguagem poética e os textos de Ellen G. White como “científicos”.

Ora, criacionismo é atitude de fé, que se opõe ao “cientificismo”. O criacionismo de Michelson Borges e Eduardo Lutz está muito mais próximo da Ciência e da Evolução do que da Bíblia e da Criação, como demonstra esse gráfico usado por Eugenie C. Scott, em seu livro Evolution vs. Creationism: An Introduction, pág. 64:

Para a pesquisadora Eugenie C. Scott, os terraplanistas são os literalistas bíblicos mais rigorosos. Poucos outros literalistas bíblicos mantêm interpretações tão rigorosas da Bíblia. Para eles, muitas passagens da Bíblia implicam que Deus criou uma Terra com a forma de uma moeda, não de uma bola: plana e redonda nas bordas. A forma de disco (não esférica) da Terra reflete passagens bíblicas referentes ao “círculo” da Terra (Isaías 40:22).

Como a teologia terraplanista exige que a Bíblia seja lida como literalmente verdadeira, os terraplanistas acreditam que a Terra deve ser plana (Schadewald 1991). O inglês responsável pelo renascimento do terraplanismo do século XIX, Samuel Birley Rowbotham, “citou 76 escrituras no último capítulo de sua segunda edição monumental de Earth Not a Globe ” (Schadewald 1987: 27). Muitos deles se referem a “confins da Terra” (Deuteronômio 28:64, 33:17; Salmos 98: 3, 135: 7; Jeremias 25:31) ou “quadrantes” (Apocalipse 20: 8). Para os terraplanistas — e outros literalistas — a Bíblia assume primazia sobre as informações fornecidas pela ciência; assim, porque a geologia moderna, a física, a biologia e a astronomia contradizem uma estrita interpretação bíblica, essas ciências são consideradas errôneas.

Geocentrismo

Os geocentristas aceitam que a Terra é uma esfera, mas negam que o Sol seja o centro do sistema solar. Como os terraplanistas, eles rejeitam praticamente toda a física e astronomia modernas, bem como a biologia. O geocentrismo é um componente um pouco maior, embora ainda insignificante, do antievolucionismo moderno.

Na conferência criacionista da Bible-Science Association, em 1985, o debate na sessão plenária foi entre dois geocentristas e dois heliocentristas (Bible-Science Association 1985). Da mesma forma, em 1985, o secretário da ainda influente Creation Research Society era um geocentrista publicado (Kaufmann, 1985).

Os terraplanistas e os geocentristas refletem em maior ou menor grau a percepção da Terra mantida pelos antigos hebreus, que era a de que era uma estrutura em forma de disco (Figura 2). Eles acreditavam que os céus eram sustentados por uma cúpula ( raqiya ou firmamento) que se arqueava sobre a terra e que a água circundava a terra.

O firmamento foi percebido como uma estrutura sólida, metálica, que pode ser martelada e modelada (como em Jó 37:18: “Você pode, como ele, espalhar os céus, duro como um espelho derretido?” [Todas as citações bíblicas são da Bíblia Revisada, Zondervan, 1981]).

A superfície do firmamento é sólida o suficiente para que Deus possa andar sobre ela (como em Jó 22:14: “Nuvens espessas o envolvem, para que ele não veja, ele caminha no cofre do céu”). O Sol, a Lua e as estrelas estavam ligados ao firmamento, o que significa que esses corpos celestes circulavam a Terra sob o firmamento e, portanto, faziam parte de um universo geocêntrico. Suporte adicional à idéia de um céu sólido e um sistema solar geocêntrico é encontrado em Apocalipse 6: 13-16: “e as estrelas do céu caíram na Terra quando a figueira derrama seus frutos de inverno quando sacudida por um vendaval”.

A Bíblia também fala das águas acima do firmamento. Os hebreus antigos conceberam o firmamento apoiando um reservatório de água que veio à Terra como chuva através das “janelas do céu” e foi a fonte dos quarenta dias e noites de chuva que começaram o dilúvio de Noé.

A geocentricidade antiga e moderna reflete a idéia de que a Terra e suas criaturas — especialmente os humanos — são centrais para Deus. Para simbolizar essa importância, Deus teria feito da Terra o centro do universo. Tirar a Terra dessa posição central reduz sua importância, o que reduz (de acordo com a interpretação deles) o lugar do homem como o elemento mais importante na criação. Embora não esteja apoiando ativamentegeocentrismo, o astrônomo criacionista da jovem Terra, D. Russell Humphreys, promoveu a idéia da centralidade da Terra e dos seres humanos ao afirmar que a Terra está no centro do universo (Humphreys, 2002).

Sua concepção de cosmologia tem a Terra central cercada por galáxias e, finalmente, uma esfera de água com anos-luz de diâmetro (as “águas que estavam acima do firmamento” de Gênesis 1: 7) (Humphreys, 2007; veja a Figura 3 acima).

O próximo grupo de criacionistas é menos biblicamente literalista que os dois anteriores, mas todos os três endossam a doutrina teológica do criacionismo especial, que enfatiza a visão de que Deus criou o universo, a Terra, as plantas e os animais e os seres humanos essencialmente em seu presente formato. A forma mais comum de criacionismo especial sustenta que o evento da criação ocorreu relativamente recentemente e é chamado de criacionismo da Terra jovem.

Criacionismo da Terra Jovem

Poucos defensores do criacionismo da Terra jovem interpretam a Terra plana e as passagens geocêntricas da Bíblia literalmente. Eles aceitam o heliocentrismo, mas rejeitam as conclusões da física moderna, astronomia, química e geologia a respeito da idade da Terra, e negam a descendência biológica com modificações. A Terra, na visão deles, tem entre 6.000 e 10.000 anos. Eles rejeitam a teoria do Big Bang e postulam mecanismos catastróficos como a causa da maioria das características geológicas do mundo. O Dilúvio de Noé, por exemplo, é supostamente responsável por esculpir o Grand Canyon e outras características geológicas.

Os criacionistas da Terra Jovem (CTJs) rejeitam a inferência de que formas de vida anteriores são ancestrais às formas posteriores. Em vez disso, eles abraçam a criação especial de “tipos” separados de plantas e animais, conforme declarado em Gênesis. A definição de tipos é inconsistente entre os CTJs, mas geralmente se refere a um nível taxonômico mais alto do que as espécies. A maioria dos CTJs aceita que Deus criou criaturas possuindo pelo menos a mesma variação genética que ocorre dentro de uma família biológica (por exemplo, a família felinae, a família bovina Bovidae) e, em seguida, ocorreu uma evolução considerável.

O tipo de gato criado teria possuído variabilidade genética suficiente para se diferenciar em leões, tigres, leopardos, pumas, linces e gatos domésticos, através dos processos microevolucionários normais de mutação e recombinação, seleção natural, deriva genética, e especiação. A maioria das ECEs vê os planos corporais básicos dos principais filos que aparecem na explosão cambriana como evidência de criação especial.

O termo criacionista da Terra jovem é freqüentemente associado aos seguidores de Henry Morris, fundador do Institute for Creation Research (ICR) e, sem dúvida, o criacionista mais influente da segunda metade do século XX. Ele e John C. Whitcomb publicaram The Genesis Flood, um trabalho seminal que alegava fornecer uma justificativa científica para o criacionismo da Terra jovem (Whitcomb e Morris 1961). Como o título sugere, os autores lêem Gênesis literalmente, incluindo não apenas a criação especial e separada de seres humanos e todos os outros tipos de plantas e animais, mas também a historicidade do dilúvio de Noé.

Whitcomb e Morris propuseram que há evidências científicas para demonstrar a verdade do criacionismo especial: a Terra é jovem, o universo apareceu essencialmente em sua forma atual há cerca de 10.000 anos atrás, e plantas e animais apareceram em suas formas atuais como tipos criados, em vez de terem evoluído milhões de anos através de ancestrais comuns. Embora tenham sido feitos esforços durante os séculos XVIII e XIX para afirmar que uma interpretação literal da Bíblia é compatível com a ciência, O dilúvio de Gênesis foi o primeiro esforço do século XX para atrair um grande número de seguidores.

Os anti-evolucionistas religiosos foram muito encorajados pelo pensamento de que poderia haver evidências de que a evolução não era apenas objetivamente religiosa, mas também cientificamente defeituosa. A ciência da criação foi aumentada por centenas de livros e panfletos escritos por Morris e aqueles inspirados por ele (McIver 1988).

Conclusão:

Pela tipologia de criacionismos de Eugenie C. Scott traduzidos acima, Michelson Borges, Eduardo Lutz e outros colaboradores do blog “Criacionismo” ultrapassam o limite da criação especial, distanciando-se da fé na Bíblia e se aproximando muito mais da crença na Evolução;

Sobre Max Rangel

Servo do Eterno, Casado com Arlete Vieira, Pai de 2 filhas, Analista de Sistemas, Fundador e Colunista do site www.religiaopura.com.br.

Além disso, veja também:

Bíblia Católica de Jesus: O livro “apócrifo” de Tobias ainda pode ser útil?

 JESUS E OS APÓSTOLOS USAVAM AS ESCRITURAS CATÓLICAS A versão grega dos 70 (LXX) …

Cosmologia bíblica da Terra plana, a palestra da Flat Con que Michelson Borges quer esconder

Apesar das críticas de alguns, incluindo o doutor em geofísica Afonso de Vasconcelos, a primeira …

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.