Iníco / Ecumenismo / Pandemia Eterna: “Temei ao vírus e dai-lhe glória, porque vinda é a hora da sua crise. Adorai a Ciência, que vos dará a vacina e o remédio…”

Pandemia Eterna: “Temei ao vírus e dai-lhe glória, porque vinda é a hora da sua crise. Adorai a Ciência, que vos dará a vacina e o remédio…”

O “novo normal” não tem data para acabar

Reportagem de Duda Teixeira na revista Crusoé mostra que, sem vacina e com a maior parte da população mundial exposta aos riscos do novo coronavírus, a solução será estabelecer um “novo normal” e conviver com a Covid-19 por muito tempo.

“A máscara se tornará uma peça do nosso vestuário e poderemos ter até marcas de roupas produzindo seus modelos”, diz o infectologista José David Urbaez, da Sociedade Brasileira de Infectologia. “Nossos netos provavelmente vão se surpreender quando descobrirem que nós cumprimentávamos os outros com apertos de mão.”

Fonte: https://www.oantagonista.com/mundo/o-novo-normal-nao-tem-data-para-acabar/

Veja também:

Até quando vai a pandemia?

Sem vacina e com a maior parte da população mundial exposta aos riscos do coronavírus, a solução será estabelecer um “novo normal” e conviver com a Covid-19

15.05.20

DUDA TEIXEIRA

Diversos laboratórios tentaram desenvolver uma vacina para barrar as mortes provocadas pela gripe espanhola, em 1918. Havia pouca colaboração entre eles e, de vez em quando, surgiam discussões sobre qual era exatamente o agente a ser combatido. Nenhuma tentativa prosperou.

“Nunca mais me diga que a ciência médica está a ponto de vencer essa doença”, disse para um colega o médico Victor Vaughan, reitor da Universidade de Michigan, nos Estados Unidos. Aterrorizada com as mortes, a sociedade quase bania os infectados. Famílias isoladas morreram de fome porque ninguém lhes entregava comida. Enfermeiras se recusavam a atender chamados de urgência.

“Se a atual taxa de aceleração continuar por mais algumas semanas, a civilização poderá desaparecer facilmente da face da Terra”, disse Vaughan na ocasião.

Em outubro de 1918, os números começaram a entrar em proporções administráveis na Costa Leste dos Estados Unidos. Nos dois anos seguintes, a gripe retornou em novas ondas pelo mundo. Entre 50 milhões e 100 milhões de pessoas perderam suas vidas. O fim não foi decretado por um governante ou por alguma organização internacional. Na prática, a gripe espanhola acabou quando as mortes caíram para quase zero nos diversos lugares por onde ela grassou.

“Em cada comunidade, a gripe espanhola durou entre seis e dez semanas. Depois, desapareceu. Em geral, a normalidade relativa voltou muito rapidamente”, diz o historiador John Barry, autor do livro A Grande Gripe. As pessoas que foram infectadas mais tarde contraíram uma forma mais branda da doença. Isso porque o vírus da influenza, seu causador, tornou-se menos agressivo ao passar por várias mutações.

Para a pandemia do novo coronavírus, não será possível pontuar um término tão rápido e claro. O vírus muda mais lentamente que o da influenza, o que faz com que ele preserve seu potencial letal. Uma vacina não estará disponível antes de um ano e meio. Além disso, a restrição à circulação de pessoas, ao mesmo tempo que evitou milhões de mortes, também impediu que a população se tornasse resistente ao vírus. Qualquer medida governamental descuidada para afrouxar o isolamento pode redundar em um aumento vertiginoso dos óbitos em algumas semanas.

Cruz Vermelha Gripe espanhola, na Inglaterra: após algumas semanas, a doença desaparecia

A preocupação com uma nova onda de contaminações e mortes é hoje um tema central na agenda dos governos que estão abrandando as regras de distanciamento social. Dos 50 estados americanos, 32 já anunciaram medidas para reativar a economia. “Há um risco real de um novo surto acontecer e sair do controle”, disse o imunologista Anthony Fauci, da força-tarefa montada pela Casa Branca para conduzir a crise.

Países europeus, como Espanha, Itália e França, que tiveram picos de 1 mil mortes por dia no final de março e início de abril, registraram quedas bruscas no número de casos para menos de 200 por dia. Todos eles já tomaram medidas para voltar à normalidade. Na França, um em cada quatro estudantes do ensino fundamental já foi autorizado a retornar para escola.

Na Espanha, metade das cidades já permite a reabertura de lojas e hotéis. A Itália deve autorizar o mesmo para salões de beleza e restaurantes na próxima semana.

Em todos esses países, a pandemia de Covid-19 caminha para ter um “fim social” antes de ter um “fim médico”. Sem que se encontre uma vacina, um remédio ou que o número de mortes caia naturalmente — fatores que poderiam levar à decretação do fim da epidemia do ponto de vista médico —, os países que já atravessaram o pico da doença vão aos poucos retornando à normalidade, mesmo que relativa.

Como o vírus não dá nenhum sinal de que irá desaparecer, a alternativa é virar a página estabelecendo o “fim social” da epidemia. Para dar esse passo, porém, é preciso em primeiro lugar vencer a fase aguda da propagação. Ou seja, uma queda expressiva no número de novas infecções e de mortes por Covid-19. Nos países em que as estatísticas mostram que a situação parece fora de controle, como o Brasil, a virada parece distante.

As lições dos outros países tendem a ser bastante úteis para quem, como nós, está no meio do caminho. Uma delas é crucial: será preciso aprender a lidar com a ameaça do vírus por muito tempo. As pessoas terão de se adaptar a um “novo normal”. Assim como nossos antepassados aprenderam no século 19 que lavar as mãos ajudava a evitar doenças, talvez o uso de máscaras passe a ser uma prática necessária por um bom tempo ainda.

“A máscara se tornará uma peça do nosso vestuário e poderemos ter até marcas de roupas produzindo seus modelos”, diz o infectologista José David Urbaez, da Sociedade Brasileira de Infectologia. “Nossos netos provavelmente vão se surpreender quando descobrirem que nós cumprimentávamos os outros com apertos de mão.”

Hoje, uma tosse dentro de um supermercado, por exemplo, é imediatamente notada por todos em volta. Com o tempo, o esperado é que o nível de alerta seja reduzido. As pessoas terão mais confiança nas medidas que foram tomadas por elas próprias, pelo comércio e pelos governos.

A distância entre o “fim social” e o “fim médico” nas últimas pandemias não foi tão grande como parece que será agora, com o novo coronavírus. Depois de causar a gripe espanhola, o vírus da influenza voltou a causar epidemias de proporções globais em 1957, 1968 e 2009. Em todas elas, o desenvolvimento dos leitos de cuidados intensivos, após a II Guerra, diminuiu o número de mortos. Na pandemia de 1968, que ficou conhecida como gripe de Hong Kong, pesquisadores conseguiram desenvolver uma vacina depois que a pandemia atingiu seu pico. O total de óbitos, ainda assim, foi alto: entre 1 milhão e 4 milhões no mundo.

Organização Mundial da Saúde O coronavírus encontrou uma população sem vacina e sem remédio

A pandemia seguinte de influenza, em 2009, foi bem menos cruel. Os idosos, que já tinham sido infectados nos surtos anteriores, demostraram maior resistência quando a doença ressurgiu. O antiviral oseltamivir, conhecido comercialmente como Tamiflu, foi usado com sucesso.

A Organização Mundial de Saúde já tinha assumido seu papel de decretar o início e o fim das pandemias. O trabalho — quando bem feito — serve para ajudar os demais países a enfrentar as crises e entender sua natureza. Também foi mais fácil finalizar uma vacina, utilizando o conhecimento acumulado. A vacina começou a ser aplicada em novembro daquele mesmo ano. Em agosto do ano seguinte, a OMS declarou o fim da pandemia. No total, foram 20 mil óbitos ao longo de 16 meses.

O novo coronavírus é bem mais truculento que o vírus da influenza e, por isso, torna os prazos menos previsíveis. Em apenas cinco meses, ele já ceifou mais de 300 mil vidas. A primeira epidemia de um coronavírus foi a da Síndrome Respiratória Aguda Grave (SARS, na sigla em inglês). A doença surgiu no final de 2002 na província de Guangdong, na China. Era caracterizada por febre persistente, dor de cabeça e uma tosse seca, levando a uma grande dificuldade para respirar. Em março de 2003, quando já infectava milhares de pessoas em Hong Kong, a SARS foi considerada uma ameaça mundial pela OMS. Como o seu coronavírus era extremamente agressivo, muitos infectados morreram antes de comprometer outras pessoas. Isso limitou muito a sua capacidade de fazer novas vítimas. Cerca de vinte países registraram casos, mas a maior parte dos 800 mortos eram da China e de Hong Kong. Muitos eram profissionais de saúde, que foram infectados quando a doença ainda não tinha sido identificada. Em junho, o contágio já tinha sido controlado. Hoje, a SARS não existe mais, de tão implacável que foi com suas vítimas.

A segunda epidemia de coronavírus foi a Síndrome Respiratória do Oriente Médio (MERS, na sigla em inglês). Ela foi identificada pela primeira vez na Arábia Saudita, em 2012. Também provocava tosse, febre e dificuldade de respiração. O vírus, contudo, não passava de uma pessoa para outra com facilidade. Até janeiro deste ano, a MERS causou 2,5 mil mortes, a maioria delas na Arábia Saudita, onde surgiu.

Nas duas epidemias anteriores de coronavírus, não foram desenvolvidas vacinas e os antivirais que foram testados não surtiram efeito. Por causa disso, o novo coronavírus, quando surgiu em dezembro em Wuhan, na China, encontrou um mundo completamente indefeso: sem vacinas, sem remédios e com pessoas que não dispõem de anticorpos para enfrentá-lo. O novo coronavírus também tem uma habilidade muito maior que as dos seus antecessores para se alastrar. Seu período de incubação, de vários dias, faz com que possa afetar grandes populações sem que suas vítimas apresentem sintomas. Com tais predicados, em três meses, ele alcançou mais de duzentos países.

Para que o “fim médico” da Covid-19 ocorra, será necessário criar uma condição imunológica capaz de neutralizar o seu agente — a propalada imunidade de rebanho. “Uma pandemia só pode acabar quando o vírus parar de circular. Para isso, é preciso que haja poucas pessoas que possam ser contaminadas”, diz o infectologista australiano Peter Doherty, da Universidade de Melbourne, na Austrália, vencedor do Nobel em 1996. Considerando que uma pessoa contamina outras 2,5, em média, então será necessário que 60% da população tenha sido infectada para conter a circulação do vírus.

Doherty é mais drástico: “Se, como eu acredito, o vírus passa para outros 4,5, então será necessário chegar a 90% da população.” O percurso até lá deverá ser longo, se é que terá um fim. Na Espanha, apenas 5% da população foi contaminada. Na Itália, 4,4%. No Reino Unido, 3,8%. Na Alemanha, 0,7%. No Brasil, um estudo feito pela Universidade Federal de Pelotas encontrou uma prevalência de 0,22% no Rio Grande do Sul.

A imunidade de rebanho encontra um obstáculo no fato de a Covid-19 levar muita gente para o hospital ao mesmo tempo e por muito tempo. Ela ataca principalmente os sistemas de saúde, provocando o seu colapso. Sem uma vacina ou sem remédios específicos, os países não contarão com outra opção além de aprender a conviver com o novo coronavírus. No curto prazo, ele terá apenas um “fim social”.

Fonte: https://crusoe.com.br/edicoes/107/ate-quando-vai-a-pandemia/

Sobre Max Rangel

Servo do Eterno, Casado, Pai de 2 filhas, Analista de Sistemas, Fundador e Colunista do site www.religiaopura.com.br.

Além disso, veja também:

Vacinação compulsória que altera geneticamente o corpo humano… Já não somos “seres humanos”? Era Tecnotrônica e Eugenia, a teoria da conspiração mais real do que se imagina.

Os “guardiões do portal” da chamada pandemia do Corona nos forçarão as vacinas, sem as …

A estranha fixação de João Dória pelo número 666, salas pintadas de preto e o apoio do Anticristo chinês

O geofísico Afonso de Vasconcelos percebeu uma incrível fixação do atual governador do Estado de …

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.