Amálgama: O pior pecado da História humana está se repetindo e provocando a ira de Deus

“E, como foi nos dias de Noé, assim será também a vinda do Filho do homem.” Mateus 24:37

“Satanás… estudou os segredos dos laboratórios da natureza.” — Ellen White, O Grande Conflito, p. 589-590.

“Mas se há um pecado acima de todo outro que atraiu a destruição da raça pelo dilúvio, foi o aviltante crime de amálgama de homem e besta que deturpou a imagem de Deus e causou confusão por toda parte.” — Spiritual Gifts, Vol. 3, pg.64, 1864

“Toda espécie de animal que Deus criou foi preservada na arca. As espécies confusas que Deus não criara, resultantes da amálgama, foram destruídas pelo dilúvio.” — Spiritual Gifts, Vol. 3, pg. 75, 1864

PROIBIDO PELA LEI DA TORÁ

Na lei da Torá, tal criatura levanta questões Halachic (lei da Torá). O aborto humano é, obviamente, proibido pela Torá, embora o aborto animal não seja. As novas espécies criadas nesta pesquisa eram geneticamente semelhantes aos humanos e acabar com o desenvolvimento dos fetos pode ser proibido.

Rabino Moshe Avraham Halperin do Machon Mada’i Technology Al Pi Halacha (o Instituto de Ciência e Tecnologia de acordo com a Lei Judaica) afirmou em resposta ao relatório que há diretrizes claras da Torá para esta nova tecnologia. Rabino Halperin referiu-se à lei bíblica a respeito da mistura de espécies.

Não permitirás que teu gado gere com outra espécie; não semearás o teu campo com semente amassada; nem sobre ti virá sobre ti vestimenta misturada de linho e lã. Levítico 19:19

“É proibido criar uma criatura que seja uma mistura de espécies, mas enquanto eles não estiverem produzindo uma nova criatura que tenha uma forma diferente, isso é permitido”, Rabino Halperin disse ao Israel365 News .

No entanto, ele observou: “Melhorar as espécies, mesmo a raça humana, não é proibido pela lei judaica. Mudar a cor da pele ou do cabelo é permitido, ainda mais quando se trata de remover doenças genéticas. Mas o processo certamente precisa de supervisão ”.

“PLANETA DOS MACACOS”

Outra preocupação ética é que a quimera resultante possa produzir espermatozoides ou óvulos humanos. Esta também é uma possibilidade que os pesquisadores gostariam de investigar, pois pode ser útil para estudar o desenvolvimento humano e a infertilidade.

“Ninguém realmente quer macacos andando por aí com óvulos humanos e espermatozóides humanos dentro deles”, disse Hank Greely , bioeticista da Universidade de Stanford que co-escreveu um artigo na mesma edição da revista que critica a linha de pesquisa enquanto observa que este estudo em particular foi feito eticamente. “Porque se um macaco com espermatozóide humano encontra um macaco com óvulos humanos, ninguém quer um embrião humano dentro do útero de um macaco.”

“Eu não acho que estamos no limite além do Planeta dos Macacos. Acho que cientistas desonestos são poucos e distantes entre si. Mas eles não são zero ”, disse Greely. “Portanto, acho que é o momento apropriado para começarmos a pensar: ‘Devemos deixar isso ir além de uma placa de Petri?’ “

NEPHILIM: PECADO SEXUAL DE MISTURAR ESPÉCIES

A mistura de espécies é descrita na Bíblia de uma maneira perturbadoramente semelhante ao experimento que mistura material genético humano com fetos de macaco em desenvolvimento. Em Gênesis, “seres divinos” e, mais tarde, Nephilim cruzaram com mulheres humanas . O resultado foi tão abominável para Deus que ele limitou severamente o tempo de vida dos homens.

Os seres divinos viram quão belas eram as filhas dos homens e tomaram esposas entre as que lhes agradavam. Hashem disse: “Minha respiração não permanecerá no homem para sempre, visto que ele também é carne; que os dias permitidos sejam cento e vinte anos. ” Foi então, e mais tarde também, que os Nephilim apareceram na terra – quando os seres divinos coabitaram com as filhas dos homens, que lhes deram descendência. Eles foram os heróis da antiguidade, os homens de renome. Gênesis 6: 2-4

Logo depois disso, os homens se tornaram maus e Deus decidiu trazer um dilúvio para destruir toda a vida. De acordo com a tradição judaica, os animais foram mortos por serem igualmente culpados por fazerem parte dos pecados sexuais do homem. Pode ser que, além do pecado da bestialidade ser baseado no ato sexual, a mistura do material genético de duas espécies também seja proibida.

Esta conexão entre o pecado sexual e a mistura de espécies, animal e homem, bem como homem e seres quase divinos, foi observada pelo Rabino Yosef Berger , rabino da Tumba do Rei David no Monte Sião. O rabino Berger explicou que o versículo que proíbe a mistura de raças de animais precede diretamente uma seção da Torá que trata da impropriedade sexual.

E todo aquele que se deitar carnalmente com uma mulher, que seja escrava, desposada com um marido, e de forma alguma redimida, nem liberdade concedida a ela; ela será açoitada; eles não serão mortos, porque ela não era livre. Levítico 19:20

O rabino explicou a conexão entre os dois mandamentos distintos.

“Isso também se expressa no pecado da geração de Noé, que, de acordo com a tradição judaica, era a mistura proibida de animais e homens”, disse o rabino Berger ao Israel365 News , citando Gênesis.

Hashem disse: ‘Vou apagar o homem que criei da face da terra; tanto homem como animal, e coisa rastejante, e ave do ar; pois Me arrependo de tê-los feito. ‘ Gênesis 6: 7

“ A geração de Noé pecou sexualmente, mas isso se expressou na mistura de espécies”, explicou ele.

“Este pecado sexual pode impedir a vinda da era messiânica, pois a conexão entre o homem e a mulher é uma parte sagrada do processo de trazer a geula (redenção). Esta é a base da exigência de ser fecundo e multiplicar: trazer Mashiach (Messias). ”

ESPALHANDO VÍRUS

Outra preocupação séria é que o uso de órgãos de animais para transplantes pode levar à propagação de vírus de animais para humanos. A possibilidade de vírus transespécies foi especialmente preocupante porque os pesquisadores da Califórnia cooperaram com pesquisadores chineses da Universidade de Ciência e Tecnologia de Kunming, em Yunnan. O novo estudo foi possível no ano passado, quando a equipe chinesa da Universidade de Kunming desenvolveu uma tecnologia que permitiu que embriões de macaco permanecessem vivos e crescessem fora do corpo por um longo período de tempo.

Essas preocupações levaram a pesquisas combinando células-tronco humanas para criar embriões animais que são parcialmente humanos. Essa moratória foi suspensa em 2016.

A Dra. Anna Smajdor, conferencista e pesquisadora em ética biomédica na Escola de Medicina de Norwich da University of East Anglia, disse que isso representa “desafios éticos e legais significativos”.

“Os cientistas por trás dessa pesquisa afirmam que esses embriões quiméricos oferecem novas oportunidades, porque ‘não somos capazes de conduzir certos tipos de experimentos em humanos’”, disse Smajdor à BBC. “Mas se esses embriões são humanos ou não é uma questão em aberto”.

O prof. Julian Savulescu, diretor do Oxford Uehiro Center for Practical Ethics e codiretor do Wellcome Center for Ethics and Humanities da Universidade de Oxford, disse que a pesquisa “abre a caixa de Pandora para quimeras humano-não-humanas”.

“Esses embriões foram destruídos em 20 dias de desenvolvimento, mas é apenas uma questão de tempo até que as quimeras humano-não-humanas sejam desenvolvidas com sucesso, talvez como uma fonte de órgãos para humanos”, disse Savulescu à BBC . “Esse é um dos objetivos de longo prazo desta pesquisa.”

Fonte: https://www.israel365news.com/189450/experiment-creates-planet-of-the-apes-embryos-rabbi-calls-it-the-sexual-sin-of-the-nephilim/

Fonte: https://www.revistasaberesaude.com/cientistas-criam-embrioes-primitivos-que-sao-parte-humano-e-parte-macaco/

Cientistas criam 132 embriões com uma combinação entre macaco e humano na China

Três das quimeras, de apenas 10.000 células, chegaram a se desenvolver 19 dias fora do útero

Embrião com células de macaco e de humano gerado pela equipe de Juan Carlos Izpisua. WEIZHI JI, UNIVERSIDAD DE CIENCIA Y TECNOLOGÍA DE KUNMING

MANUEL ANSEDE

A equipe do cientista espanhol Juan Carlos Izpisua criou 132 embriões com uma mistura de células de macaco e humanas em um laboratório na China, em uma polêmica experiência revelada pelo EL PAÍS em julho de 2019 e divulgada oficialmente com detalhes nesta quinta-feira. Três desses embriões —simples bolinhas de até 10.000 células— chegaram a crescer durante 19 dias fora do útero, momento em que os pesquisadores interromperam o estudo, financiado parcialmente pela Universidade Católica San Antonio de Murcia. A comunidade científica chama essas estruturas de quimeras, em referência aos monstros com cabeça de leão, corpo de cabra e cauda de dragão da mitologia grega.

A revista especializada Cellque publicou os resultados, ilustrou o anúncio com uma alegoria de A Criação de Adão, afresco de Michelangelo na Capela Sistina em que a mão do deus bíblico dá vida ao primeiro homem da tradição cristã. No novo desenho, uma mão de macaco e uma mão humana parecem insuflar energia a um embrião misto.

Izpisua (Hellín, província de Albacete, 61 anos) enfatiza, no entanto, que seu verdadeiro objetivo é a criação de quimeras de porco e humano, com o objetivo final de gerar órgãos humanos no gado porcino. A Organização Mundial da Saúde estima que são feitos cerca de 130.000 transplantes por ano no planeta, menos de 10% dos necessários. O pesquisador argumenta que “a cada ano dezenas de milhares de pacientes morrem na lista de espera por um órgão”. Esses novos órgãos ajudariam a equacionar o problema.

O grupo de Izpisua —do Instituto Salk, em La Jolla (Estados Unidos)— já tinha anunciado em 2017 a criação de quimeras rudimentares de porco e humano, nas quais havia apenas uma célula humana para cada 100.000 suínas. Para entender esse fracasso, atribuído aos 90 milhões de anos de evolução que separam esses animais e as pessoas, o pesquisador espanhol decidiu tentar com duas espécies muito mais próximas: os macacos e os humanos.

Os pesquisadores utilizaram óvulos de uma dúzia de fêmeas de macaco caranguejo (um tipo de macaco), fecundaram-nos com espermatozoides da mesma espécie e, depois de seis dias de cultivo em laboratório, obtiveram 132 minúsculos embriões, cada um contendo 110 células animais. A equipe adicionou 25 células humanas a essas estruturas, previamente reprogramadas com um coquetel químico para poderem se transformar em qualquer tipo de célula: pele, músculo, fígado, coração. O resultado, 19 dias depois da fecundação, é uma bolinha mista de 10.000 células, com uma porcentagem humana de no máximo 7%. A experiência foi realizada no Laboratório de Pesquisa Biomédica de Primatas de Yunnan, uma instalação com milhares de macacos na cidade chinesa de Kunming.

E não está isenta de críticas. A bióloga britânica Christine Mummery, presidenta da Sociedade Internacional de Pesquisa em Células-Tronco, alerta que as quimeras de humanos e animais “estão ultrapassando os limites éticos e científicos estabelecidos”. Sua organização divulgará novas diretrizes em maio para tentar garantir a integridade desse tipo de pesquisa. Mummery, do ponto de vista pessoal, duvida dos argumentos oferecidos por Izpisua para defender seus ensaios: “O resultado dos experimentos é interessante, mas justificar sua realização no contexto da medicina regenerativa para gerar órgãos humanos em animais para transplantes me parece um objetivo muito distante”, aponta a bióloga, da Universidade de Leiden (Holanda). Em sua opinião, havia alternativas “eticamente mais aceitáveis” do que o uso de embriões de macaco, como a utilização de animais evolutivamente mais distantes dos humanos.

O jurista Federico de Montalvo, presidente do Comitê de Bioética da Espanha, questiona por que os experimentos foram feitos na China: “É porque são cientificamente mais avançados ou é porque são eticamente mais relaxados?”. De Montalvo está preocupado com o possível uso duplo desses avanços científicos. “O objetivo atual é digno de aplauso, mas talvez devêssemos pensar também se pode ser usado para outros fins, como criar uma espécie de sujeito intermediário. O risco é abrir um caminho que outras pessoas possam percorrer”, reflete o especialista, que dirige o mais alto órgão consultivo do Governo espanhol no campo da ética científica.

Em meados da década de vinte do século passado, o zoólogo russo Ilia Ivanov, apoiado pelas autoridades soviéticas da época, se propôs a obter híbridos de chimpanzés e humanos por meio de inseminação artificial das fêmeas. Ivanov chegou a viajar para a África Ocidental, onde hoje é a Guiné Conakri, com a intenção de capturar macacos para suas experiências, mas estas não deram nenhum resultado.

A ideia de uma criatura meio humana meio animal era ficção científica há um século e continua sendo, mas em algum momento no futuro talvez deixe de sê-lo. Izpisua insiste: “Não sabemos se embriões de macaco com células humanas seriam biologicamente viáveis, entretanto nosso objetivo na pesquisa de quimeras não é desenvolver novos organismos, mas compreender melhor o desenvolvimento humano para obter tratamentos para as doenças”.

A equipe do biólogo francês Pierre Savatier publicou há três meses uma tentativa de criar embriões quiméricos de macaco e humano em seu laboratório na Universidade de Lyon. Os pesquisadores conseguiram um máximo de 10 células humanas em estruturas embrionárias de macacos com um total de 250 células e sete dias de desenvolvimento, segundo explica o bioquímico espanhol Manuel Serrano, que participou do trabalho. Izpisua usou um coquetel químico diferente para induzir um estado especial nas células humanas que implantou em embriões de macaco. Assim conseguiu embriões de 19 dias com cerca de 7% de material genético humano. “Suas células funcionam espetacularmente bem”, afirma Serrano, do Instituto de Pesquisas Biomédicas de Barcelona. “A realidade é que Izpisua está rompendo barreiras. Não teremos órgãos humanos crescidos em animais amanhã, mas a ciência é assim. Estamos aprendendo”, acrescenta.

A bióloga polonesa Magdalena Zernicka-Goetz também acredita que o novo trabalho é “uma demonstração impressionante” da capacidade das células humanas de se integrarem em um embrião de macaco, mas alerta para a dificuldade de controlar para onde vão essas sementes humanas, que podem acabar em um órgão não desejado. Izpisua defende que já existem tecnologias para impedir a formação de neurônios humanos no cérebro animal. “No caso hipotético de conseguirmos gerar um porco vivo com células humanas, poderíamos impedir esses cenários”, afirma o espanhol. Zernicka-Goetz, da Universidade de Cambridge (Reino Unido), faz um chamamento à sociedade para que discuta “as implicações éticas” dessas experiências.

O cientista chinês Ji Weizhi, coautor principal do estudo, e o espanhol Juan Carlos Izpisua.
O cientista chinês Ji Weizhi, coautor principal do estudo, e o espanhol Juan Carlos Izpisua. INSTITUTO SALK

O biólogo espanhol Alfonso Martínez Arias afirma que “não era necessário abrir esta caixa de Pandora”. Seu grupo na Universidade de Cambridge produziu no ano passado, a partir de células embrionárias cultivadas em laboratório, estruturas semelhantes a um embrião humano de cerca de 20 dias sem a semente que daria origem ao cérebro. O pesquisador acredita que esses pseudoembriões de laboratório são uma alternativa às quimeras de macaco para estudar o desenvolvimento dos órgãos humanos.

Martínez Arias, que ingressou recentemente na Universidade Pompeu Fabra, de Barcelona, é muito crítico em relação às experiências de Izpisua na China, “de ética duvidosa” e “baixa qualidade técnica”. “Acredito que não demonstrou a viabilidade dessas quimeras”, diz o biólogo. “Esse tipo de experimento pode gerar temores injustificados na sociedade e colocar em risco o trabalho de outros cientistas que estão tentando criar um marco ético e legal para pesquisas relacionadas”, acrescenta Martínez Arias.

O jurista e médico Carlos Romeo, porém, não vê “nenhum problema” nessa fase da pesquisa, desde que os embriões não sejam implantados em um útero ou cultivados em laboratório por muito tempo. “Não tenho nenhuma objeção ética e não há base alguma para que estes experimentos sejam perseguidos judicialmente”, esclarece Romeo, o único membro espanhol do comitê de ética científica que assessora a presidenta da Comissão Europeia, a alemã Ursula von der Leyen.

Romeo, professor de Direito Penal da Universidade do País Basco, lembra que na década de setenta foi desenvolvido o chamado teste do hamster, para avaliar a fertilidade masculina, em que os espermatozoides humanos penetravam em óvulos de hamster. “Um animal era fecundado e ninguém se escandalizava”, enfatiza o jurista.

Fonte: https://brasil.elpais.com/ciencia/2021-04-15/cientistas-criam-132-embrioes-com-uma-combinacao-entre-macaco-e-humano-na-china.html

Cientistas criam primeiro embrião de macaco-humano em laboratório

Luciana Penante — via nexperts

Um grupo de pesquisa da China anunciou em 15 de abril na revista científica Cell que conseguiu desenvolver em laboratório embriões híbridos de macaco e humano. Durante o experimento, os embriões cresceram e se multiplicaram, sobrevivendo por até 19 dias em cultura. É a primeira vez que as células das duas espécies se comunicam com sucesso, gerando uma quimera (denominação para o ser criado a partir de dois animais). O estudo está dividindo a comunidade científica a respeito dos limites éticos envolvendo uma combinação de seres tão próximos na cadeia evolutiva e as possíveis consequências disso.

Entenda o experimento

Durante a pesquisa, foram fertilizados óvulos extraídos de macaco cinomolgo (Macaca fascicularis). Seis dias após a fertilização, 132 embriões receberam células-tronco pluripotentes humanas, capazes de se desenvolverem como uma infinidade de células dentro e fora dos embriões. As células híbridas cresceram e se dividiram, como é esperado no desenvolvimento embrionário, porém cada indivíduo resultou combinações únicas entre células de humano e de macaco.

Durante o estudo, os embriões se deterioraram em níveis variáveis: 11 dias após a fertilização, 91 estavam vivos; no 17º dia, 12 sobreviveram; e apenas 3 chegaram ao 19º dia após a fertilização.

Para que criar um “homem-macaco”?

Os pesquisadores envolvidos no experimento acreditam que alguns híbridos de humanos e animais possam ser boas cobaias para testes de drogas e usados para o crescimento de órgãos para transplante. Desde 2017, a equipe vem trabalhando com híbridos e já testou porcos com células humanas, vacas com células humanas e ratos com células de camundongo. Em 2019, o mesmo time de cientistas conseguiu manter um embrião de macaco crescendo em laboratório por 20 dias após a fertilização.

O time também tentou fazer um híbrido de rato e humano, mas até o momento não teve sucesso. Os envolvidos suspeitam que a dificuldade ocorre devido à distância de ambos na cadeia evolutiva, o que pode fazer que as células das duas espécies tenham mecanismos diferentes para se comunicar.

O último trabalho, no entanto, vem dividindo cientistas e biólogos: alguns questionam a necessidade dos experimentos usando primatas próximos a humanos, porque esses animais não costumam ser utilizados em pesquisas como modelos, já que o mais usual são ratos e camundongos. Há também o receio de que esse tipo de pesquisa possa chocar a opinião pública, uma vez que células nervosas humanas podem interferir na capacidade mental da quimera, embora no estágio embrionário não exista consciência.

Assunto delicado

Em entrevista à revista Nature, Juan Carlos Izpisua Belmonte, cientista envolvido na pesquisa, afirma que não há qualquer intenção de implantar o embrião híbrido em macacos; a ideia da pesquisa é somente observar o desenvolvimento do embrião in vitro e verificar como células de diferentes espécies interagem durante a fase inicial de crescimento.

Para a bióloga Magdalena Zernicka-Goetz, do Instituto de Tecnologia da Califórnia (EUA), o estudo ainda tem muito a avançar, uma vez que as células-tronco humanas conseguem se incorporar quando são introduzidas no blastocisto do macaco, mas ainda não é possível controlar quais delas serão desenvolvidas nesses tecidos — um passo essencial antes que esses modelos possam ser usados.

Como o mundo vê as quimeras

Estados Unidos, Reino Unido e Japão já limitaram as pesquisas com quimeras envolvendo células humanas. O estudo mencionado neste texto foi financiado pelo governo chinês em parceria com uma universidade espanhola e uma fundação americana.

Em maio de 2021, a Sociedade Internacional para Pesquisas com Células-Tronco (ISSCR) deverá publicar novas regras para estudos com células-tronco que devem envolver as quimeras, pois há um comitê da instituição especificamente para discuti-las atualmente.

Fonte: https://www.tecmundo.com.br/ciencia/215671-cientistas-criam-primeiro-embriao-macaco-humano-laboratorio.htm

Sobre Max Rangel

Servo do Eterno, Casado, Pai de 2 filhas, Analista de Sistemas, Fundador e Colunista do site www.religiaopura.com.br.

Além disso, veja também:

METAVERSO a era final Apocalipse 13 – A imagem da besta com fôlego de vida será criada em breve

Tudo que EGW nunca soube (ou escondeu) sobre a história dos Estados Unidos

Especialmente no livro O Grande Conflito, Ellen G. White se refere aos Estados Unidos como …

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.