Iníco / Ellen White / Conheça o pastor que foi tão discriminado que fundou uma Igreja Adventista Só para Negros

Conheça o pastor que foi tão discriminado que fundou uma Igreja Adventista Só para Negros

Segundo o registro oficial da IASD, James Kemuel Humphrey nasceu na província de St. Elizabeth, Jamaica, em 7 de março de 1877. Frequentou a escola primária na paróquia e formou-se no Colbert College, onde se destacou como aluno excepcional e orador eloqüente. Em 19 de dezembro de 1900, ele se casou com Viola Anderson, de Kingston, Jamaica, embarcando logo em seguida em uma carreira como ministro batista.

Sempre dolorosamente consciente do sofrimento das pessoas de ascendência africana no “Novo Mundo”, Humphrey deixou a Jamaica em 1901 para visitar a África. A caminho de lá, ele parou em Nova York, onde foi convertido ao adventismo por um leigo adventista do sétimo dia chamado JH Carroll. Um ex-católico, Carroll havia sido ganho para o adventismo por Stephen Haskell, um pioneiro adventista, e estava facilitando reuniões em casa no Brooklyn, Nova York, quando Humphrey entrou em um dia. O encontro alterou os planos de Humphrey e mudou sua vida. Atingido pela simplicidade e lógica do que ouviu, Humphrey se juntou à igreja adventista do sétimo dia, afastando-se do ministério batista, em si um passo significativo. Ele abortou sua viagem à África, decidindo permanecer em Nova York, onde sua esposa se juntou a ele no ano seguinte.

Em 1903, Humphrey, e não Carroll, foi escolhido para liderar o pequeno grupo de adventistas que havia surgido dos trabalhos de Carroll, um testemunho das extraordinárias habilidades organizacionais e de liderança de Humphrey. Um músico talentoso e estudioso de renome, Humphrey tinha carisma inato, uma qualidade que contribuiu de forma não pequena para o efeito quase hipnótico que sua presença e palavras tinham sobre as pessoas. Humphrey tinha mais de 1,80m e era magro a vida toda. Sua estrutura flexível, no entanto, não era sua característica mais marcante, mas a maneira como ele crescia e penteava seus cabelos. Separado à esquerda e amontoado à direita, o cabelo de Humphrey estava branco como a neve de seus quarenta e tantos anos, o que exercia uma atração um tanto mística sobre as pessoas.

Quando Humphrey assumiu a liderança do grupo de Carroll em 1903, consistia em dez pessoas. No ano seguinte, Humphrey começou a trabalhar como ministro licenciado da Associação dos Adventistas do Sétimo Dia da Grande Nova York, e foi ordenado como ministro adventista do sétimo dia em 1907. Naquele ano, ele foi convidado para servir no Executivo. Comité da Grande Conferência de Nova Iorque e do Comité Executivo da Conferência da União do Atlântico, algum tempo depois. Quando o Departamento Norte-Americano Negro da Associação Geral foi estabelecido em 1909, Humphrey foi apontado como um dos membros do Comitê Executivo.

A ascensão meteórica de Humphrey na Igreja Adventista continuou durante os anos 1910. Ele foi escolhido como um delegado da União Atlântica para a Assembléia da Associação Geral em 1913, a primeira de muitas vezes ele serviria nessa capacidade. No entanto, Humphrey não podia perder de vista os desafios que a questão racial apresentava a denominação adventista.

Humphrey continuou realizando reavivamentos na cidade de Nova York e, em 1920, sua igreja, a First Harlem Church, tinha cerca de seiscentos membros. Humphrey foi convidado para servir em mais posições de liderança na Grande Conferência de Nova York, e até o final de 1922, quatro igrejas negras estavam na Grande Conferência de Nova York, todas sob a supervisão de Humphrey. Os delegados de sua igreja eram frequentemente os únicos delegados negros nas sessões da conferência.

O primeiro Harlem continuou crescendo tão bem que nenhum edifício no Harlem era grande o suficiente para acomodar a crescente congregação. Então, em 1º de janeiro de 1924, o Harlem Number Two foi lançado. No decorrer do ano, seus membros foram 125. O evangelismo de Humphrey continuou a gerar novas igrejas, e sua influência entre o trabalho negro na Conferência era dominante. Sua influência, no entanto, não se limitou aos afro-americanos, como evidenciado por suas várias funções de liderança concedidas nas Sessões da Conferência da Grande Nova York.

Humphrey queria sair de Nova York e pediu aos líderes da igreja que o mudassem várias vezes. Ele foi rejeitado, no entanto, por causa do trabalho negro em Nova York estava prosperando por causa de seus esforços. Humphrey ainda estava angustiado com a questão da corrida.

Humphrey foi convidado a pregar na Sessão da Conferência Geral de 1922, certamente o ponto alto em seu ministério. Em seu sermão, Humphrey relatou o incidente de um irmão encorajando-o a deixar a igreja Adventista por causa do modo como os negros eram tratados na denominação. Humphrey afirmou que ele recusou categoricamente o irmão e nunca deixaria a igreja de Deus.

Humphrey batizou mais de 300 pessoas entre 1920 e 1927. A Primeira Igreja do Harlem foi a maior denominação adventista na Grande Conferência de Nova York e Humphrey estava pastoreando tanto ela como sua igreja filha, Número 2. Uma parte do vasto apelo de Humphrey era que o evangelho pregado era tanto social quanto teológico. Humphrey queria que os negros tivessem poder econômico e espiritual, então ele começou a promover um programa de auto-aperfeiçoamento chamado Utopia Park Benevolent Association (Utopia Park).

Utopia Park não se sentou muito bem com a liderança da Igreja Adventista – foi uma violação da política da Igreja Adventista, e os líderes da Igreja Adventista aprenderam sobre o projeto de uma forma indireta porque Humphrey não conseguiu informá-los sobre o projeto na frente. Quando os líderes da igreja procuraram obter detalhes completos do projeto de Humphrey, ele recusou, e quando ele se recusou a alterar seus planos a pedido dos líderes da igreja, Humphrey foi destituído de suas credenciais ministeriais. A congregação de Harlem de Humphrey, que quase unanimemente se solidarizou com ele, pouco tempo depois foi expulsa da denominação adventista. Subsequentemente, Humphrey estabeleceu uma organização religiosa negra independente, os adventistas do Dia do Sábado, que era composta pela maioria de seus antigos membros.

Fonte: http://www.blacksdahistory.org/james-k–humphrey.html

Por outro lado, o livro James K. Humphrey e os adventistas do Dia de Sábado, ainda não-traduzido para o português, conta sua história com detalhes que evidenciam a prática de racismo dentro da IASD. O autor do livro é R. Clifford Jones, professor associado da Andrews University em Berrien Springs, Michigan. Ele é o editor de Preaching with Power e é autor de artigos acadêmicos sobre o surgimento dos adventistas do Dia de Sábado.

Em James K. Humphrey e os adventistas do Dia de Sábado, Clifford Jones conta a verdadeira história dessa importante figura religiosa negra e sua tentativa de promover a autodeterminação dos negros do século XX na cidade de Nova York.

Humphrey era um ministro batista que se juntou à Igreja Adventista do Sétimo Dia (SDA) pouco depois de chegar à cidade de Nova York da Jamaica na virada do século XX. Líder de competência e carisma incomuns, Humphrey trabalhou como ministro adventista no Harlem durante o período em que a comunidade se tornou a capital negra dos Estados Unidos.

Embora ele tenha levado sua congregação a uma posição de destaque dentro da denominação adventista, Humphrey chegou a acreditar que a experiência negra no adventismo era de privação de direitos. Quando ele se recusou a alterar seus planos para uma comunidade utópica para os negros em face da dissidência dos líderes da igreja adventista, as credenciais ministeriais de Humphrey foram revogadas e sua congregação dissolvida. Posteriormente, Humphrey estabeleceu uma organização religiosa negra independente, os adventistas do Dia do Sábado.

Este livro resgata os Adventistas do Dia do Sábado da obscuridade. A ruptura de Humphrey com os adventistas do sétimo dia fornece pistas sobre o estado das relações entre negros e brancos na denominação da época. Preparou o cenário para a criação da estrutura administrativa separada para os negros estabelecida pela igreja adventista em 1945. Essa história de um ministro e sua igreja demonstra as lutas de pequenas congregações negras independentes na comunidade urbana durante o século XX.

Faça o download do livro em inglês:

R. Clifford_Jones — James K. Humphrey and the Sabbath Day Adventist…

R._Clifford_Jones_James_K._Humphrey_and_the_Sabbath-Day-Adventist

Sobre Max Rangel

Servo do Eterno, Casado com Arlete Vieira, Pai de 2 filhas, Analista de Sistemas, Fundador e Colunista do site www.religiaopura.com.br.

Além disso, veja também:

O lado oculto da NASA: Mais de 60 anos de fraudes e mentiras satânicas

Há pouco mais de 60 anos, no dia 29 de julho de 1958, a NASA …

Foguetes da NASA foram acesos com chamas do Inferno, mesmo assim pastores adventistas aplaudem a suposta conquista do Espaço

 “Anjo Estranho”: O mago do ocultismo sexual que enviou a América ao Espaço, ganha …

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.