Pesquisa sugere que enorme “oceano” escondido abaixo da superfície da Terra esteja ligado a terremotos de foco profundo

A causa dos terremotos mais profundos da Terra tem sido um mistério para a ciência por mais de um século, mas uma equipe de cientistas pode agora ter desvendado o caso. Uma nova pesquisa fornece evidências de que os fluidos desempenham um papel fundamental em terremotos de foco profundo – que ocorrem entre 300 e 700 quilômetros abaixo da superfície da Terra.

“Eles voluntariamente ignoram isto, que pela palavra de Deus já desde a antiguidade existiram os céus, e a terra, que foi tirada da água e no meio da água subsiste. Pelas quais coisas pereceu o mundo de então, coberto com as águas do dilúvio, Mas os céus e a terra que agora existem pela mesma palavra se reservam como tesouro, e se guardam para o fogo, até o dia do juízo, e da perdição dos homens ímpios.” — 2 Pedro 3:5-7

Um grande “oceano” escondido no manto da Terra  pode estar provocando terremotos que se originam nas profundezas do interior do planeta. Isso é o que pesquisadores do Carnegie Institute for Science e da University of Alberta, no Canadá, sugerem em seu estudo, que liga fluidos presos em rochas no subsolo aos chamados terremotos de foco profundo.

Os pesquisadores detalharam suas descobertas em um artigo publicado em 26 de maio na revista  AGU Advances .

O que causa terremotos de foco profundo?

Terremotos de foco profundo são terremotos que ocorrem entre 185 e 435 milhas abaixo da superfície da Terra. Detectados pela primeira vez na década de 1920, esses terremotos continuam a confundir os cientistas até hoje.

“O grande problema que os sismólogos enfrentaram é como é possível que tenhamos esses terremotos de foco profundo”, disse a co-autora Lara Wagner.

Normalmente, os terremotos ocorrem perto da superfície depois que a tensão se acumula entre dois blocos de rocha. Quando uma tensão suficiente se acumula, faz com que este par de rochas deslize repentinamente e deslize uma pela outra, provocando terremotos.

Mas pressões intensas nas profundezas da Terra criam atrito demais para que esse deslizamento ocorra. As temperaturas extremas também aumentam a capacidade das rochas de se deformarem e acomodar as mudanças de tensões.

“Depois de descer algumas dezenas de quilômetros, torna-se incrivelmente difícil explicar como estamos escorregando em uma falha quando o atrito é tão incrivelmente alto”, acrescentou Wagner.

Uma pesquisa recente descobriu que um reservatório de água se esconde a mais de 400 milhas abaixo da superfície . Este reservatório tem três vezes o volume do que é encontrado na superfície, mas não é um mar subterrâneo real. Em vez disso, toda a água nas profundezas da Terra está presa dentro de rochas chamadas ringwoodites.

Estas são rochas brilhantes e azuis formadas sob altas temperaturas e pressões no manto da Terra. A água que eles seguram é espremida para fora deles, de modo que as rochas parecem suar.

Ao mesmo tempo, estudos sugeriram que a água retida no subsolo desempenha um papel na geração de terremotos de profundidade intermediária, que ocorrem entre 45 e 185 milhas abaixo do solo. Esses estudos mostraram que a água liberada de minerais enfraquece a rocha ao redor da falha e permite o deslizamento de placas de rocha.

Mas os cientistas não estavam convencidos de que isso pudesse explicar terremotos de foco profundo, devido à noção de que os fluidos não conseguiriam descer o suficiente para o interior do planeta. Wagner e seus colegas desafiaram essa noção em seu estudo, observando que alguns diamantes raros se originam nas mesmas profundezas dos terremotos de foco profundo.

“Os diamantes se formam nos fluidos”, explicou Wagner. “Se os diamantes estão lá, os fluidos estão lá.”

Em busca de evidências de água no interior profundo da Terra

Os diamantes contêm pedaços de minerais que os pesquisadores amostraram para confirmar a presença de fluidos. Esses minerais, também conhecidos como inclusões, ficam presos nos diamantes durante sua formação. Eles tornam as joias mais baratas, mas são inestimáveis ​​para os geólogos, pois fornecem uma visão geral do interior profundo do planeta.

Nos diamantes que os pesquisadores estudaram, as inclusões tinham a assinatura química distinta de materiais semelhantes encontrados na crosta oceânica da Terra. Isso indicou que a água e outros materiais encontrados nas profundezas do planeta não foram criados lá. Em vez disso, eles foram carregados para baixo como parte de uma placa oceânica que afunda.

Os pesquisadores então simularam as temperaturas de placas de rocha que afundam em profundidades muito maiores do que as que haviam sido tentadas antes. Isso era para mostrar que os minerais aquíferos incorporados nessas placas seriam capazes de reter água mesmo quando submetidos ao intenso calor e às pressões do interior profundo da Terra.

Nas simulações, os minerais em placas tectônicas intensamente aquecidas não conseguiram reter água. Mas aqueles em placas oceânicas mais frias  foram capazes de transportar água até as profundezas associadas a terremotos de foco profundo. Quando os pesquisadores compararam suas simulações com dados sismológicos da vida real, eles descobriram que essas placas oceânicas também eram aquelas que experimentavam terremotos de foco profundo. (Relacionado:  rochas pegajosas nas profundezas da falha de San Andreas geram terremotos silenciosos, conclui o estudo .)

Essas descobertas levaram os pesquisadores a concluir que os fluidos que sobrevivem à viagem para o interior da Terra são ativados ou estão relacionados a terremotos de foco profundo.

Fonte: https://www.naturalnews.com/2021-06-04-ocean-in-earths-mantle-causes-earthquakes.html

Enorme ‘oceano’ descoberto nas profundezas da superfície da Terra

Um reservatório de água três vezes o volume de todos os oceanos foi descoberto nas profundezas da superfície da Terra. A descoberta pode ajudar a explicar de onde vieram os mares da Terra.

A água está escondida dentro de uma rocha azul chamada ringwoodita que fica 700 quilômetros abaixo do solo no manto, a camada de rocha quente entre a superfície da Terra e seu núcleo.

O enorme tamanho do reservatório lança uma nova luz sobre a origem da água da Terra. Alguns geólogos pensam que a água chegou em cometas quando eles atingiram o planeta , mas a nova descoberta apóia uma ideia alternativa de que os oceanos gradualmente vazaram do interior da Terra primitiva .

“É uma boa evidência de que a água da Terra veio de dentro”, diz Steven Jacobsen, da Northwestern University em Evanston, Illinois. A água oculta também pode atuar como um amortecedor para os oceanos na superfície, explicando por que eles permaneceram do mesmo tamanho por milhões de anos.

Pingando o planeta

A equipe de Jacobsen usou 2.000 sismômetros para estudar as ondas sísmicas geradas por mais de 500 terremotos. Essas ondas se movem por todo o interior da Terra, incluindo o núcleo, e podem ser detectadas na superfície. “Eles fazem a Terra soar como um sino por dias depois disso”, diz Jacobsen.

Ao medir a velocidade das ondas em diferentes profundidades, a equipe conseguiu descobrir por quais tipos de rochas as ondas estavam passando. A camada de água revelou-se porque as ondas abrandaram, visto que demoram mais para atravessar a rocha encharcada do que a rocha seca.

“Devemos ser gratos por este reservatório profundo”

Jacobsen calculou com antecedência o que aconteceria com as ondas se a ringwoodita contendo água estivesse presente. Ele cultivou ringwoodite em seu laboratório e expôs amostras dela a pressões e temperaturas massivas que se equiparam às de 700 quilômetros abaixo.

Com certeza, eles encontraram sinais de ringwoodita úmida na zona de transição 700 quilômetros abaixo, que divide as regiões superior e inferior do manto. Nessa profundidade, as pressões e temperaturas são ideais para espremer a água da ringwoodita. “É uma rocha com água ao longo dos limites entre os grãos, quase como se eles estivessem suando”, diz Jacobsen.

Úmido lá embaixo

A descoberta de Jacobsen apóia um estudo recente de Graham Pearson, da Universidade de Alberta em Edmonton, Canadá. Pearson estudou um diamante da zona de transição que havia sido carregado para a superfície em um vulcão e descobriu que ele continha ringwoodita contendo água, a primeira forte evidência de que havia muita água na zona de transição ( Nature , doi.org/ s6h ).

“Desde nosso relatório inicial de ringwoodita hidratada, encontramos outro cristal de ringwoodita, também contendo água, então a evidência agora é muito forte”, diz Pearson.

Até agora, Jacobsen só tem evidências de que a rocha aquosa fica abaixo dos EUA. Ele agora quer descobrir se isso envolve todo o planeta.

“Devemos ser gratos por este reservatório profundo”, diz Jacobsen. “Se não estivesse lá, estaria na superfície da Terra, e o topo das montanhas seria a única terra aparecendo.”

Referência do periódico: Science , DOI: 10.1126 / science.1253358

Fonte: https://www.newscientist.com/article/dn25723-massive-ocean-discovered-towards-earths-core/

Sobre Max Rangel

Servo do Eterno, Casado, Pai de 2 filhas, Analista de Sistemas, Fundador e Colunista do site www.religiaopura.com.br.

Além disso, veja também:

A Conspiração de Genesis 6: Amalequitas, um povo amaldiçoado

Este longo vídeo de nosso amigo Dr. Afonso Vasconcelos, doutor em geofísica, cristão nazareno, corresponde …

A Conspiração de Gênesis 6: A conquista de Jericó provou que Israel era apoiado pelo Criador do Universo

Este novo vídeo de nosso amigo Dr. Afonso Vasconcelos, doutor em geofísica, cristão nazareno, corresponde …

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.