Iníco / Ecumenismo / Isaac Newton e a Trindade — Parte 5: O que Michelson Borges não contou pra você!

Isaac Newton e a Trindade — Parte 5: O que Michelson Borges não contou pra você!

A Trindade é um tópico complexo e sei que Isaac Newton estudou profundamente sobre ele, e que seus pontos de vista eram um tanto contrários às doutrinas convencionais ensinadas hoje. Por isso, fiquei curioso sobre qual é a visão dele e o que é diferente da teologia protestante e católica convencional.

Sir Isaac Newton, o humano mais inteligente, além de Jesus, que já viveu e um dos maiores teólogos do mundo, na opinião de alguns, diz que a doutrina da trindade é apóstata e blasfema. Ele estudou por anos e rastreava desde o início.

Eu acho que é uma doutrina feita por honens e é uma grande apostasia. Fazendo com que a humanidade seja enredada em religião falsa. Citação de “ON NEWTON AND THE TRINITY” John Byl, Ph.D.

“Segundo Newton, o sétimo selo começou no ano de 380, quando o trinitarismo foi oficialmente ratificado no Conselho de Constantinopla. A grande apostasia não foi o romanismo, mas o trinitarismo, a falsa religião infernal , para citar as próprias palavras de Newton.”

SOBRE NEWTON E A TRINDADE

John Byl, Ph.D.

Nos últimos anos, vários estudiosos afirmaram que o eminente cientista Isaac Newton (1642-1727) negou um dos princípios básicos do cristianismo: a doutrina da trindade.

Em defesa de Newton

Essa acusação foi contestada pelo Dr. Hanson. 1 Após uma extensa leitura sobre Newton, Hanson descobre que a melhor demonstração do suposto anti-trinitarismo de Newton é pouco mais do que sua estreita associação com William Whiston, sucessor de Newton em Cambridge, que foi demitido em 1710 por motivos de seu arianismo. Hanson conclui:

Na minha leitura do que o próprio Newton escreveu, e analisando as alegações de seus detratores de biógrafo, acho que Newton é um cristão que acredita na Bíblia que se sentiria confortável em frequentar minha pequena igreja batista semi-rural de colarinho azul.

Segundo Hanson, os estudiosos sentem repulsa pela crença literal de Newton na Bíblia e se entristecem por os verdadeiros grandes cientistas serem cristãos. Daí a necessidade de “manchar, desacreditar e, finalmente, difamar Newton”.

Em seu editorial na mesma edição, o Dr. Bouw comenta que as evidências contra Newton são puramente circunstanciais, baseadas em amigos, associados e um folheto (não escrito por Newton) encontrado nos arquivos de Newton após sua morte.

Cadernos de Newton

Agora, eu concordo que todos os biógrafos têm seus preconceitos e que, particularmente nesta era, muitos são predispostos contra o cristianismo. Assim, devemos lê-los com discernimento. No entanto, devemos perguntar: o caso contra a ortodoxia teológica de Newton é realmente tão fraco? É apenas um caso duvidoso de culpa por associação e de evidência puramente circunstancial?

Eu me convenci de que há muito mais: foi afirmado que Newton é condenado por suas próprias palavras. Embora essas palavras não tenham sido publicadas durante sua vida, elas podem ser encontradas em seus cadernos particulares, nos quais ele registrou seus pensamentos teológicos pessoais.

Para um relato extenso do conteúdo desses cadernos, refiro o leitor a duas biografias muito recentes de Newton: Richard S. Westfall The Life of Isaac Newton ,2 e Gale E. Christianson Na Presença do Criador: Isaac Newton e Seus Tempos .3 Vou relatar brevemente um pouco do que esses autores escrevem sobre os cadernos de Newton, citando livremente de seus livros.

Em um caderno 4 é claro que, já no início dos anos 1670, Newton foi absorvido pela doutrina da Trindade. Sobre esse assunto, ele estudou extensivamente não apenas a Bíblia, mas também muitos dos Pais da Igreja. Newton traçou a doutrina da trindade até Atanásio (298-373); ele ficou convencido de que antes de Atanásio a Igreja não tinha doutrina trinitária. No início do século IV, Atanásio foi criticado por Arius (256-336), que afirmou que Deus, o Pai, tinha primazia sobre Cristo. Em 325, o Concílio de Nicéia condenou como herético os pontos de vista de Ário. Assim, visto por Newton, Atanásio triunfou sobre Arius ao impor a falsa doutrina da trindade ao cristianismo.

Newton afirmou ainda que, a fim de apoiar o trinitarismo, a Igreja deliberadamente corrompeu a Bíblia modificando textos cruciais. Por exemplo, Newton afirmou que as palavras conhecidas de 1 João 5: 7 (“há três que dão testemunho no céu, o pai, a Palavra e o Espírito Santo: e essas três são uma”) não estavam no original. , Bíblia pré-século IV (Newton, ao que parece, não era apenas um homem do rei James). Newton escreve que “os Pais… preferiram abandonar as Escrituras do que não condenar Ário”. Logo depois, uma corrupção universal do cristianismo seguiu a corrupção central da doutrina: no século IV, o trinitarismo contaminou todos os elementos do cristianismo.

O anti-trinitarianismo de Newton também é evidente em sua interpretação de Apocalipse. Segundo Newton, o sétimo selo começou no ano de 380, quando o trinitarismo foi oficialmente ratificado no Conselho de Constantinopla. A grande apostasia não foi o romanismo, mas o trinitarismo, “a falsa religião infernal”, para citar as próprias palavras de Newton.

Em outro documento particular (por volta de 1673), Newton redigiu uma lista de 12 pontos, que resume sua visão da natureza de Cristo.5 Ali ele declara explicitamente apenas o Pai como supremo; o Filho é um ser separado, diferente do Pai, tanto em substância quanto em natureza; Cristo não é verdadeiramente Deus, mas a chamada Palavra e Sabedoria é feita carne, divina para ter certeza, mas apenas na medida em que a divindade é comunicada pelo Pai.

Westfall e Christianson dão mais razões para acreditar que Newton é um seguidor de Arius. Mencionarei aqui apenas que, em relação à conexão de Newton com William Whiston, era mais que uma mera associação. Considere a observação de Whiston sobre Newton:

… ele havia descoberto cedo e completamente que a fé cristã antiga, em particular a Trindade, foi então (século IV) mudada; que o que há muito se chama arianismo não é outro senão o cristianismo antigo.6

Isso indica que Whiston acreditava que Newton tinha uma inclinação favorável ao arianismo. Dada a estreita interação entre Newton e Whiston, suspeita-se que o arianismo de Whiston tenha sido, pelo menos em parte, devido à influência de Newton.

Conclusão

Em resumo, acredito que o caso contra Newton é muito mais forte do que o avaliado por Hanson e Bouw. Isso não pode ser atribuído ao mero preconceito anticristão da parte dos biógrafos de Newton: há muita evidência condenatória nos textos particulares de Newton. A defesa de Newton como um cristão ortodoxo pode ser feita apenas declarando os biógrafos de Newton como fraudes definitivas. Pessoalmente, duvido que esses estudiosos permitissem seus preconceitos de tal forma que comprometessem sua reputação profissional: sua posição poderia ser facilmente desacreditada verificando as fontes originais. Na verdade, eu argumentaria que a responsabilidade recai sobre os partidários de Newton para fazer exatamente isso.

Concluo, portanto, que as evidências indicam que Newton era, com toda a probabilidade, um unitário. Uma conclusão decepcionante, pois sempre estimei muitos aspectos das obras de Newton. No entanto, por outro lado, devemos manter as coisas em uma perspectiva adequada. Também admirei muito Platão, Euclides, Arquimedes e vários outros não-cristãos. É inegável que os incrédulos podem fazer grandes conquistas, tanto nas artes quanto nas ciências. O homem, mesmo em seu estado decaído, ainda mantém algum vestígio da imagem de Deus. Além disso, os erros teológicos de Newton demonstram que mesmo grandes homens podem cometer erros graves. Sejamos discernidos, testando os espíritos à luz da Palavra inerrante de Deus, aceitando o que é bom e rejeitando o resto.

****************************************

Em relação aos métodos da cosmologia teórica, da lógica quântica e do conceito de verificação indireta, existe um “vácuo”, representado por um campo “denso” de subpartículas finais, na realidade física, devido às suas previsões de comportamento do sistema natural. Além disso, esse campo é tão “firme” quanto qualquer coisa que possa ser medida por qualquer meio natural, pois não é afetado por nenhum processo natural. O campo só pode ser influenciado por processos ultranaturais puros. — Professor Robert A. Herrmann
Math. Departamento, Academia Naval dos EUA

NOTAS E REFERÊNCIAS

1 Hanson, James N. 1996. “Newton Was Not an Arian”, Biblical Astronomer 6(75):31-32 (Winter 1996).

2 Richard S. Westfall, 1993. The Life of Isaac Newton. (Cambridge University Press).

3 Gale E. Christianson 1994. In the Presence of the Creator: Isaac Newton and His Times. (The Free Press: New York).

4 Christianson (p.253) refers to it as Keynes Ms.2, from the Keynes Manuscript Collection, King’s College, Cambridge, England.

5 Christianson (p.253) refers to Yahuda Ms.14, f.25, from the Yahuda Manuscript Collection, Jewish National Library, Jerusalem.

6 William Whiston Collections of Authentick Records Belonging to the Old and New Testament. (London, 1928) II:1077, as cited in Christianson (p.470).

Fonte: https://www.geocentricity.com/ba1/no077/newton-b.html

Sobre Max Rangel

Servo do Eterno, Casado, Pai de 2 filhas, Analista de Sistemas, Fundador e Colunista do site www.religiaopura.com.br.

Além disso, veja também:

Ivan Saraiva é rebatizado e novo escândalo sexual afasta líderes da UCB, enquanto leigos são excluídos pelo livre exame das Escrituras

 Em novo vídeo e textos postados no site do Congresso MV, nosso irmão Daniel …

A VERDADE POR TRÁS DA FARSA – AS ORIGENS DO HELIOCENTRISMO E A ADORAÇÃO AO SOL

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.