Antibíblia > Anticristo: Além do Papa e da Ciência, o STF brasileiro também quer ocupar o lugar de Deus

OPINIÃO

Para o Supremo Leviatã, não pode ter Bíblia na sala de estar

O Antigo Regime, na França, foi sendo abolido a partir de 1789. Entende-se por Antigo Regime, entre outras coisas, o espírito de Deus. Por mais que iluminados digam que a religião estava atrapalhando o avanço humanitário, a consequência foi essa: a morte de Deus, aos poucos.

Chegamos ao ponto em que a razão humana tem a audácia de julgar no lugar de Deus. Sem intermediários, autoridades terrenas que são nossos procuradores agem como se pudessem transformar a vida humana numa perfeição por eles idealizada. Quando esse poder está em mãos de autoridades judiciárias, isso chama-se juristocracia.

E a juristocracia, imbuída de um espírito totalitário, decide desde coisas mais simples às mais complexas, que vão da estética à ética e à política. Como enfeitar a sua casa é um dos exemplos do primeiro caso.

Fazer o quê se só os profetas enxergam o óbvio, não é mesmo?

Em homenagem a um Estado que não pode se intrometer em religião (laico), o Leviatã, digo, o STF, decidiu com a relatora ministra Carmem Lucia, que, em ação direta de inconstitucionalidade promovida ainda durante o governo Dilma Roussef, votou por declarar inconstitucional lei do Amazonas que obrigava escola a ter ao menos um exemplar da Bíblia.

Não proibiu, bem verdade, a existência de um exemplar da Bíblia em escolas e bibliotecas públicas, apenas decidiram por sua não obrigatoriedade. Mas, no fundo, é como se fosse um cancelamento do Livro Sagrado e, como pano de fundo, do próprio cristianismo. Aliás, esse sintoma de espírito materialista não é de hoje.

Acontece que o Supremo confunde conservação com pregação religiosa, ignorando a imensa e profunda sabedoria de fundo e história que traz o Livro Sagrado a todos que o leem, com seriedade ou não, crendo ou não.

O novo Leviatã quer que você tire a bíblia da mesa da sala. Sabem aquela bíblia que fica aberta no Salmo 91, que pode ser aberta a qualquer momento em momentos de crise? Pois é.

Somos obrigados a cultuar apenas os deuses pagãos que o Leviatã quer que cultuemos. A Bíblia é cancelada até como livro histórico ou de enfeite em espaço público. É isso que implica dizer.

Ao contrário dos chineses, somos privilegiados. O exercício da fé é um direito permitido pela Constituição. Mas a própria fé é um privilégio de poucos. Acreditar em absolutos, imutáveis e eternos é sinal de uma escolha num corpo coletivo dominado por idiotas materialistas.

Nelson Rodrigues tem uma frase espetacular num tom mais ou menos neste sentido: o mundo será dominado por uma certa “aristocracia” de idiotas. Uma aristocracia inversa, ou seja, não de poucos, mas de muitos sem capacidade de entender para além do próprio umbigo.

E não precisa ser conservador para ter uma Bíblia em casa. Nem todo conservador é religioso. O que importa é ocupar-se com a preservação dos valores cristãos que formam nossa cultura. Valores que até mesmo o mais fervoroso descrente pensa em conservar, só que o Leviatã não deixa.

Sérgio Mello. Defensor Público no Estado de Santa Catarina.

Fonte: https://www.jornaldacidadeonline.com.br/noticias/29421/para-o-supremo-leviata-nao-pode-ter-biblia-na-sala-de-estar

Sobre Max Rangel

Servo do Eterno, Casado, Pai de 2 filhas, Analista de Sistemas, Fundador e Colunista do site www.religiaopura.com.br.

Além disso, veja também:

60 anos de paixão adventista pelo Vaticano: Arthur S. Maxwell, quem diria!?

De acordo com a documentação do livro “Half a Century of Apostasy: The New Theology’s …

“Patrulheiro da Saúde” (Health Ranger) realiza análise microscópica ao vivo de coágulos de “bioestrutura projetada” coletados de vítimas falecidas de vacina covid

Por Ethan Huff As únicas pessoas que restaram para falar pelos que morreram devido à …

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.